A apresentar mensagens correspondentes à consulta nossa senhora das eleições autárquicas ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta nossa senhora das eleições autárquicas ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Crónica da farsa da apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU, ontem levada à cena no Grupo Caras Direitas, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017...

Assistiu-se, ontem, ao fim da tarde, no Teatro do Grupo Caras Direitas, à apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU.
Para expor o documento usaram da palavra o Presidente da Câmara  e arquitectos responsáveis.
A Colectividade centenária Caras Direitas foi o local, diga-se que bem escolhido, pelo edil João Ataide, para a população assistir à  apresentação desta “farsa” de teatro ou, digamos assim, um filme de ficção da Disney. 
A Nossa Senhora das Eleições Autárquicas tem destas coisas. 
Na velhinha colectividade, durante anos, muitas peças de teatro foram ali representadas, por amadores ou profissionais. Foi num dos camarins desta colectividade que nasceu o actor Camilo de Oliveira. Também foi neste espaço, que actores amadores levaram à cena a célebre peça – “caldeirada à pescador”... não me recordo de nenhuma peça, levada à cena naquele espaço, com o nome de "feijoada de búzios à mestre Zé". Contudo, lembro-me da peça “sardanisca”. Qualquer um destes nomes, aliás, ficava bem ao espectáculo, que constituiu esta apresentação pública, de um projecto que é mais uma manobra de diversão eleitoralista. Um autêntico atirar areia para os olhos das pessoas –  e se ela abunda na praia da calamidade, já nas praias da zona  sul ela rareia e é preciso “roubá-la” ao mar, como faz a APA à frente dos olhos de todos. 
Mas, voltemos à  apresentação do tal projecto, que também podia bem ser um filme da Disney. Naquele espaço foram passados durante anos muitos filmes de diversos  géneros, onde a ingenuidade das crianças permitia apreciaram sempre a bondade e a capacidade de fazer sonhar do Senhor Walt Disney. Para surpresa, ou não, do edil João Ataide e dos seus camaradas (apesar de um mail a circular pelos militantes socialistas, o mesmo não conseguiu mobilizar mais do que uma dezena de fiéis), a larga maioria da assistência não gostou do que viu e ouviu. Muitos comerciantes locais, fizeram ouvir bem alto o seu protesto, pois este projecto (a ser concluído...), é mais uma machadada no comércio tradicional e um incentivo para as pessoas irem para as grandes superfícies comerciais existentes e aquelas que ainda vão ser criadas. O novo projecto da frente de mar, da mesma lavra dos arquitectos que fizeram o projecto da praia da calamidade, promete muito verde (contradição Horto natural) e coisas muito bonitas, entre elas uns balneários para o pseudo centro de alto rendimento da areia, para a rapaziada da empresa Madjer tomar banho.
Os autores deste mega projecto, como se sabe por experências anteriores, já estão  habituados a apresentar propostas com coisas que depois o dinheiro não possibilita fazer, mas isso é o somenos, porque o que é preciso é vender sonhos (encomendados), ainda que, depois, acabem em pesadelos (como o caso da praia da calamidade, que até um coliseu, inicialmente foi prometido, e depois… é o que se vê ).  
Confrontados com a pergunta quanto custa a execução daquele projecto, responderam que era para fazer em duas fases e não ultrapassa os dois milhões e meio, sendo que só estão garantidos um milhão e meio da verba do PEDU atribuída (7,5 milhões para quatro intervenções). Deu para perceber, que a ser feito, vamos ter mais uma intervenção ao nível da praia da calamidade...
No final, ao contrário dos filmes da Disney ou das peças de teatro acima referidas,  o público não gostou mesmo nada daquilo que viu, e demonstrou bem alto a quem de direito, que está farto de embustes e de ser tomado por imbecil e parvo… 
Só  faltaram as pipocas e as bebidas da terra do tio Sam (mas isso é mais no cinema do Jumbo. A vereadora do Carvalho, que desculpe a referência, pois sabemos que a sehora vereadora já não pode ouvir falar neste nome...)
Vamos aguardar pelos próximos “milagres” em carteira da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas. Já deu para perceber que são muitos e variados.
Até outubro, altura em que Ataíde e a sua equipa, contam ser novamente eleitos democraticamente para mandar, não para cumprir qualquer programa eleitoral, muito menos socialista, teremos oportunidade de ver isso no decorrer das sessões de agitação e propaganda que se irão seguir dentro de momentos.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Praia da Leirosa... (ano zero no turismo...) - II

O balneário de Praia, tipo WC-Público, em frente à Capela Nossa Senhora da Boa Viagem, está a ser intervencionado em pleno mês de Agosto
Passou Junho, passou Julho, passou a primeira quinzena de Agosto, e os Munícipes, os fregueses, os turistas, que frequentam a Praia da Leirosa, continuam sem Casa de Banho!
Os balneários, ao que se prevê, deverão ser reinaugurados em Setembro/Outubro, para a época de praia de inverno!

Como é possível!?
Que planeamento é este?
É esta a organização do compromisso
Só se for com a Nossa Senhora das Eleições Autárquicas 2017.
O vereador das obras municipais, numa cidade que se levasse a sério, teria de dar uns bitaites! 
Carlos Monteiro, com a ajuda do Director das Obras Municipais, o príncipe do foguetório do parque de campismo - Albuquerque, o príncipe Municipal, teriam que dar explicações! 
Mas, explicações a quem? 
À oposição do Dr. Tenrinho
Não parece. O futuro Continente em frente ao Centro de Saúde de Buarcos, está a ser construído numa várzea em leito de cheia,  autêntico atentado ambiental, e a oposição continua silenciosa.

O juiz, dr. João Albino das Neves Ataíde e edil figueirense, numa cidade que se levasse a sério, também teria de justificar estas aberrações. 
Mas a quem? 
Em relação aos balneários da Praia da Leirosa, o concurso decorreu em Janeiro para iniciar as obras em Março, e estarem concluídas em 31 de Maio. 
Estamos a 16 de Agosto, do ano  da graça do Senhor e da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas 2017 e esta trapalhada existe, e está disponível para visita, logo no Ano ZERO do Turismo Municipal!
Conteúdo produzido pela ANC-Caralhete News

sábado, 17 de junho de 2017

Onde está o campo de futebol sintético prometido a Hugo Almeida em 2009?...Nem em ano de altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas!..

Hugo Almeida, como bem se devem recordar,  foi mandatário para a juventude da candidatura de João Ataide nas eleições autárquicas de 2009
O então candidato,  e actual edil, assumiu publicamente, perante câmaras de televisão e imprensa nacional, o compromisso de fazer um campo de futebol em Buarcos e baptizá-lo com o nome do jogador internacional, oriundo daquela freguesia, onde iniciou a sua carreira futebolística, ao serviço do extinto Grupo Desportivo de Buarcos. 
Passados oito anos, a promessa está  por cumprir e a freguesia continua sem qualquer campo de futebol, pois o único que existia, o alegado "proprietário" - a Cimpor,  vendeu o terreno para dar lugar à "bela" urbanização Foz Village. 
A ANC-Caralhete News apurou que Ataide, José Esteves e Carlos Monteiro pensaram em atribuir o nome do Hugo Almeida ao pseudo centro de alto rendimento na praia!.. 
Chegaram a abordar o jogador sobre esta possibilidade e este foi pronto na resposta: 
- Não! Façam o campo sintético  de futebol para os jovens, como prometeram, com ou sem o meu nome
O jogador, mostrou a sua indignação, e não é para menos. 
Haja decência!  
A arte da política criativa e montar bem qualquer ilusão, é capaz de tudo!..
Sobretudo, em ano da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas.

sábado, 8 de julho de 2017

Rotundas = circo para o povo...

"Há uns anos atrás construiu-se uma das primeiras rotundas da freguesia de Alhadas. Serve, e bem, a distribuição de tráfego, uma necessidade estrutural que surgiu com a construção da A17. No início plantaram-se umas oliveiras na rotunda. Muito bem. Paisagem, sentido ecológico, não havia relvados, consumo excessivo de água nem sistemas de rega. “Passou” a crise financeira e em 2017 a Junta de Freguesia (ou a Câmara?) decide investir na rotunda. O objetivo é somente embelezar, um “projeto municipal” de mais de 20 000 euros para “requalificar a rotunda”. Vamos ter direito certamente a uma inauguração com alguma pompa e circunstância. O atual presidente da Junta terá assim “obra para mostrar nas próximas eleições”, se se candidatar. O entusiasmo da Junta de Freguesia pela rotunda contrasta com a falta de investimento no ambiente e na sustentabilidade. As piscinas da freguesia continuam a não ser eficientes. Muita energia gasta, e dinheiro dos contribuintes, por falta de iniciativa local. A colocação de painéis solares térmicos, algo que muitos de nós temos em nossas casas, iria poupar dezenas de milhares de euros à Junta. Mas, nada foi feito. As piscinas, e muitos equipamentos camarários, continuam a zero em termos de investimento na eficiência energética. Conclui-se que a “consciência ecológica” local é algo que ainda não existe. No mesmo plano observa-se que a eficácia dos investimentos retrocede aos anos 90, quando “as obras” (rotundas…) é que prevaleciam."
Rotundas vs painéis solares, uma crónica de João Vaz.

Nota de rodapé.
Poucas cidades portuguesas têm um passado tão pobre como a Figueira da Foz, uma cidade cuja vocação para o turismo de pé descalço, não  remonta a A.C., apenas porque então não exisitia.
Os políticos locais, na Figueira, ao longo dos últimos 40 anos, estiveram ao nível dos políticos nacionais: apenas  fizeram menos merda, por uma questão de dimensão.
Para um autarca, na Figueira, fazer merda,  é uma característica de perfil que auspicia um futuro glorioso na liderança dos destinos da autarquia.
Felizmente, que um autarca local figueirense não tem a capacidade intelectual, nem financeira, para dar cabo da economia de um país, com negociatas tipo BPN, submarinos, PPP rodoviárias, Siresp, ensino privado, saúde, etc.. 
Um  autarca local figueirense, só consegue fazer merda a um nível restrito. 
Gasta o dinheiro dos contribuíntes em aleivosiazinhas, disparatezinhos, pequenos insuflares de egozinhos. 
Faz parte do Portugal dos Pequeninos da política.  
As rotundas são disso exemplo. 
Autarca que não tenha construído umas belas rotundas, não pode ser digno dessa função. É uma espécie de mijinha do cão para a posteridade, para um dia poder gabar-se, nem que seja aos netos.
Em 2017, como as rotundas estão todas inventadas, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas, reparem na quantidade delas que anda em obras em Tavarede e em Buarcos/S. Julião!..
A Figueira dos figueirinhas,  lembra-me Portugal à micro-escala. 
Passado glorioso, presente insidioso, futuro duvidoso.
Os meus parabéns à cidade, sobretudo aos cidadãos que têm sabido escolher tão bem os governantes locais... 
Fica o meu obrigado aos néscios, por me obrigarem também a  pagar a fantasia em que vivem. 
A factura dos carnavais, rotundas e festividades várias, fica pesada para todos os contribuintes...
E, isso, aborrece-me. 
Causa-me um desconforto geral. 
Todavia, a vida tem de  prosseguir.
Como sempre.

ADENDA:
Neste momento, se não falha nenhuma, estão a decorrer obras na Rotunda do Foral Tavarede (aquela que foi construída com a variante de Tavarede), Buarcos, Poço da Vila (as obras estiveram 6 meses paradas), do Limonete (alcatroaram e ainda não meteram as passadeiras) e Alhadas Maiorca na nacional 111!
Valha-nos a Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017!..

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Recorde-se as crónicas da farsa da apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU, em junjo de 2017...

A propósito da crónica por mim assinada hoje no Diário as Beiras, recordo duas postagens que publiquei no OUTRA MARGEM, que podem ler clicando nas palavras a azul.
Recorde-se que este número teatral, foi levado à cena no Grupo Caras Direitas, onde só  faltaram as pipocas e as bebidas da terra do tio Sam (mas isso é mais no cinema do Jumbo. A vereadora Ana Carvalho, mais uma vez,  que desculpe a referência, pois sabemos que a senhora vereadora já não pode ouvir falar neste nome há muito tempo...).

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Crónica da farsa da apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU, ontem levada à cena no Grupo Caras Direitas, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017...

sábado, 10 de junho de 2017

Crónica da farsa da apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU, ontem levada à cena no Grupo Caras Direitas, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017... (II)

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Crónica da farsa da apresentação pública, levada à cena no DESPORTIVO CLUBE MARÍTIMO DA GALA, DO PLANO ESTRATÉGICO DE DESEVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL DO CABEDELO, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017...

Basta de realidades, queremos [mais] promessas!
Esta coisa, DO PLANO ESTRATÉGICO DE DESEVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL DO CABEDELO,  é exactamente, nomeadamente, especificamente, concretamente, o quê?
Nem todos os covagalenses são INTELIGENTES!..
Para a página não ficar em branco, publico a imagem, onde se pode ler que, até o nome da Colectividade onde se realizou O EVENTO, constutuiu um engano...  
(A Colectividade, aliás a mais antiga da Aldeia, chama-se Desportivo Clube Marítimo da Gala.

Vamos aguardar pelos próximos “milagres” em carteira da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas. Já deu para perceber que são muitos e variados.
Até outubro, altura em que Ataíde e a sua equipa, contam ser novamente eleitos democraticamente para mandar, não para cumprir qualquer programa eleitoral, muito menos socialista....
As sessões de agitação e propaganda irão seguir dentro de momentos.

sábado, 3 de junho de 2017

Com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017... (II)

O ministro Pedro Marques,  titular da pasta do Planeamento e das Infraestruturas, visitou a Figueira e Montemor.
No concelho da Figueira da Foz, passou pelas obras da nova Unidade de Saúde das Alhadas e pela fábrica United Resins. 
Já no  concelho vizinho de Montemor-o-Velho, Pedro Marques visitou as obras de requalificação da igreja de Santo António, junto ao castelo, e ficou a saber que a autarquia liderada por Emílio Torrão tem obras para lançar no valor de milhões de euros. A requalificação da envolvente sul do castelo e a reabilitação urbana da zona histórica da vila, onde vão ser instalados um espaço para artistas e um edifício multiusos, bem como instalações para trabalho colaborativo e a recuperação da frente ribeirinha, fazem parte do plano de investimentos da autarquia montemorense. As obras, cofinanciadas por Bruxelas, têm por finalidade combater a desertificação do casco antigo. O autarca montemorense não se ficou por fazer uma visita guiada ao ministro. Emílio Torrão lembrou a Pedro Marques que a edilidade quer ver construídas a variante sul e as passagens pedonais sobre a Linha do Norte, em Formoselha e Santo Varão, obras que estão a ser tratadas com a empresa pública Infraestruturas de Portugal.
João Ataíde também não perdeu a oportunidade para sensibilizar o ministro para a urgência das obras de beneficiação da EN109, empreitada que tem vindo a ser adiada há vários governos e mandatos autárquicos. A última calendarização apontava o início das obras para 2017, mas, mais uma vez, não avançaram. Pedro Marques, contudo, adiantou ao jornal As Beiras que o concurso público para a primeira fase será lançado em julho próximo. A requalificação daquela estrada nacional, entre a Marinha das Ondas, na Figueira da Foz, e Mira, inclui a transformação de seis das nove interceções (cruzamentos e entroncamentos) em rotundas – as restantes serão melhoradas. A empreitada vai custar 3,5 milhões de euros. Para a segunda fase, cujo concurso será aberto em 2018 (ainda sem data), está prevista a substituição do pavimento, ao longo de 44 quilómetros, por 11 milhões de euros. 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Associação Naval 1º de Maio 1893 foi fundada no dia 10 de janeiro de 2014. Porque só veio à luz do dia quase 4 anos depois?..

... com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017?, foi a pergunta que colcámos nessa postagem.
Ao que parece, a questão colocada causou alguns incómodos.
Não sabemos porquê, porque realmente há sempre coisas para falar, quando há fundamento.
Via Marcha do Vapor ficamos a saber que o passado dia "24 de Agosto poderá ter sido o “Dia da Regeneração da Veneranda  Associação Naval 1º de Maio fundada no ano de 1893 com a apresentação dos Corpos Sociais da (Novel) Associação Naval 1º de Maio 1893 instituição recentemente criada que tem como objectivo principal e primordial devolver à Associação Naval 1º de Maio o “Prestigio de uma colectividade com 124 anos”, “Devolver o ecletismo aquele que foi dos mais ecléticos clubes figueirenses” e sobretudo “apoiar os jovens na prática das modalidades desportivas que escolheram como opção."
Contudo, ao contrário do que é dito,  a instituição em causa não foi recentemente criada.
Conforme se pode ver pelas imagens abaixo, foi fundada em 10 de Janeiro de 2014, num escritório notarial de Montemor-o-Velho.
Dois pontos a relevar: 
Primeiro: foi fundada há quase 4 anos, quatro, mas só em 2017, curiosamente ano de eleições autárquicas, veio à luz do dia.
Segundo: na Figueira não há notários? Porquê a escritura da constituição ter sido feita em Montemor-o-Velho?
Quem puder e quiser esclarecer, que esclareça. A nossa função é colocar perguntas pertinentes e baseadas em dados concretos e reais.
Se isso incomoda alguém, temos pena...



quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Pois é: estamos em ano de altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas!..

Pois é: como se pode ver, todos somos modernos! A começar pelos munícipios, isto é, também o Estado. 
E interrogam-se vocês: o que é o Estado? 
Ora, o Estado é a modernidade da ficção nacional... 
Lá estou eu e o meu mau feitio que, ultimamente, tanto tem incomodado algumas alminhas mais sensíveis aqui pela Figueira da Foz. 
Apetece-me escrever. 
Mas, hoje, não sei de quê... 
Os finais de setembro, em anos de eleições autárquicas, são um tempo esquisito... 
Nem são férias, nem são já trabalho a tempo inteiro. 
O bulício de agosto, na Figueira, já foi e deixou uma nostalgia e um vazio que custa a superar. 
Nestes dias, apetece-me sair, ir por aí fora sem destino, ver coisas diferentes ou rever as mesmas que deixaram saudades. 
E é o que tenho feito nos últimos dias... 
É esta necessidade de evasão, depois da acontecida invasão de agosto, que não permite o sossego, o tempo disponível e a concentração para o trabalho que por aqui é feito. 
Estar de férias, para mim, é sair, fugir da rotina, não pensar no dia a dia, viver despreocupadamente, não ter horas... 
E, isso, só o consigo fora do ambiente em que se vive o resto do ano. 
Como disse o outro: "que se lixem as eleições".

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

... com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017?..

Estamos a 15 dias das eleições!..
Após meses a fio a requalificar a rotunda, será que os últimos trabalhos são da responsabilidade da câmara municipal?
O empreiteiro concluiu a obra? 
Ou foi a câmara que não meteu no contrato de adjudicação todos os trabalhos? 
Esqueceu-se?... 
Em 8 anos não houve tempo para requalificar da obra?

sábado, 23 de setembro de 2017

Quando a esmola é grande...

Nos últimos meses, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017..., temos vindo a assistir ao desenrolar de um verdadeiro conto de fadas cor de rosa figueirense...
Porém, como sabemos, pelo saber da experência feito, não há generosidade na esmola: há interesse
Os pecadores, dão para aliviar seus pecados...
Os políticos, prometem que dão para merecerem os votos dos eleitores.


Uma Figueira melhor é possível? 
Talvez...
Ser membro de uma facção indisciplinada dos partidos de poder, pode ajudar!..
Ser membro dos partidos da oposição, pode ajudar!..
Tentar fundar uma  Associação para o Estudo, Aconselhamento e a Protecção do Gado Asinino no concelho da Figueira da Foz, poderia ajudar!.. 
Registe-se, que no concelho da Figueira da Foz, as feiras sempre tiveram um enorme impacto, nomeadamente a Feira Quadrienal do Asinino , que terá mais uma edição em 1 de outubro próximo, cuja frequência e mostra é obrigatória para a maioria da população asisina concelhia, tendo por isso uma influência não só a nível concelhio, mas também regional. 
Um burro solitário, como eu, porém, a 8 dias da realização de mais uma mostra Quadrienal, continua com muitas dúvidas!..

Nota de rodapé.
Thomas Edison e Albert Einstein, são apenas dois dos nomes de duas das mentes mais brilhantes que alguma vez pisaram o planeta Terra.
Ambos têm uma realidade em comum. 
Nenhum concluiu o ensino. 
A sua mente estava acima do que lhes estava a ser ensinado.

sábado, 10 de junho de 2017

Crónica da farsa da apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU, ontem levada à cena no Grupo Caras Direitas, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017... (II)

"Segundo notícia do jornal AS BEIRAS, a discussão sobre a intervenção na frente marítima de Buarcos foi intensa. O debate aconteceu no Caras Direitas e opôs as intenções da Câmara em aumentar os espaços verdes e pedonais, e a vontade de alguns comerciantes em deixar tudo como está. Estes comerciantes devem ser os mesmos que estacionam sistematicamente os seus veículos em frente à porta da sua loja, retirando lugares aos clientes. Incrivelmente, a empresa Figueira Parques não atua perante veículos de comerciantes estacionados sistematicamente, e por longos períodos, em lugares pagos. Isto é matéria que dava “pano para mangas” mas que ninguém parece interessado em tocar. Haverá “intocáveis” na nossa cidade? A Câmara que agora propõe o alargamento de passeios é a mesma que sempre que faz obra (Buarcos; 4 Caminhos; Alto do Forno, Caceira, etc.) deixa os passeios na mesma, estreitos e mal concebidos? Há uma bipolaridade manifesta no comportamento da sociedade relativamente aos carros, comércio e estacionamento. Queremos uma “cidade mais saudável”, com menos carros e menor poluição, em que as pessoas sejam levadas a andar a pé, ou queremos voltar ao passado? Agora que a marginal em Buarcos está interrompida, seria útil refletir seriamente sobre como “descolonizar” esta zona, retirando os carros e deixar que voltasse a praia. Contudo, passa-se o oposto, as obras são para “cimentar” a costa, artificializando ainda mais a paisagem."


"Estacionamento a mais", uma crónica de João Vaz, consultor de sustentabilidade.

Nota de rodapé.
Recorde-se aqui a crónica da farsa da apresentação pública do projecto da requalificação da frente de mar em Buarcos, no âmbito do PEDU,  levada à cena no Grupo Caras Direitas, onde só  faltaram as pipocas e as bebidas da terra do tio Sam (mas isso é mais no cinema do Jumbo. A vereadora do Carvalho, que desculpe a referência, pois sabemos que a sehora vereadora já não pode ouvir falar neste nome...). 

domingo, 16 de julho de 2017

O surf, o golfe, "aquela coisa de 4 rodas dos putos" e o Cabedelo do futuro...

