.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sábado, 16 de julho de 2011

A gabarolice

Uma deturpação da alma humana é o auto-elogio.
Ele pode acontecer, por várias razões: porque é solicitado – o que, vá lá, o torna desculpável; ou porque não se resisti à tentação de o lançar à cara dos outros, o que constitui o primeiro passo para a queda do indivíduo - não só aos olhos dos outros, como em termos da sua própria consistência interior.
Nós, os outros, passamos a ver o indivíduo com outros olhos. Mesmo que antes tivesse merecido a nossa admiração, perante a gabarolice, percebemos que já não pode viver sem fixar sobre si os holofotes. Deixa de haver dádiva fluida para dar lugar a um narcisismo irritante e estúpido.
Consequentemente, a consistência interior abre brechas, pois perante um processo de enrolamento sobre si  o  fulano deixou de olhar os outros e para os outros - considera-se um ser final e acabado, tal como um calhau perfeito.
A gabarolice acaba por mostrar o espectro daquilo que se poderia ter sido, mas que se foi perdendo à força de tanto se exibir.

Sem comentários: