segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Gordon Kaye (1941-2017)



Tinha 75 anos. Morreu hoje.

Construções na areia...

Mistério dos mistérios no desporto local.
A câmara da nossa cidade, não tem piscina, pista de atletismo, pavilhão, campo de futebol, etc... 
Realisticamente, virou-se para as construções na areia.
Aliás, em devido tempo, todos fizemos as nossas construções na areia. 
Esse, porém, foi um tempo datado e bonito nas nossas vidas! Vivíamos os nossos sonhos através das construções que fazíamos na areia, o que era empolgante.
Hoje, podemos continuar a sonhar através das construções na areia duma câmara municipal que tem à frente dos seus destinos, há sete anos seguidos, o senhor doutor João Ataíde...

Nota de rodapé.
Imagem sacada da edição fim de semana do Diário de Coimbra.

O meu voto está garantido: no (pica) "sete"...

Teotónio Cavaco, hoje na sua crónica habitual no jornal AS BEIRAS.
"No que diz respeito ao ciclo eleitoral, em muitos concelhos já passou um pouco mais de sete anos desde que as respectivas equipas vencedoras iniciaram mandato, faltando um pouco mais de sete meses até serem sufragadas de novo – é o caso da Figueira. Há sete anos, foi prometido uma Aldeia do Mar (com esplanadas, comércio e um Hotel, entre outras), isenção de taxas e licenças e a redução do IMI, um Corredor Verde, o PDM, o coreto no Jardim, o Mundialito de Futebol, o Mundial de surf, uma Rede Integrada de Transportes, rastreios gratuitos no 1.º ciclo de Oftalmologia e Dentista… tudo anunciado em sete cartazes, nada disto efetivamente concretizado. E agora que faltam pouco mais de sete – meses… – para o sufrágio, promete-se a finalização da requalificação(zita) da praia, a iluminação da praia para o surf noturno, a intervenção na Piscina-praia, o PEDU(zinho). Somos convidados a perdoar setenta vezes sete, mas dizem os entendidos nestas coisas que o sete, justamente por representar o fim de um ciclo e o começo de um novo, traz a ansiedade pelo desconhecido, e portanto, a renovação… Voto em eleições a cada sete meses!…"

Lido isto, não é difícil imaginarmos o jardim municipal, com  música  vinda do coreto nos dias de festa. O coreto, evidentemente rodeado de gente ávida de a ouvir. 
Noutros tempos, isto é, noutra Figueira, era assim, com simplicidade, que a música chegava ao Povo. 
E hoje? 
Hoje, há concertos no CAE para elites...
E foi assim que a Câmara se foi demitindo de mais uma das suas funções culturais.
Para que não se perca tudo, deixo-vos com António Zambujo...

Seriedade da gente séria, é outra coisa...

Notícia Expresso Economia: "Fundo de Aprígio gera perdas à banca de €55 milhões"...
"São bens preciosos que justificavam o optimismo de Aprígio quando garantiu, no momento em que invocou a protecção judicial dos credores, que "somos um grupo com bons activos e ninguém vai pagar as dívidas por mim".

E A NAVAL 1.º DE MAIO?
No futebol, Aprígio celebrizou-se como presidente da Naval 1.º de Maio, levando o centenário clube da Figueira a competir seis épocas na liga principal
E como está a Naval? Esbraceja para sobreviver, definhando no último lugar, sem vitórias (dois pontos) na série E do terceiro escalão do futebol (Campeonato de Portugal).
Em 17 jogos sofreu 73 golos. Na jornada deste domingo sofreu mais uma goleada (5-0) no campo do Carapinheirense."

E o futuro?..

para ler melhor clicar na imagem
"Portugal...país engravatado todo o ano que se assoa à gravata por engano"- Alexandre O´Neill.

Se isto fosse para levar a sério, o problema estaria no simples facto de a "rapaziada" que tem governado a Figueira, nos últimos cerca de 40 anos, ainda não ter percebido que já se está no domínio da insustentabilidade. 
O porreirismo figueirinhas, o deixa andar, que nos caracteriza permitiu a criação de uma sociedade figueirense estratificada por castas, onde uns podem opinar e mandar bitaites, quiçá ter acesso a informação privilegiada, e outros não. 

O esquema, tem barbas e não deu grandes resultados. 
Eles - os que se julgam tocados por algo superior - quais guardiões do templo, acham-se únicos e imprescindíveis. Mesmo quando arrufam entre si, não vislumbram, muito menos desejam, qualquer alternativa que não sejam eles próprios. Nos entretantos esperam e desejam que o povo continue a votar neles ao mesmo tempo que canta e ri, levados, levados sim.

Só que, subsiste um pequeno pormenor: ao impedir - por acção e omissão - toda e qualquer espécie de escape e de equilíbrio - através do próprio sistema - estes senhores vão ajudando a cavar, não só a sua própria sepultura, como também a do regime democrático em que se dizem inserir, já que impedem toda e qualquer capacidade deste - ao mesmo tempo que a Figueira - se auto-regenerar por dentro.

Esta não é uma prosa pessimista. Quanto muito, será uma prosa levemente fatalista e resignada. 
Isto vai ainda mesmo ficar pior, antes de haver uma réstia de esperança de poder ficar melhor. As coisas são o que são.
"Que é o futuro para a Figueira?", eis a pergunta das perguntas  que resta, depois de ler o que está escrito na imagem acima, que saquei hoje do jornal AS BEIRAS.
E, a resposta, surgiu-me como se fora o verso de um poema: "o futuro terá de passar por uma coisa cá dentro que nos dá coragem." 

Da série serviço público e agitação e propaganda...



Temos uma extensa floresta de pinheiros em todo o concelho, de sul a norte.... Em especial junto à costa. O que já foi feito, no que às medidas preventivas para o combate à lagarta do pinheiro diz respeito?

domingo, 22 de janeiro de 2017

Escolher onde ir na Figueira, dizem eles...

Foto de António Agostinho. Manhã de 22 de janeiro de 2017
"...o actual farol, construído em 1917, formado por uma torre central e dois corpos longitudinais. O projeto inicial possuía um óptico lenticular de fresnel de segunda ordem alimentado a azeite; já o novo projecto dispõe de inovações técnicas, designadamente: electrificação geral, sinais sonoros e radiofarol.
 Este Imóvel está classificado como sendo de interesse municipal desde 2004."
- Via site da Câmara Municipal da Figueira da Foz

aF275


Pedro Rodrigues, um man que escreve bem para caraças...

Puto: e eu só tenho de ficar feliz com isso. E estou.
Vives numa época privilegiada: nasceste e cresceste em Liberdade.
Como recordo os meus vinte e tal anos e o mundo que então se abriu para mim e as marcas que ficaram para sempre agarradas à minha pela, gravadas a fogo, pelo 25 de Abril de 1974.
Muito menos esquecerei as pessoas excepcionais com as quais vivi esse sonho sem paralelo que foi ganhar a consciência de viver num Portugal Livre.
A partir daí, a porta abriu-se e a consciência de Homem Livre fez-me ver o valor de preservar a capacidade de não me deixar esquecer disso ou ter medo.
A Liberdade tem de ser cuidada. E quem ama a Liberdade cuida dela, para que nunca se cumpra o receio de Jorge de Sena que, um dia, expressou em verso: "Liberdade, Liberdade, tem cuidado que te matam".
Em nome do futuro - teu e de quem gosta de ter ler - não te acomodes. Escreve.
E continua a prepara-te para dar voz à tua geração. É um enorme desafio... Como muito bem sabes, existem muitos gritos mudos.
No dia 11 do próximo mês, pelas 16 horas, a não ser que aconteça alguma impossibilidade absoluta, lá estarei no Casino da Figueira. Espero que muitos covagalenses e figueirenses façam o mesmo: este man merece.
Deixo-vos, para ser lido, um pequeno texto de Pedro Rodrigues que respiguei do seu blogue.

Ela [2017]
Disse-lhe: “as melhores pessoas são as que falam sem filtros, as que dizem o que pensam, as que gritam as tripas para fora”. São as espontâneas, porque a mentira necessita de tempo. São as que estão partidas por dentro, mas não esperam que alguém as repare. São os relógios que não dão a hora certa - porque não há hora certa para amar; não há hora certa para ser feliz; não há hora certa para fugir, ou chegar. As melhores pessoas são essas: as que não necessitam de reparação, de acertos, de filtros na garganta. São as que não se demoram em explicações ou histórias. São as que não nos pedem para apagar ou esquecer o passado, mas que nos ensinam a aceitá-lo, como parte das nossas fundações. São as que não nos exigem um futuro, por saberem que o depois tem muitas portas - e todos devemos ter o direito de escolher qual queremos abrir. São as que percebem que nem sempre o horizonte é uma linha recta. E que no infinito todas as linhas acabam por se encontrar. São as que se perdem nos nossos olhos, como se contassem constelações e pudessem inventar galáxias. São as que brilham nessas noites longas, que por vezes parecem não terminar. São essas as pessoas que me fascinam. Ela era uma dessas pessoas.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Aqui entre nós...

Video sacado daqui.

O mundo é um sítio cada vez mais perigoso e mal frequentado...

"O actor Shia LaBeouf lançou um protesto contra Donald Trump que irá durar quatro anos, localizado numa das ruas de Queens, EUA, e que será transmitido em directo e sem paragens numa plataforma online."

Nota de rodapé.
Trump é presidente. E porquê: porque os americanos votaram nele.
Muitas mulheres que ele ofendeu votaram nele. Muitos mexicanos e afro-americanos votaram nele. Muitos universitários e cientistas votaram nele. Muitos americanos carenciados, votaram nele.
E votaram nele porque o queriam para  presidente.

Os americanos votaram Trump, tal como os portugueses votaram Cavaco e Passos Coelho.
Isso, a meu ver, prova duas coisas.
Primeira - tanto os americanos, como os portugueses, não fazem sempre boas escolhas.  
Segunda - tanto os americanos, como os portugueses, não têm sempre razão. 

O inverno continua bonito na Aldeia. Tem feito frio, mas não chove...

Para ver melhor, clicar na imagem
"Surpreende a velocidade a que mudanças estão a ocorrer. Daqui a poucos anos a Figueira terá um clima mais parecido com o de Nova Iorque, situada quase à mesma latitude, 40 graus norte. Mais frio no inverno e mais quente no verão. Estamos longe de adotar medidas de adaptação climática. A maioria das casas não estão preparadas para o frio. Gastamos muita energia a aquecer “paredes” sem isolamento. As lojas funcionam de portas abertas com temperaturas próximas dos zero graus. Faltam estratégias locais e nacionais para a mitigação dos desafios climáticos. Um casal de siberianos, de Novosibirsk, que visitou em janeiro a Figueira, afirmou que nunca tinham sentido tanto frio na vida. Acordavam e deitavam-se num quarto gélido."
João Vaz,  consultor de ambiente, hoje, na sua habitual crónica dos sábados no jornal AS Beiras,  constata o que tem sido óbvio nos últimos dias: está "frio na praia da Figueira".

Nota de rodapé.
Numa altura em que, na Figueira, o assunto do próximo momento vai ser o carnaval, o mínimo que se devia exigir era que a natureza aquosa da água fosse uma unanimidade local.
Até na Figueira, o frio esfria.
O facto de temperaturas baixas incomodarem os seres humanos, na altura do desfile do carnaval, também faz todo o sentido.
Como a nossa temperatura corporal é cerca de 37 graus, sentimo-nos mais confortáveis em temperaturas amenas. 
Para mais num descampado frente ao mar!
Na Figueira, o desfile do carnaval, costuma acontecer em demoníaca trindade de chuva, vento e frio.

Na Figueira, podemos discordar sobre quase tudo.
Mas, está mais do que na altura de chegarmos a um consenso sobre os fenómenos meteorológicos.
Todos sabemos o essencial sobre a matéria.
No Verão está calor e não chove; na Primavera está ameno e, às vezes, chove; no Outono está ameno e, frequentemente, chove; e no Inverno está frio e chove – muitas e muitas vezes.

A Figueira, continua detentora de uma luminosidade única.
Porém, a Praia da Claridade celebrizada no século XIX, quando o extraordinário desenvolvimento da Figueira da Foz e as condições naturais da paisagem atraíam banhistas de todo o país, celebrizada e imortalizada por Ramalho Ortigão, perdeu encanto e qualidade de vida.
A Figueira dos dias de hoje, é uma  cidade e uma construção que se tornou numa catástrofe onde  a assimetria e a desconformidade foram levadas ao limite.

E o limite, na Figueira, não é o céu.
Pode ser o simples facto de, na Figueira, ser sempre carnaval.
Na Figueira, esse sonho tem sido possível...
Portanto, nada mais natural, que este executivo camarário - na minha modesta opinião, o pior executivo camarário que geriu os destinos da Figueira da Foz, desde que tenho memória -   se sinta  na obrigação de mantê-lo e assegurar o engenho e arte de o ir tornando realizável.
A ele, ao carnaval...

E ainda bem que assim pensa quem de direito. 
A vida são dois dias, o carnaval são três e a saúde é um estado transitório que não augura nada de bom! 
E enquanto o pau vai e vem, folgam as costas.
Viva o carnaval!

A folia, mesmo que artificial, e o bom humor, são duas das melhores peças de vestuário que alguém pode usar na sociedade...

A prospecção e exploração de hidrocarbonetos em Portugal



Video sacado daqui

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Alguém tem por aí um lenço que me empreste?..

Aceitam-se reclamações... 

Tranquilidade figueirense...

Apesar das notícias menos boas que hoje perpassam por todo o mundo, a acreditar no que hoje o presidente Ataíde afirma ao jornal As Beiras, ainda somos uma espécie de cidade paraíso onde reina a tranquilidade e a paz.
E nem é preciso, compararmo-nos com outras cidades, mesmo a nível europeu ou mundial...
Sabemos que nem tudo está bem cá pela urbe, mas fica, neste dia, a  ajuda desinteressada e possível deste humilde blogger ao presidente Ataíde no  combate às vozes desestabilizadoras e alarmistas...
Vade retro, Satana!

... esta nossa barra!..



Um cargueiro em dificuldades foge à entrada na barra, depois da rebentação lhe ter empurrado a proa em direcção à praia do Cabedelo, comprometendo a rota em direcção ao Porto Comercial - menos de dois meses depois de gastos 180 mil euros em dragagens na restinga...

Via S.O.S Cabedelo 

Trump

SOS CABEDELO na Comissão Parlamentar do Ambiente da AR



Daqui.

Naval desiste de participar na segunda fase do Campeonato de Portugal

Segundo o jornal O Jogo, a Naval 1ºde Maio, equipa que já esteve na principal divisão do futebol português, vai desistir de participar na segunda fase (fase de despromoção no caso da equipa figueirense) do Campeonato de Portugal Prio.
Numa altura em que faltam poucas jornadas para o final da primeira fase, a Naval, última classificada do grupo E com apenas dois pontos conquistados, confirma assim as dificuldades atravessadas ao longo da época.
Recorde-se que o histórico emblema teve muitos problemas em constituir um plantel para disputar o CPP e, a dada altura, não teve mesmo estádio para jogar as suas partidas.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Jornalismo ilegível...