Foto FOZ AO MINUTO
"O arquitecto paisagista contratado pela autarquia para a reabilitação do Cabedelo, esteve na Gala a apresentar o seu projeto. Mostrou a praça atrás do muro que não é para fazer, trocou o surf pelo golfe e deixou bem claro a todos os presentes que não sabe o que é um skate. 
Uma vez que o Sr. Presidente também não quer MUROS CONTRA O MAR, inviabilizando a praça que o arquiteto continua a defender, talvez queira considerar oferecer-lhe um par de patins convidando-o a ir de vela. 
Nesta fase importava esclarecer se se trata de equívocos dele ou se o equívoco é mesmo ele - o arquiteto Hipólito Bettencourt."  (Via SOS CABEDELO)

No fim da tarde da passada sexta-feira, a lebre saiu disparada...
Superou-se. Isto, é: espalhou-se...
Como sabemos da «estória», a lebre chega sempre primeiro a quase tudo. 
Na vida, como nas corridas de animais em fábulas, há tendência a ligar o sucesso (pessoal, profissional, o que vocês quiserem...) ao imediatismo com que a ele se chega. 
Mas, "depressa e bem há pouco quem".

Ao ouvir o arquitecto contratado pela Câmara, lembrei-me que, ao longo da vida, continuamos a ser crianças com pressa de chegar a adultos, sempre com a pressa de acelerar em direcção a um sucesso que, muitas vezes, não parámos sequer para definir ou entender. 
E, por vezes, acontece o que não deveria acontecer: hipotecamos o presente, em função de um futuro que será ele, também, um presente hipotecado

Gosto de parar a espaços e deixar os sentidos fazer o que eles sabem. 
Todas as máquinas precisam de resets. 
Todos os corpos precisam de sol. Todas as almas precisam  de silêncio. 
E de pausas.
O pôr do sol no Cabedelo,  em harmonia com a natureza, é o meu oxigénio para a alma.
Serve para entender o aqui e o agora, que, neste caso, é mais palpavél e visível do que nos dizem ser o que vem a seguir.

Muito do que somos, depende daquilo que aceitamos que façam de nós.
Na passada sexta, houve a farsa da apresentação pública, levada à cena no DESPORTIVO CLUBE MARÍTIMO DA GALA, DO PLANO ESTRATÉGICO DE DESEVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL DO CABEDELO, com o altíssimo patrocínio da Nossa Senhora das Eleições Autárquicas/2017....
Hoje, dou comigo a matutar, pois sobrou uma interrogação: o arquitecto responsável pelo projecto, Hipólito Bettencourt, enganou-se ou descaiu-se? 
Será que vão tirar  dali o campismo para meter lá o golfe?..

Há um mestre da escrita, que se encaixa perfeitamente neste contexto.
Chama-se Terry Prachett. Para quem não o conhece, este autor de histórias fantásticas, criou, entre outros, uma série de livros conhecidos por "The Discworld Series", em que mais do que as histórias, o que fascina é o mundo criado. 
Quem é que se iria lembrar de criar um planeta nas costas de uma tartaruga que se move sem parar pelo Universo? Com uma precisão quase visual, são descritos os confins do mundo no bordo da carapaça, ou os estranhos ambientes da cauda da tartaruga! E as personagens são também muito castiças, como o feiticeiro frustrado Rincewind, que não consegue decorar feitiços, até à Morte...
Os livros desta série, proporcionam umas boas horas de riso e de trabalho mental.
Para os que gostam de criatividade e originalidade, façam um favor a vocês próprios: comecem a ler estes livros o mais depressa possível!