domingo, 20 de julho de 2014

Presumo que Portugal ainda não seja a Figueira - "uma república de santanas"!..

"E é bom que o Dr. Passos perceba que, se persistir na tresloucada tentação de empurrar o Dr. Santana Lopes para as presidenciais, sujeitará o seu partido e o candidato a uma monumental humillhação, inversamente proporcional, aliás, à votação que poderá ambicionar obter. Apesar de todo o esforço do Dr. Passos e da elevada concentração de palermas, tarolas e bananas evidenciada pela política doméstica, não chegou ainda o tempo de sermos considerados oficialmente uma república de santanas."

daqui

Naufrágio do veleiro alemão em abril de 2013...

foto António Agostinho
Hoje, estou meditar sobre o assunto, pelo que não me peçam opinião. Todavia, presumo que a conclusão não deve andar longe disto...
Se há coisa com que lido mal é com acidentes no mar. Sou filho, neto e bisneto de pescadores, e estas tragédias tocam-me profundamente, até porque tenho antepassados que tiveram o mar como sepultura eterna.

Política

(Conversa de ontem,  à hora do fino com tremoços...) 
- Há quanto tempo é que não gostas de ninguém? 
- Eu,  às vezes,  gosto. Mas, arrependo-me rapidamente...

Na Aldeia... (II)

A mudança, porventura, lá para setembro, não vai mudar a vida na Aldeia.
Como não mudou em outubro do ano passado.
Na Aldeia, estes últimos 6 meses deram para ver, a vida não muda assim tão facilmente...
O que mudou a vida – a minha vida – foram aqueles momentos que ficaram gravados para sempre debaixo da pele, no lado esquerdo do peito.
Assim, de repente, recordo o primeiro beijo, uma reconciliação, a perda irrevogável de alguém que se ama, o momento em que consegui o primeiro emprego (mesmo a ganhar uma ninharia – estávamos em janeiro de 1973...), uma revolução ganha pelo povo nas ruas a cantar a pulmões cheios e perdida pelo mesmo povo nas urnas, aquele concerto do Carlos do Carmo na primeira Festa do Avante na antiga FIL, o nascimento da minha filha, alguns reencontros, alguns desencontros, inúmeras desilusões...
No resto do tempo, tenho tentado apreciar o essencial e descartar o acessório.
Assim, de repente, no futuro, gostaria ainda de poder recordar o jackpot no euromilhões e, ao menos, um pôr-do-sol de verão com alguém que tenha um abraço amigo, ternurento e quente, o que este ano não está a ser fácil...
Quanto ao resto: a vida na Aldeia vai continuar a fazer o seu caminho e dispensa que eu me aborreça com isso...
Aliás, como já escrevi em abril de 2010, aqui, quem conheça, minimamente que seja, a história da Cova-Gala, sabe que sempre foi uma aldeia pobre e periférica.
A vida local, virada para o mar e para a América (eram até há poucos anos atrás, as nossas grandes aventuras), ficou a dever-se, apenas, à insustentabilidade de cá viver.
Foi assim que, desde os finais do século XIX, nos atirámos para a diáspora, que continua ainda hoje, embora agora para destinos mais diversificados, mas que continua a levar alguns dos melhores para longe.
A falta de capacidade da Aldeia em gerar riqueza e bem-estar, tem obrigado os covagalenses a deixar o torrão natal em busca do pão noutras paragens – no país e no estrangeiro.
Qual maldição, persegue-nos a incapacidade local, para construir uma sociedade desenvolvida e evoluída, seja a que nível for - cultural, social e económico.
A acção dos políticos locais, nos últimos 20 e tal anos, teve em vista – e conseguiu e vai conseguir... - manter o status quo duma sociedade amorfa, descrente, pouco exigente, controlada em rédea curta, por via de uma política de várias dependências.
Ser cacique, como alguém me disse um dia numa conversa de café, dá muito trabalho. Mas, só assim se mantêm a rédea curta e se assegura a inércia que não permite a mudança do sistema de funcionamento da vida na minha Aldeia.
S. Pedro, vai continuar a ser o que é: uma mera entidade administrativa. Não tem alma.
Cova e Gala é a nossa Identidade, a nossa História, a nossa Alma aquela pequena terra que já foi mais de pescadores que não tem nome no mapa nem referência nas enciclopédias, mas vive, existe e pulsa, onde o «pato bravismo» já destruiu o que pôde – até o passado de que passa a vida a dizer-se defensor.

Bom domingo