.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 28 de dezembro de 2013

Divisão de Desenvolvimento Económico e de Turismo, Serviços Municipalizados de Turismo, João Portugal, João Ataíde, PS Figueira...

foto sacada daqui
A criação da Divisão de Desenvolvimento Económico e de Turismo, afastou, definitivamente, a constituição dos Serviços Municipalizados de Turismo.
Recentemente, a coligação que concorreu à Câmara nas últimas eleições autárquicas, liderada pelo PSD Figueira, veio lembrar que João Portugal, líder local do PS desde há quatro anos e vereador desde setembro, mudou de opinião,  pois defendia a segunda solução, questionando as razões da mudança.
Eis a resposta de João Portugal, que li no Diário As Beiras, publicado no dia de Natal: “Durante o processo eleitoral tive uma conversa com o presidente da câmara sobre o assunto e ele pediu a minha compreensão. Quem integra uma equipa, tem de saber respeitar a vontade do colectivo”.
Agora mesmo, via Andreia Gouveia facebook, fiquei a saber que na Assembleia de Freguesia de Buarcos “foi aprovado, com uma abstenção da bancada socialista e nenhum voto contra, o protesto - apresentado por Carlos Tenreiro em nome da bancada do movimento Somos Figueira - relativamente à intenção da autarquia de não concretizar a criação dos Serviços Municipalizados de Turismo, optando por uma divisão, sem autonomia administrativa. Recorde-se que os Serviços Municipalizados de Turismo, aprovados no anterior mandato de João Ataíde, então sem maioria absoluta no executivo, deveriam suceder à empresa municipal Figueira Grande Turismo, extinta por imperativo legal. A entidade agora rejeitada pelo executivo, maioritário, de João Ataíde, contou, à época, com o aval e a defesa da então vereadora pelo PS, Isabel Cardoso, ex- administradora da FGT e actual presidente da Assembleia de Freguesia de Buarcos. Do protesto será dado conhecimento à Câmara Municipal da Figueira da Foz e à Assembleia Municipal da Figueira da Foz.”
Tentar compreender a existência do dia a dia de um partido como o PS Figueira, é como tentar compreender a contabilidade de uma empresa mal organizada...
A meu ver, para tentar colocar alguma ordem na casa, seria assim... 
O PS,  sensível e vivo, deveria ser registado nas contas do activo imobilizado corpóreo (contas 42 do POC); por sua vez,  o PS, carreirista e inanimado, seria registado no activo circulante (contas 31); a alma, se porventura ainda existe no PS Figueira, ficaria registada nas imobilizações incorpóreas (contas 43); finalmente,  as ideias – partindo do princípio que existem -  nas disponibilidades (contas 15). 

Sem comentários: