.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

O mar português

A Sociedade de Geografia de Lisboa, a Câmara Municipal de Mira, o Instituto Hidrográfico, o Centro de Estudos do Mar e a Confraria Marítima de Portugal promoveram uma jornada comemorativa do Dia Nacional do Mar de 2013, sob o tema “O Oceano: Literacia e Cidadania”, cujo programa se repartiu por dois locais: em 16 de novembro, sábado passado, os trabalhos decorreram na Praia de Mira (Museu Etnográfico e Posto de Turismo e Centro Cultural e Recreativo);  hoje, têm lugar  na sede da Sociedade de Geografia de Lisboa (Rua das Portas de S. Antão, 100).
Posso estar enganado, mas pareceu-me que o acontecimento passou ao lado da maioria dos portugueses.
O mar português, para quem os portugueses tanto olham no verão, é uma enorme riqueza potencial,  que quem tem mandado em Portugal nas últimas décadas tem desconhecido.
A economia do mar, essa descoberta recente dos políticos – até o presidente da câmara da Figueira, quando apareceu na política, veio falar numa coisa – a famosa Aldeia do Mar, lembram-se, que nunca ninguém verdadeiramente soube o que era - deveria ser há muito uma prioridade nacional.
Todavia, infelizmente,  isso, como vimos recentemente por cá,  não tem passado  de retórica política para entreter e caçar o voto à plebe em época de eleições.
E, no entanto,  o sector merecia outro olhar e outra atenção dos governantes.
Lembre-se:  o valor económico das actividades ligadas ao mar consideradas na economia portuguesa ronda os 2% do PIB e emprega directa e indirectamente cerca de 100 mil pessoas.
O que muitos agora chamam  - até o nosso presidente da Câmara - de hypercluster da Economia do Mar, tem de deixar de ser apenas  uma frase pomposa, para passar a ser uma força catalisadora, capaz de organizar e dinamizar um conjunto de sectores com elevado potencial de crescimento e inovação e capacidade para atraírem recursos e investimentos de qualidade, nomeadamente externos.
A Figueira tem potencial neste sector. Mas, neste momento, o sector da pesca está  asfixiado e vive dias difíceis na nossa cidade.
Basta passar pelo porto de pesca e ver o número irrisório de unidades de pesca que utilizam o nosso porto, comparativamente com anos atrás. E a causa é bem fácil de explicar, basta falar com os homens do mar: a barra está a afastar os pescadores, pois está cada vez mais insegura e perigosa. Se alguém duvida disto é fácil de o tirar a limpo – basta falar com os homens do mar.  “A barra nunca esteve tão má para nós” – é o que de certeza vão ouvir da boca dos pescadores, que são aqueles que a conhecem melhor do que ninguém.
Seria necessário e  justo,  que quem anda a pensar na estratégia portuária, aqui pela Figueira, tivesse sempre a pesca  em grande conta, pois o potencial está cá -  e continua bem vivo e presente, no seio das comunidades piscatórias locais.

Sem comentários: