domingo, 21 de fevereiro de 2016

Restritivo é pouco... Mete nauseabundo nisso...

Passos Coelho acusa PS de "ajoelhar" perante a Europa e critica "orçamento restritivo"!..
Passos Coelho, com isto, quer dizer o quê... Que há mais nuvens negras no futuro dos portugueses que tínhamos se ele fosse primeiro-ministro?
O ex-primeiro-ministro está a ver crescer um país mesmo ao lado dele? 
Este trapalhão está na estrada em campanha. 
Portanto, o que nos espera é ouvir, repetidamente, loas ao crescimento da economia e ao mérito do seu reinado de 4 anos neo liberal. 
Vamos ouvir, até aos limites da paciência, o elogio da sua austeridade. 
Vamos ouvir a exaltação o esforço dos portugueses. Como se esse esforço tivesse sido voluntário... 
Como se os portugueses tivessem aceitado o estado de pobreza para salvar a economia dos grandes empresários. 
Vamos ouvir o exercício do auto-elogio deste trapaceiro até à náusea. 
Tudo isto, mais do que restritivo, é nauseabundo.

A política do quiosque...

imagem sacada daqui
"A autarquia da Figueira da Foz anunciou  que vai investir cerca de 300 mil euros na remodelação de quiosques, aumentando o número de estabelecimentos e as finalidades de uso, com possibilidade de servirem comida e bebidas."
Esta administração camarária ou não tem ideias, ou para as ideias que tem, era bem melhor que não as tivesse. 
Tal como Jaime Lerner, acho que as cidades devem ser discutidas mas no mundo inteiro. Os cidadãos de uma cidade devem ser cidadãos no mundo. Como tal não me incomoda que os políticos que gerem uma cidade venham de outras terras.
Contudo, detesto pessoas que não gostam da sua cidade. Se os senhores da câmara estão tão isentos de ideias, que já não sabem fazer política, porque insistem em atitudes primárias e de gosto duvidoso? 
Se não gostam desta terra, porque já têm a vossa, porque não se vão embora? 
Para que queremos nós vereadores da cultura cultos e políticos hábeis? 
Para que queremos nós autarcas de esquerda, que mais parecem de direita? 
Ou será que a política e a cultura morreram às garras do pato-bravismo ligeiro, não havendo lugar para quem quer dar cor e sentido às ideias e a vida? 

A longevidade do país do Casino...

Via Diário de Coimbra, fiquei a saber que o Casino Figueira, também oferece carros topo de gama!.. 
"Manuel Gomes, um figueirense cliente do Casino, foi o feliz contemplado com um Mercedes Classe A, depois de ter participado num sorteio levado a cabo pelo Casino Figueira. A entrega do Mercedes decorreu um dia destes nas instalações da Sodicentro, em Coimbra, e contou com a presença do contemplado, Manuel Gomes, do administrador do Casino, Domingos Silva, e do chefe de vendas da Sodicentro, Rui Freire. Manuel Gomes mostrou-se «satisfeito» com o prémio, mas confessou que pretende «vender o carro, pois o dinheiro faz mais falta». Domingos Silva explicou que o sorteio, que decorreu no dia 6 de Fevereiro, resultou de uma iniciativa que pretendeu «reforçar a atractividade do Casino, como espaço de lazer». Depois de ter sido realizado um investimento de renovação do parque de máquinas (em cerca de um terço do existente), e que rondou os 1,9 milhões de euros, «nada melhor do que gratificar os clientes que, ao longo do tempo, tem vindo a garantir a longevidade do Casino»."

Aqui está a solução.Tudo pode ser resolvido. A Figueira e o país têm futuro. 
Casinos, carros oferecidos, dinheiro a rodos, putas finas, labregos com gravatas vistosas, plumas espampanantes, maminhas ao léu, saltos altos, pensamentos baixos. 
Agora é que vai ser. 
Cá está a retoma, que assim é que se recuperam economias e o país anda p'rá frente. 
E logo agora é que o actual governo haveria de dizer aos portugueses para esquecerem os carros!..
Quem não tem dinheiro que fique em casa. 
A Natureza é do mundo e o mundo é dos ricos. 
Mas para se ser rico é preciso ser assim? 
Afinal não me apetece!