.

#FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA.#FIQUE EM CASA.

sábado, 15 de fevereiro de 2020

A morte Manuel Pata, 71 anos, e Clemente Imaginário, 69 anos, aconteceu a 19 de Março de 2007

Via Diário de Coimbra, edição de 15 de Fevereiro de 2020.

"O Tribunal de Coimbra condenou ontem o antigo responsável local do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos a uma pena suspensa de dois anos e meio de cadeia na sequência do naufrágio que, em Março de 2007, provocou a morte de dois pescadores na Figueira da Foz. O Estado terá assim de assumir as indemnizações aos familiares das vítimas (a viúva e três filhos de um deles e os dois filhos do outro) num valor total que ronda os 145 mil euros."

NotaMemória de uma tragédia
Vou apenas sobrevoar o acontecimento, pois vendo em panorâmica, extraímos a dor à dor...
Contrariaram o rio e construíram  um "canal da morte".
Transformaram num “rápido”, parte do percurso do Rio Mondego que durante séculos permitiu a navegação em segurança e “dois pescadores morreram e um ficou ferido…”
Recorde-se: foi há quase 13 anos! Os pescadores seguiam num pequeno bote de pesca artesanal, a jusante das obras, no braço sul do Rio Mondego. 
Manuel Pata, 71 anos, e Clemente Imaginário, 69 anos, perderam a vida no rio que conheciam desde sempre. Luís Dias, 57 anos, foi o único sobrevivente.
A morte dos dois pescadores alegadamente provocadas pelas obras de construção da nova Ponte dos Arcos, aconteceu  na manhã de 19 de março de 2007.
A primeira sessão do julgamento da morte de dois pescadores, em 2007, no Rio Mondego, na freguesia de S. Pedro, aconteceu no dia 23 de Setembrro de 2013.  Foi suspensa, para ser retomada no dia 27 de janeiro de 2014. 
O adiamento deveu-se a questões levantadas pela seguradora da empresa pública Estradas de Portugal, dono da obra de substituição da Ponte dos Arcos.
Porém, muito antes, mais de um mês antes, os pescadores da pesca artesanal da Cova-Gala já andavam preocupados e  descontentes com as obras que então estavam  em curso na zona da Ponte dos Arcos.
Segundo quem se dedica a este tipo de pesca, o canal de navegação tinha ficado demasiado estreito, o que pôs em risco a segurança das embarcações e dos homens no decorrer da navegação naquele troço do rio.
O “canal da morte” deveria ter sido encerrado à navegação, como, aliás, aconteceu logo a seguir ao acidente. 
Isso, sabe-se hoje, teria evitado a morte dos dois pescadores.

Sem comentários: