segunda-feira, 28 de abril de 2014

No cansaço que é a vida, desistir podia ter sido uma opção...

A foto é de 1943 e foi sacada daqui
Na altura, vivia-se em plena II Grande Guerra. 
Aqui, neste cantinho à beira-mar plantado imperava o desemprego, o medo, o racionamento, a miséria e a fome. 
Éramos gente cabisbaixa, vencida e resignada, entregue a um destino sem sentido e ferida na sua dignidade. 
Valia o altruísmo de alguns a quem doía a visão da fome e da miséria. Estávamos em 1943 em plena Cova num local que alguns, porventura, ainda reconhecerão. 

Hoje, que temos de novo "o regresso da sopa dos pobres como modelo social", outros,  reconhecerão o mesmo olhar e a mesma resignação em largos milhares de nós. 
Hoje, todos sabem que o Programa Alimentar de Emergência cresceu paralelamente à redução das prestações e do âmbito do rendimento social de inserção (RSI), que apoia cada vez menos pessoas apesar do evidente aumento das necessidades. 
Todavia, todos os especialistas consideram que um grande alargamento do RSI seria a medida mais justa, mais respeitadora da dignidade das pessoas, mais promotora da sua autonomia e até mais benéfica para a economia nacional. 
Porque é que o Governo gosta de distribuir sopa, mas reduz o RSI? 
Porque o RSI proporciona uma autonomia que o Governo não quer promover. 
O RSI serve para fazer sopa ou para um bilhete de autocarro. 
A sopa é só sopa.

Promovendo campanhas de propaganda sem escrúpulos, o Governo e a direita em geral, conseguiram difundir a ideia de que o RSI promovia a preguiça e atrofiava a iniciativa, além de gastar recursos gigantescos. Era e é mentira, mas a campanha ajudou a estabelecer a sopa dos pobres como modelo social alternativo. 
Mota Soares prefere dar sopa e anunciar que os pobres podem fazer bicha para a sopa. 
É bom para o Governo e lava a alma. 
É maravilhoso ter muitos pobres a quem dar sopa, porque quem dá sopa aos pobres pratica a caridade e quem pratica a caridade está na graça de Deus.
É por isso que Mota Soares exulta com a sopa dos pobres. 
Por isso, e porque sabe que na bicha da sopa só estarão os filhos dos outros. 

Uns anos depois da foto acima, no final dos anos 50 e anos 60, que é onde consigo recuar nas minhas memórias vividas, a Cova e Gala não era pacata, era obediente
Como são obedientes todos os povos que vivem em ditadura. 
E quem não o era – sim, por aqui houve sempre “marginais”... - foi vigiado, perseguido e preso. 
Os covagalenses eram trabalhadores. Mas, não só: também foram escravos
Basta conhecer o que foi a sua vida no mar, como, por exemplo, na "faina maior"... 
Os covagalenese, em geral, não conseguiam poupar. 
Por uma razão simples.
Vivíamos na miséria. Morríamoos cedo, comíamos mal, não tínhamos direito à saúde nem à educação. Na sua esmagadora maioria éramos  analfabetos, doentes e subdesenvolvidos.
Como diziam as senhoritas da elite figueirense da altura -  "credo que porcos, feios e maus que eles são"!..
Por isso, quem sabe, porque viveu lá, como era a vida da esmagadora maioria dos covagaleneses, do tempo de Salazar e Caetano, não tem saudades.

1 comentário:

mario alberto disse...

Esta era a realidade de um país, não somente na Cova Gala, por todas as cidades, vilas e aldeias, o povo vivia á mingua da caridade e a sopa era distribuida pela Legião Portuguesa e a caridade era do Movimento Nacional Feminino, hoje surgem com outros nomes, mas a finalidade é a mesma, a caridadezinha