.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

domingo, 27 de junho de 2010

Futebol ou fraude?..


Hoje, de tarde, ao entrar num café da Cova-Gala, tive oportunidade de ver um roubo: um golo marcado por um jogador inglês, nítido e legal, foi incompreensivelmente anulado. Beneficiada, foi a selecção da Alemanha.
Há pouco, através deste blogue, fiquei a saber que houve “outro golo falso no "Mundial". Depois da Alemanha, agora foi a Argentina a contemplada. Uma vergonha que ameaça tomar proporções gigantescas.”

5 comentários:

ANTONIO SARAMAGO disse...

O Carlos Queirós é que tem razão!
Nós temos que começar a hablar...tambien...lolix

António disse...

À pouco, através...

Não é assim.
É Há pouco, etc, etc.

Rogério Neves disse...

Afinal a nossa arbitragem não é assim tão má. Ou será que no Mundial também por lá andam apitos amarelos?

António Agostinho disse...

À pouco ou há pouco?
Há pouco...
À ou há? Quando se trata de expressões de tempo, usamos “há”. O verbo haver, entre outros sentidos, serve para expressar tempo.
Já “à”, contracção da preposição “a” com o artigo definido “a” serve sobretudo à expressão de lugar.
Assim:
Há pouco, através deste blogue, fiquei a saber que houve “outro golo falso no "Mundial, é que deve ficar.
Obrigado anónimo António pela correcção da distracção.

Nota: este comentário de um anónimo foi publicado a título excepcional.

António Agostinho disse...

Caro Rogério, tenho visto muito pouco deste mundial, mas por aquilo que vou lendo aqui e ali, as arbitragens têm sido um desastre.
Gostava, porém, de registar a categoria deste senhor, Aguirre, selecionador mexicano que desvalorizou o golo irregular.
"Não falo sobre as arbitragens. Ao intervalo disse aos meus jogadores para levantarem a cabeça e para continuarem tranquilos. Os árbitros também falham...são humanos", disse o selecionador mexicano.
Isto, sim, é desportivismo. Grande exemplo.
Um abraço.