Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sábado, 21 de abril de 2018

Um romance que precisa de dicionário

"O Coro dos Defuntos", prémio Leya 2015, usa uma linguagem pretensiosa e anda aos tropeções entre um romance de costumes e um mistério.

De um coro dos defuntos, para mais galardoado com o prémio Leya, esperaríamos, se não a melodiosa voz dos Anjos em Glória, pelo menos mais traquejo literário. Este novo coro pode cantar mas não alegra: linguagem pretensiosa, escalada entre o popular e o erudito, na forma que Aquilino criou e já tantos imitaram. O resto é um solfejar monótono de acontecimentos históricos, a velha cantiga das aldeias ajoujadas de bichos canhestros, brutos e ignorantes. Em linguagem musical, um breve resumo: nota baixa, com sorte de se não marcar o tempo. Aí, teria a nota de ser mínima.

O romance de António Tavares foi construído a partir da linguagem. O romance passa-se numa aldeia, único sítio em que o linguajar aquiliniano ainda podia a custo respirar. Usam-se palavras difíceis, cheias de ressonância visigótica, espingardeadas a esmo nas cenas de caçadas e que brilham entre os altares da religião popular, tão úteis ao escritor palavroso: há, nos paramentos e nos missais do vetus ordo, um imenso léxico hoje quase desconhecido que ele se pode entreter a desbravar.

Não nos deteríamos antes de mais na forma se não o sugerisse o próprio livro; a marca mais vincada do Coro dos Defuntos, a par de um bordão (diz ela) que volta e meia ajuda a amaciar a passagem de uns temas para os outros, é esta linguagem pouco habitual, amanhada na gíria agrícola, com variações sobre palavras vulgares e uns requebros de erudição clássica, que concede uns latinismos à narração.

A opção, não tivesse já dado frutos pela pena de Aquilino, secado pela de Jorge Reis e saturada por uma multidão de artistas interessados em aproveitar o solo fértil, até podia ser original. Mas se o fosse, se cada exclamação não consistisse num grito de afirmação de paternidade usurpada ao autor do Malhadinhas, e se em cada personagem uma protuberância aquilina não indicasse a verdadeira filiação, que poderíamos dizer mais do estilo?

Que não deixa de ser cómica a decisão (não sabemos se do autor se do editor) de dificultar a vida a quem lê pejando o texto de um jargão regional incompreensível para depois a facilitar pondo um dicionário com os termos difíceis usados no fim do livro; que este dicionário é uma cândida confissão pública do forçada que a linguagem é: habitualmente, quando alguém escreve, procura dizer aquilo que quer; se usa um dicionário daquilo que disse, não estará a mostrar que afinal quis não expressar aquilo que quer expressar? O estilo é, de certa forma, a marca da personalidade do autor, aquilo que é próprio dele; um dicionário só mostra a artificialidade do estilo, mostra que, de certa forma, foi forjado, não é sincero; não é, sequer, estilo.

O lamentável erro em que cai o autor está em julgar que o uso de palavras estranhas é uma forma de fazer estilo, ou que o uso de um léxico variado é uma forma de precisão linguística. A habilidade de fazer estilo com um léxico variado não consiste em usá-lo: nesse caso, o dicionário de Morais já teria há muito destronado o Padre António Vieira como Imperador da língua portuguesa; a habilidade que tem Camilo, que tem (nem sempre, mas ainda assim…) Aquilino, passa por usar o vocabulário de uma forma tão expressiva que este consegue imediatamente ser percebido. Não é preciso um glossário para o Amor de Perdição porque não há nele nada que se perca: as palavras não só exprimem as imagens, como se exprimem a si próprias. O que acontece no livro de António Tavares é que perdem força as ideias e significado as palavras, o vocabulário interrompe, atravanca, cria trânsito; a história está neste livro como Eliza Doolittle na primeira aparição na sociedade. Pouco à vontade, ajaezada com roupas que não são as suas, excessivamente empolada, de tal forma que tudo soa a falso.

Há uns momentos de espanto, em que a junção dos elementos logra uma verdadeira habilidade, mas em todo o resto a mistura é de tal forma grotesca que o resultado acaba por ser o mesmo que ver um chimpanzé com farda de colégio a acertar exercícios de aritmética: a vestimenta é tão ridícula – neste caso, tão enfatuada – que a verdadeira proeza perde efeito.

Uma última nota sobre a linguagem, já mais que mastigada: a quem quer usar o vernáculo mais montanhoso com o pretexto de tratar de uma aldeia insulada, não basta enchumaçar o texto com palavrório beirão; tem também de purgá-lo de barbarismos. Mais estranho do que ouvir alguém falar de uma “lura” é a surdez selectiva de uma aldeia que não conhece a língua como ela se fala na sua pátria mas apropria-se de estrangeirismos como “gare” para dizer embarcadouro ou estação.

Mas enfim, percorrida a linguagem, aproveitemos a chegada à “gare” para mudar de linha…

Romance de costumes ou mistério?
Hesitamos, no entanto, em qual apanhar, porque a respeito do enredo parece haver pelo menos duas. Não conseguimos perceber se o autor quis fazer um romance de costumes, a saltar entre cenas da vida aldeã, de tal modo que a intriga passasse para segundo plano, ou se quis urdir um mistério que dominasse a narrativa.

Parece ter andado aos tropeções entre uma hipótese e outra, sem ter verdadeiramente decidido escolher. Para a primeira hipótese, concorre a entrada em cena da Rainha e sua irmã, do posteriormente emigrado Jorge, ou de Manuel Rato. São personagens que a dado momento da narrativa ganham importância, antes de desaparecerem deixando, na melhor das hipóteses, um tímido rasto de menções breves aspergidas pelo texto. Podia fazer sentido acrescentá-las, embora não sejam de importância capital para o enredo – Manuel Rato serve para a engorda do drama principal e Jorge é apenas um instrumento cuja única característica é ter um instrumento que mostra a transformação da Olivita. Podia fazer sentido acrescentá-las, dizia-se, caso servisse para dar perspectivas diferentes de uma situação, acrescentar dramas complexos da personalidade humana, qualquer coisa; mas a sensação com que ficamos é de que não existem personalidades. Todas as personagens são manequins curvados ao jugo estilístico, que cumprem a função de joguete enquanto o autor tem uma descrição elaborada para apresentar e que, sorvada a descrição, morrem ou emigram sem que isso provoque sequer um pensamento sobre um movimento comum de êxodo ou aumento da solidão. Isto é, nem o facto de as personagens desaparecerem de uma maneira abrupta parece ser propositado.

Repete-se: a opção de apresentar uma série de personagens com pouca relevância para o corpo principal seria legítima, se elas fossem levadas até ao fim. O que acontece é que elas são demasiado expostas para ambiente e demasiado esquecidas para serem importantes.

Podia um enredo bem construído dirimir todas estas questões e provocar a remissão do livro; no entanto, o corpo principal – o argumento – nem sequer é muito cuidado. O tronco da história é a morte da Chinchona, antiga prostituta, que aparece estrangulada. Podia nascer aqui certo mistério, mas o autor trata logo de o sufocar, ilibando para os leitores o principal suspeito à luz da aldeia. Disfarça-o com uma historieta místico-absurda sobre pedras, esquece o enigma por uns tempos e só volta a ele para o resolver com uma solução semi-arbitrária, que o autor já quase tinha eliminado (quem a mata é a mulher de um tal Albano que visita a prostituta frequentemente, movida pelo ciúme, quando o marido partilha o leito entre mulher e cunhada, sem que isto a enciume).

O crime é resolvido por uma denúncia, cuja justificação é dada sem grandes delongas por uma vidente: a antiga beata, vertida em rapariga sofisticada, teria visto o crime. À medida que deixa de pertencer psicologicamente à aldeia, vão afrouxando os laços que a ligavam aos vizinhos e acaba por fazer a denúncia. Não se explica se haveria um peso na consciência, porque é que o desinteresse pela aldeia provoca um revigorar do caso e não um esquecimento, nem há sequer um sinal de mudança provocado pelo peso do segredo, importante o suficiente para motivar um suicídio.

É esta a partitura do coro dos defuntos. Última nota, apenas, para dois aspectos que marcam também o livro. O autor, com grandeza e à-vontade cosmopolitas, de conhecedor, vai mesclando uns acontecimentos históricos na relação da vida aldeã. São estes interlúdios curtos, com a profundidade e informação plástica de um manual de liceu ou, por vezes, tão arbitrários como resultaria da consulta esparsa de jornais coevos: um número da Flama, talvez um Século Ilustrado, e pouco mais. Seria um entretém inútil, se não servisse para mostrar como as personagens são criações vocabulares, não pessoas. Estas notícias motivam, por vezes, fumos de comentador político nos aldeãos. Ora, a forma de comentar passa por encontrar uma semelhança auditiva ou uma ambiguidade semântica na descrição séria dos acontecimentos e convertê-la numa versão dadaísta sem mais relação do que parecenças fonéticas.

