Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»
A apresentar mensagens correspondentes à consulta galante ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta galante ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Galante – a Farsa – Retrato de incultura urbanística

foto Figueira na Hora
Na Figueira, há gente que continua a não se deslumbrar com as luzes do Paquete encalhado no GALANTE, apesar de a versão oficial do regime o considerar um "projecto sustentável"...

Luís Ramos Pena, na Voz da Figueira:
"Corria o ano de 2004 quando o edil local, coadjuvado por alguns vereadores, defendia “com unhas e dentes” a implantação de um “hotel de referência” para o terreno sito na Ponte do Galante.
O terreno em causa era municipal e tinha sido vendido através de hasta pública nos finais de 2001 com uma finalidade bem precisa: a construção de um hotel com 4 andares e com a classificação mínima de 4 estrelas.
A escritura propriamente dita só viria a concretizar-se em 26 de Junho de 2003, altura em que a empresa Imofoz, única concorrente à hasta pública, comprou de manhã o terreno por 1.850.540,20€ para, algumas horas depois, no mesmo dia, o ir vender à Fozbeach por 2.992.787,38€.
Entre a data da hasta pública, realizada no Município em 18/12/2001, e Junho de 2003 foi preparado, nas costas dos cidadãos, um plano de pormenor para permitir o edificado que hoje pode ser constatado no local e arrepia qualquer ser humano que tenha o mínimo de gosto e sensibilidade.
A confecção desse “prato” foi digna de um verdadeiro “chef”, com avental a rigor, e secretamente cozinhado com os melhores conselhos e pareceres encomendados aos vários patamares da administração pública. Com efeito, a elaboração do Plano de Pormenor da Ponte do Galante processou-se no maior sigilo, à revelia dos princípios de participação democrática das populações na elaboração dos planos, e portanto sem dar oportunidade aos munícipes de nele intervirem com as suas sugestões. Na proposta do Plano, a unidade hoteleira do pré-anunciado hotel – fundamento da suspensão – transita para hotel de apartamentos e, mantendo a mesma área de implantação, dos iniciais 4 passa para 16 pisos, aumentando exponencialmente a densidade prevista para o local.
Entretanto, a Câmara Municipal procedeu à desafectação de terrenos que continuam no uso público (passeios) para os poder vender directamente à Fozbeach, SA já na vigência da suspensão do Plano de Urbanização. Os cidadãos, na altura, mostraram a sua indignação, não tanto pela torre, agora acabada de inaugurar com pompa e circunstância, mas sobretudo pela vergonhosa envolvente pouco condizente e apropriada para acompanhar o denominado “hotel de referência”.
Os figueirenses foram insultados com a plantação dessa selva de betão composta por sete blocos de apartamentos e 298 fogos – alheia ao interesse público – e visando apenas o enriquecimento de um promotor.
Já na altura, estávamos em 2004, muitas vozes afirmavam que a Figueira tinha milhares de apartamentos devolutos. Custa muito ter razão antes do tempo, sobretudo vários anos antes do rebentar da crise em 2008…
Mas o poderio económico foi mais forte do que a razão dos cidadãos e o fenómeno da Ponte Galante ficará na história como um exemplo de escola do bom funcionamento do bloco central de interesses (elementos do PSD e elementos do PS, de nível superior, colaboraram intimamente para que o projecto florescesse).  
Infelizmente, os enormes erros urbanísticos cometidos nesta cidade, durante os anos 80 e 90, não serviram de emenda…
O Galante é um mero caso particular de uma síndrome nacional que arrasou a economia e o território para beneficiar um grupo ínfimo de “promotores”. Constituiu um oásis para o “pato bravismo” – há quem lhe chame “chico espertismo” – que, ao não conseguir na íntegra os seus objectivos, não se coibiu de emparedar algumas habitações contíguas ao empreendimento imobiliário.
Agora, em 2014, façamos votos para que venham centenas de charters com turistas chineses, russos ou quiçá angolanos, para fazerem a devida ocupação do hotel de apartamentos, tanto mais que, em vez de uma envolvente verde condigna, consta que há por ali uma envolvente cor-de-rosa com striptease…"

Jorge Tocha Coelho, no Diário de Coimbra

segunda-feira, 30 de junho de 2014

H, de “hipocrisia”...

foto Figueira na Hora
Santana Lopes fez um enorme esforço na promoção do concelho, captando mais turistas e tornando a Figueira numa referência no turismo nacional, para que se tornasse menos difícil convencer os grandes grupos hoteleiros a investir. Ainda assim, Duarte Silva, não teve tarefa fácil na captação desses investimentos.
Chegou a ser anunciado um hotel do Grupo Monte Belo, junto das Abadias, mas o investidor acabou por desistir. A única tentativa que deu frutos foi a do agora estreado Hotel da Ponte do Galante.
Duarte Silva, para alcançar este investimento, teve de permitir ao investidor a construção de cerca de trezentos apartamentos, o que causou um coro de críticas de vários sectores da sociedade civil e em especial dos vizinhos do empreendimento. O que é certo é que foi a única forma que o autarca encontrou para viabilizar uma grande unidade hoteleira. Discutível? Certamente, mas foi uma opção e a história o julgará por isso.
Na semana em que abriu portas, a comunicação social e a câmara foram convidadas a conhecer o Hotel. Não é que num enorme exercício de hipocrisia, à excepção de António Tavares, os membros do executivo camarário que no passado fizeram uma guerra sem quartel contra o empreendimento turístico, lá estavam todos?!
Quando foi para abrir o “champanhe”, lá foram deslumbrados cantar hossanas.”
Miguel Almeida, hoje no jornal AS BEIRAS.

Nota de rodapé.
Ao tempo que eu andava curioso por saber quem iria estar presente na inauguração do "babilónico edifício da Ponte Galante", como podem confirmar aqui, aqui e aqui...

sábado, 23 de agosto de 2008

Vale do Galante está ficar muito caro

A Câmara da Figueira da Foz já gastou, até á data, 200 mil euros em advogados no processo Vale do Galante.
Segundo o Sol, António Tavares, vereador socialista, diz não compreender «a real necessidade de a Câmara da Figueira contratar os serviços de advogados externos, quando tem um departamento jurídico e vários avençados».
Tavares frisa as «grandes dificuldades financeiras da Figueira da Foz, que tem um passivo de mais de 60 milhões de euros» para questionar a opção do presidente. «Isto é tanto mais estranho se pensarmos que no processo do Parque de Campismo os custos não ultrapassaram os cinco mil euros e o caso chegou ao Supremo Tribunal», comenta o vereador socialista.
Contactado pelo mesmo jornal, Duarte Silva explica a contratação dos serviços destes advogados de Lisboa com o facto de estarem «em causa serviços jurídicos complexos, de exigente qualidade, de trabalho intenso, feito de muitas diligências e muito estudo».
O autarca social-democrata sublinha que não está em causa a «confiança no departamento jurídico» da Câmara da Figueira – composto por quatro advogados –, mas sim «a complexidade e delicadeza das questões suscitadas» e «a importância do projecto da construção de uma unidade hoteleira de referência» na cidade.
Mas não foi só no processo administrativo que Duarte Silva contou com o apoio jurídico de Rodrigo Esteves de Oliveira. O jurista esteve presente no interrogatório – levado a cabo no DIAP de Coimbra – em que o autarca foi constituído arguido no âmbito de uma investigação relacionada com o Vale do Galante.
«Tanto quanto sei, o Eng. Duarte Silva ainda não tem outro advogado que o represente no processo-crime», admitiu ao SOL Esteves de Oliveira, afirmando não ser «um especialista em direito penal» e ter «apenas acompanhado» o presidente da Figueira Foz durante essa diligência.
Questionado pelo SOL sobre se este «acompanhamento» está ou não incluído nos serviços prestados à Câmara da Figueira, o advogado confessou não saber responder: «Tenho de colocar a questão ao presidente, para saber se ele quer pagar ou se, nos termos da Lei dos Eleitos Locais, prefere que seja a Câmara da Figueira a pagar». O SOL tentou esclarecer esta questão junto da Câmara da Figueira, mas o presidente esteve sempre incontactável.

sábado, 26 de julho de 2008

Foi requerida em tribunal a perda de mandato do presidente da Câmara da Figueira da Foz

Foto sacada daqui
O Movimento de Defesa do Vale do Galante, que contesta a construção de uma urbanização na Figueira da Foz, requereu em tribunal a perda de mandato do presidente da Câmara Municipal local, Duarte Silva (PSD).
A acção, interposta no dia 26 de Junho, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra, foi subscrita por cerca de três dezenas de populares com base na Lei n.º 27/96 (Tutela Administrativa das Autarquias) e na Lei de Acção Popular. Os contestatários pedem a perda de mandato do autarca por alegada "violação culposa dos instrumentos de ordenamento do território ou de planeamento urbanístico, por actos administrativos praticados pelo edil no ano de 2003 no âmbito do processo do Galante.”
Segundo o JN, “os factos que sustentam o pedido de perda de mandato reportam a actos relacionados com a escritura pública do terreno do vale do Galante, entre a Autarquia da Figueira da Foz e a empresa Imofoz (Grupo Amorim), onde está a ser construído um aparthotel de 16 andares e sete blocos de apartamentos, com um total de 300 fogos, na área adjacente.O empreendimento é contestado pelo movimento cívico e pela Oposição socialista e comunista na Câmara e Assembleia Municipal. Sobretudo, é contestada a revenda do terreno por um privado que, depois de o adquirir à Autarquia, vendeu-o no mesmo dia lucrando 1,1 milhões de euros. Também a suspensão parcial do Plano Director Municipal e do Plano de Urbanização da zona e a elaboração de um Plano de Pormenor são contestados.”
Recorde-se, que “por presumíveis indícios acerca da eventual autoria de crime em práticas urbanísticas, foram constituídos arguidos Duarte Silva e o ex-vice-presidente da CMFF Paulo Pereira Coelho.”
Sublinhe-se, porém, que “ambos os suspeitos desfrutam da presunção de inocência, cabendo ao Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Coimbra deduzir acusação ou proferir despacho de arquivamento do processo.”

terça-feira, 27 de maio de 2008

Manifestação contra o Mega - Empreendimento Imobiliário do Galante

Dia 31 de Maio de 2008 – Sábado - Concentração pelas 15 horas

Programa:

15:00h – Concentração de automóveis no Parque de estacionamento da Avenida de Espanha ( Parque das Gaivotas).

15:30h – Distribuição das viaturas a todo o perímetro à volta da zona abrangida pelo "Plano Pormenor do Vale do Galante", abrangendo a Avenida do Brasil, Rua Alexandre Herculano, Rua Almeida Garret e a Rua João de Barros.

16.00h – Imobilização das Viaturas, com a distribuição que antecede, e início do Buzinão.

16: 15h – Deslocação dos ocupantes de todas as viaturas, que permanecerão imobilizadas nas citadas ruas, até à Avenida do Brasil, em frente à edificação do Aparthotel de apartamentos e ao "Oásis".

16:30h - Leitura de comunicado à imprensa escrita e falada.

Figueirenses, Não Faltem!!! É altura de dizer basta.

* As viaturas participantes na Manifestação deverão ter uma fita negra na antena.

O teu Movimento Cívico de Defesa do Desenvolvimento Sustentável do Vale do Galante (M.C.D.D.S.V..G.)

sexta-feira, 15 de maio de 2020

A pesada herança do edifício "O Trabalho”...

Via Nelson Fernades
CONTRIBUTO (SEM CANDURA) PARA A COMPRENSÃO DO EDIFÍCIO “O TRABALHO”
"Volta agora a discussão sobre o edifício “O Trabalho”. E parece que mais uma vez se aponta como solução a compra do edifício pela Câmara, para depois demolir. Portanto a Câmara gastava na compra, na demolição e nas obras para utilizações futuras. E o proprietário recebia dinheiro pelo mono. E pelos antecedentes talvez pegue.
David Monteiro, num recente escrito dizia do edifício como centro comercial. “A ideia era interessante: um edifício no centro da Figueira, construído para albergar comércio, escritórios, estacionamento coberto e habitação. Para mais, estávamos no tempo da explosão das superfícies comerciais e a Figueira, evidentemente, não passou ao lado deste fenómeno”. Isto é, um dia alguém passou por ali olhou para aquele espaço e pensou. Aqui ficava bem um centro comercial. E vai daí construiu-se o edifício.
A análise de David Monteiro, e outras que tenho lido são de uma angelical candura. Porque há uma realidade subjacente que não é tão inócua quanto se pode pensar. Analisar o edifício “o Trabalho” isoladamente, sem o enquadrar no plano mais vasto da urbanização da Figueira da Foz do tempo é confundir a árvore com a floresta.
Dois pressupostos prévios. Não havia Plano Diretor Municipal, nem a Lei do Financiamento das Autarquias Locais estava em vigor. O autofinanciamento estava em voga, sobretudo através da venda de património. Para urbanização vendiam-se terrenos municipais, e autarquia que não tivesse terrenos vendia ar, através das construções em altura. Por outro lado o turismo de massas tinha os seus exemplos na Quarteira ou em Troia, pelo que a Figueira haveria que entrar na moda.
Sem falar das urbanizações dos subúrbios, (Tavarede, Vila Verde) ou na Encosta Sul da Serra da Boa Viagem, a malha urbana mais afetada foi a Marginal Oceânica, e, no seu seguimento a parte norte da Esplanada Silva Guimarães, e ainda o quarteirão do Hotel Portugal. A transformação da Marginal Oceânica iniciou-se com a construção do Hotel Atlântico, do lado sul, e depois de algumas vicissitudes, o edifício do J. Pimenta a Norte. Estes dois edifícios funcionaram como baliza para as cérceas. Assim estas, passaram então de seis andares para doze, e mais tarde completou-se a urbanização do gaveto na rotunda da Ponte do Galante, entre a rua de Buarcos e a Avenida 25 de Abril para sul. Com a urbanização do quarteirão do Hotel Portugal, e ainda com a “modernização” do edifício do Casino, ficou pronta a primeira fase da transformação que á época se desenhou para a Figueira da Foz.
Mas havia uma segunda fase que seria a Marginal Ribeirinha. Esta marginal envolvia a parte sul da Esplanada Silva Guimarães, o Mercado Municipal e os edifícios adjacentes, onde funcionava um colégio de freiras, casas de habitação e comércio. O edifício “o Trabalho”, e um outro prédio (o edifício Foz) situado no gaveto entre a rua da Liberdade e a rua Académico Zagalo, são a parte visível, deste projeto para a zona ribeirinha. Tal como para a Marginal Oceânica foram traçadas balizas a norte e a Sul, estes dois edifícios eram as balizas da urbanização virada á foz do rio.
Houve na realidade um contrato entre a Câmara e o promotor imobiliário, contrato esse que ainda hoje anda pelos tribunais, que envolvia a alienação do Mercado Municipal, cedendo a Câmara terrenos para a construção de novo mercado nos terrenos a norte do Parque das Abadias. Este, no seguimento da aquisição dos terrenos do mercado, adquiriu, por permuta, o colégio das freiras, (construindo o edifício da Casa de Nossa Senhora do Rosário na Rua José da Silva Ribeiro), e outros edifícios com limites no Passeio Infante D. Henrique e na Rua Francisco António Dinis.
Tal projeto foi inviabilizado porque os figueirenses se opuseram num movimento que abrangeu parte importante da sociedade da época, e obrigou a Câmara a abortar tal plano. Com efeito o Bairro Novo ficou praticamente sem residentes, o Casino alterou a sua oferta, o espaço para atividades terciárias foi exagerado, e o modo de estar dos “banhistas” alterou-se por completo. E do ponto de vista estético, estes prédios, incluindo o Casino obviamente, e também o posterior edifício da Ponte do Galante, noutra era, são daqueles que nenhum arquiteto reivindica a paternidade.
Em resumo, o edifício “O Trabalho” é o remanescente de uma urbanização abortada que compreendia mais cinco edifícios no espaço do Mercado Municipal e outro, ou outros, na parte do Passeio Infante D. Henrique.
Se deve ir abaixo ou não, confesso que não sei. Mas que não deve haver injeção de dinheiros públicos, não! Que o Hotel Atlântico é um caso de remodelação de sucesso, é! Que o proprietário deve ser o responsável pela solução, deve! Que enquanto não encontrar a solução deve ser bem sobrecarregado com IMI, e com a fiscalização severa do estado de conservação do prédio, deve!"
Nota.
Depois de ler, atentamente, como sempre, Nelson Fernandes, na minha opinião, o melhor membro político que passou pela Assembleia Municipal figueirense, continuei com uma dúvida.
Ana Carvalho, sábado passado, no Diário as Beiras, sobre este assunto começou assim a sua crónica. Passo a citar:
"Antes de se apresentar uma solução, há que perceber um pouco da situação do malfadado edifício “O Trabalho”.
Este edifício obteve aprovação do projecto em 1987, em reunião de câmara com 5 votos a favor de vereadores de todos os partidos, PS, PSD, PRD e PCP, tendo a obra sido finalizada em 1992."
Será que isto tem algum fundamento histórico? Citando Miguel Almeida, este é "um Edifício que é um Trabalho"!

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Temos que nos consciencializar, de uma vez por todas, que a poluição deu cabo da qualidade de vida na nossa cidade...

Conforme pode ser lido hoje no jornal AS BEIRAS, com chamada de primeira página e tudo, dando voz à concessionária de água e saneamento do concelho, Águas da Figueira, os "odores de esgotos na Ponte do Galante vão ser eliminados"...
Tarefa muito difícil, digo eu...
A foto à direita, é dos anos sessenta do século passado. Recorda as casas que ocupavam o espaço onde foi construído o hotel, na foto da esquerda, e que tanta polémica provocou... Numa avenida junto ao mar, dos prédios de primeiro andar, passou-se para um  edifício com 16 pisos. Quem manda na Figueira, pôde. Ponto final.

A não esquecer a fita que continua em exibição no mesmo local: Galante – a Farsa – Retrato de incultura urbanística.
Há imagens que ficam para sempre.
E fica-nos na memória porque são de uma subtileza enorme. Tudo sugerem...
E é precisamente aí que reside o enorme poder de fixação que provocam em todos os que recordam esta fita.
Na verdade, para quem costuma estar atento ao pulsar da Figueira ao longo dos tempos, impossível esquecer esta imagem. 
Tornou-se numa imagem de marca da Figueira, pós 25 de Abril, a que não podemos fugir, pois ela impõe-se-nos de uma forma incontornável... 
Seria imperdoável não lhe prestarmos a atenção devida.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Lembram-se das Abadias antes das cabras?..

Num texto magnífico, publicado quinta-feira,13 de junho de 2013 no jornal AS Beiras, que eu li na edição papel e vou tentar trazer aqui um resumo tanto quanto possível fiel, fiando-me na minha memória, Rui Curado da Silva lembra “que nos anos 60 do século passado a Figueira teve o privilégio de ter o arquitecto Alberto Pessoa e o paisagista Ribeiro Telles a pensar a cidade”.
Imaginaram “2 corredores verdes a acompanhar 2 pequenos cursos de água com origem na Serra. Um,  atravessava as Abadias, terminando no rio; o outro, corria até ao mar, atravessando o Vale da Ponte do Galante”.
No mesmo texto que estou a tentar resumir de memória, Rui Curado da Silva ressaltava que“os espaços verdes, em que a natureza trabalha por sua conta,  são naturais e comuns em  cidades alemães e na Europa do norte”.
Aqui na Figueira, ao que parece, outro dia foi um escândalo, para  certas pessoas, ver cabras a pastar nas Abadias!..
Curiosamente – continuando a  citar de memória Rui Curado da Silva – houve quem se escandalizasse com as cabras, mas aprovou a urbanização e o hotel que assassinaram o corredor verde do Galante”.

Em tempo.
Antes de junho de 2013, a erva das Abadias era tão boa que nem se podia jogar futebol em cima dela.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A ironia da questão em torno da transparência figueirense

No passado dia 24 de Outubro de 2013, na reunião de Câmara realizada nessa manhã, os figueirenses ficaram a saber que foi aprovada a proposta para realização de reuniões de Câmara às primeira e terceira segunda-feiras de cada mês. Como novidade, a primeira reunião de Câmara ficará vedada à presença de público e imprensa.
Nesse dia, ficámos também a saber que a primeira reunião não terá transmissão via internet, só a segunda."
A “coisa”, como seria de esperar  tornou-se polémica. Houve comunicados do PSD e do PS.  
Há coisas que acontecem na Figueira que, pelo menos para mim, são estupidamente irónicas.
Pelo menos, é assim que eu apenas as quero ver.
Passados seis dias, no dia 30 do mesmo mês de Outubro de 2013, aparece na  imprensa o seguinte: “O município da Figueira da Foz é o melhor classificado num 'ranking' de transparência municipal onde a média das 308 câmaras é de apenas 33 pontos num máximo de 100, revelou hoje a Transparência e Integridade Associação Cívica (TIAC).”
Não acham isto, no mínimo, estupidamente irónico?..
Eu, confesso que achei...
Ontem, ao fim da tarde, em conversa com um figueirense, meu Amigo de há longos anos  - e  dos mais informados e atentos que conheço, disse-me ele, a propósito das reuniões à porta fechada: “isto é engraçado, no momento em que a Figueira apareceu como a cidade mais transparente, o presidente da câmara quis a primeira reunião à porta fechada!..”
E, logo de seguida, surge a dúvida: “já não me recordo bem, primeiro foi a decisão da reunião da câmara, ou primeiro foi a notícia da transparência?..”
Como vimos acima - e pode ser comprovado através dos links: a reunião da câmara foi a 24 de outubro e a notícia surgiu a 30 do mesmo mês.
Confusão desfeita, hoje ao ler As Beiras – outra coincidência irónica –, deparo-me com uma oportuna crónica assinada pelo Rui Curado da Silva. 
Dado o seu manifesto interesse e oportunidade, não resisto a citá-la.

Rui Curado da Silva
“Constato a euforia com que se louva a classificação de página internet mais transparente atribuída à Câmara Municipal apesar da nota atribuída ter sido um suficiente (imaginem as páginas do resto país...). No entanto, considero que estes serviços também são importantes, sobretudo porque leio as atas disponíveis na página.
Justamente por ler essas atas, reforcei a convicção que durante a última década deveria ter havido muito mais transparência na política do município. E essa forma de transparência é bem mais importante do que a transparência da página internet.
Em nome da verdadeira transparência porque não criamos uma comissão de inquérito interpartidária para analisar ao detalhe quem ganhou e quem perdeu nos negócios do Vale do Galante ou do Foz Village? Vamos ouvir pessoas, analisar documentos, identificar para onde fluiu o dinheiro (no caso do Galante um milhão de euros não se esconde debaixo de um tapete). As personagens envolvidas estão mais ricas ou mais pobres? Fugiram ou continuam por cá? Isto é que seria transparência a sério.
Como é que o cantor Mico da Câmara Pereira passa pela Figueira deixando um rasto de dívidas atrás de si? Houve algum responsável político a dar-lhe cobertura? E as campanhas partidárias milionárias que se praticam na Figueira são financiadas por quem e com que intenções?
Há negócios brilhantes na Figueira que dão muito mais lucro do que o esperado ou trata-se apenas de enriquecimento ilícito?”

Ora confessem lá: depois de terem lido este texto do Rui Curado da Silva, não acham a transparência, na Figueira, uma "coisa" muito irónica?..

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Cabras na cidade?.. Credo!.. Cimento, cimento, cimento…cimento...

Num texto magnífico, hoje publicado no jornal AS Beiras, que eu li na edição papel e vou tentar trazer aqui um resumo tanto quanto possível fiel, fiando-me na minha memória, Rui Curado da Silva lembra “que nos anos 60 do século passado a Figueira teve o privilégio de ter o aquitecto Alberto Pessoa e o paisagista Ribeiro Telles a pensar a cidade”.
Imaginaram “2 corredores verdes a acompanhar 2 pequenos cursos de água com origem na Serra. Um,  atravessava as Abadias, terminando no rio; o outro, corria até ao mar, atravessando o Vale da Ponte do Galante”.
No mesmo texto que estou a tentar resumir de memória, Rui Curado da Silva ressaltava que “os espaços verdes, em que a natureza trabalha por sua conta,  são naturais e comuns em  cidades alemães e na Europa do norte”.
Aqui na Figueira, ao que parece, outro dia foi um escândalo, para  certas pessoas, ver cabras a pastar nas Abadias!..
“Curiosamente – continuando a  citar de memória Rui Curado da Silva – houve quem se escandelizasse com as cabras, mas aprovou a urbanização e o hotel que assassinaram o corredor verde do Galante”.

Em tempo.
Polémicas à parte,  quando é que a  nova e moderna unidade hoteleira de quatro estrelas, com vistas para o mar e com a praia no outro lado da rua entra em funcionamento?
Com cerca de cinco dezenas de metros de altura, o edifício impõe-se à paisagem urbana da marginal oceânica, pelas dimensões e pela arquitectura.
A estalagem de 4 estrelas está mesmo a fazer falta, pois com a desmesurada procura que por aí anda, carradas de hóspedes (hoje, chama-se cliente a este tipo de freguesia…) poderão ser devidamente albergados e deliciar-se com a panorâmica sobre a marginal da cidade, a cavalo em 50  andaresque  deve ser  formidável, não nego, pelo menos enquanto  não há  mamarrachos iguais a empecê-la.
O mais será uma questão de gosto urbanístico. Ou de falta dele.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Galante...


António Cerejo Bastos, de 55 anos, ex-administrador da SAD da União de Leiria, está escondido algures no Dubai. 
Recorde-se,  que o empresário, principal promotor do aparthotel do Galante, foi condenado a 13 anos de cadeia por ter morto um assaltante que entrou na sua empresa para roubar gasóleo. Apanhado por elementos da GNR, estava já preso e algemado quando António Bastos disparou uma arma que levava consigo, tendo-o morto.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Ponte Galante, um "elefante branco", resultado de uma enorme suspeita de corrupção que varreu a Figueira no início deste século XXI…


