Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sábado, 30 de dezembro de 2006

Em 2007, há que sobreviver







Pronto, o 2006 só tem mais um dia, está prestes a finar-se...
Sem deixar grandes saudades, acaba e deixa-nos sentimentos contraditórios: por um lado, a crise económica e a instabilidade; por outro lado, os ganhos financeiros das Bolsas de todo o Mundo, incluindo a portuguesa...
É o mundo de hoje...


Na realidade, para os portugueses, enquanto colectivo, não irá ser fácil recordar uma boa notícia no decorrer dos 365 dias do ano passado...
Entre muitas outras coisas, ficámos com a saúde pela hora da morte e a ter de pagar mais pelo que iremos receber, se conseguirmos prolongar a vida até à reforma!...
Em 2007, é certo e sabido, o cinto vai continuar a apertar.
A inflação vai ser superior ao aumento dos salários...
O aumento do pão, dos transportes, da saúde, da água, da electricidade, tudo luxos, aí está para o provar.
Presumivelmente, vem aí também mais uma subida das taxas de juro e do preço dos combustíveis...
Entramos no novo ano com mais dúvidas do que certezas, mas sejamos optimistas.
Na vida, é melhor ser optimista. Nada se ganha em sofrer por antecipação.

Bom, seja como for, pelo menos no primeiro dia, vamos deixar o pessimismo de lado.
Apesar da muita incerteza que persiste em relação ao nosso futuro colectivo, sejamos criativos.
Isto é: temos de estar confiantes em nós próprios.
Saudemos, pois, com alegria o 2007..
Para já, que se lixe o resto.
Bom Ano Novo!...
Há que sobreviver!..

sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

As classificações do Grupo Desportivo Cova-Gala no final de 2006

Distrital de Escolas:
Série “C”


Naval “B” 30p; Académica “C” 20p; Marialvas “A” 20p; Académica “B” 17p; Vateca 16p; Cova-Gala 14p; Águias 13p; Naval “A” 11p; Tocha 10p; 10º Touring 3p; 11º Marialvas “B” 0p; 12º Montemorense 0p


Distrital de Infantis:
Série “C”

Cova-Gala 39p; Académica “C 33p; Académica “B” 31p; Naval “A” 30p; Naval “B” 24p; Marialvas “A” 22p; Vateca 16p; Touring 12p; Tocha 12p; 10º Marialvas “B” 10p; 11º Águias 9p; 12º Malhada 3p; 13ºLentisqueira 0p; 14º Montemorense 0p


Campeonato Distrital da 1º Divisão
Série “B”


Vinha da Rainha 27p; Águias 23p; Meãs 22p; Touring 20p; Pedra Rija 19p; Ereira 19p; Botafogo 17p; Cova-Gala 14p; Pereira 11p; 10ºEga 11p; 11ºSeixo de Mira 10p; 12º C.B. Soure 9p; 13ºSepins 6p; 14ºCarvalheira 5p

Bico de São Jacinto


Todos os pescadores têm os seus "cantinhos" preferidos...
E, estes, devem ter um grande carinho pelo Bico de São Jacinto.
Alguns, têm lá conseguido grandes pescarias e momentos de muita adrenalina...
Certamente, também, algumas histórias para contar!..

quinta-feira, 28 de dezembro de 2006

Comunidade portuguesa "desconsulada" com decisão do Governo luso

"O Governo Português está a ameaçar retirar os seus laços oficiais da Costa Sul de Massachusetts e de Rhode Island depois de ter anunciado um plano para encerrar os Consulados de Portugal em New Bedford e Providence, deixando centenas de milhar "abandonados, como prenda de Natal."
A notícia com o alerta pormenorizado, pode ser lida em

/http://www.ojornal.com/site/news.cfm?newsid=17624876&BRD=2677&PAG=461&dept_id=543384&rfi=6

A dança da natureza






Se procurarmos a verdadeira fonte da dança e nos virarmos para a Natureza, verificamos que a dança do futuro é a dança do passado, a dança da eternidade, que sempre foi e será a mesma."


Isadora Duncan (1878-1927)

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Aprender com as gaivotas



Há tanto para aprender com as gaivotas!..
Na sua grande maioria, apenas se preocupam em aprender os rudimentos do voo.
Isso lhes basta, para ir do mar ao Porto da Pesca, em demanda de comida, e voltar de novo ao seu habitat natural – o mar.
Para a maior parte das gaivotas, o que importa não é saber – é comer.

segunda-feira, 25 de dezembro de 2006

Ainda há rebanhos no Baixo Mondego



Margem do Rio Mondego, frente à Ereira, dia 25 de Dezembro de 2006, 7 horas e 35 minutos.
Está neblina, faz frio, muito frio mesmo, e a erva está coberta por uma impressionante camada de geada, formada no decorrer da noite da consoada.
As ovelhas e os cabritos andam pacatamente a tratar da sua vida, isto é, alimentando-se do que a mãe natureza generosamente lhes dá.
Mesmo em Dia de Natal, a vida, aqui, é de uma pureza e de uma simplicidade que até impressiona!...

domingo, 24 de dezembro de 2006

Natal


São cerca de 20 horas e 30minutos do dia 24 de Dezembro de 2006.
Está tudo a postos, na minha casa, para a consoada...
À meia noite, quando o sino tocar as doze baladas, vamos todos abrir as prendas.
Por aqui, parece que o Pai Natal passou...
Toda gente tem as suas prendas.
Aqui é Natal!...
Já agora: porque é que o Pai Natal insiste em passar sempre pelos mesmos continentes, países, cidades. Porquê?
Será que, pelo miúdo da foto, também passou o Pai Natal?
No Iraque terá havido Natal?

Pedro Cruz



O Outra Margem deseja a todos um

sábado, 23 de dezembro de 2006

OUTRA MARGEM ultrapassou as 50.000 visitas


Podem não ser muitas!...
Mas, são mais, muito mais, do que estava nas nossas mais optimistas expectativas iniciais...
Nunca pensámos que, em menos de 8 meses, tal desiderato fosse possível!...
Por este facto, a Administração agradece a todos os quantos nos visitam, nos comentam, nos apoiam e nos criticam.
A todos, sem excepção, o nosso muito, muito e muito obrigado...
Voltem sempre!...

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

Presépio vivo

Hoje à tarde, no átrio da Capela de São Pedro, teve lugar uma representação do Presépio Vivo.
Na oportunidade, realizou-se também uma venda de natal para angariação de fundos para a IV Secção do Agrupamento dos Escuteiros Marítimos de São Pedro.

Ordem na desordem


É um tema que está nas preocupações de todos, ou quase todos.
Ao vivo, ou na televisão, já todos vimos o mar a destruir cordão dunar da costa portuguesa e a colocar em risco a segurança e os bens das pessoas.
Esta é uma imagem de marca do litoral no nosso País.
Ainda recentemente isso aconteceu na Costa da Caparica.

Portugal, é a nação da Europa mais vulnerável às alterações climatéricas.
Desde logo, porque tem uma área marítima superior 18 vezes à superfície terrestre. Depois, porque 70% da população está concentrada no litoral, uma zona que, nos últimos 30 anos, ficou completamente desarrumada e caótica, onde foram cometidas autênticas atrocidades urbanísticas.
Muitos mandam e ninguém é, verdadeiramente, responsável, nem responsabilizado.
A sobreposição de competências é uma realidade na gestão do litoral. Basta dizer que, salvo erro, são 12 (doze) as instituições que têm competência sobre o litoral!..
Todos nos apercebemos que a costa portuguesa está a recuar. As consequências são conhecidas: casas, estradas, habitats naturais, tudo está em risco, a par com a insegurança sentida pelas pessoas que vivem nas zonas perto do mar.

Outro dia, na televisão, apareceram imagens de camiões a acarretar areia da praia para repor as dunas.
Isso, é o que se chama, em linguagem popular, “estarem a chapar-nos areia prós olhos”.
Tratar o problema é outra coisa: é colocar ordem na desordem, que é a administração do território, e colocar ordem na desordem, que existe na gestão do litoral português.