É esta uma doença que ataca vários autores desde o advento do “realismo mágico”. Mas há outra, mais antiga e com antibióticos suficientes para já estar dizimada, que volta e meia ataca ainda António Tavares. Trata-se do velho lugar-comum da literatura jacobina que consiste em insinuar maliciosamente umas certas interrupções clericais no voto de castidade, certas permissividades para com o pecado em troca de dinheiro e, claro, a libertação sexual da virgem púdica. Neste caso, então, o texto transborda classe e denodo: a virgem desce do alto de uma árvore para aplicar uma felação num pastorinho.

Síndroma de um velho estilo, já repisado, morto e enterrado: enfim, é mais um a juntar-se ao coro.

Nota de rodapé.
O ex-político António Tavares, foi recentemente medalhado pela Câmara com um voto contra...
Carlos Maria Bobone é licenciado em Filosofia. Colabora no site Velho Critério.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Logo agora que já temos tempo de verão!..

Jorge Coelho volta à administração da Mota-Engil, cinco anos depois de se demitir de presidente...

Eleições de amanhã para a concelhia do PSD/Figueira...

"NOVO CANDIDATO, NOVA ESPERANÇA!", uma crónica de Carlos Tenreiro.
"É já amanhã que têm lugar as eleições para o PSD local. Muito se especulou nestes últimos tempos acerca da minha eventual candidatura a esse cargo. Apesar de simpatizante desde a sua fundação, apenas sou militante do partido há 4 anos, altura em que fui candidato à Junta de Freguesia de Buarcos e S. Julião. Não tenho, nem nunca tive aspirações a dirigente partidário, centrando-se as minhas motivações políticas em prol da defesa dos interesses da nossa terra."
Para continuar a ler, clicar AQUI.


Nota de rodapé. 
1. "Espero que ao contrário do seu antecessor não receie abrir o partido à comunidade, aspecto vital para a sua desejável regeneração e credibilização." 
Ainda que mal pergunte: quem é que convidou o doutor Carlos Tenreiro para candidato à Junta de Freguesia de Buarcos/S. Julião era ele apenas "simpatizante do PSD"?.. 
2. Para se ser candidato partidário não é imprescindível ser militante e ter as quotas pagas? Já agora: será que, amanhã, vai votar?

Um contributo para o conhecimento do que aconteceu no dia 25 de Abril de 1974 na Figueira

"O 25 de Abril está aí à porta. Iremos assistir a cerimónias oficiais, ler-se-ão discursos, haverá por vezes bandas e palmas, trânsitos formais, poderão agitar ventos e consciências. O sol brilhará talvez, na esperança de palavras de vozes emprestadas. 
Da bruma do tempo recordo o dia inicial, em que corremos para a Tipografia Cruz & Cardoso, para escrever e imprimir uma edição especial de “Mar Alto”, semanário onde, em equipa, um punhado tentava, na medida do possível, dar notícias do bloqueio em que vivíamos. Depois, fomos a correr afixá-lo, e às palavras de esperança, nas paredes. E imprimimos um a folha volante, assinada pela Oposição Democrática, texto escrito por Cerqueira da Rocha, Luís de Melo Biscaia, com o meu contributo, e não recordo se de outros. O Secretariado do MDP a sair para a claridade. 
Foi distribuído o “panfleto”, pela cidade. A história está cheia de milhões de homens e mulheres que se têm sacrificado e lutado pelos mais desfavorecidos.
”São estes que encarnam a resistência (Ernesto Sabato)”. 
Neste aniversário do 25 de Abril, em que as desigualdades, o desemprego, a fome vão crescendo, e a alta tecnologia e a finança ombreiam com a desgraça, não nos sentimos órfãos, porque este não é o tempo da amargura, e sim da esperança.  
Nascerá da liberdade exterior aliada à liberdade interior, como Ghandi afirmou."

25 de Abril, por António Augusto Menano, via AS BEIRAS.

Complexo Piscina Mar: o que vale é que continua a não faltar investidores interessados!..

A Câmara da Figueira da Foz vai lançar uma nova hasta pública para o complexo da piscina-mar, desta vez com um caderno de encargos menos exigente. A primeira tentativa, em 2017, recorde-se, ficou deserta. “Houve muitos interessados, mas, quando chegou a hora da verdade, não concorreram, porque consideraram o projeto pouco rentável”, afirmou a vereadora Ana Carvalho um dia destes ao jornal AS BEIRAS
O vencedor do concurso terá de assegurar a concessão, a construção e a exploração do espaço. Isto é, fazer o projecto e as obras e assumir a concessão por um período de 50 anos. Se alguém vier a explorar aquele imóvel icónico da Figueira da Foz, construído no início dos anos 50 do século passado, terá de investir, no mínimo, dois milhões de euros, mas não terá de pagar renda, já que a autarquia abdicou daquele rendimento, tendo em conta o valor do investimento e a utilidade da reabilitação e da utilização daquele edifício municipal. O concessionário terá, no entanto, de garantir uma caução de 120 mil euros. 
“Esta será a última tentativa, atendendo ao estado de degradação do edifício. Se não aparecer um privado, em última instância, terá de ser a autarquia a fazer as obras”, vereadora Ana Carvalho na edição do jornal AS BEIRAS do passado dia 19. 
A hasta pública do imóvel turístico foi votada, ontem, na reunião de câmara. 
Foi aprovada com os votos do PS (seis) e um do PSD (Ricardo Silva). 
Miguel Babo e Carlos Tenreiro (PSD) votaram contra. O primeiro defendeu que o imóvel deve ser recuperado e explorado pela autarquia. 
Ricardo Silva, por seu lado, justificou que votou a favor porque quando o PSD foi poder na autarquia também concessionou o complexo turístico municipal.

E pronto.
Não pensem muito. Não há mais problemas.
Não devem continuar a faltar investidores interessados
Como dá para ver, o problema não é que existam problemas.
O problema é esperar outras coisas e pensar que ter problemas é um problema.
E, já agora, a Piscina Mar, se não servir para mais nada, sempre há-de servir para "gratificar os trabalhadores camarários"...

Está tudo explicadinho...

“Quando se lê em criança, o cérebro cresce”.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Fazem oposição... a si próprios

Fernando Negrão e Rui Rio com posições divergentes sobre o anunciado fim aos cortes salariais de 5% nos gabinetes dos políticos.
O presidente do PSD concorda, o líder parlamentar do PSD discorda
Com tanto "pacto" com o Governo, devem andar sem tempo para conversar.

Pedro Correia, via Delito de Opinião

Finalmente, as provas da condenação de LULA...

FIM DA LINHA PRA VOCÊ, EX-PRESIDENTE!

Fim da linha pra você, ex - presidente ladrão
mesmo sem provas
bato panelas
em prol da sua condenação
isso é pra você aprender
que o pobre não tem direito a mais que uma refeição
Fim da linha pra você, metalúrgico boçal
isso é pra você aprender
a nunca mais fazer assistência social
com meu dinheiro
e nem se atrever a transformar em engenheira
a filha do pedreiro
Fim da linha pra você ex presidente aleijado
não é pelo triplex
que você está sendo condenado
é pela sua ousadia
em ajudar o garçom
a virar advogado
em contribuir
pra ascensão do negro favelado
que agora acredita
que pode estudar medicina
sair da miséria
e até conhecer a Capela Sistina
Fim da linha pra você, ex presidente bandido
isso é pra você aprender
que o nordeste deve continuar a ser esquecido
e que saúde e educação
é pra quem pode
e não é que pra quem quer
Fim da linha pra você, semi analfabeto atrevido
graças a sua insensatez
o filho da faxineira
chamou o meu filho de amigo
você está sendo condenado
pela sua falta de noção
de achar que pobre é gente
que agora pode usar aparelho nos dentes
ter casa própria e andar de avião
Fim da linha pra você, ex presidente imundo
isso é pra você parar com essa palhaçada
de estimular a minha cozinheira
a querer ter carteira assinada
era só o que me faltava
o proletariado sonhar com qualidade de vida
você devia saber
que essa gente nasceu pra me servir
e não pra servida
mas você é tão inconsequente
não enxerga um palmo diante do nariz
que fez a babá do meu caçula
sonhar que pode estudar pra ser atriz
e fazer aula de inglês
essa pouca vergonha
é resultado
da sua insensatez
da sua irresponsabilidade desmedida
aprenda de uma vez
barriga vazia
e bala perdida
fazem parte do cotidiano
dessa gente bronzeada
foi querer mudar o mundo
se meteu numa enrascada
Fim da linha pra você, ex presidente imbecil
você está sendo condenado
não por ter roubado
porque isso não foi provado
seu erro
foi ser / fazer história
ser do tamanho do Brasil
ter oitenta por cento de aprovação popular
acreditar em igualdade
e saber governar.