Conclusão do hotel e dos apartamentos do empreendimento da Figueira da Foz depende de um fundo imobiliário da Caixa Geral de Depósitos, numa altura em que um dos sócios da empresa promotora está fugido à justiça. 
A Secretaria de Estado do Turismo prorrogou a validade turística prévia ao Hotel Apartamentos Oásis Plaza até 31 de agosto de 2013. Mas, se não abrir antes daquela data, perde os fundos do Turismo de Portugal. 
A unidade hoteleira está praticamente concluída, faltando o mobiliário e os acabamentos.
Segundo um texto ontem publicado no diário AS BEIRAS, o presidente da Câmara da Figueira da Foz está moderadamente optimista em relação à conclusão do empreendimento hoteleiro e habitacional da Ponte do Galante. "Tenho um optimismo moderado", disse João Ataíde, convidado do programa "Estado concelho", da Figueira TV.
João Ataíde tem diligenciado a favor da conclusão das obras, o que neste momento depende de um fundo imobiliário liderado pela Caixa Geral de Depósitos.
Recorde-se, que este  processo encontra-se rodeado de uma nebulosa desde a hasta pública para a venda do terreno municipal, com os vencedores a alienarem o lote, em 24 horas, por um preço várias vezes superior ao da compra.
A venda do terreno destinava-se, apenas, a uma unidade hoteleira, mas os novos proprietários condicionaram a construção do hotel à aprovação, pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, do empreendimento habitacional.
A autarquia não só o aprovou como alterou planos para o hotel ganhar mais alguns metros do passeio da marginal oceânica. Travado durante cerca de um ano por providências cautelares, o projecto arrancou em 2004. Porém, os problemas financeiros que entretanto surgiram foram atrasando as obras e a inauguração da unidade hoteleira tem vários anos de atraso.
Entretanto, se as dificuldades financeiras não bastassem, António Cereja Bastos, sócio da promotora do empreendimento, matou um indivíduo que lhe roubava combustível das viaturas estacionadas nos armazéns, em Porto de Mós, decorria o ano de 2009.

terça-feira, 22 de março de 2011

O betão é que dá instruções sobre o trânsito da urbe figueirense?..

Na zona envolvente do GALANTE o empreiteiro parece pôr e dispor do trânsito a seu belo prazer, conforme ofício que colocamos abaixo, e que foi entregue aos moradores da zona.
Será que, quer seja na Margem Norte, quer seja na Outra Margem, o betão continua a mandar, apesar da mudança de cor política verificada no executivo figueirense da autarquia no acto eleitoral autárquico de 2009?..
Aguarda-se esclarecimento de quem de direito.


Carta enviada pelo Cento Cerro, Empresa de Construção e Obras Públicas, SA, aos moradores:


"ASSUNTO: "INFRAESTRUTURASDE URBANIZAÇÃO NO LOTEAMENTO DO VALE DO GALANTE"
- Rua Almeida Garrett/lnterrupção ao Trânsito-

Ex.mo(a)Senhor(a),

Para os devidos efeitos, informa-se V/Exa. de que a Rua Almeida Garrett estará com interrupção ao trânsito, a partir da próxima segunda-feira, dia 21/02/11, para trabalhos de requalificação no âmbito da obra em epígrafe, na zona delimitada pelos entroncamentos:
• a Sul na RuaAlexandre Herculano;
• a Norte na RuaJoão Gaspar Simões;
Deva salientar-se que, os moradores na referida artéria terão acesso às suas habitações pela Rua João de Barros.
Os trabalhos irão decorrer sob alçada do n/encarregado, sendo que a frente de trabalho estará totalmente sinalizada e protegida."

sábado, 12 de julho de 2008

Pragmatismo?...

Cito António Jorge Pedrosa no Amicus Ficaria.
“A cidade da Figueira da Foz exerce uma tremenda atracção a quem a visita e a quem é de fora, no entanto é curioso como os de cá, são os primeiros a criticar tudo e mais alguma coisa que se faça ou que se pense fazer. Para que conste, e porque gosto de tomar posições sobre os assuntos, deixo para memória futura alguns apontamentos:
a) Não tenho problema nenhum com a construção do Aparthotel do Galante e o seu número de pisos;
b) Já em relação ao processo que deu origem a tudo o que ali vai ser construido, tenho as minhas reservas, aliás enquanto deputado municipal votei contra o Plano de Pormenor daquela área:
c) Acho que a reabilitação que o Grupo Sabir está a fazer no Aparthotel Atlântico dá brilhantismo à cidade;
d) Penso que o espaço do Oasis, já que está construído, deve ser reabilitado e entregue para exploração a uma empresa dedicada;
e) Existem actualmente alguns projectos para investimento no concelho, que devem ser acarinhados e não hostilizados, nomeadamente na área do comércio, turismo e do desporto;
f) Um desses investimentos é o estádio da Naval 1ª de Maio e um potencial Centro Comercial associado;
g) Outro é algo extraordinário para o areal da Figueira da Foz, da iniciativa de um figueirense, o qual irão ouvir falar brevemente;
h) O Golfe da Figueira, de 18 ou 9 buracos, no Bom Sucesso ou em Buarcos, e cada vez mais uma miragem. Os concelhos que competem por este nicho do mercado turístico agradecem;
i) No pseudo "parque de caravanismo", junto ao edifício do IPTM, algo deveria ser feito. Ou se proíbe o que por ali se passa ou estão devemos criar condições dignas de uma cidade que se diz de Turismo;
j) Passaram já perto de 2 meses desde que o AKI anunciou vontade em investir na Figueira, nomeadamente em Tavarede, tendo sido reprovado pelo executivo camarário. Na minha opinião passou já demasiado tempo para ser anunciado ou indicado pela Câmara Municipal, um local alternativo onde se poderá instalar;
l) Em nenhum momento da história do concelho, ocorreram tantos investimentos, públicos e privados, em simultâneo. A saber, as Centrais de co-geração da EDP e a da Iberdrola, a expansão da Celbi, Ponte dos Arcos, Variante do Galo de Ouro e Porto Comercial. Igualmente nunca a cidade esteve tão parada, inerte e desinteressante, o que me parece contraditório;
m) Acho lamentável não termos uma feira de actividades, tipo a do concelho de Cantanhede, e totalmente obtuso não explorar esse filão de animação do concelho;
n) A habitação na Figueira da Foz continua caríssima, e urge criar uma bolsa de Habitação para Jovens Residentes, com regras a definir.
o) Umas das coisas prioritárias para a Figueira da Foz, como alguem já disse neste blogue, é a elaboração de um plano de saneamento financeiro da autarquia. Só assim se consegue recuperar a credibilidade perdida e dar uma nova energia à iniciativa da Câmara Municipal;
p) A perto de um ano de eleições autárquicas, acho totalmente errante o Partido Socialista não ter identificado ainda um potencial candidato à Câmara Municipal e não estar já a discutir com as chamadas forças vivas do concelho, opções para um futuro que se pretende risonho no concelho;”


Agora, passo a citar este comentário do mesmo Amicus Ficaria.
“1- O número de pisos do prédio do Galante é mau se for equacionado como um enxerto agressivo à harmonia paisagística, rompendo a escala dominante do edificado da orla marítima, cortando o sistema de vistas determinado pela linha da Serra.
2- A recuperação comercial do Oásis será uma miragem, já que o conceito inicial é desadequado ao clima dominante da Figueira, mesmo no Verão.
3- Foi bom o sr. Sabir requalificar o Atlântico, mas a simples existência daquele "piço" menoriza o urbanismo da nossa terra. Tinha razão o Dr. Lopes quando propôs a sua radical implosão.
4- O golfe de 9 buracos não é minimamente competitivo nem atractivo para players de outras regiões ou países. Há dezenas de greens alternativos com melhores condições.
5- Estranho que na visão de AJP não haja uma referência a um conceito emergente de turismo, adaptável à Figueira, e que passa por:
a)Segurança e tranquilidade para um público alvo de referência familiar.
b) promoção da paisagem litoral e menos de praia e mar.
c)património edificado urbano único e animação cultural de qualidade.
d)Ecologia com a associação de potencialidades do Baixo-Mondego.
e)gastronomia e a promoção de um produto local de qualidade inegável que é o gelado, fazendo, por exemplo, um festival internacional a ele dedicado. Era uma alternativa aos estafados festivais da sardinha, do peixe ou do marisco.
6- Anoto, com espanto, a referência carinhosa ao estádio com centro comercial acopolado.
Muito do que aqui afirmo é semelhante ao plano estratégico do Turismo do Oeste, com evidente sucesso.”
Sardinha Fresca

Comparando o que escreveu António Jorge Pedrosa e Sardinha Fresca, constato que o pragmatismo fez escola neste País. É a tal chamada esquerda moderna, não dogmática e democrática, que se diz preocupada com a igualdade, mas, que, de imediato, afirma que o valor da igualdade é subalterno do valor da liberdade...
Pois, pelos vistos esta postura também quer ser interveniente na nossa cidade.
Do meu ponto de vista, as propostas do Senhor António Jorge Pedrosa, apontam para que a função prioritária duma Câmara Municipal, como a da Figueira, é proporcionar oportunidades aos chamados empreendedores. Como se isso não tivessse acontecido desde sempre?..
Por exemplo, o cumprimento do clausulado no actual contrato de concessão do exclusivo da exploração de jogos de fortuna ou azar na zona de jogo da Figueira da Foz, celebrado em 2 de Julho de 1981, e prorrogado até 31 de Dezembro do ano 2020, é fiscalizado por quem?
Bom, adiante. Nos tempos que correm, a qualquer político que se preze, isto é, que tenha ambições políticas, não interessa nada discutir e debater ou, sequer, saber o que se está verdadeiramente a discutir e debater. O que interessa é avançar. São os novos tempos do pragmatismo anti-ideológico do realismo socialista a chegar à Figueira.
Como diria Baptista Bastos, “deixámos cair a cultura da revolta. Não falamos de nós. Enredamo-nos na futilidade das coisas inúteis, como se fossem o atordoamento ou o sedativo das nossas dores. E as nossas dores não são, apenas, d’alma: são, também, dores físicas.”

quinta-feira, 10 de julho de 2008

É preciso ter lata Senhores Vereadores do PS!...


O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Senhor Engenheiro António Duarte Silva, que por presumíveis indícios acerca da autoria de crime em práticas urbanísticas foi constituído arguido no chamado caso do Vale do Galante, “declinou, esta semana, dar explicações aos vereadores do PS acerca dos honorários (uns míseros 207 mil euros) pagos a uma sociedade de advogados...”
É preciso ter lata Senhores Vereadores António Tavares e João Vaz, para considerarem “que o processo do Vale do Galante está a ficar demasiado caro para o bolso dos figueirenses”!..
207 mil euros, para uma Câmara com uma situação financeira brilhante como a da Figueira, representa alguma coisa?
Quando muito, será uma gota de água no oceano (das dívidas...)
Depois, Senhores Vereadores do PS, a inocência é das poucas coisas que, quando perdida, um Homem não consegue voltar a encontrar.
Por isso, tendo em conta o que está em causa - o bom nome e a reputação do Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz - 207 mil euros é, definitivamente, uma verba irrisória ...
Não se amofinem, Senhres Vereadores da oposição, parafraseando Eça de Queirós no Conde Abranhos, “esta Câmara não cairá porque não é um edifício, sairá com benzina porque é uma nódoa”.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Arquitecta Helena Roseta e o Vale do Galante

“Há anos, o actual Presidente da República falou na necessidade de combater o “monstro”, referindo-se à despesa pública. Bem pior que esse é o monstro da especulação imobiliária conivente com poderes locais e centrais, que só poderá ser derrotado pelo poder vigilante dos cidadãos, em defesa da transparência, da sustentabilidade, do direito à informação e do bem comum.”

Helena Roseta, Arquitecta e vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, em Mensagem lida aos manifestantes reunidos por convocação do Movimento Cívico de Defesa do Desenvolvimento Sustentável do Vale do Galante no passado dia 31 de Maio.
Para ler todo o texto, clicar aqui.

sábado, 17 de maio de 2008

“Ponte Galante” : presidente da Câmara da Figueira constituído arguido


Segundo se pode ler no Diário de Coimbra de hoje, "o presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Duarte Silva, foi constituído arguido no âmbito da investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária de Coimbra, a propósito da construção de uma unidade hoteleira na Ponte Galante, na marginal da Figueira da Foz."

Sobre o mesmo assunto, na última página da edição impresssa do semanário Sol, de hoje, conforme se pode verificar ao lado, pode ser lida esta pequena notícia.

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Requalificação do areal urbano...


Querem saber porque é que a minha expectativa é de tal maneira exuberante, viçosa, viigorosa, deslumbrante e avantajada sobre a reparação dos equipamentos que já estão degradados no areal urbano? 

Porque tenho memória. É para isso que serve, no essencial, OUTRA MARGEM. Sei que isso incomoda quem pretende branquear o passado, mas esse problema não é do autor deste blogue. O autor deste espaço só tem um compromisso: com a verdade.

Recuemos, então a  6 de Janeiro de 2020.

"Na Obra de Requalificação do Areal/Valorização de Frente Mar e Praia - Figueira/Buarcos foram gastos 2 milhões de Euros na empreitada, com a obrigação do empreiteiro fazer a manutenção durante 5 anos.

Passaram quase 3 anos após a conclusão dos trabalhos.

Verificamos uma ciclovia a degradar-se de dia para dia, paliçadas caídas, postes delimitadores em madeira tombados, quase 50 % da vegetação e árvores estão mortas, foi reconstruido o lago do oásis, sem arejadores de água, para ficar pior que o anterior.

Foram tapadas as valas de Buarcos e Galante, com manilhas perfuradas, bastou chover mais que o normal e o resultado está à vista, mas o então vereador Dr. Carlos Monteiro em declarações à comunicação social, Novembro 2017, sobre as tampas terem saltado, considerou normal acontecer aquela situação, sendo que estávamos perante as primeiras chuvadas.

Venho requerer,

Seja solicitado ao autor do Projeto da Requalificação Valorização de Frente Mar e Praia - Figueira/ Buarcos, um relatório relativo sobre o estado atual que se encontra a praia se está de acordo com o projeto elaborado.?"

Sabem quem é apresentou, há quase um ano, este requerimento.

O vereador Ricardo Silva
Claro que o vereador da oposição ficou sem resposta. E para mal dele não esperou sentado.
Verdades são verdades. Factos são factos. Realidades são realidades. "Desconstruções na areia", são "desconstruções na areia". Em 2016. E hoje.
«Num contexto de incerteza sobre os impactos resultantes do desassoreamento da praia da Figueira da Foz, nomeadamente sobre o litoral de Buarcos, e do seu potencial como mancha de empréstimo, recomenda-se que o areal daquela praia não seja objecto de ocupações com carácter fixo e permanente»

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Segundo o presidente, «os custos com as iluminações são de 94.035,90€ + iva, assumidos pela CMFF”. Em 2019 o custo foi de 55.000€ + IVA.»..

 Via Figueira na Hora

"Este ano foram acrescentadas iluminações nas freguesias, na fachada do Mercado Eng. Silva, na Rua das Tamargueiras e rotundas adjacentes e na fachada da Câmara Municipal. Desta forma, as localizações previstas para as iluminações decorativas de natal são: 
• Cidade
Rua Bernardo Lopes Rua Cândido dos Reis Rua Académico Zagalo Rua da Liberdade Árvore natural da Rua da Liberdade com a Rua Eng.º Silva Forte Santa Catarina Varandim da Praça do Forte Largo Dr. Luís Melo Biscaia Rua da República Rua 5 de Outubro Praça 8 de Maio (Praça Nova) General Freire de Andrade (Praça Velha) Rotunda de entrada centro/sul da cidade (a seguir ao pórtico) Rotunda dos Bombeiros Voluntários (entrada norte da cidade) Tavarede Muralhas de Buarcos Rua das Tamargueiras (+ rotundas adjacentes) Av. 25 abril e Av. Espanha (desde a Rotunda do Galante até à Praça do Forte) Fachada do edifício dos Paços do Concelho Fachada do edifício do Mercado Municipal Eng.º Silva Fachada do Castelo Eng. Silva Jardim Dr. Fernando Traqueia, Praça de Buarcos. 
• Freguesias
Rotunda do Lavrador, Serra das Alhadas – Alhadas Largo da Igreja, Rua 30 de março – Alqueidão Entroncamento da Rua da Junta com a Rua da Igreja - Bom Sucesso Rotunda Aguiar de Carvalho - Ferreira-a-Nova Largo José da Silva Fonseca – Lavos Largo da Feira Velha – Maiorca Largo Domingos Pedrosa Vieira - Marinha das Ondas Rua 20 de junho, nº 33 – Quinta dos Vigários - Moinhos da Gândara Largo do Alvideiro – Paião Largo Padre Costa e Silva – Jardim de Quiaios – Quiaios Rotunda do Pescador, Gala - São Pedro Rotunda da Salmanha - Vila Verde".