sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

“19 funcionários que trabalham no edifício da Direcção Geral de Energia e Geologia adoeceram com cancro.”

“O primeiro-ministro, Passos Coelho, garantiu de manhã desconhecer o caso. Isto depois de o secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, ter avançado à TSF que se está à procura de uma outra localização para a DGEG, mas que é preciso encontrar uma renda mais barata e falta autorização do Ministério das Finanças.”

Continua mau tempo e a erosão continua ao ataque na Cova... (continuação)

Hoje não estive em S. Pedro, por isso tenho de recorrer às fotos do Pedro para fazer o ponto da situação...
Ver aqui e aqui.

Esta foto fez-me lembrar um poema...

foto de Pedro Agostinho Cruz

X&Q1197


i/Pitagórica

Custa-me dizê-lo, pois até  me fica mal, mas confesso que, de quando em quando, chego a ter pena do professor Marcelo...
Sobre o mundo e o país que ajudou a criar,  ele não diz nada quando tinha a obrigação de dizer - só fala a propósito de minudências...
Pelos vistos, tal como os maridos enganados,  só aparece quando não é preciso...

AINDA SOBRE A PRAXE



Pobre país, desgraçado, de desgraçados...

imagem sacada daqui
Ontem, três notícias, no mesmo dia, ao mesmo tempo, na mesma página do mesmo jornal, em 30 de Janeiro de 2014, naquilo que é hoje Portugal.
A saber: 
3 -"Hotel vai ser construído em cima da praia de Labruge".
Pergunte-se-lhes: empreendedores, ignorantes, "requalificadores" e "valorizadores", e demais responsáveis de "governo", "justiça", "ciência", "ordenamento do território", etc, etc, etc., blá blá blá, blá blá blá, blá blá blá: com que dinheiro se vai "defender" a orla costeira, num país do Atlântico Norte? É com o dinheiro pessoal (dos ordenados e reformas) de quem, no presente, governou e decidiu ou não decidiu seja o que for?  Ou é com o dinheiro público (que, no futuro, não vai haver) de todos os cidadãos, do Estado, do país que vier a haver, chamado Portugal?
Pobre país, desgraçado, que nem sequer sabe o que é o Mar - o seu Mar, o "Mar Português", no Atlântico Norte -, nem sabe do que é que esse seu Mar é capaz, nem sabe como o conhecer e como o enfrentar (e ainda têm que ser os estrangeiros a vir enfrentar as dificuldades típicas do Atlântico Norte, aqui naturais, para aqui criarem alguma coisa de produtivo como é a aquicultura, e não somente mais e mais especulações "comerciais" e "turísticas", como os indígenas gostam). Pobre país que chegou ao ponto de deixar os seus jovens andar a morrer nas praias, à meia-dúzia, em rituais "universitários" bizantinos e goliardescos, boçais, pseudo-feudais e pseudo-clericais, pretensamente típicos de "tradições antigas" ("tradições" que, na verdade, foram inventadas, há trinta anos atrás, por razões políticas [!] e que, na verdade, é obvio que são somente [pseudo-]"tradições" de canalhice e de pretensiosismo social, pseudo-elitista, dito "académico"), os mesmos rituais e as mesmas (pseudo-)"tradições" - de "bullying" colectivo e massificado (permitido, e impune, no interior das Escolas…!!) - que o Estado, durante décadas (a partir de Coimbra e da sua universidade pública lá existente), foi sempre permitindo, tolerando e incentivando, e alargando e deixando alargar às outras "Escolas" todas (!!!), superiores, e secundárias, e primárias... públicas e privadas (até aos jardins-escola...!!!!), em vez de nessas Escolas ter ensinado aos jovens o que é o Mar, e como o enfrentar...!!!!!
Pobre e triste país, de festas, e de futebóis, e de rituais, e de labregos, e de doutores, e de oficiais e comendadores da Ordem do Infante Dom Henrique que, no meio da desgraça inevitável, passam o tempo a encher a boca com retóricas de "Regresso ao Mar" e de "História dos Descobrimentos Henriquinos", etc, etc, etc., blá blá blá, blá blá blá, blá blá blá (sem sequer saberem o que é o Mar), e passam o (pouco) tempo que lhes resta a "discutir" e a relativizar, "democraticamente", tudo aquilo que é óbvio e evidente (para, assim, o postergarem). E passam o tempo, "academicamente", a epistemologizar as "pós-modernidades", de "Esquerda", etc, etc., etc., das suas "causas" fracturantes, do sexo dos seus anjos pagos com dinheiro público, nas universidades, ao mesmo tempo que deixam afundar, no caos, irreversível, a sua terra, o seu mar, a sua demografia (o seu povo), a sua verdadeira paisagem geográfica e humana.
Pobre país.
CEMAR (Recebido por mail)

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O futebol na Figueira nunca mais vai ser o que foi...

"Credores reclamam 8,9 milhões de euros à SAD da Naval".

Deve ser um sábio muito irritante...

Mas, porque é que, eu, figueirense,  encontrei há pouco o sábio e lhe perguntei  onde estava a “herança” da felicidade e o sábio fingiu, procurou nos bolsos das calças e respondeu-me:  "aqui não está!"? 

Continua mau tempo e a erosão continua ao ataque na Cova... (continuação)

foto António Agostinho
De ontem para hoje, a situação agravou-se. 
Veja a evolução: compare clicando aqui,  aqui, e  aqui.
E para o próximo dia 1 de Fevereiro parece que vamos ter uma espécie da ressaca do Hércules...

É isto o principal responsável da Universidade Lusófona?..

“Depois da casa roubada, colocaram trancas à porta”

Antes da morte de Clemente Imaginário e de Manuel Pata nenhuma das duas hipóteses aconteceram. A seguir, fechou-se o canal à navegação e passaram-se as embarcações do Portinho da Gala para o Porto de PescaFotos outra margem
A morte dos dois pescadores alegadamente provocadas pelas obras de construção da nova Ponte dos Arcos, aconteceu  na manhã de 19 de março de 2007.
Porém, muito antes, mais de um mês antes, os pescadores da pesca artesanal da Cova-Gala já andavam preocupados e  descontentes com as obras que então estavam  em curso na zona da Ponte dos Arcos.
Segundo quem se dedica a este tipo de pesca, o canal de navegação tinha ficado demasiado estreito, o que pôs em risco a segurança das embarcações e dos homens no decorrer da navegação naquele troço do rio.
O “canal da morte” deveria ter sido encerrado à navegação, como, aliás, aconteceu logo a seguir ao acidente
Isso, sabe-se hoje, teria evitado a morte dos dois pescadores.
Depois da “casa roubada, colocaram trancas à porta”, pois alguém interditou  depois do acidente que vitimou duas vidas  a “boca do inferno”.
Alguém teve “poder” para o fazer à posteriori. Portanto, alguém falhou.
Sabe-se que houve reuniões, antes do acidente, numa das quais foram ouvidas as preocupações dos pescadores, que devido às obras se queixavam das dificuldades em navegar pelo canal.
Louro Alves, Capitão do Porto na altura dos acontecimentos,  afirmou na sessão de julgamento em que foi ouvido que ninguém (entidades que participaram - Estradas de Portugal, IPTM, câmara, construtora, entre outras) levantou a “questão de interdição do tráfego no canal”.
Não obstante, já era equacionada, antes do acidente, a passagem das embarcações do Portinho da Gala, para o porto de Pesca, uma das soluções que Louro Alves defendeu e que poderia ter evitado o acidente.
A outra teria sido a interdição total do canal de navegação.
Antes da morte de Clemente Imaginário e de Manuel Pata, porém, nenhuma das duas hipóteses aconteceram. A seguir, fechou-se o canal à navegação e passaram-se as embarcações do Portinho da Gala para o Porto de Pesca.
À boa maneira portuguesa, “depois da casa roubada, colocaram-se as trancas à porta”...

Em tempo.
A próxima sessão do julgamento está marcada para 26 de fevereiro, às 09H00.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Uma questão de "costumes"

daqui

Arco-íris

foto António Agostinho

Continua mau tempo e a erosão continua ao ataque na Cova...

 Entre o 4º e o 5º. molhes a duna está a desaparecer perigosamente.
Entre o 3º. e o 4º. molhes, a protecção em pedra está a ser atacada perigosamente.
fotos António Agostinho

Houve alguém que disse que "todos os direitos das pessoas podem ser referendados"...

imagem sacada daqui
Foi o deputado Hugo Soares, do PSD, eleito no século XXI num Estado que, presume-se, é de direito democrático e uma democracia constitucional.

Das colectividades às coletividades...

“A Figueira da Foz tem motivos para se orgulhar do seu movimento associativo popular, sobretudo porque a sua qualidade e quantidade denotam a existência de uma sociedade civil forte e ancorada na cultura. As coletividades são uma emanação do poder das populações e visam satisfazer os seus interesses; devem procurar, pois, nesse terreno, os seus meios e recursos, o que não significa que, de uma forma transparente e objetiva, a administração pública não as apoie. Felizmente passaram os tempos em que o associativismo era campo de manobra política e em que o cheque levado no bolso ditava preferências e oportunismos. As associações estão a descobrir a sua força e as que sobreviverem a estes tempos ficarão como faróis a iluminar as que vierem.”  
Vereador António Tavares, na sua já habitual crónica das terças-feiras no jornal AS BEIRAS
"Não calcula o tempo que demoro a escrever aquela merda com 1400 caracteres. Leio aquilo tantas vezes... Volto atrás e vou para a frente. Só a trabalheira de arranjar assunto. Eu espontaneamente só tenho opinião uma vez por ano, agora tenho de ter todos os dias porque ganho a vida assim", disse um dia Manuel António Pina ao jornal i
Ao contrário de Manuel António Pina, não tenho opinião apenas uma vez por ano. Todavia, também não a tenho todos os dias. 
Diga-se, em abono da verdade, quando se tem um blogue, onde é suposto ter opinião, que tal pode constituir uma atrapalhação... 
Conheci, em tempos recuados, a opinião do António Tavares sobre as colectividades. Fiquei a conhecer, a partir de ontem, a opinião do vereador Tavares sobre as coletividades...

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Continua o mau tempo...

foto António Agostinho
Praia da Cova, 4º. molhe, o que fica mesmo em frente aos bares. Repare-se nos metros de areia em  falta. 
O acesso ao areal, que assentava no areal, encontra-se  agora suspenso no ar...

Praxe

A tragédia do Meco, que aconteceu há mais de um mês, tem sido o assunto do momento, nas últimas semanas. Infelizmente, o mediatismo à volta deste caso não se deve a estarem agora finalmente apuradas as circunstâncias em que os 6 jovens morreram, mas sim à insistência dos pais, mães e avós em não deixarem o assunto cair no esquecimento. Seis pessoas morreram em circunstâncias ainda por apurar, com a forte suspeita de que a morte possa ter ocorrido no contexto de praxe.
Assistiu-se a um triste espectáculo: silêncio, inércia e impassividade por parte das autoridades responsáveis pela investigação do caso. Os jovens faleceram a 15 de dezembro e só a 21 de janeiro a Procuradoria-Geral da República determinou a aplicação do segredo de justiça, chamando a si o inquérito.
O que aconteceu foi uma verdadeira tragédia. Crime ou não crime, a morte de 6 pessoas não pode ficar por investigar. 

Adeus Pete Seeger


Com 94 anos, foi-se embora ontem
Há pessoas que nos ajudam a acreditar que o mundo um dia será muito melhor.

Caso da morte de dois pescadores na Ponte dos Arcos em 2007: recomeçou ontem no Tribunal da Figueira da Foz o julgamento

 Clemente Imaginário, 69 anos. Manuel Pata, 71 anos.
 P
erderam a vida no rio que conheciam desde sempre. 
Um dos sete arguidos no julgamento da morte de dois pescadores, há sete anos, no rio Mondego, disse ontem que a Capitania do Porto também devia responder em tribunal, imputando responsabilidades à autoridade marítima. «Naquele caso é muito estranho que a Capitania não tenha feito a interdição do canal com os perigos que lá estavam identificados (…). Falta aqui um arguido, que é a Capitania», disse em tribunal António Churro, que, à data dos factos, era adjunto da delegação Centro do Instituto Portuário e de Transportes Marítimos (IPTM).
À margem da sessão do julgamento, Louro Alves, na altura comandante da Capitania do Porto da Figueira da Foz –  será ouvido hoje, durante a sessão, que começa às 09H00 –, afastou a responsabilidade que foi “atribuída” à autoridade marítima. “A responsabilidade era da entidade administrativa”, afirmou, em declarações aos jornalistas. “São águas interiores, estava na área de jurisdição do IPTM”.

Estacionamento pago no hospital foi assunto polémico na reunião de ontem

Foi o vereador e líder da coligação Somos Figueira quem tomou a iniciativa de abordar o assunto, ontem, na reunião de câmara. Miguel Almeida começou por solicitar uma reunião com a administração da Figueira Parques, a empresa municipal que requalificou o parque de estacionamento pago do Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF), que está aliás a explorar.
O autarca da oposição ressalvou que só não aprofundava a polémica questão por lhe restarem “algumas dúvidas”, depois de ter lido o contrato. No entanto, acrescentou: “ficou claro que o presidente da câmara é a favor, porque assinou o contrato”. Miguel Almeida constatou, por outro lado, que o documento fora assinado três meses antes das eleições autárquicas.
Porém, atirou, ficou na gaveta e só viu a luz do dia depois do ato eleitoral, dando a entender que o executivo socialista não o tornou público antes devido à impopularidade da decisão que permitiu taxar o estacionamento no hospital. Por outro lado, frisou ainda: “tendo em conta a dimensão daquilo que estava a ser tratado, não acho correto que a assembleia geral – a reunião de câmara - não se tivesse pronunciado”.

“Só quero fazer bem às pessoas”

João Ataíde, por seu turno, afirmou que só assinou o contrato “porque pensava que não ia prejudicar os utentes”. Para tentar remediar os prejuízos, o presidente da câmara adiantou que tem uma proposta que visa aplicar “um tarifário quase simbólico”, mostrando-se aberto a sugestões.
“Só quero fazer bem às pessoas. E vai ver como vou fazer bem às pessoas”, frisou o edil.
O presidente reiterou as razões que o levaram a rubricar o polémico contrato.
“O meu acordo visa satisfazer uma situação de ordenamento do estacionamento na área envolvente do HDFF e agilizar uma necessidade do hospital, e não tem fins lucrativos, pelo contrário”, sublinhou.

Assunto fedorento

João Portugal também se pronunciou sobre “este assunto que já cheira mal”, referiu. Para o vereador do executivo, o que se passou foi que “o HDFF solicitou à câmara a colaboração para melhorar o trânsito e o município disponibilizou-se a ajudar na melhoria dos serviços dos HDFF, apesar disto ser da competência do Governo”.
Antes de lançar um repto ao líder da oposição, Portugal classificou o debate que se arrasta em torno do estacionamento pago do hospital “um número político para fazer manchetes nos jornais”. A seguir, veio o desafio, que consiste em o PSD pedir ao ministro da Saúde que autorize o HDFF a pagar os 80 mil euros aplicados pela Figueira Parques e, assim, “o problema fica resolvido”.
Miguel Almeida, porém, não se deixou impressionar e retorquiu afirmando que “ficou claro que o PS também defende o parque de estacionamento”. O vereador solicitou ainda uma reunião, com carácter de urgência, com a Protecção Civil, para esta se pronunciar sobre a entrada de viaturas de emergência no parque de estacionamento pago. E considerou, por outro lado, “perigoso” que o HDFF tivesse pedido à câmara para requalificar o parque a fim de resolver um assunto num espaço municipal.  (AS Beiras)

Europa gastou um décimo da sua riqueza para salvar bancos...

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

"Adeus TMN. Vamos lá Meo, já em 2014..."

Mudou alguma coisa?.. Claro que não, o marketing é isto mesmo!

Serviço público

Rua do Hospital, Gala, freguesia e vila de S. Pedro, Figueira da Foz, defronte à agência do Montepio Geral, uma das portas de entrada e saída para o acesso ao Hospital e às praias da Cova-Gala.
A cabine telefónica estava no estado que a foto publicada no passado dia 20 do corrente documentava...
Passados 7 dias, como se pode verificar pela foto, o assunto ficou  resolvido.
Muito bem.
Isto é serviço público.
Agora, espera-se que o público saiba preservar o que, em pleno funcionamento, tem utilidade pública.

Estacionamento do hospital em debate na reunião da câmara, via internet...

“O governo que devolva os 80 mil euros à Figueira Parques e o problema fica resolvido”, vereador Portugal...
E na sequência...
“É pá, já estamos há hora e meia no hospital, a primeira hora é grátis, mas”... presidente da Câmara...
E pronto, passámos à Naval e à ocupação do espaço dos campos do Estádio Municipal...
Nossa Senhora do Caravaggio nos valha...
Entretanto, é preciso tempo para resolver o problema da Naval...

“Revisão do Plano de Ordenamento da Orla Costeira impede ampliação do hospital”...

Já agora: sabem se a ampliação do parque de estacionamento pago do hospital também  consta da agenda da reunião da Câmara da Figueira da Foz que se realiza hoje, pelas 15H00?..
Como sabem,  o soutien deixou de ser um acessório indispensável para a mulher portuguesa de há anos a esta parte...

CEMAR comemora 19 anos de vida

Hoje, celebra-se o 19º aniversário do CEMAR - Centro de Estudos do Mar e das Navegações Luís de Albuquerque.
Esta associação científica privada sem fins lucrativos, foi fundada na Figueira da Foz, em 27.01.1995, por iniciativa do historiador Alfredo Pinheiro Marques e da Câmara Municipal da Figueira da Foz,  com sede no Forte de Santa Catarina (Foz do Mondego) e dedicada a "o Mar e aquilo que através dele fizeram [e fazem] os Portugueses".

A praxe mata, às vezes o corpo, mas sempre a cabeça

«Ao institucionalizar a obediência aos mais absurdos comandos, a humilhação dos caloiros perante os veteranos, a promessa era a do exercício futuro do mesmo poder de vexame, mostrando como o único conteúdo da praxe é o da ordem e do respeito pela ordem, assente na hierarquia do ano do curso.
Mas quem respeita uma hierarquia ao ponto da abjecção está a fazer o tirocínio para respeitar todas as hierarquias. Se fores obediente e lamberes o chão, podes vir a mandar, quando for a tua vez, e, nessa altura, podes escolher um chão ainda mais sujo, do alto da tua colher de pau. És humilhado, mas depois vingas-te.»
A abjecção das praxes, por José Pacheco Pereira.


«Não basta acharmos que o estudante comum, que aceita a praxe ou a põe em prática, é um simples e acéfalo maria-vai-com-as-outras, controlado quase sempre pelos medíocres «veteranos», que veem nestes momentos uma ocasião única para fruírem da autoridade e do reconhecimento que jamais terão no resto das suas vidas. E também não podermos forçá-lo a ler Wilhelm Reich para compreender a psicologia de massas do fascismo e reconhecer o modo como o caminho da submissão cega à hierarquia e ao império do mesmo é um passo curto para o reino uno da escravidão. Mas podemos impedir por regulamento – podem-no o Estado, as universidades, as associações de estudantes, os partidos políticos, as famílias (que por vezes têm também responsabilidades nesta matéria), até as juventudes partidárias (para algo de socialmente positivo podem elas servir) – que o pequeno totalitarismo praxista se instale e governe as escolas superiores e o universo estudantil a seu bel-prazer.
Mesmo sem proibir as praxes, o que não me parece de todo possível ou sequer saudável, até porque poderia provocar como efeito oposto a sua proliferação não-controlada, é possível conter formalmente os excessos e a loucura das suas práticas mais violentas e obsessivas. Depois competirá aos próprios estudantes perceberem que existem atividades bem melhores, mais emocionantes e integradoras, mais divertidas até. E procurarem-nas, fazendo delas alimento da melhor parte das suas vidas.»
Cinco mitos em torno das praxes, por RUI BEBIANO

domingo, 26 de janeiro de 2014

Uma estátua que continua a intrigar os figueirenses...

... mas, o previsto contra-ataque dos guerrilheiros está aí:

Álvaro Dias
foto daqui
“Dizem-me que os seguidores do senhor organizaram três corridas pedestres na cidade com cerca de 50 participantes. Mas no que ao atletismo diz respeito na galeria dos ilustres estaria à cabeça o figueirense Álvaro Dias esse sim merecedor de homenagem se houvesse critério.
Pois mas está visto que não há!”

Joaquim Gil, advogado, ontem, sábado, nas BEIRAS

Recordando o Luís Elvira

O rio Mondego,  agora  considerado uma barreira entre a sede do concelho e a freguesia de São Pedro, “difícil de transpor”, já foi em tempos ainda não muito recuados, um factor de aproximação e uma via utilizada para ligar as duas margens do Mondego.
Alguns de nós ainda se recordam dos dois barcos – o Gala e o Luís Elvira - que efectuavam a ligação entre a Gala (no verão com passagem pelo Cabedelo) e a Figueira.
Outros tempos, outras cabeças pensantes, em que o Mondego era visto como um factor de aproximação.
Agora, apesar das modernas e espaçosas pontes, “o rio Mondego é uma barreira difícil de transpor!...”  “Outros tempos, outros pensamentos”!...

Uma carta aberta ao senhor ministro que termina assim:

"Que a vida de investigador, o bolseiro em particular, nunca foi fácil em Portugal isso é um dado adquirido - quer-se rir um bocadinho sr. ministro? Sabia que existe código de actividade profissional para astrólogo (CAE 1316) mas não existe um para investigador? LOL sr. ministro, LOL - mas já se perguntou porque é que apesar de não termos subsidio de férias nem de natal (imagine a nossa confusão em sentir a revolta dos portugueses quando o seu colega sr. primeiro-ministro cortou nos subsídios), de não sermos cobertos pela segurança social, de não fazermos descontos, de termos valores de bolsas que não são revistos há mais de uma década, e outros tantos desajustes com que, com certeza, está familiarizado, continuamos na ciência? já alguma vez pensou nisso? porque, acima de tudo, somos uns sonhadores. Temos que ser sonhadores, temos que ser loucos, acreditar no que não existe, no que não vemos, no que não podemos tocar nem ouvir, temos que ir atrás para perceber porquê, perceber como, temos que questionar, dizer que não, temos que amarrar uma chave a um papagaio e largá-lo no meio de uma trovoada, que deixar as nossas culturas ganhar bolor e ousar pensar que a terra não é plana.
Se o sr. ministro acha que o sonho não tem lugar na “vida real” então tenho pena de si - tal como as crianças acreditam que os ovos vêm do super mercado também o sr. ministro deve acreditar que o seu rato sem fios veio da fnac. Se assim é sr. ministro, está no seu direito, mas então não se envergonhe e, mais importante, não nos insulte.
Sem mais."

Para ler na íntegra - e vale bem a pena, clicar aqui.

Despesas não identificadas...

... de 500 milhões de euros!..

Será que esta noite tivemos mais um caso "Calabote"?.. *

«Quando acabou o nosso jogo estávamos apurados e cinco minutos depois o FC Porto marcou. É de lamentar este tipo de jogos não começarem e acabarem ao mesmo tempo. Pode levantar suspeitas. Não é bom para o futebol. Era importante a Liga corrigir esta situação. Mas isso agora é passado», afirmou o técnico leonino em declarações à TVI.


·   * Mais um golpe de Mestre?
   Nada que não tivesse sido previsto...

Bom domingo

sábado, 25 de janeiro de 2014

Na Internet já apareceram ameaças a quem “falar”, tal e qual como na máfia. O sr. ministro da Educação, depois de tantas trapalhadas, devia agora tratar da sua enegrecida reputação com um gesto limpo: fechar a Lusófona e punir os responsáveis que deixaram crescer a barbaridade das “praxes”.

Praxes: igual à máfia?

"Eucaliptos dominam pedidos ao abrigo da nova lei de arborização"...

Querem saber o que isto quer significar?.. Continuem a ler...
“As chamas vão continuar a consumir hectares de floresta; o combate às chamas vai continuar a sair do bolso dos contribuintes, para gáudio dos combatentes privados e luto dos combatentes públicos; o combate à desertificação do território, num futuro próximo, também vai sair do bolso do suspeito do costume – o contribuinte; as vidas humanas e a miséria do dia seguinte ficam a cargo dos mesmos de sempre – os que já pagam o combate às chamas e vão pagar a guerra contra a desertificação do território; a biodiversidade fica por conta dos contribuintes das gerações futuras [onde é que eu já ouvi isto?]; as televisões vão ganhar shares de audiência, assim que mudarmos para a hora de Verão, com directos do local do crime e bate-papos da treta com especialistas da tanga; o lucro, esse, já se sabe para quem fica, porque o crime compensa e está consagrado em papel de Lei e tudo. É toda uma indústria à roda do património natural, comum a milhões para benefício de algumas dezenas.”

aF nº 218


Uma coisa é certa: é um texto com muita piada...

“As estradas e a Serra”, uma crónica de João Vaz, consultor de ambiente e sustentabilidade, publicada hoje nas Beiras:
“Há ainda ruas e estradas municipais esburacadas e em mau estado de conservação, algumas mal sinalizadas e perigosas.
Os prejuízos são evidentes, a mecânica do carro sofre, o bolso do contribuinte também, aumenta a insegurança rodoviária.
A Câmara é responsável por tapar buracos, mas não o consegue fazer a tempo e horas. Faltará mais organização (tapar o buraco antes que surja a cratera, fechar fissuras para que não entre água) e, acima de tudo, não há dinheiro. O serviço da dívida é um garrote: 8 milhões de euros por ano, fruto de vários anos de “buracos” e má gestão (1997-2009).
Uma parte dos 28 quilómetros das estradas da Serra Boa Viagem também estão em mau estado, há mais de 20 anos, apesar do reduzido tráfego e uso. A Autoridade Nacional da Floresta (o Estado central) deveria reparar uma parte destas vias, tornando-as transitáveis, mas não o faz, por falta de recursos, imagino eu.
Quem poderá fazer algo para melhorar as estradas da Serra são os deputados na AR, influenciando o Governo (PSD/CDS) para que haja verba.
A oposição (PSD) insiste desde a campanha eleitoral que as estradas da Serra não são reparadas porque alguém (quem será?), na estrutura dirigente da Câmara, bloqueia esta pretensão.
Hipoteticamente teríamos um ”ecologista profundo” descolonizando-a da presença humana! Contudo, tal pessoa não existe na Figueira. Todos queremos passear pelas estradas da Serra, sem buracos, entre as folhas no chão e as giestas selvagens.”

Depois de ler esta crónica, o que aconteceu há segundos, confesso:
1. Fiquei espantado por haver  “estradas municipais esburacadas”;
2. Fiquei espantado “por a Câmara ser responsável por tapar buracos”;
3. Fiquei espantado por haver “a necessidade de mais organização – tem-se de tapar o buraco, antes que surja a cratera”;
4. Fiquei espantado por “uma parte dos 28 quilómetros das estradas da Serra Boa Viagem também estarem em mau estado, há mais de 20 anos, apesar do reduzido tráfego e uso”;
5. Fiquei espantado “com a falta de empenho dos deputados da AR”;
6. Fiquei espantado com “a insistência da oposição (PSD)”;
7. Fiquei espantado por “todos querermos passear pelas estradas da Serra, sem buracos, entre as folhas no chão e as giestas selvagens.”
8. Fiquei espantado, sobretudo, com a inexistência de um ”ecologista profundo”.

Resumindo e concluindo.
Alguma vez sentiram, ao ler um romance traduzido para português, que simplesmente não o conseguem compreender?
Por mais vezes que o releiam, ele é incompreensível, ilógico ou não se enquadra no contexto em que está inserido.
Tratando-se de uma obra literária de qualidade, o mais provável culpado será o tradutor. 
No caso da crónica acima, porém, o mais provável culpado pela incompreensão, só posso ser eu – leitor impreparado e limitado.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Como evitar um anexo...

"Luiz Goes vai ser a primeira figura de relevo de Coimbra a ser trasladada para o jazigo n.º 33, na Conchada."
Cá está a alternativa que faltava para a falta de "camas", prevista para o Panteão Nacional...
Coimbra, sempre uma lição...

Doutor Nobre...

Fernando Nobre andou meses a fazer campanha eleitoral para a presidência da república, jurando aos portugueses que estava acima dos partidos. 
Depois, como se lembram, foi o cabeça de lista do PSD por Lisboa e candidato a presidente da AR se o PSD vencesse as eleições, como aliás aconteceu.
Não precisávamos de Fernando Nobre para nos confirmar que a política em Portugal, hoje em dia, é uma obscenidade, um jogo de interesses obscuros, onde está aberto o campo a todo o tipo de oportunismos.
Depois, todos nos recordamos do que aconteceu: o chumbo de Fernando Nobre para presidente da AR, do meu ponto de vista um favor que o PS fez ao PSD (mais um): se tivesse seguido a tradição e eleito o candidato do partido maioritário na AR, cumpria um preceito estabelecido, forçava uma fricção entre o CDS e o PSD e ainda nos estaríamos a  divertir com o mais inábil presidente da AR da história parlamentar.
Fernando Nobre seria sempre um embaraço para o PSD.
“Estou em período de reflexão, mas acho que é extemporâneo e precipitado”, disse Nobre em relação a uma possível corrida a Belém nas próximas eleições presidenciais, que acontecem em 2016.
“Com toda a humildade, até hoje, eu fui o único candidato presidencial verdadeiramente independente neste país. E fico-me por aqui”, rematou ele.
E eu deixo ao senhor doutor Nobre, apenas, e mais uma vez, esta pergunta: o que leva Fernando Nobre a expor-se a estas tristes figuras?..

O fogo de artifício do governo a ser pago por nós...

E, lá para julho,  Portugal pode chegar à final da "copa"
Espero que não seja mais uma desilusão...

À medida e à descarada...

Na avalanche de concursos abertos para a administração pública, nas últimas semanas - que estão sob avaliação da Comissão de Recrutamento e Selecção da Administração Pública (CRESAP) - há critérios apontados e preferências definidas que apontam para cargos à medida. Dá-se preferência, por exemplo, a quem tenha desempenhado "cargos de dependência directa de membro do governo" e noutro "a prestação de apoio técnico especializado aos membros dos gabinetes do Ministério das Finanças".
Os critérios estão lá todos, mas  o requisito principal  resume-se a isto: boy com experiência de boy!..
Hoje o DN noticia mais um concurso à medida...
"Subdirector-geral do Tesouro tem curso de Engenharia e Gestão Industrial e experiência em imobiliário como era exigido para o cargo".
Isto é menos que terceiro mundo?..

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Obrigado presidente (II)

Secretária do Presidente posa nua nas horas vagas.

"A Voz da Figueira", a segurança marítima, o Com. Baldaque da Silva e a erosão costeira ao longo dos anos...


O  semanário "A Voz da Figueira", dedicou na edição mais recente, desenvolvidas reportagens sobre segurança marítima, porto comercial e Homenagem ao Engenheiro Hidrógrafo figueirense Com. Antonio Arthur Baldaque da Silva -  autor do malogrado "Porto Oceânico-Comercial do Cabo Mondego (Buarcos)" que nunca chegou a ser construído...
Todavia,  isso não constitui novidade, pois como podemos confirmar pelas imagens, este jornal sempre prestou uma especial atenção e interesse a estas matérias, como é o caso desta edição, em que dedicou a estes assuntos algumas páginas.

Obrigado presidente....

Graças a V. Exa.,  ficamos a recordar  uma assessora presidencial portuguesa que é um caso à parte no contexto da União Europeia... 
Bom esforço...

“A democracia não é a lei da maioria, mas a protecção da minoria”... *



Saída de pessoas qualificadas para o estrangeiro "é positiva"disse o secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, Pedro Pereira Gonçalves...
* O título é de Albert Camus, falecido a 4 de janeiro de 1960, mas bastante mais actual e interessante do que muitos espertalhões, pretensamente vivaços,  que por aí circulam...

Como bem sabemos, tem sido um pesadelo para todos nós ...

Tem sido um pesadelo para todos nós,  cidadãos e consumidores domésticos,  mas, igualmente, para as empresas, pois estes  preços da energia  também afectam a competitividade das empresas portuguesas.
Contudo, as confederações patronais, que me recorde, nunca fizeram campanha a sério contra os preços da energia...
Pelos vistos é mais fácil e mais cómodo ir na onda  da campanha sobre os custos salariais, em Portugal que, certamente, apenas por mero acaso, até já são dos mais baixos da Europa...

Recordando um texto de João Pereira Mano a propósito de Baldaque da Silva

O projecto do Engenheiro Hidrógrafo Com. Antonio Arthur Baldaque da Silva para a construção do "Porto Oceânico-Comercial do Cabo Mondego" (1913), o porto de águas profundas, no Centro de Portugal (Buarcos - Figueira da Foz), destinado a servir todas as regiões do Centro-Norte de Portugal e até mesmo Castilla-León,  projecto esse aprovado no tempo da I República Portuguesa, mas que, depois, nunca foi construído e que, com o tempo, veio a ser substituído pelos projectos de outros portos principais (Leixões, e Sines) e de outros portos regionais (Aveiro, Viana) que, ao longo do século XX, vieram a ser construídos no litoral ocidental de Portugal, foi recordado no passado dia 17 do corrente, no decorrer da Conferência “Apoio Oceanográfico à Segurança Marítima na Figueira da Foz”, que se realizou no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz.
A propósito, recorde-se um texto do Capitão João PereiraMano,  (autor de
"Terras do Mar Salgado: São Julião da Figueira da Foz…" [1997], Associado Honorário do CEMAR-Centro de Estudos do Mar [2008], e Medalha de Ouro de Mérito, a título póstumo [2012], da cidade da Figueira da Foz), acerca do Com. Antonio Arthur Baldaque da Silva e acerca do seu projecto de porto oceânico de águas profundas a construir no Cabo Mondego (Buarcos):
(…) Autor de diversos projectos de portos portugueses, e mesmo estrangeiros, o engenheiro Baldaque da Silva — filho do engenheiro Silva que em 1859 conseguiu restabelecer a barra da Figueira ao Norte, depois de ter construído o dique ou paredão do Cabedelo —  foi o autor do projecto do “Porto oceânico-comercial do Cabo Mondego” que, além do molhe de abrigo  —  agora muito bem lembrado na imprensa pelo figueirense Bruno de Sousa  —  delineava uma doca comercial de 52 hectares de área, só aberta nos 150 metros da sua entrada, limitada a Oeste pela parte do molhe que termina nos Formigais, e concluía por uma portentosa rede de canais a
ligar o novo porto a Aveiro, Leiria e Coimbra — já não  falando em estruturas diversas, como sejam diques, doca de pesca e o respectivo cais. Na altura, e ainda anos depois, os jornais da Figueira bateram-se pela execução deste, ou de parte deste projecto, tendo mesmo “A Voz da Justiça” começado a publicar o trabalho deste denodado engenheiro hidrógrafo, a partir do  nº 1136, de 21 de Out. de 1913. Mas, como é óbvio, nada conseguiram. Porém, se a Figueira quiser ter um PORTO só ali o terá. Como a Cidade Invicta  teve o seu em Leixões. E, no Cabo Mondego, há ou havia, para tal, condições muito mais propícias do que aquelas que a foz do rio Leça ofereceu. (…)

(in MANO, João Pereira, Terras do Mar Salgado: São Julião da Figueira da Foz, São Pedro da Cova-Gala, Buarcos, Costa de Lavos e Leirosa, Figueira da Foz: Centro de Estudos do Mar, 1997, pp. 321-322.
João Pereira Mano, nasceu na  Gala, então freguesia de Lavos, concelho da Figueira  da Foz, em 2 de Setembro de 1914. Faleceu em Lisboa, em 8 de Agosto de 2012.)

Sábado, Banda da Armada no CAE


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Dom Bosco nos proteja

É sabido que, em épocas de crise, o fervor religioso aumenta.
E é inegável que, cá pela Figueira,  a sátira e o humor rasteiro vivem uma das suas mais profundas crises. Desta forma, resolvemos apelar a Dom Bosco que, esperamos, venha a ser  o padroeiro das bacoradas e do futebol, para nos proteger da desgraça e  da falta de assunto...

Promessa do Miguel...

"Pois... Poucas horas depois das "Beiras" chegarem às bancas recebi um email, com a cópia do contrato. Vamos analisá-lo e continuaremos a lutar para que se ponha termo ao pagamento do parque de estacionamento do HDFF."
Pois...
Os blogues estão em desuso!..

Uma obra, datada de 1913, da maior importância para compreendermos a decadente Figueira de 2014...

São textos introdutórios acerca dum "projecto" notável não realizado de novo trazido aos olhos do público.
O livro "Portos e Canaes" (1913),  contém o célebre projecto da construção do malogrado "Porto Oceânico-Comercial do Cabo Mondego [Buarcos]" da autoria do Engenheiro Hidrógrafo figueirense Com. Antonio Arthur Baldaque da Silva, o porto que em 1913 chegou a ser aprovado, mas que, na verdade, nunca veio a ser construído.
Devido à sua não-construção, e ao "erro histórico" da construção, em vez dele, do pequeno porto fluvial e de marés no estuário do Mondego, a Figueira da Foz perdeu a sua grande oportunidade histórica de desenvolvimento, e avolumou a situação que levou à sua decadência futura.

Fernando Campos regista o retorno do vereador Tavares aos jornais

“Napoleão Bonaparte dizia que nunca se deve interromper um inimigo quando ele está a cometer um erro. A verdade porém é que não considero o vice-presidente um inimigo; nem me considero aliás visado pela artilharia vaga deste colunista das beiras (tenho quase a certeza que ele, na sua douta ignorância, nem sequer sabe que este blogue existe, nunca cá veio, nem conhece ninguém que o tenha feito) e  enfim, não sou nenhum napoleão; não cultivo aquilo a que o imperador dos franceses chamava “inimigos” - não que não os tenha, mas a mim (não sei porquê, embora imagine) eles não se me declaram.
Posto isto, permito-me considerar que António Tavares comete um erro e, já agora, que também ele não é nenhum Bonaparte – quero dizer, ele já é pro-cônsul da Figueira e pode ser que chegue a cônsul e até, depois, a imperador, mas nunca será um grande estratega – essa é que é essa”, escreve o Fernando Campos...
Que mais adiante, e a terminar,  remata:
“O que me parece que ele teme (e é natural, tal como em Napoleão) é o que não controla. E isso agora está nos novos suportes das tecnologias da informação: a expressão livre da opinião.”

Dinheiros públicos, negócios privados...

foto sacada daqui

"A Casa Fernando Pessoa adjudicou vários serviços por ajuste directo, desde o final de 2012, a uma pequena empresa que tem escritório em casa da sua directora artística, a escritora Inês Pedrosa."

GPS

Que belo nome!..
Eles  sabem orientar-se tão bem...
Curiosamente, há transporte escolar feito no nosso concelho por esse Grupo GPS liderado por um senhor chamado António Calvete...
Com tantos apoios estaduais até o maior dos cegos é rei!
Esse Grupo bem pode agradecer aos sucessivos governos PS e PSD (o chamado bloco central dos arranjinhos...) que, numa lógica de privatização da educação, preferem entregar dinheiro a uns tantos privados (para de forma indecorosa exteriorizarem riqueza por todos os lados) do que ajudar as escolas públicas que, por vezes, não têm condições mínimas de funcionamento.
Foi preciso uma investigação da TVI o ano passado, liderada pela  jornalista Ana Leal, para pôr a nu os podres que muitos de nós já conhecíamos e falávamos nos cafés.

Estacionamento do Hospital Distrital da Figueira da Foz: a trapalhada continua!..

Miguel Almeida não acredita em “falha de comunicação” na câmara
Em notícia hoje publicada no jornal AS BEIRAS, Miguel Almeida, líder da coligação Somos Figueira e da Concelhia do PSD, acha “estranho” que o executivo camarário, de maioria absoluta PS,  ainda não lhe tenha feito chegar uma cópia do contrato celebrado entre a Figueira Parques  e o Hospital Distrital da Figueira da Foz.
Lembre-se, que o vereador tinha feito o requerimento no início do mês, na reunião de câmara.
“No mínimo, não deixa de ser estranho que, mais de 15 dias depois, ainda não me tenham dado o contrato para o poder ler”, declara Miguel  Almeida ao jornal.  “Agora, já não basta o contrato, porque tem de haver uma explicação por ainda não o terem enviado. Espero que não estejam a fazer o que já deviam ter sido feito, ou seja, o próprio contrato”!..
Contactado pelo  jornal, o administrador da Figueira Parques, Hugo Rocha, disse que “houve uma falha de comunicação” entre ele e o chefe de gabinete da presidência. Pensava o administrador,  que a cópia do contrato era para ser entregue ao requerente na próxima reunião de câmara, daí ainda não a ter enviado para Tiago Castelo Branco.
Face a isto, Miguel Almeida foi claro na resposta :  “ou o chefe de gabinete ou o administrador da empresa municipal estão a faltar à verdade, porque questionei, em duas ocasiões, Tiago Castelo Branco sobre o assunto e ele respondeu que estava à espera que a FP lhe enviasse a cópia do contrato”.
“O pedido foi solicitado à FP na mesma reunião de câmara. Dois ou três dias depois, voltei a solicitar o envio da cópia”, esclareceu, por seu lado, Tiago Castelo Branco. “Por falha de comunicação, o administrador da FP não a entregou, presumindo que fosse para a próxima reunião de câmara”, disse ainda o chefe de gabinete de João Ataíde, garantindo que “a cópia será enviada de imediato” ao vereador Miguel Almeida.
O DIÁRIO AS BEIRAS não falou com o presidente da Câmara da Figueira da Foz e da Figueira Parques, pois João Ataíde encontrava-se nos Estados Unidos. 
Segundo o jornal, regressa hoje à Figueira.

Calma

Calma camarada...
Há que ter em conta a lista de espera.
Prioritariamente, deverão estar os PIDES de Cavaco Silva...