Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sexta-feira, 28 de junho de 2013

O Crime Ambiental de Belo Monte vai mesmo avançar, no Brasil…

O crime ambiental da mega-barragem de Belo Monte - a terceira maior barragem do mundo… a barragem antigamente chamada Kararaô e cujo projecto vinha já de 1975 e dos tempos da Ditadura militar… a barragem que vai desalojar etnias inteiras de Índios do Brasil… -, vai mesmo avançar… e só 140 humanos da etnia Munduruku agora o tentaram impedir, sem êxito…

Em 1989, o projecto foi parado, pelas movimentações populares, e por Raoni e os Txucarramães, e por Sting, e pelo I Congresso dos Povos Indígenas no Xingu, e pela opinião pública... mas, agora, em 2013 - neste tempo em que já não existe opinião pública… -, aquilo vai mesmo avançar…

Vai avançar, ao fim de algumas décadas, e de uma mudança de nome, e vai ser executado pelos governos do Brasil ditos "de Esquerda", de Lula da Silva e Dilma Roussef, os de um partido chamado PT (Partido dos Trabalhadores") célebre pelo escândalos de corrupção conhecidos como "Mensalão", etc.… O mesmo governo e o mesmo partido que estão a construir Estádios de Futebol e a dar ao Brasil, como "Desígnio Nacional" [sic], organizar um Campeonato de Futebol…

Não há dúvida de que, como dizia Eça de Queirós no século XIX, e Agostinho da Silva no século XX, o Brasileiro é "o Português desabrochado com o calor"… ou "o Português à solta"…
Como ninguém se esquece, em Portugal o inteligente e progressista Presidente da República que em 2003-2004 havia criado esse mesmo "Desígnio Nacional" [sic] da organização de um Campeonato de Futebol, para Portugal e os portugueses ("há vida para além do défice"…), também era um Presidente "de Esquerda"... e foi o mesmo que antes havia estado em 2000 na Bahia nas Comemorações dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil em que os Índios foram escorraçados pela polícia...

Agora, só 140 pessoas apareceram, para enfrentar este crime ambiental de dimensões planetárias.

Alfredo Pinheiro Marques
Professor de História do Brasil (1982-1996)

Sem comentários: