.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Ciclismo na Figueira... (II)



fotos António Agostinho
A Figueira tem tradições no ciclismo. 
Em 1930, na primeira edição da Volta dos Campeões, na Figueira da Foz, criada por iniciativa de Arnaldo Sobral, registou-se a vitória de António Augusto de Carvalho, o vencedor da primeira volta a Portugal.
Ainda me recordo de ter assistido a algumas edições desta famosa prova que se realizava num circuito que passava na Avenida Saraiva de Carvalho e Rua Fernandes Tomás.
Foi com expectativa, gosto e alguma emoção, que fui assistir ao prólogo do 35.º Grande Prémio ABIMOTA, disputado ontem na Figueira da Foz: um Contra Relógio por equipas, com um total de 4 km, divididos em 5 voltas de 800 mts cada, que decorreu na Avenida de Espanha, (junto ao Forte), a partir das 17 horas e 30 minutos.
O ciclismo, quanto a mim, depois do futebol, é o desporto que tem mais impacto na sociedade portuguesa.
A tendência reprovável para pôr o desporto ao serviço do poder, do político ou de certas ideologias não surge apenas nas ditaduras (não é o caso do Estado Novo - Salazar desconfiava do desporto profissional e preferia a modesta "ginástica de formação"), mas também nas democracias.
Todos nos recordamos da corrida às medalhas olímpicas durante a guerra fria e das tentativas dos EUA e das defuntas URSS e RDA para demonstrar, por esse meio, a superioridade dos seus sistemas económicos e políticos.
Sabemos, hoje, que os líderes soviéticos procuraram associar as glórias desportivas ao espírito de camaradagem e ao colectivismo, embora os atletas (muitas vezes forçados) e a população, em geral, as vissem como símbolos da coerção e exploração estatais. Sabemos, por exemplo, que, em 1984, Ronald Reagan aproveitou o sucesso dos EUA nas olimpíadas de Los Angeles para, na sua campanha de reeleição, reafirmar a restauração do orgulho americano. Bill Clinton voltou a fazer o mesmo nas olimpíadas de Atlanta, em 1996.
Durão Barroso teve azar no Euro 2004, pois a Grécia trocou-nos as voltas...
Vai toda a distância entre o poder que fomenta e promove o desporto e o poder que põe o desporto ao seu serviço.
Foi isso que senti ao ver o triste espectáculo da prova de ontem, disputada nas condições que as fotos documentam, que prejudicaram a prova e colocaram em risco a integridade física dos corredores. Ainda assisti a uma queda e mais não houve porque os atletas optaram por abordar as curvas à defesa.
A zona requalificada junto ao Forte está bonita, mas a Figueira tem outros espaços onde a prova poderia desenrolar-se com outro esplendor e outras condições, o que contribuiria para aquilo que, do meu ponto de vista, seria o fundamental: uma belíssima jornada de propaganda para a magnífica e espectacular modalidade desportiva que é o ciclismo.

Sem comentários: