.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quinta-feira, 24 de julho de 2014

A Figueira e os jornais

 Hoje, a Figueira é primeira página nos dois jornais distritais. 
O motivo, triste e lamentável, está à vista...
Primeiras páginas destas, aproximam cada vez mais os jornais – presumo que até nas vendas...
Se o  leitor compra, por exemplo, o Correio da Manhã sabe ao que vai: pretende ler as notícias e os pormenores sobre os casos de faca e alguidar e os acidentes.
Quem quer saber o que se passa na sua cidade espera notícias com outra densidade informativa.
Exemplos destes, nos últimos tempos, são repetidos a nível nacional, o que a meu ver mostra o declínio acentuado na qualidade do jornalismo que se pratica em Portugal.
Nestes tempos conturbados que vivemos, para sobreviver, um jornal tem que ser melhor que os seus leitores e dar-lhes a conhecer aquilo que eles não sabem!

Tal como li, um dia destes no blogue Delito de Opinião, escrito por Pedro Correia, "a utopia do «jornalismo cidadão», que transforma cada um de nós em repórter munido de uma câmara de filmar e de uma pena indignada pronta a retinir nas redes sociais, não substitui - de forma alguma - o jornalismo clássico, sujeito a princípios deontológicos e a um quadro de referências éticas muito específicas que podem ser alteradas no pormenor mas não no fundo.
Nenhuma democracia pode prescindir do jornalismo enquanto veículo formador da opinião pública. Porque não existe democracia sem opinião pública: só as ditaduras a dispensam e a sufocam.
Por este motivo, e apesar das incógnitas contemporâneas, julgo que o jornalismo conseguirá sobreviver a todas as crises. Em novos formatos, com novas perspectivas, com metas diferentes. Mas sem nunca trair, na essência, a matriz original."
Isto é também o que eu penso, pois só isso justificará que eu o continue a comprar e a ler um jornal.

Sem comentários: