FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA. FIQUE EM CASA.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Cabras na cidade?.. Credo!.. Cimento, cimento, cimento…cimento...

Num texto magnífico, hoje publicado no jornal AS Beiras, que eu li na edição papel e vou tentar trazer aqui um resumo tanto quanto possível fiel, fiando-me na minha memória, Rui Curado da Silva lembra “que nos anos 60 do século passado a Figueira teve o privilégio de ter o aquitecto Alberto Pessoa e o paisagista Ribeiro Telles a pensar a cidade”.
Imaginaram “2 corredores verdes a acompanhar 2 pequenos cursos de água com origem na Serra. Um,  atravessava as Abadias, terminando no rio; o outro, corria até ao mar, atravessando o Vale da Ponte do Galante”.
No mesmo texto que estou a tentar resumir de memória, Rui Curado da Silva ressaltava que “os espaços verdes, em que a natureza trabalha por sua conta,  são naturais e comuns em  cidades alemães e na Europa do norte”.
Aqui na Figueira, ao que parece, outro dia foi um escândalo, para  certas pessoas, ver cabras a pastar nas Abadias!..
“Curiosamente – continuando a  citar de memória Rui Curado da Silva – houve quem se escandelizasse com as cabras, mas aprovou a urbanização e o hotel que assassinaram o corredor verde do Galante”.

Em tempo.
Polémicas à parte,  quando é que a  nova e moderna unidade hoteleira de quatro estrelas, com vistas para o mar e com a praia no outro lado da rua entra em funcionamento?
Com cerca de cinco dezenas de metros de altura, o edifício impõe-se à paisagem urbana da marginal oceânica, pelas dimensões e pela arquitectura.
A estalagem de 4 estrelas está mesmo a fazer falta, pois com a desmesurada procura que por aí anda, carradas de hóspedes (hoje, chama-se cliente a este tipo de freguesia…) poderão ser devidamente albergados e deliciar-se com a panorâmica sobre a marginal da cidade, a cavalo em 50  andaresque  deve ser  formidável, não nego, pelo menos enquanto  não há  mamarrachos iguais a empecê-la.
O mais será uma questão de gosto urbanístico. Ou de falta dele.

Sem comentários: