domingo, 1 de novembro de 2015

Um dia destes vou reformar-me...

“(...)considera-se tanto mais civilizado um país quanto mais sábias e eficientes são as leis que impedem ao miserável ser demasiado miserável, e ao poderoso ser demasiado poderoso.“ 
"Se Isto é um Homem", de Primo Levi

Em tempo.

“Tudo somado, o que irei receber do Fundo de Pensões do Banco de Portugal e da Caixa Geral de Aposentações quase de certeza que não vai chegar para pagar as minhas despesas porque como sabe eu também não recebo vencimento como Presidente da República”.
 Aníbal Cavaco Silva  

Viúva de Joaquim Comboio quer “que se faça justiça”

Vai ser uma caminhada penosa e difícil, mas a primeira coisa a ter em mente é não desesperar.
"Há sentimentos que não cabem nas palavras e os dos familiares das vítimas mortais do naufrágio de 6 de Outubro, à entrada da barra da Figueira, são exemplo disso."

"O Francisco Assis bem podia trocar de partido com o José Pacheco Pereira ".


Ana Cristina Pereira Leonardo, no facebook.
Nada a acrescentar, a não ser referir que se arrumavam duas casas...

Um retrato actualíssimo, 144 depois...

Eça de Queirós, in As Farpas, 144 depois.
«O país perdeu a inteligência e a consciência moral.
Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os carácteres corrompidos.
A prática da vida tem por única direcção a conveniência.
Não há princípio que não seja desmentido.
Não há instituição que não seja escarnecida.
Ninguém se respeita.
Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.
Ninguém crê na honestidade dos homens públicos.
Alguns agiotas felizes exploram.
A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.
O povo está na miséria.
Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.
O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.
Diz-se por toda a parte: o país está perdido!»