.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sábado, 25 de maio de 2013

O esplendor da direita…


Em tempo.
Nos tempos que correm em Portugal, as castas iluminadas  – de que fazem parte os banqueiros, gestores e economistas de topo, membros de conselhos de administração, governantes,  e afins -, que, todos juntos,  não devem ser mais que um por cento da população, ganharam o  hábito de chamar privilegiados à maior parte dos restantes 99 por cento.
Daqui, estranhamente, está a dar-se  uma inversão do sentido de privilegiado.
Hoje, chama-se privilegiado a alguém que tenha perdido o  emprego,  e esteja a receber subsídio.
Este mero facto é a ilustração grotesca de quão baixo e mesquinho descemos em Portugal…
A continuar assim, a breve trecho, serão "privilegiados" todos aqueles que não estiverem a morrer de fome…
Curiosamente, porém, nunca são estes que trazem o tema do privilégio para a praça pública. Os desempregados não atacam o privilégio de se ter um emprego; querem apenas conquistá-lo.
Mas um banqueiro como este Salgado, que tem poucas oportunidades de ficar desempregado, defensor da  liberalização dos despedimento em Portugal - a benefício, supostamente, dos desempregados – ainda tem o desplante de dizer o que diz…
Aliás, é vulgar nos jornais, facilmente encontramos senhores que podem determinar o valor das suas pensões ou aumentar-se legalmente a si mesmos, que acusam o cidadão comum de, com os seus “privilégios”, estar a colocar em risco a sobrevivência de Portugal.
A esses senhoritos aproveito para lembrar o que dizia o padre António Vieira: “se é preciso muito peixe miúdo para alimentar um peixe grande, somente um peixe grande bastaria para alimentar muitos pequenos.”
Chegados aqui em que é que ficamos?
Ficamos a pensar, o  que já não é pouco, - não sendo embora um “privilégio” - nos cerca de 500 000 desempregados que não têm direito a subsídio... 

Sem comentários: