quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Morreu o Homem que recusou o Big Brother

Sou um gajo que, aos sessenta, está de bem com a vida. 
Porém, houve coisas coisas das quais tive de desistir durante o percurso... 
Entre elas, uma profissão - jornalista... 
Bonitinho nunca rimou com Agostinho... 
Hoje, almocei com um Amigo de muitos anos: o Zé Quaresma. Foi através dele que tive conhecimento que Emídio Rangel, jornalista, fundador da TSF e antigo director-geral da SIC e da RTP, morreu nesta quarta-feira. Estava internado há várias semanas, devido a complicações provocadas por um cancro. 
Rangel começou a sua vida profissional na rádio, em Angola na década de 60. Veio para Portugal já depois do 25 de Abril, formou-se em História. Esteve 12 anos na Radiodifusão e em 1988 fez parte da equipa fundadora da TSF. 
Com o lançamento da televisão privada, Francisco Pinto Balsemão convida-o para director de Informação da SIC. 
Ali, acumulou depois também as funções de director de programas e assumiu o cargo de director-geral. Levou o canal à liderança das audiências num caminho fulgurante, chegando mesmo a mais de 50%. Mas acabou por sair numa altura em que a estação começou num caminho descendente de perda de audiências para a TVI, quando esta começou a emitir sucessivas edições do reality show Big Brother - cuja compra Rangel recusara. 
Para mim, Emídio Rangel foi o Homem que recusou o  Big Brother.
E não foi certamente por ter sido burro...
Ele sabia, melhor do que ninguém,  que a guerra das audiências existia - e vai existir sempre... 

Em tempo.
"Goste-se ou não, é indesmentível que  contribuiu de forma decisiva para uma nova forma de fazer jornalismo e de “ver” as notícias e o mundo através da rádio. Incómodo, irrequieto, irreverente, inovador, polémico e competente, via o jornalismo como um processo dinâmico em busca da notícia e da verdade.   Desgostava-o  a intrusão do Portugal Sentado na vida dos jornalistas. Nunca se conformou com o jornalismo reduzido ao exíguo espaço  das redacções.
A reportagem era a sua paixão e com uma delas venceu  um prémio Gazeta:  a vida na vila de Ereira, isolada durante o Inverno.  A viagem ao país profundo é uma marca que perdura na TSF.
Trocou a TSF ( rádio)  pela SIC (TV) em 1992 e lá deixou igualmente a sua marca. Consciente do poder da comunicação social, disse um dia que seria capaz de “vender um PR como se vende um sabonete”.  Muitos o criticaram, mas Emídio Rangel -  que também foi vendedor de enciclopédias quando  veio para Portugal- sabia do que estava a falar. O futuro viria a dar-lhe razão."

2 comentários:

Nelson Sousa disse...

Boa noite gostava de saber como posso ouvir esta reportagem "A reportagem era a sua paixão e com uma delas venceu um prémio Gazeta: a vida na vila de Ereira, isolada durante o Inverno. A viagem ao país profundo é uma marca que perdura na TSF." penso que seja uma reportagem da minha aldeia. desde ja agradeço .

o cu de judas disse...

provou que nem tudo vale, e ainda bem que recusou o bigbrother, esse exemplo triste da cultura de massas ou anti-cultura, programa mais rasca nunca vi e nada se aprende, só banaliza, e nem sei que entretimento tem, mais um produto da industria cultural que se dispensa. Conheço apenas de ouvir os comentários nos transportes públicos e em algumas revistas cor-de-rosa que passam pela minha mão, uma tristeza, só os participantes em si são um espanto.