.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

domingo, 24 de novembro de 2019

Iluminações de Natal e preservação do ambiente...

Estamos na época de investir a engalanar as árvores, as ruas e avenidas da cidade. A quadra natalícia aproxima-se, e a acreditar no optimismo reinante, o executivo figueirense está sem medo de gastar na luz, no som, na cor e na alegria. 
O programa de animação de Natal e Passagem de Ano com "2020 motivos para visitar a Figueira da Foz", é uma opção do executivo figueirense. Podemos apoiar ou torcer o nariz a esta forma de autarcas gastarem o dinheiro. Estou em crer, porém, que a maioria da população do concelho, apoia esta opção política camarária.
Se não fosse a desoladora e deprimente anarquia urbanística da Figueira, com obras  que nunca mais acabam por todo o lado, até seria motivo de satisfação o cartaz oficial das Festas Natal e Passagem de Ano, que irão decorrer de 30 de novembro a 05 de janeiro, que foi divulgado na passada sexta-feira, 22 de novembro, em conferência de imprensa, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.
O orçamento das festividades deste ano  é de cerca de 243 mil euros, com a maior fatia reservada para a programação da passagem de ano (118 mil euros) e para as iluminações natalícias (cerca de 70 mil euros), uma redução de cerca de 34 mil euros, em relação a 2018.
Contudo, Carlos Monteiro frisou que tal traduz apenas a diminuição do número de dias de festividades. «Continuamos a querer que a cidade receba bem e que as pessoas voltem e desfrutem», referiu o autarca. .
O desgaste e a falta de novas ideias, é visível no actual executivo.
O que, por um lado, é lamentável, pois é o resultado da desgraça de um concelho, mas, ao mesmo tempo, também não deixa de constituir um sinal e motivo de esperança.

Em 2018, a Câmara de Viana do Castelo decidiu, abdicar da iluminação da maior árvore de Natal natural da Europa, que brilhou durante mais de 20 anos, para preservar um “exemplar classificado, património da cidade”.
“A araucária excelsa é uma árvore classificada e temos tido, nos últimos anos, muita dificuldade em encontrar formas de conseguir decorá-la sem que os ramos sofram com isso. Este ano, excepcionalmente, não vamos avançar com iluminação na árvore”, afirmou na altura a vereadora da Cultura.
Maria José Guerreiro, que falava em conferência de imprensa para apresentar o programa “Sentidos de Viana” 2018/2019, num investimento de 120 mil euros e com quase uma centena de iniciativas, explicou que a decisão foi tomada por motivos “ambientais”.
“Temos de pensar do ponto de vista ambiental. É um património natural que temos na nossa cidade assim como outros que temos de cuidar”, referiu.
Com mais de 50 metros de altura, a araucária excelsa foi, durante mais de 20 anos, iluminada com milhares de luzes, sendo vista em toda a cidade, num perímetro de vários quilómetros.
A instalação da decoração era assegurada, manualmente, apesar das fragilidades que o exemplar já apresentava.

Na Figueira, continuamos como no tempo em que cá chegou Santana Lopes: quando em noites de lua cheia ele apontava o dedo para a lua, os figueirenses olhavam para o dedo dele e ignoravam a lua.

1 comentário:

pereira disse...

bem dito. o fantasma destes tipos chama-se mesmo Santana. Bem dizem mal dele, mas só querem ser como ele. Só que não conseguem. falta-lhes a Cinha.