.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 28 de setembro de 2013

Dia de reflexão

Sorrateiramente, devagar,  muito devagar mesmo, hoje voltou-me a vontade de ler  poesia.
Estou a pensar num livro que requeira tempo,  um  autor e textos que me apeteçam ler, como costumava fazer há anos atrás, retornar a um dos que mais gostei, dos que passaram pela minha vida.
Hoje, para além de ser sábado, é um dia diferente. Talvez por isso,  apetece-me voltar ao primeiro contacto que tive com a poesia de O'Neill.
O’Neill tinha um ar natural e irreverente.
É um poeta e foi um homem que negou sempre o “modo funcionário de viver”.
Foi um homem e é um poeta transbordante de sonhos e sedento de realidades submersas.
Talvez por isso, foi em vida - e continua - incompreendido e  votado ao esquecimento.
Foi esse o preço que pagou por se ter recusado diluir numa qualquer poesia do populismo fácil.
Ele passou ao lado desse tipo de poesia pobre, decadente e estéril. Rejeitou a fórmula cor-de-rosa de ver a realidade: o lado obscuro do real existe, mas não é poeticamente estético descrevê-lo.
Quem ousa levantar a poeira, paga  um preço alto -  e ele fazia-o.
Fica um poema, para mim de um poeta fora do comum, de que gosto especialmente: Alexandre O'Neill.
Bom sábado e bom dia de reflexão.

Entre a
cortina e a vidraça

Vem o tempo de varejeira
entre a cortina e a vidraça.
O tempo assim à minha beira!
Que é que se passa?

E eu,que estava tão enredado
nos baraços do eternamente,
nos lacetes do já passado,
sou esfregado contra o presente.

A varejeira é nacional.
Terei, assim, de preferi-la?
Ora! É a mosca-jornal
- e já agora vou ouvi-la...

Sem comentários: