.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

A História

Hermano Saraiva à direita (na foto) de Américo Tomás. 
A protegê-los estão agentes da PIDE, essa conhecida organização de 
beneficência.Somos, tragicamente, um país sem memória.
“O historiador José Hermano Saraiva morreu hoje aos 92 anos.”
Em Portugal, quando morrem, todas as pessoas passam a ser  boazinhas, mesmo que tenham sido ministros do salazarismo!
Hoje, é dia de recordar a História.
“Terminava a manhã do dia 17 de Abril de 1969 e decorria a inauguração do Edifício das Matemáticas, na Universidade de Coimbra. Alberto Martins, Presidente da Direcção Geral da Associação Académica de Coimbra pede, em nome dos estudantes, a palavra ao Presidente da República, Américo Tomás.
Ia transmitir o sentimento geral em máximas como: "exigimos diálogo","educação para todos" e "estudantes no governo da Universidade". 
A palavra foi-lhe negada, Alberto Martins foi preso pela PIDE e, horas mais tarde, a polícia de choque foi largada sobre os estudantes que faziam uma vigília pacífica de solidariedade para com o dirigente preso. No dia 30 de Abril, o Ministro da Educação Nacional, José Hermano Saraiva, acusou os estudantes de desrespeito, insultos ao Chefe de Estado e do crime de sediação. Concluiu dizendo que a ordem seria restabelecida em Coimbra. 
E foi, em 25 de Abril de 1974.
Em tempo.
Seria interessante que a RTP/Memória mostrasse a gravação da intervenção televisiva de 30 de abril de 1969, na qual Hermano Saraiva fez graves acusações aos estudantes de Coimbra. 
Isto, por causa do rigor histórico.

Sem comentários: