A apresentar mensagens correspondentes à consulta basta de realidade venham mais sonhos ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta basta de realidade venham mais sonhos ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 21 de junho de 2016

Outdoor´s 2009 - 7...

Basta de realidade. Venham mais sonhos!
E pronto, durante sete dias, sete, recordámos, sete cartazes de propaganda política, sete, de um político que, na campanha de 2009, usou sonhos caros, sem saber realmente quanto custavam...
Foi apenas mais do mesmo.

Como puderam constatar, é fácil perceber os resultados eleitorais que se verificaram nas eleições autárquicas na Figueira nos últimos 40 anos.
Os eleitores figueirenses são mais facilmente seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas exequíveis ou em obra feita.
É claro que há políticas com mérito, que são mal explicadas, ou cuja “explicação”, ou a falta dela, acaba por ser o seu principal óbice. Contudo, não são tantas como isso, são mais a excepção do que a regra. 
O seu reverso é igualmente verdadeiro, há políticas erradas que uma boa comunicação torna “boas”.
Mas, isso não é sustentável durante muito tempo

Não se esqueçam, portanto, de olhar para os 7 anos, sete, de gestão autárquica do presidente Ataíde e da sua equipa...
O saldo espectacular, que apurariam se se dessem a esse trabalho,  assenta numa fórmula mágica. 
Já testada por outros políticos, é uma fórmula com riscos mínimos. Funciona quase sempre  e pode ser aprendida em pouco tempo de poder...
A separação de águas, que se verifica - e é visível - no seio do poder político, na Figueira, entre o PS local, e quem manda na câmara, foi feita à custa da exclusão do partido.
É típica de políticos da "escola" tipo Cavaco Silva.

Ao PS figueirense ficou entregue a  agenda menor, ligada à partilha do pequeno poder pessoal e à dádiva de um ou outro tacho partidário  - a entrada, neste segundo executivo liderado por Ataíde, do jotinha Portugal à frente de António Tavares, explica-se por ter tido tudo a ver com isso...
Daí, a  gestão da câmara ter perdido dimensão e condução política,  neste segundo mandato de João Ataíde.
Eu, se fosse a V. Exas., nem perdia mais tempo a ler este blogue cuja memória só serve para recordar coisas da treta...
Basta de realidade. Venham é mais sonhos!

Nota de rodapé.
Continuação daqui, daqui, daqui, daqui daqui e daqui.

segunda-feira, 6 de março de 2017

Humor negro!

"Livro Branco da Figueira", é uma crónica de Teotónio Cavaco, deputado municipal do PSD, hoje publicada no jornal AS BEIRAS
Gostei de ler. 
Na Figueira, felizmente, há quem esteja na escrita e na política activa com educação e senso de humor. 
Na Figueira, depois de 40 anos a brincar com a gente, PS + PSD já se deviam sentir um pouco fartos...  
Confesso que nunca fui apreciador do "mais do mesmo" e, muito menos, admirador do seu humor...
Mas, eles não se cansam. E, passados 40 longos anos, querem continuar o "mais do mesmo"...
Esta cidade tem algo de muito especial. 
A explicação, possivelmente, terá a ver com o tipo de luz que temos, único e resplandecente,  que lhe é dado, não pelos imensos espelhos de água naturais, que são o estuário do Mondego,  que a bordeja de leste a oeste, ou do Atlântico, que lhe define a linha do horizonte a oeste, mas sim, pelo espelho de água junto ao Forte de Santa Catarina, magnífico e  perfeito, como são todas as obras do actual presidente da câmara,  que permitiram que em pouco mais de sete anos, tivesse sido possível estender a todo o concelho o reflexo radioso e pujante de uma governação camarária com a assinatura de João Ataíde e da sua extraordiária equipa de colaboradores.

Mas vamos ao que interessa. 
Gosto pouco de chefes. Contudo, reconheço que as lideranças são imprescindíveis. 
É bonito ver uma equipa a funcionar, a fazer parecer fácil aquilo que é bem difícil de conseguir! 
Na Figueira, como sabemos, isto anda sobre rodas! 
Quando a excelência, a cultura, a competência e a inteligência resolvem dar as mãos e formar uma equipa para liderar o concelho, os resultados aparecem com naturalidade.
A realidade, em si, não será totalmente interessante. 
Interessante é aquilo de que os mais atentos se apercebem, aquilo que os criativos imaginam, aquilo que os mais astutos conseguem vislumbrar!
Basta de realidade. Venham mais sonhos.

