quinta-feira, 21 de junho de 2007

Memória de um Homem


Estou muito mais pobre.
Foi esta tarde a enterrar, no cemitério de Buarcos, o meu Amigo Luís da Cruz Falcão Martins, um Homem bom, honesto, simples e de carácter.

Os homens de carácter são a consciência da sociedade a que pertencem. A medida natural dessa força é a resistência às circunstâncias.

O “velho” Falcão foi sempre um resistente.
Ainda há pouco tempo, em Abril deste ano, na última vez em que estivémos com ele, eu e o Alexandre Campos, pudemos verificar isso.
Até sempre Companheiro.

2 comentários:

P.B. disse...

Associo-me ao pesar aqui manifestado pelo Agostinho. O Falcão era um homem raro: Competente, culto, solidário e extremamente discreto!
Lembro-me, agora, do seu filho Luís, que foi meu colega de infantário e que morreu ainda criança.

alex campos disse...

O "Einstein", como amigavelmente o tratávamos, aludindo aos seus brancos e longos cabelos.
Um homem raro como diz o Pedro: nunca lhe ouvíamos uma crítica, mas a maneira como nos sugeria fosse o que fosse, na sua humildade, fazia-nos ver que o caminho não era bem aquele.
Sempre com um sentido de humor apurado, a dar-nos aquela força que nos momentos mais difíceis parecia que faltava.
Até sempre, Falcão.