.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

115 minutos, quanto a mim, bem aproveitados...

registo fotográfico de Pedro Agostinho Cruz, sacado daqui
Gostei  da forma como decorreu o debate autárquico da tarde de ontem no auditório da Incubadora de Empresas, no Parque Industrial da Gala, com os 5 candidatos à Câmara, sobre o tema "Figueira, que futuro".
A organização deste debate foi da Consultraining e a moderação de José Cardoso Bernardes.
Embora a estrutura fosse a mesma,  a diferença, pela positiva, esteve no moderador, que ao trazer questões concretas, tornou o debate mais interessante e esclarecedor.
João Paz Cardoso, que me tinha impressionado positivamente no debate do CAE, esteve, desta vez, uns furos abaixo, perdendo-se em respostas globais e genéricas.
Um exemplo: “Tivemos uma frota pesqueira importante e é bom não esquecer que Cavaco Silva foi o agente funerário do sector. A União Europeia continua a prejudicar-nos e a enterrar-nos”.
Jorge Monteiro, entrou mal no debate. Logo na intervenção inicial, graças a uma péssima gestão do tempo ao seu dispor, gastou os 5 minutos sem dizer nada de concreto. Depois, com o decorrer do debate melhorou a prestação.
Um exemplo.   
“Nem sempre a relação entre o trabalhador e o empregador é a mais saudável. A Câmara pode mostrar que as pessoas são a primeira razão de ser da sua candidatura. Eu hoje vejo que as pessoas estão paradas, à espera de algo. Falta-lhes um líder que diga «vamos por aqui»”.
João Ataíde, pareceu-me  numa posição defensiva, de quem vem essencialmente para prestar contas.
Um exemplo.  
“Este é um processo e uma candidatura de continuidade e da necessidade de concluir alguns projectos.
Ao longo deste ano exercemos uma actividade discreta e não discutida ou anunciada nos jornais. Recordo a negociação com os Estaleiros Navais. Não se perdeu uma unidade, mas lamento que não tenha cumprido o que prometeu. Lamento ainda que o ministro da Economia não tenha tido a coragem de avançar para uma ruptura de contrato.
Tudo isto, porém,  não pode andar na praça pública, há que ser discutido com moderação. Há muito a fazer, quero envolver-me mais nesta tarefa de desenvolvimento local. E farei sempre de forma discreta”.
Miguel Almeida, no essencial, veio a debate para tentar explicar o Compromisso Eleitoral, que pretende transformar,  em caso de vitória, no programa de governo municipal.
A meu ver, neste debate Miguel Almeida melhorou o desempenho. Sobretudo, o que me agradou sobremaneira, pareceu-me mais autêntico e sincero na defesa das suas posições.
Um exemplo.
“A resolução da acessibilidade marítima é uma questão prioritária. Não é preciso fazer guerra, mas há momentos para tudo e em alguns deles temos de levantar a voz. A administração portuária passou para Aveiro e não temos um figueirense lá. A questão de fundo é esta, da questão da entrada da barra. A dragagem é estruturante para a Figueira”.
(Abro um parêntesis, para lembrar ao Miguel Almeida que houve, em devido tempo, quem alertasse para as consequências do prolongamento do molhe norte. Neste blogue tem muitos exemplos, basta colocar no canto superior esquerdo as palavras “erosão costeira” e clicar.   Só para avivar a memória, fica  uma carta do SENHOR MANUEL LUÍS PATA, publicada no dia 26 de Março de 2007, no “Diário de Coimbra”, pág. 8, na secção Fala o Leitor, com o título  “Erosão das Praias”, que pode ser lida clicando aqui).
Falta referir a prestação de António Baião.
O candidato da CDU, que também esteve francamente melhor neste debate, mostrou ter feito “o trabalho de casa”. Trouxe questões concretas à discussão, logo na intervenção de abertura - saúde, escola, transportes públicos...
Sempre alinhado e fiel à linha partidária que apoia a sua candidatura, falou uma linguagem directa, simples e facilmente percetível.
Um exemplo.
 “Sei os problemas por que passam os pescadores, o que ganham e como vivem, como é feita a má distribuição da riqueza. Sei como funcionam os armadores.
Sobre o molhe norte, antes de o construírem, talvez devessem ter falado antes com os homens do mar”.

1 comentário:

Anónimo disse...

Caro agostinho os meus parabens por esta analise imparcial democratica e coerente.
É de cronistas assim que esta terra precisa um abraço.