Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

quarta-feira, 16 de maio de 2018

"É chato ser sequestrado. É uma coisa que me chateia, pá"...


"Chato", mesmo...

Há sempre alternativas!.. Só para uma certa coisa que todos sabemos o que é, é que não existe solução...

Via AS BEIRAS. Para ler melhor clicar na imagem.

Paris Match

A Expofacic 2018, o Sunset 2018, o «Programa Sê-lo Verde 2018» e as câmaras de Cantanhede e da Figuiera em 2018......

A iniciativa «Programa Sê-lo Verde 2018», promovida pelo Fundo Ambiental,  pretende constituir-se como um contributo para que os eventos de massas possam evoluir no seu perfil de sustentabilidade/pegada ecológica, contabilizando poupanças alcançadas (ambientais e económicas) através da concepção e implementação de princípios de uso eficiente de recursos, mas também evoluam na diferenciação do evento, demonstrando a inovação associada à sua pró-atividade em matéria de impacte ambiental e na educação ambiental dos envolvidos.
A Expofacic 2018 vai ser um evento com preocupações ecológicas.
Para tal, candidatou-se ao programa do Ministério do Ambiente «Sê-lo Verde 2018» e viu a proposta aprovada.
Em requerimento, Ricardo Silva, vereador social-democrata na vereação figueirense, perguntou "se o município figueirense, para reduzir a peugada ecológica, apresentou  uma candidatura  do Sunset ao programa".
O Gabinete da presidência, em resposta ao jornal AS BEIRAS, apenas disse que as respostas serão dadas no "local próprio: as reuniões de câmara".
A próxima, aberta ao público, realiza-se no dia 28, pelas 15 horas...

Este, é o Sporting dele...

“O presidente do futuro é o presidente-adepto. Sou eu”.

Bronco do Car(v)alho

Que é feito dos grandes sportinguistas Eduardo Barroso e Daniel Sampaio?..

Senhores doutores: neste momento, o silêncio de V. Exas, é ensurdecedor...

Como?.. António Costa "consensualmente consensual"?..

Isabel Maranha Cardos, ontem, na sua habitual coluna de opinião das terças, no jornal As Beiras.
"Em época pré-eleitoral, com as eleições para o Parlamento Europeu em maio de 2019, as eleições da Madeira e as próprias legislativas também em 2019, o clima será certamente de tensão e as reivindicações e críticas, quer da esquerda quer da direita, tenderão a agitar a governação. Ora o equilíbrio necessário entre os partidos da esquerda e os compromissos com o PSD para a aprovação do orçamento de 2019 será certamente o repto final à sua governação. No final e afinal, Costa terá que ser consensualmente consensual!"


Há muitos anos que leio jornais, vejo televisão,  ouço rádios, frequento vários blogues e o facebook.
Sobre António Costa pensava ter uma ideia...
Pensava que, medianamente, tinha entendido o que tinha lido, ouvido, visto e observado.
Agora deparei com esta entrevista. Pelo que julgo ter percebido, para António Costa, pelos vistos, a opção política, é esta: é mais importante ter muitos funcionários, embora mal pagos, do que menos funcionários, mas mais bem pagos. A função pública não parece ser, para António Costa, uma carreira profissional, mas uma variante do rendimento social de inserção.
António Costa, "consensualmente consensual" Isabel Maranha Cardoso?
Resta-me continuar atento e, talvez, voltar à escola para ver se consigo aprender a ler...

terça-feira, 15 de maio de 2018

"Tristeza sem fim, meu querido Sporting"

Como sportinguista, fico triste com as derrotas.
Porém, para isto, não tenho palavras...

Nazaré: Ondas de oportunidades...

Nazaré, destino atractivo o ano inteiro
"A projecção internacional veio na maré alta, com as ondas gigantes a levarem mundo fora o nome da cidade e do país.
“A Nazaré tem‑se posicionado como um palco privilegiado de eventos nacionais e mundiais, o que lhe tem dado uma grande exposição mediática internacional e provocado alterações ao nível económico. De uma vila quase exclusivamente piscatória, a Nazaré passou a crescer no turismo, nos negócios e investimentos em diversas áreas de actividade, nomeadamente por parte de multinacionais e empresas nacionais de diversos sectores”, referiu Walter Chicharro, presidente da Câmara Municipal da Nazaré, à Event Point.
Para o autarca, “o impacto directo das ondas gigantes na economia da Nazaré surge nos anos 2014 e 2015 com propostas de instalação de projectos de hotelaria e de novos negócios”. O município aproveita as ondas de oportunidades e regista a tendência de subida da procura pelo que a Nazaré tem para oferecer.
Os dados da autarquia indicam que a afluência de visitantes ao Forte de São Miguel Arcanjo, com vista para o ‘canhão’, passou dos 80 mil visitantes em 2015 para os 174 mil em 2017 e que no ascensor a afluência passou dos 630 mil passageiros em 2013 para quase 950 mil em 2017. “É o meio de transporte por cabo mais procurado em Portugal, superando o elevador de Santa Justa, em Lisboa, por exemplo”, acrescenta Walter Chicharro."

Pedido de insolvência à vista...

Não entendo para que serve a economia quando desligada das pessoas. 
Nunca consegui entabular conversa com uma empresa, mas falo todos os dias com trabalhadores!
Não percebo como é possível distribuir dividendos, quando, por exemplo, não existe pão à mesa e electricidade a preço acessível! 
Não consigo perceber os milhões de lucros, quando o ordenado mínimo não atinge os 600 €! 
Não compreendo que os sacrifícios sejam sempre pedidos a quem em nada contribuiu para a situação a que isto chegou! 
Certamente, porém, todas estas minhas perplexidades devem ter a ver com o facto de eu ser um completo analfabeto em política e em economia!..
Foi assim, triste, que me deixou esta notícia.

Via AS BEIRAS.
 "Os cerca de 50 trabalhadores do quadro dos estaleiros navais da portuguesa Atlantic Eagle reúnem-se amanhã em plenário, tendo na agenda o seu futuro. Alguns deles, segundo adiantou o sindicalista José Paixão, têm quatro meses de salários em atraso. E todos eles, à excepção de “dois ou três”, suspenderam o contrato de trabalho, por justa causa. Por outro lado, o prazo para o pedido de insolvência da empresa termina no fim deste mês. O arresto do ferry que os estaleiros navais da Figueira da Foz estavam a construir para o Governo de Timor-Leste, por 13,5 milhões de euros, como o DIÁRIO AS BEIRAS adiantou, foi a gota de água que fez transbordar aquela unidade de construção naval, que desde o início da atividade da Atlantic Eagle navegava num mar de dificuldades financeiras. A acção foi movida por um fornecedor. A paragem dos trabalhos na embarcação está a ter um alcance diplomático, uma vez que estava a ser construída com garantias do Estado português. Entretanto, o trabalho naqueles estaleiros navais tem-se limitado a reparações, onde laboram os tais “dois ou três” trabalhadores, que estão a ser pagos diretamente pelo armador. Sob pressão do tempo, dos sindicatos e do Governo timorense, o ministro de Economia, Manuel Caldeira Cabral, recebeu, ontem, de manhã, Arménio Carlos (secretário geral da CGTP), António Moreira (União de Sindicatos de Coimbra) e José Paixão (do sindicato SITE-CN).
A reunião fora pedida na sexta-feira, à tarde."

Da série propaganda... (em exibição, num quiosque perto de si) - 2 -

Resta apostar na mudança para 2021

Este, é o rosto da incompetência política que tem governado a Figueira, desde 2009. Primeiro, em maioria relativa. Depois, em maioria absoluta. O que piorou tudo. Este modelo de governação da polis, que se baseia no poder entregue aos partidos políticos, que não representam minimamente o povo que os elege, deu origem a uma oligarquia incompetente e irresponsável que tem governado a Figueira depois do 25 de Abril. Os resultados estão à vista de todos.
É habitual ouvir dizer: “todos os anos deveria haver eleições”.
Porém, na minha já longa vida, vi anos seguidos de eleições com a Figueira  a ficar sempre mais para trás.
Logo a seguir ao 25 de Abril,  a cada vitória do PS/Figueira, os vencedores logo diziam que os figueirnses tinham validado a sua estratégia e, com este argumento, nunca se corrigiram. A Figueira estagnou e foi  sempre caindo.
As vitórias socialistas  municipais no nosso concelho, só fizeram a Figueira perder importância no distrito e no País.

Depois, entre 1997 e 2009, tivemos outra desgraça: o PSD.
Primeiro, Santana Lopes ( e, principalmente, o despesismo...). Depois, Duarte Silva (que levou o PSD/FIGUEIRA a implodir, pura e simplesmente...)
Em 2009 voltámos ao PS. Melhor, a esta desgraça que tem como pimeira figura João Ataíde.
A norma desta maioria absoluta é rejeitar qualquer protesto.

Neste momento, na Figueira, sobrevive o medo. E o medo não é bom conselheiro.
O medo é patente na censura aos cidadãos, que pensam pela cabeça própria, e pelo nível da imprensa que por cá se publica.
Quem é líder não mostra receio nem censura, nem persegue quem tem a ousadia de se opor. Só os fracos e os medíocres usam esta estratégia.
Os bons líderes não caem nas suas próprias armadilhas. Muito  menos expõem a sua incompetência, insensibildade e falta de horizontes políticos com comboidas.

Gostaria de ver a Figueira governada por gente diferente.
Gente com capacidade de liderança, sem medo, sem censurar jovens, só por pensarem pela sua própria cabeça, ou criticar jornais e jornalistas e outros meios de comunicação.
Gente, sem as fragilidades da Câmara da Figueira nos últimos anos.
Queria um Presidente que pensasse bem os  investimentos a realizar para tirar a Figueira do atoleiro.
Queria um líder capaz de pôr ao seu lado os adversários para reforçar o poder reivindicativo da Figueira.
Queria, como Presidente, alguém que conseguisse recuperar os, pelo menos, 40 anos  já perdidos e fizesse avançar a Figueira no conjunto, ao menos, da região centro.

Desejaria ver gente nesta cidade não comprometida com a subserviência a este poder, com coragem de estar ao lado dos figueirenses.
Respeito o resultado das últimas autárquicas.
Mas, vou continuar a lutar e a  apostar na mudança em 2021.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

PRAIA DO NORTE ENTREVISTA PEDRO AGOSTINHO CRUZ

O que significa fazer parte de um novo recorde do mundo?
É uma questão difícil de responder. Mas, estou super feliz pelo feito do Rodrigo Koxa, por mais uma vez a Nazaré e a Praia do Norte serem protagonistas por este mundo fora. Eu apenas fiz a fotografia como tantos outros que estavam presentes naquele dia. Tive o privilégio de ser a fotografia.
Como descreve a sensação que sentiu ao ver e registar aquela onda?
Bem, na altura senti que onda do Rodrigo Koxa tinha sido enorme. Faz parte do mediático “super set” da “The Big Wednesday”. Senti que tinha acontecido algo especial naquele momento, mas longe de mim pensar que podíamos estar a falar de um novo record do mundo. Porém, quando publiquei a fotografia na minha página de facebook o feedback das pessoas levava a crer que podíamos estar a falar das maiores ondas de sempre surfadas na Praia da Norte. Afinal, sabemos hoje que é a maior do mundo.
O que o levou, como fotógrafo, a procurar registar as ondas da Praia do Norte?
Fotografo as ondas da PN antes deste mediatismo todo das Big Waves. A Praia do Norte já era um lugar que frequentava regulamente, acompanhava os meus amigos nas surfadas, e fazia o registo fotográfico das mesmas, nomeadamente, o Luís “Porkito” Pereira, o Jaime Jesus, o Fábio “Marreta” Laureano, o João “Panhó” Conceição, entre outros.
As ondas grandes surgem de uma forma natural, tenho alguns amigos na Nazaré entre eles o Dino Casimiro, o responsável por este rebuliço todo, e que me apresentou este fenómeno das ondas grandes e o projecto que hoje é tudo isto que sabemos. Tenho fotografias da primeira vez que o Garrett surfou na Praia do Norte, em 2009/2010, por exemplo.
Já imaginou estar do outro lado da fotografia? Em cima da prancha?
Não! Nem quero imaginar! Credo!…
Vai continuar a fotografar os dias de ondas gigantes na Nazaré? Depois de fazer parte do novo recorde do mundo, há algum objetivo que procure atingir neste tema?
A Nazaré e a Praia do Norte são lugares muito especiais para mim, como tal, fazem parte do meu caminho.
O meu objectivo é simples: não quero ser mais um fotógrafo a registar este fenómeno. Hoje, infelizmente existe uma banalização da imagem da Praia do Norte, das ondas gigantes. Este local merece um esforço acrescido dos profissionais da imagem na tentativa de fazerem a melhor imagem possível. A Praia do Norte merece isso!

Nota:
A entrevista foi sacada DAQUI.

Olhar o mar é uma atitude intrínseca às gentes do mar! É um saber ancestral de experiências feito, que é também debatido diariamente nas tertúlias dos velhos que agora apenas o olham!

Para ler melhor, clicar na imagem. Via Diário de Coimbra

Naval (1893) sobe à divisão de honra da AFC. Parabéns.

Por quem os preços dobram...

"O RFM SOMNII - O Maior Sunset de Sempre! é o maior evento realizado na Figueira da Foz e um dos maiores da Região Centro. E cada ano tem mais público. Em 2017, durante os três dias, o festival de música eletrónica registou cerca de 100 mil entradas. Este ano, abrem-se as portas do recinto, na Praia do Relógio, de 6 a 8 de julho."
Via AS BEIRAS

Nos próximos dias vamos encontrar grandes notícias nos jornais e grandes posts no facebook.
Todos sobre isto, que o mesmo é dizer, todos sobre a ilusão.

Da série propaganda...

"Iniciaram-se na passada semana as obras no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) que vão mudar o “rosto” da frente marítima de Buarcos, dando prioridade «à mobilidade suave e à pedonalidade»
Esta intervenção, em duas fases, a da frente de praia, que o vice-presidente e vereador das obras municipais espera que esteja concluída «até final de Junho» e depois uma outra «mais virada para o interior»
Carlos Monteiro admite que, por muitos esforços que façam, «vai sempre interferir com a época balnear», mas, acrescentou, existe «a preocupação para tentar reduzir os incómodos»."

Via Diário de Coimbra

Isto não é tudo do xerife...

Carlos Ribeiro, um leitor atento, num comentário na postagem em que publiquei a carta aberta enviada por Mattos Chaves ao preisdente da câmara Municipal da Figueira da Foz, escreveu o seguinte:

Poderia dizer algo mais a Carlos Ribeiro, mas fico-me pelo seguinte. 
Nesta coisa que é o exercício da cidadania, não me incomoda nada estar ao lado de gente reacionária. 
Acho mesmo que o problema da nossa cidade, é não perceber que só nos vão levar a sério no dia em que nos deixarmos de levar tão a sério. 
Ter havido tanta discussão sobre a rábula da comboiada deveria ser embaraçante para quem teve a responsabilidade da coisa. 
Mas, pelo andar da carruagem, vejo que tal não aconteceu. É do mesmo tipo de minúscula pequenez que nos faz tratar uns aos outros por doutor ou achar que boa escola é uma escola com exames na quarta classe, em que a malta chumbe mesmo. Somos uma cidade de formalistas bacocos, uma espécie de ditadura da literalidade, com papas, bispos e pastores que se encarregam de garantir a mais fria aplicação de uma estupidez exemplarmente séria, cujas regras são tão estúpidas que só permitem a sobrevivência dos estúpidos e dos oportunistas.
E se exercessemos o direito à cidadania?