.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

No país do fanico já passou o 10 de junho...

Nem só de desmaios, manifestações e cães polícia se fez este polémico 10 de Junho. Como vem acontecendo de há uns anos para cá, a presidência da República condecorou uns quantos portugueses. E se há lá nomes que não levantam grandes discussões como Eduardo Lourenço, Rodrigo Leão ou Mário Carvalho, a ocasião também serviu, como vem sendo habitual, para condecorar alguns amigos. Entre banqueiros, financiadores de campanha e altas patentes militares, não pude deixar de notar que Miguel Horta e Costa foi agraciado com uma das mais elevadas condecorações, a Grã-Cruz da Ordem do Infante do Henrique, que segundo o site da presidência se destina a distinguir quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no País e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua História e dos seus valores.

Critérios à parte, é bom não esquecer que este exemplo de cidadania esteve envolvido no caso do submarinos e no caso Mensalão, que envolveu duas das suas mais destacadas entidades empregadoras, o BES e a PT, durante o período em que lá exerceu funções. No segundo caso, Horta e Costa foi implicado por uma das testemunhas chave do processo, Marcos Valério. Mas nada disto nos deve surpreender. Quantos piores do que ele não foram já condecorados? Se calhar está é na hora de introduzir uma pequena alteração na premissa e acrescentar que se distingue também “quem houver prestado serviços relevantes aos bancos e partidos políticos portugueses e amigos em geral”. O processo ganha transparência e a malta fica a saber ao que vai.

Sem comentários: