sábado, 17 de fevereiro de 2018

Amar é sofrer. Para evitar sofrer, não se deve amar. Só que também se sofre por não se amar.

"Cozinhar não é serviço… 
Cozinhar é um modo de amar os outros" 
Mia Couto

No Congresso do PSD, o antigo líder parlamentar anunciou a saída do parlamento, prometeu voltar à luta para a liderança do partido e, perante os militantes, não poupou Rui Rio...

O DEBATE IDEOLÓGICO NO PSD

"Poderia ser salutar assistirmos a um debate ideológico no PSD, mas esse suposto debate apenas revela que este partido está a passar uma fase de pouca esperança. Sempre que os dirigentes do PSD não sabem o que fazer olham para o umbigo e procuram nas ideias as causas das suas fraquezas, a desculpa para não estarem no poder. 

O PSD não foi feito para debater ideias, mas sim para conquistar o poder, é esse o objetivo que une os seus senhores, os seus dirigentes são escolhidos em função da sua capacidade para ganharem eleições. Desde a sua fundação que a ideologia sempre foi uma questão secundária, o PSD já apoiou a revolução, o MFA e o socialismo, já foi contra a Europa e a favor da Europa, já foi contra o bloco central e a favor do bloco central, ora se diz social democrata, ora é o partido da extrema-direita chique, ora é de esquerda, ora é de direita.

Quem adere ao PSD não espera que os dirigentes sejam de esquerda ou de direita, o que lhes importa é que se ganhem eleições autárquicas, regionais e legislativas. O PSD é uma espécie de clube de futebol, não importa as cores do treinador, a nacionalidade dos jogadores, ou se o golo foi marcado em fora de jogo, o que importa é que se ganhem títulos. Quando a equipa não ganha é que se discutem as táticas e se exige a busca de um treinador ganhador.

O debate ideológico no PSD apena significa que os seus dirigentes passam por uma crise de confiança, se acreditassem no seu líder, seja ele Passos ou Rio, ninguém se preocuparia em saber se estava à direita ou ao centro. Os senhores do PSD desencantaram-se do Passos Coelho, defenderam-nos até ao limite, mas os resultados nas autárquicas forçou-os a mudar. Agora não confiam muito em Rui Rio e em vez de discutirem o poder debatem como reagir a mais uma derrota.

Esta não é primeira vez que o PSD debate o seu programa, já o fez nos primeiros tempos de Passos Coelho, na ocasião falava-se de refundação e Pinto Balsemão até ficou de elaborar um novo programa. Com a crise financeira, regressaram ao poder e esqueceram logo a refundação.

Quando os militantes perceberem que Rui Rio não lhes devolve o poder e todos os seus benefícios terá os seus dias contados. Não importa se o poder chega com uma coligação com o PS ou com o CDS e muito menos o programa do governo, o importante é estar no poder."

Via O Jumento

Para o ano há mais...

Quem gosta de fotografia e percebe do assunto, perde-se com enquadramentos, cores, esquadrias, ângulos e cambiantes de luz e sombra! 
Estas fotos do Pedro Agostinho Cruz, têm um pouco disto tudo de uma forma evidente. 
Eu, que não percebo nada de fotografia, gosto, sobretudo da beleza. 
As fotos têm muita beleza. Aproveitem. 
Como diz o Pedro: "para o ano há mais"...

Como se faz um canalha


"Há imagens que não se esquecem e que definem as pessoas. Uma delas é a de Rui Rio num barco, no Rio Douro, a abrir uma garrafa de champanhe com os seus convivas enquanto assiste à demolição de uma das torres do Bairro do Aleixo. No bairro – sei-o porque estava lá – o clima era de desespero, com um enorme aparato policial montado, mulheres que gritavam de raiva ao ver a sua casa ser implodida, homens a chorar junto ao gradeado enquanto o pó dos destroços se espalhava, crianças atónitas junto ao lugar onde até há poucos dias brincavam e que parecia, agora, um cenário de guerra. Se acaso a demolição daquelas torres tivesse sido negociada com a população, talvez um Presidente da Câmara estivesse junto aos moradores naquele momento, de consciência tranquila por ter cumprido o seu dever e garantido uma alternativa para a vida daquela gente. Se não fosse esse o caso, uma pessoa normal que tivesse tomado convictamente aquela decisão teria ao menos o pudor de se remeter ao silêncio perante o sofrimento dos outros. Rui Rio não fez uma coisa nem outra. Foi para a frente do bairro, no aconchego de um barco no meio do rio, juntou os amigos e celebrou, frente aos cidadãos desesperados da sua cidade, o momento em que as suas casas a vinham a baixo. Perante o sofrimento dos outros, Rui Rio sorriu e brindou. Independentemente do que cada um possa pensar sobre as soluções para o Aleixo – e há muitas opiniões – uma coisa parece-me estar para além das discordâncias políticas: quem faz isto é um canalha. E eu, como muitos outros, não esqueço."
JOSÉ SOEIRO

Reparem bem no que diz de nós este palhaço malandro...

"Para o presidente do Fórum para a Competitividade há falta de mão-de-obra em todos os setores mas ninguém quer trabalhar"!..
Ferraz  da Costa é mais um daqueles  que são liberais quando se trata de falar do vínculo laboral dos outros, mas é estatizante quando se trata de tentar mamar nos impostos para subsídios nos negócios. 
Faz-te à vida mamão: chora menos e vai mas é trabalhar... 

Que é a vida senão uma série de loucuras inspiradas?.. *

Para ler melhor clicar na imagem. Via AS BEIRAS

Na Figueira, a política anda tão rasteirinha...


Inqualificável..

Nota de rodapé. 
"As perguntas feitas a Salvador Sobral por José Adelino Faria, no telejornal da da RTP 1 da passada quinta-feira, foram abaixo de tudo o que se possa imag.inar! Valeram as respostas de alguém inteligente e com uma paciência de santo Ou ter-se-ia levantado e saído pela porta fora."