Considero que a propalada crise do jornalismo não é real. Como pode estar em crise algo que não existe? Hum? É como dizer: “ – Olha, aquele dinossauro está co’ a gripe.”
O jornalismo não existe quando o jornalista d-existe. O jornalismo não existe quando o jornalista não r-existe. De quê e a quem? Do aturado esforço e ao fedelho economês que o patrão nomeou director, por exemplo. Hoje em dia, parasitam as redacções os servis sicários que mataram as notícias para parir os conteúdos. É a praga das sinergias, a maleita dos empreiteiros/merceeiros donos de jornais. Por todo o lado, são analfabetos funcionais a mandar em quem escreve. Gagos mentais a editar o que se diz. Cegos voluntários a dar que ver. Com isto, jornais, rádios e televisões involuíram para monturos de lixo auto-reciclável que, todo o santo dia, esvaziam de qualquer préstimo todo o amanhã que, hoje, tresanda a ontem.
Ter sido ou não ter sido penalty esmaga ou não esmaga, em presença & relevo, o desemprego real? Esmaga. A última do presidente-da-bola é ou não é mais premente do que o esvaziamento curricular do ensino? É. O sufoco fiscal de trabalhadores & empresas vale alguma coisa face aos debates quadrangulares da recente jornada da Liga? Vale nada.
Reitero: a crise do jornalismo não é real porque o jornalismo é irreal e porque a crise é decalcada da financeira de 2008. O cavador deixa de ser jornaleiro no dia em que for tão dono da enxada como do chão em que a crava. Jornalistas, hoje em dia? Bah, jornaleiros! Acomodados a soldo de caciques (nacionais como multinacionais, de Lisboa como regionais – note-se bem), o escrevente verga o espinhaço gelatinoso ao frete – conseguindo do autarca parlapatão a publicidadezinha nojenta capaz de pagar a água do autoclismo. E aí vai ele de cuspinhar em Microsoft Word o marketing da promoção pessoalizada do fabricante de torneiras local. É vê-lo de microfone a louvaminhar por todo o lado “aqueles que se amamentam da Pátria”, meu bom Jacques Prévert.
Foi felizmente breve a minha incursão pelo jornalismo remunerado. Todavia, não foi por ignorância minha que (re)conheci pouquíssimos jornalistas – foi porque eram e continuam a ser poucos os que merecem esse título profissional. Lisboa era um nojo: campeavam os génios esquecidos, as luminárias do croquete, os amásios da fonte-inventada; grassava a cáfila dos romancistas embrionários tipo Nobel-para-a-semana, dos poetas desiquilibristas, dos guionistas de têvênovela. Coimbra? Jesus Senhor, Coimbra! Mais doutores por metro (como eles) quadrado do que honestas pulgas em cão solto. O Porto? Não sei, passei por lá a caminho de Braga mas retornei de barco até à Figueira da Foz. Aveiro & Viseu? Mas isso existe? Leiria? Não queirais que Vos fale de Leiria. Invoco razões higiénicas. Onde o jornalismo sério for embondeiro, Leiria é logradouro de erva rala. Daninha, naturalmente.
Não, não reconheço nem crise nem jornalismo. O que por aí se faz – é lama da digestão. Restos-zero à esquerda & à direita. Sabujices de obra-nada. Coisas de meter em saco plástico a caminho do contentor mais perto de si. Rácio de dez opinadores bêbedos por cada jornalista sóbrio. Terraplenadores da democracia, papagaios da cotação-em-bolsa que estão para os mercados como os freudianos para as mamas da própria mãe.
Ná! Crise nenhuma, jornalismo quase nenhum. Que me resta? Resta-me O RIBATEJO. Resta-me O RIBATEJO porque aqui a enxada é minha. A enxada é minha e o chão é nosso. Sim, o mesmo chão por onde ontem o dinossauro e hoje a gripe.

MAS QUAL CRISE DE QUAL JORNALISMO QUAL QUÊ, um a crónica de Daniel Abrunheiro, que "precisaria de um lençol para dizer o que pensa & sinte acerca deste assunto. Mas o que está, fica. Quem, da leitura desta crónica, concluir que a dita nasceu da frustração e/ou do falhanço, conclui mal. Se nela, todavia, topar certa amargura - não topará mal."