Argentina Santos...



Não pensava em cantar, conforme conta em entrevista a Baptista-Bastos.
Quis o acaso que um dia alguém da assistência lhe pedisse para cantar, e assim "entrou numa desgarrada" por brincadeira. Atrás desse pedido outros vieram e o que começou por um mero acaso, acabou por tornar-se um "caso sério" na sua vida...
Olhando para trás, acho incrível como esta Senhora nunca ocupou o lugar que merecia. 
É um dos mais injustos eclipses na música portuguesa que me ocorre...

"São quase cinco mil cidadãos e surfistas contra betão na praia de Carcavelos"...

Lá é assim!..
Cá, uma câmara que  não é socialista nem uma pessoa de bem, quer transformar um reduto especial, como ainda é o Cabedelo, em mais um mártir ambiental no nosso concelho, não recuando perante nada, nem mesmo a evidência das coisas, cometendo mais um atentando paisagístico e ambiental.
Recordo, mais uma vez, a quem de direito, que uma cidade é sempre, pelo menos, dual.
Tem uma zona cosmopolita e tem, por assim dizer, outras mais características, a que se costuma designar como típicas.
O tipicismo é a profunda genuinidade...
É onde reside a alma de uma cidade como a Figueira, a sua verdade que se tem que manter, sob pena dela se descaracterizar.
É isto que o Cabedelo é: genuíno, assim como está, com o Parque de Campismo, que foi, já lá vão quase 30 anos, que deu vida e alma ao Cabedelo, como todas as suas valências, incluindo a onda de surf.
Será que vamos consentir que, aqui,  também passe a vigorar a lei do mais forte?..

Querem ver que qualquer dia querem que o líder parlamentar ande de clio!..

"Os políticos têm de ser bem pagos, blah blah blah, senão qualquer dia isto é só medíocres. blah blah blah, andamos a afastar os melhores com esta conversa de populista, blahblah blah", e qualquer dia ainda querem que o líder parlamentar do PS ande de Clio. Já para os outros, os que elegem deputados e pagam os políticos, é a economia, a produtividade, o crescimento económico, a inflação, a meta do défice, a sustentabilidade da segurança social e o diabo a quatro e quem não quiser pode emigrar.
Imagem sacada daqui

"Nem ilegalidade nem falta de ética. O presidente da Assembleia da República Ferro Rodrigues defende os deputados da Madeira e dos Açores no caso do pagamento das viagens entre Lisboa e as ilhas."

Um dia puro!

É o que continuo a pensar do dia 25 de Abril de 1974.
Às vezes sinto-me sozinho. 
Todavia, não  exactamente em termos de pensamento. 
Sei que há muitas pessoas a pensar como eu. 
A Aldeia é que já cresceu tanto, que é difícil, num espaço tão grande e tão disperso, que as pessoas que pensam como eu, se juntem. 
Andamos separados.
O problema é que não sabemos uns dos outros. 
Essa, é a solidão.

Esse dia puro, o dia 25 de Abril de 1974, concentrou em si todas as qualidades e virtudes éticas positivas desenvolvidas pela Civilização Ocidental: generosidade, liberdade, igualdade, solidariedade, fraternidade, bondade na relação com os outros.
O 25 de Abril foi, de facto, um dia puro, cheio de virtudes, ausente de manifestação de vícios e perversões, que recomeçariam pouco depois, criando a divisão, a desunião e o conflito entre grupos. Mas, não no dia 25 de Abril de 1974, cuja explosão festiva foi recebida em todo o país como uma autêntica expansão de liberdade individual.

Porém, a pureza não é deste mundo.
Rapidamente a cisão e o conflito tomaram conta da sociedade portuguesa.
A partir da década de 90, retrocedemos aos antigos estados de pobreza e de exploração.
Uma elite histórica e culturalmente ignorante, tendo como primeira figura o professor Aníbal Cavaco Silva, colocou em prática modelos económicos estranhos à cultura portuguesa, fez-nos voltar a níveis de desigualdade social e de pobreza  económica que se julgavam definitivamente superados.

