.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Marcelo e Costa na Web Summit

Imagem sacada daqui
Marcelo Rebelo de Sousa, delirante no final da WebSummit: "Lisboa e Portugal tornaram-se na cidade e país chave da revolução tecnológica (...). Uns negaram a realidade, nós antecipámo-la (...) somos imparáveis".

"António Costa, artista da rádio e da televisão, a enaltecer os méritos e a virtude de trabalhar de borla... err... do voluntariado e a dar como exemplo o ministro da educação na Expo 98 e os milhões que gera para os bolsos do Cosgrave, do Covões, do Montez, e da Medina filha, as outras Expos privadas desta vida. Muito bom. Trabalhar de borla. Um gajo de esquerda. Que se diz de esquerda. Não lhe ocorreu dar a Festa do Avante! como exemplo. Fica para a próxima. E os estagiários, uns porque estão habituados ao "voluntariado", outros porque estão habituados a deixar o cérebro em casa, caladinhos de microfone esticado e sorriso imbecil na cara. Ser de esquerda dá trabalho."

Nota marginal.
Via Luís Osório
"Web Summit
Gente agitadinha que me dá sono

1.
Faltam poucas horas para se iniciar mais uma edição da Web Summit. Ao que parece todos os bilhetes (caros e baratos) foram vendidos. Muitas centenas de empreendedores de todo o mundo chegarão a Lisboa com ideias, cartões de visita e ambição. E muitas centenas de portugueses lá estarão também.
2.
Encontramos na Web Summit gente interessante, ideias novas e originais caminhos. Mas a Web Summit não celebra, ao contrário do que se pensa e diz, um mundo novo, o que celebra é o mais velho pecado humano: o da ambição. Fechar negócios, ser visto, entregar o cartão às pessoas certas.
3.
E ser aos olhos dos outros o que os outros esperam que se seja. Afirmativo, otimista, comunicador, global e vendedor (na maior parte dos casos de banha da cobra). Uma feira de gente adaptada a este tempo e que, na maior parte dos casos, se está a borrifar para o mundo. O que os atrai são os casos de sucesso, pessoas comuns transformadas em bilionários, o que os comove é a boa vida, o sucesso, as cotações de bolsa, os IPO’s.
4.
O que celebramos na Web Summit é também a tragédia de um tempo em que os problemas reais de milhões de pessoas são secundarizados face ao progresso do virtual e do advento de novos génios parecidos uns com os outros. Muito engraçados. Muito vivos. Muito egocêntricos. Muito cosmopolitas. Muito bem-postos, cheirosos e persuasivos. Muito high tech, muito crowdfunding, muito pitch, muito fablab, muito hub, muito kickstarter, muito tec labs, yield e zeal. E muito networking, o mais importante de tudo.
5.
Muito bom para Portugal ter a Web Summit. Mas não me peçam para glorificar um mundo que é feito do que parece. Gente muito agitadinha que me dá sono e vontade de não conhecer mais ninguém."

Sem comentários: