terça-feira, 29 de janeiro de 2019

É importante “colocar a Figueira da Foz no mapa mundial das ondas”?

"Hoje o Recordista do Mundo da maior onda surfada no planeta, Rodrigo Koxa, esteve na Figueira da Foz, na Escola Dr.João de Barros. Falámos de sonhos, na dificuldade de alcançar os mesmos e qual o caminho para chegar até eles. Foi uma lição de superação, trabalho e dedicação.
10 anos foi o tempo que demorei a conquistar este sonho. 10 anos de aprendizagem e partilha. Um caminho do qual me orgulho.
Hoje, vivi uma experiência única naquela que também já foi a minha escola. Foi mesmo especial, acreditem! Que aula tão interessante esta que o Koxa nos deu. Quem esteve presente sabe do que estou a falar.
Hoje, mais uma vez, e infelizmente senti a indiferença dos governantes da minha cidade sobre este assunto. Uma vergonha! Não estiveram presentes nem se fizeram representar para receber aquele que é o Recordista da Maior Onda do Mundo, Rodrigo Koxa. Foram feitos 4 convites: Sra. Vereadora do Desporto Mafalda Azanha, Sr. Vereador da Educação Nuno Goncalves, ao Vice-Presidente Carlos Monteiro e ao Presidente da CMFF João Ataíde.
Já me habituei a esta indiferença. Já tive a oportunidade de explicar, mas explico mais uma vez o "truque" para levar isto numa boa: consigo transformar este desinteresse e falta de sensibilidade em motivação. Mas, mesmo assim passo a esclarecer duas ou três coisas.
“senhores galos” vocês são os galos da capoeira porque nós existimos. Não duvidem disso!
Será que já perceberam que existe uma relação entra a maior onda surfada no planeta e a cidade? O mundo sabe disso”
Feliz por tudo isto que aconteceu hoje, mas envergonhado pela vossa atitude. Aliás, pela falta dela.
Que cidade de mar, de surf é esta que recebe assim o surfista detentor do guinness world record.
Obrigado professores, alunos, e a todos aqueles que tornaram isto possível. Sentimos o vosso calor. O mais importante. O melhor. Não duvidem!
Por falar em sonhos: isto um dia vai mudar. Sonhar não custa! E, a ABFM vai ter Escola nova, as obras começam já no próximo mês."

Pedro Agostinho Cruz

"É uma honra sem tamanho estar aqui em Portugal depois de ter surfado a onda da minha vida e reencontrar o Pedro que bateu a foto que mudou a minha vida. Passei a vida inteira a buscar algo especial e aqui juntou-se o talento dele, com uma foto especial, um enquadramento e ângulo especial”,  disse hoje de manhã Rodrigo Koxa, na Escola Dr. João de Barros.
“Esta onda mudou a minha vida por completo, sempre surfei na «grande», trabalhei a vida inteira para estar nos dias maiores de ondas gigantes pelo mundo. Entendi que aqui era a «bola da vez», Portugal mudou o cenário das ondas gigantes, Nazaré passou a ser a onda mais cobiçada e tem, cada ano que vem, mais «big raiders» e fotógrafos do mundo inteiro”, afirmou.

O recordista da maior onda surfada esteve acompanhado por Pedro Cruz, o foto-jornalista que captou o momento. Acompanhados por José Castanho (director do Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz), inauguraram um mural dessa fotografia histórica.
Recorde-se que Pedro Cruz vendeu a imagem em leilão tendo por objectivo angariar verbas destinadas a apoiar a construção das instalações da Associação de Bodyboard Foz do Mondego, destruídas com a passagem da tempestade Leslie. A imagem foi oferecida à escola pelo comprador que preferiu manter o anonimato.
“É bacana, legal, surfar e pegar ondas mas ainda mais gratificante é saber que podemos fazer parte de uma acção que envolve solidariedade, com pessoas que têm essa empatia de se colocar no local do outro. É muito bonito o gesto do comprador (da foto), porque quem faz caridade não precisa fazer publicidade”.

“Meu sangue é tuga”

Koxa confidenciou que nesta passagem por Nazaré e Portugal descobriu ser descendente de um português: “tenho um avô que fugiu de Portugal na época de conflito e foi para o Brasil. Através deste recorde comecei a trabalhar a cidadania portuguesa. Quero resgatar essa minha origem, até porque me sinto um pouco tuga também, meu sangue é tuga”.
De partida para o Brasil, garantiu ser sua intenção numa próxima oportunidade surfar na Figueira da Foz.

“É importante para cidade receber o recordista do mundo”
A imagem que logo correu mundo é para o foto-jornalista figueirense “um momento trabalhado e pensado durante muitos anos. Foram 10 anos de trabalho e finalmente conseguimos reunir as condições todas e fazer esta fotografia”.
Pedro Cruz mostrou-se “satisfeito por ajudar a minha cidade. É importante para cidade receber o recordista do mundo”.
Apesar do mediatismo à escala global com a imagem captada, admite que “está tudo igual, a vontade e determinação são as mesmas. Esta fotografia deixou de ser minha, é do mundo, as pessoas devem aproveitar esta fase boa, esta energia boa que está a acontecer na Figueira da Foz”.
Sobre a campanha solidária, sustentou que “de certa forma faço parte da Associação, foram eles que me educaram e que mostraram como hei-de olhar para o mar. Isto não é dar nada, é retribuir tudo o que eles me deram até agora. Se Nazaré apareceu na minha vida foi porque acompanhava as provas e as surfadas dos intervenientes que a escola tem, nomeadamente alguns alunos que são referências nacionais e alguns foram campeões europeus e mundiais”.

“Colocar a Figueira da Foz no mapa mundial das ondas”

“Sei o que é surfar na Nazaré, há muitos anos fui um dos pioneiros a desbravar aquela praia numa altura em que não havia motas (de água) nem nada”, disse por seu lado Nuno Trovão, reconhecendo o feito de Rodrigo Koxa.
O responsável pela Associação de Bodyboard Foz do Mondego endereçou igualmente palavras de agradecimento a Pedro Cruz: “o gesto dele fala por si, tenho um grande carinho pelo trabalho dele e pela pessoa que é”.
O seleccionador nacional de bodyboard adiantou que as obras de requalificação da Associação vão começar na próxima segunda-feira: “ainda não temos o dinheiro todo, mas contamos com o apoio do IPDJ, da Câmara, com verbas que angariámos, além do seguro, para fazer uma maior e melhor escola. Não foram fáceis estes meses, ficámos apenas 15 dias sem dar aulas aos nossos alunos. Mas se nós fizemos uma escola há sete anos, vamos fazer outra, maior e melhor com o apoio de toda a gente”.
Para Nuno Trovão, “as obras vão acabar a meio de março. É um excelente timing, a partir de abril começamos a ter muitos mais alunos. Com o bom tempo, dos 60 alunos de inverno passamos para 120 ou 150”, além da normal actividade relacionada com o desporto escolar e outros programas que a associação se encontra a preparar. “Por exemplo, com a Académica, para trazer para figueira os «Erasmus» para surfar". Entretanto, “vamos continuar a fazer o que temos feito nestes 25 anos, produzir campeões de bodyboard e de surf e colocar a Figueira da Foz no mapa mundial das ondas”.

(Jorge Lemos, via Figueira na Hora)


Nota de Rodapé do autor do OUTRA MARGEM:

O recordista da maior onda surfada esteve na Figueira, sem um cêntimo despendido pela autarquia local,  acompanhado por Pedro Cruz, o foto-jornalista que captou o momento, para inaugurar um mural dessa fotografia histórica, que vai perpetuar o momento na Escola Dr. João de Barros.
Como não poderia deixar de ser, foram convidados autarcas figueirenses.   
Não estiveram presentes nem se fizeram representar para receber aquele que é o Recordista da Maior Onda do Mundo, Rodrigo Koxa
Foram feitos 4 convites: Sra. Vereadora do Desporto Mafalda Azanha, Sr. Vereador da Educação Nuno Goncalves, ao Vice-Presidente Carlos Monteiro e ao Presidente da CMFF João Ataíde. 
Uma vergonha.
Muitos dos eleitos locais veem nos mandatos autárquicos alcançados e renovados uma espécie de alforria absoluta que os isenta e imuniza de toda e qualquer crítica até ao próximo acto eleitoral. A democracia não é isso, e o facto de terem legitimidade não os transforma numa nova espécie de vacas sagradas acima do escrutínio dos meros mortais que se dignam cortejar de quatro em quatro anos.
Competência, seriedade, capacidade para muito trabalho e abnegação, a existência clara de um projecto e uma linha de rumo e de uma política concreta devida e previamente explicadas aos figueirenses,  era a fórmula, que de mágico não tem nada, de que o concelho precisa há muito.
O que é porventura mirabolante, e aponta mais para o caminho do pesadelo, é como é que é possível ainda ter no topo do Poder local gente de tão baixa estirpe e tão fraca categoria.

"Ruinosos desperdícios"

Uma crónica de Isabel Maranha Cardoso, publicada no jornal DIÁRIO AS BEIRAS.

Não se amofinem: o Natal vai chegar (ainda vem longe, mas não faz mal...).O Pai Natal está a olhar os perfis no Facebook. Alguns continuarão a ser contemplados...

"Bárbara Vara pediu 231 mil euros à Caixa Geral de Depósitos, em 2009, para comprar uma casa de mais de 600 mil euros. Ganhou um empréstimo de luxo, sem taxa de juro, e com um prazo superior à esperança média de vida.
De acordo com o Correio da Manhã, a filha do ex-ministro Armando Vara contou que pagava pouco mais de 200 euros de prestação mensal – o que significa que aos 31 anos tinha de viver pelo menos mais 90 anos para pagar a casa."

Empreitada de Requalificação Urbana do Cabedelo- 1ª fase

foto António Agostinho
"Iniciada nos últimos dias de 2018, esta empreitada pretende aproveitar o potencial turístico da zona do Cabedelo, articulado com a sua qualificação ambiental, libertando a zona mais sensível entre os dois molhes e destinando-a à fruição pública e à prática de desportos náuticos (surf e bodyboard). A sua conclusão está prevista para o 1º trimestre de 2020.
A empreitada adjudicada em, aproximadamente, 2 640 000,00 € (+ IVA) prevê a construção de infra- estruturas, espaços de lazer e equipamentos de uso público. No decorrer dos trabalhos de preparação da empreitada, foram efectuadas sondagens de enquadramento do molhe com os espaços previstos na empreitada.
Nesta altura, decorrem os trabalhos de modelação dos terrenos e implementação das diversas infra- estruturas
."
Nota de rodapé.
O filme tentado passar pela bem oleada máquina de agitação e propaganda da autarquia é sempre o mesmo: ideias aparentemente  generosas, desenvolvimento sustentável, requalificação, qualificação ambiental (e compram-se carros novos a gasóleo!...)  e outras patranhas que se costumam ler às criancinhas para colocá-las a dormir.
No fim,  o que é importante é facturar politicamente.
Politicamente, esta equipa que concorreu pelo PS, dez anos passados, mostrou o que vale: se, sem maioria, ainda deu para disfraçar, com duas maiorias absolutas é o que estão a assistir...
Como escrevi recentemente no jornal DIÁRIO AS BEIRAS, "no Cabedelo sente-se uma paz especial. Por isso, é um local que atrai milhares de visitantes. A protecção da natureza vai confrontar-se com a mentalidade empresarial patente no planeamento desta obra. Está em causa o património natural e a morfologia deste recanto. Os decisores políticos encaram o futuro do Cabedelo como mercadoria, o que vai prejudicar o seu ambiente natural e potenciar a sua gradual destruição.
O turismo depende da sustentabilidade e da preservação. Mas alimenta-se daquilo que vai degradando. O meio ambiente do actual Cabedelo tem que ser protegido. Numa cidade sustentável, tendo as pessoas no centro das decisões, preserva-se o ambiente. Quem olhar para esta requalificação detecta, desde logo, a evidente demagogia desta política, que não serve senão para camuflar a destruição ambiental.
A este executivo falta capacidade de planeamento, coordenação, noção da realidade, dinamismo, criatividade e visão estratégica do concelho como um todo… O Cabedelo precisa de pouco: melhores acessos (incluindo passadeiras em madeira por cima das dunas); manutenção e protecção das dunas; e um balneário com WC para servir os utentes da praia e os amantes dos desportos de mar.
Há uma pergunta que é necessário colocar, não só por causa do Cabedelo, mas também por causa do Cabedelo: quem beneficia com a destruição da natureza, que o mesmo é dizer, da vida?"


Vivemos numa cidade onde muita gente anda a dormir, incluindo alguma comunicação social. A oposição, além de andar a dormir, parte dela anda com problemas colaterais. Depois, temos alguma rapaziada bem instalada e bem remunerada, a  prestar serviços à CMFF.
Por fim, temos o bom povo figueirense, que quer é festas e fogo de artifício.
Nada de novo, a tradição remonta ao império romano, em que os candidatos políticos se distinguiam (e se faziam eleger) pela qualidade e sobretudo quantidade da sua clientela, que orbitava à volta da sua carreira e respectivo sucesso.
Num município de média dimensão, como a Figueira, uma investigação minimamente diligente daria para  verificar a  percentagem da  população que recebe apoios da câmara. Repercutindo as "cabeças" em famílias, facilmente se adivinha como se perpetuam no poder certos e determinados autarcas.
É também por isso que na Figueira é sempre carnaval.