Hoje, 44 anos depois do 25 de Abril de 1974, em nome de um estado liberal, temos a maior carga fiscal de sempre, que afoga as famílias de classe média e premeia a especulação financeira, quase um milhão de desempregados, largos milhares de famílias que não conseguem pagar empréstimos à banca, cerca de 3 milhões de pessoas no limiar da pobreza, que, sem os apoios sociais do Estado, atingiria a cifra astronómica de 4 milhões, sem esquecer os 250 000 novos emigrantes desde 2011…

44 anos passados, do dia puro, que ficou registado na história de Portugal, transitámos para um País que é, para a maioria, um autêntico inferno.
Viva o 25 de Abril de 1974. Sempre!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

A tradição continua a ser o que era...

... dunas em reparação (desde 2013, pelo menos...)

Este País tem políticos que exigem que se coloquem óculos para os conseguir ouvir e entender...

...
"Muito raramente se pergunta alguma coisa aos alunos.

Foi isto que o Governo, pela mão do Secr. Estado João Costa, decidiu fazer associando-se a um projeto da Fundação Maria Rosa. Os resultados foram apresentados esta semana e só provam o que temos andado a perder por “procurar a resposta no sítio errado” (ou pelo menos, não procurando nos sítios todos). Os mais de 2500 jovens consultados em 50 escolas do país não referem sequer a necessidade de melhorar as condições físicas das mesmas.

O seu foco vai para o melhorar das relações entre professores e alunos (querem deixar de “ser invisíveis”), para aulas mais curtas (50 minutos) e mais dinâmicas (diversificadas), para salas de aula dispostas de maneira diferente (porquê sempre em plateia?), para avaliações que valorizem mais o que se faz a cada aula (e não se concentrem apenas em testes), no interesse em abordar os assuntos do quotidiano (ou ligar o que aprendem com o que se está a passar à sua volta), entre outras.

Quem tem interesse nos debates e inovações que se vão fazendo na educação formal por esse mundo fora sabe que estes são os caminhos que os tais investigadores e técnicos apontam. Se tivéssemos começado por ouvir os principais interessados na educação talvez tivéssemos poupado algum tempo."

"Ouvir as soluções". Via AS BEIRAS.

A quem é que já não aconteceu um percalço?..

Por natureza, o director-geral, costuma ser um grande optimista. 
Terá sido, por isso, que o percalço o atingiu tão duramente?..

A excepção...

Deputada Rubina Berardo não pediu reembolso. 
“Optei por não o fazer".
Rubina Berardo é deputada do PSD eleita pela Madeira e decidiu não pedir o reembolso das viagens que realizou à ilha por considerar que tal seria receber um apoio em duplicado. 
A social-democrata considera que não é ético acumular dois subsídios de mobilidade, mas admite que a lei não é clara. Sete deputados da Madeira e dos Açores terão duplicado os subsídios a que têm direito.

No País da Máfia do Pinhal


Esta reportagem causa dor. 
Ver a frieza calculista do incêndio planeado, o negócio da madeira de boa qualidade vendida a um terço do preço normal, a inacção do Estado que este trabalho jornalístico traz a público, angustia. Tudo isto são sinais de impunidade, talvez por vivermos num País em que a possibilidade de os crimes resultarem em condenações não ser chão que dá uvas.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Lembram-se da situação a sul do quinto molhe?..

Foto António Agostinho
Tudo foi dito, tudo se cumpriu: depois da construção do acrescento dos malfadados 400 metros do molhe norte, a erosão costeira a sul  da foz do mondego tem avançado, a barra da Figueira, por causa do assoreamento e da mudança do trajecto para os barcos nas entradas e saídas, tornou-se na mais perigosa do nosso País para os pescadores, a Praia da Claridade transformou-se na Praia da Calamidade, a Figueira, mais rapidamente do que esperava, perdeu.
A pesca está a definhar, o turismo já faliu - tudo nos está a ser levado...
Hoje, dia 17, cerca das 16 horas fiz os filmes que podem ser vistos clicando aqui, aqui e aqui.
Está uma tarde de sol, não faz vento. Mais a norte, lá pelo Cabedelo, até há quem esteja a inaugurar a época balnear.
A sul do quinto é isto: pouco (muito pouco mesmo...) resta da duna e o mar continua a aproximar-se das casas.