Vamos, então,à leitura da crónica.
"Os Livros Brancos surgem normalmente na sequência de Livros Verdes, tendo estes como fi nalidade lançar um processo de consulta, o mais abrangente possível quanto aos contributos, mas que proporcione a defi nição de uma Estratégia Global e de um Plano de Ação numa área específi ca, para que haja de facto consequências práticas impactantes e duradouras. Há cerca de três anos, a Figueira assistiu à apresentação, discreta q.b. vá-se lá saber porquê, de um “Plano estratégico de desenvolvimento”, documento sem grande coerência interna, vago e incompleto em diversas áreas, o qual duvido que alguma vez tenha sido considerado na defi nição de qualquer ação que se tenha empreendido desde então – referi na altura que estivemos à espera da Obra-prima e saiu-nos a prima do Mestre-deobras… Mesmo que, num cândido exercício de boa vontade, possamos considerar o PED uma espécie de Livro Verde, seria muito interessante aproveitar estes próximos seis meses para elaborar, entre todos os que se proporão liderar os destinos do Concelho, um verdadeiro Livro Branco da Figueira, o qual possibilite efetivamente resolver a equação “melhorar a vida de quem cá vive e/ou trabalha – tornar mais apetecível a estadia a quem nos visita para que queira ansiosamente voltar” (ou seja, na Figueira podemos ser felizes). Utopia? Impossibilidade? Loucura? Infantilidade? Ou será esta a altura decisiva para ir à procura, de novo, do futuro?"

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Lembram-se do concerto de Anselmo Ralph?..

A receita de bilheteira do concerto, realizado em 12 de agosto de 2016, na praça do Forte, ficou muito abaixo das expectativas.
Segundo adiantou, na altura, João Ataíde o presidente da autarquia,  ao jornal AS BEIRAS , foram vendidos apenas 2.720 bilhetes, contra as nove mil presenças esperadas!..
Recorde-se que a autarquia figueirense assinou um acordo com a Malpevent, cujos termos obriga o município a pagar à promotora do concerto 16.500 euros (IVA incluído), caso não se atingisse os 90 mil euros de bilheteira. 
Cada ingresso teve um custo de 10 euros. 
O espectáculo orçou em cerca de 78 mil euros.
“Fizemos, em termos de promoção, o possível, mas os números não foram atingidos, ficaram muito aquém das expectativas que tínhamos pelas referências do artista. O risco foi assumido, nem mais nem menos”, referiu o edil.
Entretanto, passou mais de 1 ano!.. A factura, mais tarde ou mais cedo, tinha de aparecer... 


Para ver melhor, clicar nas imagens
Nota de rodapé, que publiquei em 13 de agosto de 2107, nesta postagem.
A vida de um político responsável não é um jogo, na medida em que exige, a cada momento, opções que os responsabilizam. 
Para esse efeito, deve munir-se do máximo de informação, embora nunca consiga afastar totalmente o risco. 
Eu sei, penso que todos sabemos, que a apetência pelo risco é-nos inata. 
Desejamos ir mais além, superarmo-nos e, por vezes, pisar o risco. 
Só que, depois, sofremos as consequências... 
Senhor presidente, confirmado que está o falhanço, "deste seu incentivo à produção", e agora?...
Dr. João Ataíde: V. Exa. saiu-me cá um optimista!..
Basta de realidade. Venham mais sonhos!

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Mais um: desta vez, ALDI!...

Mais palavras para quê?
Em 26 de Março de 2017 já tudo foi explicado. Aqui.
Mais explicações. Leiam Isabel Maranha Cardoso, via DIÁRIO AS BEIRAS

"... a propósito das decisões que vêm sendo tomadas em matéria de ordenamento de território e planeamento urbano, quer na localização de superfícies comerciais quer de unidades produtivas localmente indesejadas, sempre com o argumento “legalmente não se pode recusar pois o Plano Director Municipal (PDM) permite”

Dum PDM que se revelou robusto e sobreviveu mais de vinte anos, passámos a um PDM, por este executivo camarário da Figueira da Foz revisto, permissivo, frágil e sem a necessária blindagem desprotegendo, ou desistindo dos interesses da cidade e dos figueirenses, quando tudo deixa instalar! Então qual foi a escolha política?"


As fotos que saquei daqui, falam por si. Estão a ver o que está a acontecer ao corredor verde das Abadias?.  


Basta de realidade. Venham mais sonhos! 

sábado, 18 de junho de 2016

Outdoor´s 2009 - 4...

Basta de realidade. Venham mais sonhos! 

Mais de sete anos, 7, decorridos, está provado que não se recolocam coretos só com promessas eleitorais...
Uma coisa, é o que os políticos dizem que querem fazer nas campanhas eleitorais. 
Outra coisa, é o que os políticos realmente querem fazer depois de ganharem as eleições.
Se duvidas ainda existissem, João Ataíde, desde 2099, aí está para o provar.
Mas, esta "estória" do coreto, politicamente, tem contornos mais profundos...

Muitos de nós recordam-se certamente da música a emanar do coreto do jardim municipal rodeado de gente ávida de a ouvir. 
Era assim, de forma simples e acessível, que a música e a cultura chegava aos figueirenses. 

E hoje, como é? 
Hoje, há concertos no CAE para elites que os podem pagar. Há iniciativas elitistas na Biblioteca Municipal, para os políticos se mostrarem em "traje de luces" para o social... 
Pobre gente e pobre social!
Entretanto, a falta do coreto faz imenso jeito aos que se vão demitindo de mais uma das suas funções: tornar acessível de forma simples a cultura ao Povo...
Ter um povo descontraído e alarve dá muito jeito.

Longe vai o tempo em que a devolução do coreto constava das promessas eleitorais do actual presidente, João Ataíde. Longe vai o tempo, da promessa de concretização, assegurada pelo então vereador do pelouro do Ambiente, António Tavares, da requalificação, na altura ainda “em esboço”, que iria desembocar num projecto que “incluiria o coreto e um coberto vegetal que garantiria alguma intimidade, mas sem perturbar a segurança de quem procura o jardim”.

Nota de rodapé.
Continuação daqui, daqui e daqui. Continua...

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Permitam a ousadia, não sou o Ramalho Ortigão para poder exercer crítica de costumes. As farpas que mando, é por ser um aldeão desiludido com a cidade...

"Por cá, ... vamos continuando na expectativa de que o coreto do jardim, a aldeia do mar, o corredor verde venham a ser uma realidade, a menos que um dia (um dia…), num acto de humidade, se venha a reconhecer a falência da promessa. Ou que a cidadania activa funcione!" - Daniel Santos.
Por cá, ... estamos habituados (e parece que gostamos...) a ouvir os discursos redondos, tipo treinadores de futebol (Jorge Jesus, por exemplo), do "mayor" da cidade: "estamos a trabalhar com dignidade, com humildade e de forma séria... é um plantel muito sério, muito digno e muito humilde que trabalha com muita honra e profissionalismo e dignidade... ah, e humildade também...e os bons resultados vão aparecer".

Depois de 7 anos, 7,  não há pachorra, nem paciência, para resistir mais!
Espero que, quem de direito, tome em conta este conselho, totalmente gratuito.
Quando tiver de usar da palavra lembre-se disto:  discurso deve ser igual a vestido de mulher - quanto mais curto melhor.
Assim, eventualmente, poderá evitar o bocejar da assistência. Que o mesmo é dizer: assim, poderá, eventualmente,  evitar dar conta da crítica, ainda que involuntária, de quem tem de o ouvir.
Basta de realidade. Venham mais sonhos! 

terça-feira, 19 de julho de 2016

Alguns, andam por aqui a pensar na felicidade, mas esquecem que, para outros, é só um conceito... Vou continuar a ignorar que isso só dá chatices...

Foto sacada da postagem "Mobilidade Suave - o mau exemplo da Figueira da Foz"
"Na Figueira da Foz continua a fazer-se obra sem ligar às Normas Técnicas e aos direitos dos peões. Basicamente, tudo na mesma como dantes, um desleixo evidente, a incompetência técnica o desdém pela modernidade.
Merecíamos outro tipo de engenheiros e decisores.
Os passeios à entrada da Figueira mantiveram o mesmo perfil, estreitos e com obstáculos. Apesar da obra a partir do Armazém da Câmara (debaixo da ponte) desaparecem os passeios, apesar de existirem casas e pessoas a servir. Portanto, sempre que ouvir a palavra "Mobilidade" e "Câmara Municipal da Figueira da Foz" sei que se trata de mera propaganda a realidade desdiz todas as boas intenções dos responsáveis pelo espaço público.
E havia muito espaço para fazer "boa obra". Faltou o resto, vontade, técnica e bom senso, ficou a incompetência e o atraso estrutural."

Eng. João Vaz, via O Ambiente na Figueira da Foz

Nota de rodapé.
Ora cá está estamos então perante "os planos de mobilidade...que ficam no papel".
Nada de de novo nem anormal.
Os eleitores votam em sonhos. Os militantes e os apoiantes apoiam sonhos.
Os eleitores são mais seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas ou em obra feita. Os militantes e os apoiantes, lá terão as suas razões...
Cada vez consigo perceber melhor os resultados eleitorais...
Basta de realidade. Venham mais sonhos!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Ranking da Transparência das autarquias: a Figueira da Foz deixou de ir aos treinos?...

A realidade, em Fevereiro 2017.
A transparência, na Figueira, é uma "coisa" muito irónica: em três anos, este executivo de maioria absoluta, caiu do 1º. para o 52º. lugar...

A máquina de agitação e propaganda, em 4 Novembro de 2014.
"A nova página de internet da autarquia da Figueira da Foz, hoje apresentada aos jornalistas, quer ser uma referência na transparência da informação disponibilizada aos munícipes e uma ferramenta interativa de divulgação do município.
“Não deve haver no país uma página mais transparente do que esta. Quem tiver algum tempo para procurar informação, encontra-a aqui”, disse Tiago Castelo Branco, chefe de gabinete do Presidente da Câmara.
O novo sítio internet da Câmara Municipal, disponível em www.cm-figfoz.pt, reúne no mesmo espaço informação antes “dispersa” por vários locais e pretende “ser um ‘site’ apelativo e intuitivo”, frisou.
Na página inicial, abaixo de uma barra rotativa com 12 imagens do concelho, há quatro destaques, que versam, atualmente, sobre o novo regulamento municipal de ruído, a revisão do Plano Diretor Municipal (PDM), o plano estratégico do município e um concurso de imagem e vídeo.
Na barra à direita está “uma grande aposta” da Câmara Municipal: uma agenda interativa intitulada “What’s On Figueira da Foz”, gerida pelos serviços de turismo e onde os próprios utilizadores, depois de registados, podem inserir informação sobre eventos a decorrer no concelho."

Basta de realidade. Venham mais sonhos!
Os eleitores figueirenses são mais facilmente seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas exequíveis ou em obra feita.

sábado, 13 de agosto de 2016

Anselmo Ralph vendeu apenas 2.720 bilhetes, contra as nove mil presenças esperadas por Ataíde!... E agora?..

2.720 bilhetes, contra as
nove mil presenças esperadas!..
A receita de bilheteiras do concerto de Anselmo Ralph, ontem à noite, na praça do Forte, ficou muito abaixo das expectativas.

Segundo adiantou João Ataíde o presidente da autarquia,  ao jornal AS BEIRAS , foram vendidos apenas 2.720 bilhetes, contra as nove mil presenças esperadas!..

Recorde-se que a autarquia figueirense assinou um acordo com a Malpevent, cujos termos obriga o município a pagar à promotora do concerto 16.500 euros (IVA incluído), caso não se atingisse os 90 mil euros de bilheteira. 
Cada ingresso teve um custo de 10 euros. 
O espectáculo orçou em cerca de 78 mil euros.

“Fizemos, em termos de promoção, o possível, mas os números não foram atingidos, ficaram muito aquém das expectativas que tínhamos pelas referências do artista. O risco foi assumido, nem mais nem menos”, referiu o edil.

Nota de rodapé.
A vida de um político responsável não é um jogo, na medida em que exige, a cada momento, opções que os responsabilizam. 
Para esse efeito, deve munir-se do máximo de informação, embora nunca consiga afastar totalmente o risco. 
Eu sei, penso que todos sabemos, que a apetência pelo risco é-nos inata. 
Desejamos ir mais além, superarmo-nos e, por vezes, pisar o risco. 
Só que, depois, sofremos as consequências... 
Senhor presidente, confirmado que está o falhanço, "deste seu incentivo à produção", e agora?...
Dr. João Ataíde: V. Exa. saiu-me cá um optimista!..
Basta de realidade. Venham mais sonhos!

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Outdoor´s 2009 - 1...

Basta de realidade. Venham mais sonhos! 
Durante sete dias, sete, vamos publicar, sete cartazes de propaganda política, sete, de um político que usou sonhos caros, sem saber realmente quanto custavam...

Na democracia figueirense, ao longo dos últimos 40 anos, tem valido tudo - até compromissos - para os políticos alcançarem o poder.
Depois de lá estarem, renegam as promessas feitas...
E não é que continuam a merecer o apoio dos eleitores?..

Anos atrás, houve um presidente de câmara local, que deixou uma frase que ficou célebre e que retratava a forma como os figueirenses sempre gostaram de ser tratados. 
"Um pão numa mão. Um pau na outra. Dar a cheirar o pão na mão e, com a outra, dar porrada com o pau..."
Este presidente deu-se bem com a teoria: fez 3 mandatos, três...
"Os figueirenses nem de porrada são fartos..."
Só se perderam as que caíram no chão!..

Ao contrário do que muitos julgam, é fácil perceber os resultados eleitorais que se verificaram nas eleições autárquicas na Figueira nos últimos 40 anos.
Os eleitores figueirenses são mais facilmente seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas exequíveis ou em obra feita.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O povo no seu melhor! (II)

Imagem sacada do jornal AS BEIRAS
Glória aos vencedores
E honra aos vencidos!

Hoje finalmente percebi a política figueirinhas.
Sempre me fez confusão que um executivo camarário, pretensamente de esquerda, pudesse governar 8 anos à direita, defraudando os seus eleitores, tendo como punição um voto massivo na boa direita que eles tão bem representam! 

Supunha eu, que se deveria votar à direita, mas estava enganado.
Um povo esclarecido como o figueirense veio abrir-me os olhos.
O "socialista" Ataíde fez tábua raza do que apregoou em campanhas anteriores  e, durante 8 anos,  mandou às malvas tudo o que foi prometendo,  fazendo a sua, a política de direita.

Pensava eu, burro como sou, que o eleitorado de esquerda, desapontado com esta traição, castigava-o  dando a vitória,  ontem, à oposição, colocando-o em maioria relativa!


Só um povo esclarecido me convenceria que afinal os figueirenses já estavam certos, anteriormente. 
Ontem, fizeram questão de reforçar a lição vinda do passado! 
Os resultados eleitorais, nas autárquicas 2017,  na Figueira,  conduziram a uma solução de governo em que a maioria absoluta, isto é, o poder de tudo decidir, foi concentrado num partido que representa pouco mais de 20 por cento dos eleitores inscritos!

Bem hajam, figueirenses.
Basta de realidade. Venham mais sonhos!..
Obrigadinho figueirenses esclarecidos.

Cuidado senhores do arco da governação na Figueira: se tudo correr bem, a União Nacional ainda terá futuro por aqui, substituindo-vos, porque bem mais eficaz!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Vamos lá resolver, de vez, essa história do coreto?..

Dadas as evidentes dificuldades do presidente Ataíde em resolver o famoso problema do coreto (e já lá vão mais de 8, oito, anos), deixo a chave para resolver o problema: aproveitem o vosso fantástico plano de requalificação do Cabedelo (que nunca mais acaba com os acabamentos…) e tragam-no para o Cabedelo. Espaço, não há-de faltar!
Nada é impossível,  para quem não tem que resolver o problema por si, senhor presidente Ataíde.
Basta de realidade, venham mais sonhos!
E escusa de me agradecer…

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Deixem-me continuar a sonhar a partir de 1 de outubro próximo...

Analisemos pela positiva: esta gente, especialmente o presidente da câmara, conforme o que também pode ser comprovado no video que pode ser visto clicando aqui, tem ultimamente feito milagres com a minha capacidade de sonhar...
Durante os últimos meses acenaram-nos com o eldorado.
A partir do dia 1 vamos acordar para a realidade pura e dura. 
Aquela que eles cuidadosa e meticulosamente foram criando para nós. 
A partir do dia 1 vou ser eu a exigir: basta de realidade, venham mais sonhos!

quinta-feira, 16 de junho de 2016

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Mantenham-se calmos: tudo acabará dentro de cem medidas!..

Quase oito anos, decorridos, 8, está provado que não se recolocam coretos só com promessas eleitorais...
Uma coisa, é o que os políticos dizem que querem fazer nas campanhas eleitorais. 
Outra coisa, é o que os políticos realmente querem fazer depois de ganharem as eleições.
Se duvidas ainda existissem, João Ataíde, desde 2099, aí está para o provar.
Basta de realidade. Esta é a altura: venham mais sonhos!..