A apresentar mensagens correspondentes à consulta posto médico de maiorca ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta posto médico de maiorca ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Maiorca, a experiência piloto para "o encerramento de todos os Postos médicos a sul e norte, para os incorporar nos Centros de Saúde de Alhadas e de Lavos"?...

Recordemos o que se passou na freguesia de S. Pedro: o encerramento do Posto Médico da Cova Gala esteve anunciado para 2 de maio de 2016.
Depois dos alertas deste espaço e do combate ao encerramento do Posto Médico da Cova Gala, que teve OUTRA MARGEM, como era sua obrigação na primeira linha, ficámos assim.
O posto médico da Cova e Gala ficou sem as seguintes consultas: Saúde Infantil, Saúde Maternal; e Planeamento Familiar.
Estas consultas passaram a ser feitas em Lavos.
Ficou por cumprir a promessa camarária do transporte a quem não o tiver e for carenciado. 

Em Maiorca está afixado o comunicado que publicamos a seguir.

Hoje, o jornal AS BEIRAS, aborda o assunto com chamada de primeira página.
"A freguesia de Maiorca voltou a ficar sem médico, mas os serviços de enfermagem mantêm-se, três vezes por semana. Os utentes que ficaram sem médico de família estão a ser atendidos nas Alhadas, que em outubro último inaugurou a Unidade de Cuidados de Saúde Partilhados (UCSP) Figueira Norte. Entretanto, para mitigar a situação, a Junta de Maiorca está a servir de intermediário entre os utentes e aquela UCSP, assegurando o pedido de renovação de receitas e a respetiva recolha. 
“A junta tudo fará para tentar reverter a situação”, garantiu o presidente, Rui Ferreira. Contudo, se o equipamento não reabrir, o presidente garante que vai trabalhar no sentido de assegurar transporte aos utentes que não disponham de meios próprios para se deslocarem entre a freguesia e a vizinha Alhadas. 
O executivo da junta, aliás, já solicitou à Câmara da Figueira da Foz uma viatura para o transporte de utentes. No entanto, a Câmara da Figueira da Foz prefere retomar o protocolo com a delegação maiorquense da Cruz Vermelha, que há uns anos já assegurou aquele serviço, quando Maiorca ficou sem médico de família. 
“Desta forma, estamos a assegurar um tipo de transporte dedicado e especializado, em detrimento de outro tipo de soluções de recurso. Queremos garantir qualidade no serviço prestado”, respondeu ao jornal AS BEIRAS o gabinete da presidência, citando o presidente, João Ataíde.
Contactada pelo mesmo jornal, a Administração Regional de Saúde esclareceu que “a extensão de saúde de Maiorca encontra-se a funcionar. Temporariamente, tem estado a funcionar com um enfermeiro, três dias por semana (segundafeira, quarta-feira e sextafeira), estando a ser providenciada a colocação de médico tão breve quanto possível”
Rui Ferreira queixa-se de falta de resposta do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) sobre o futuro do posto médico. “Aquando da nossa tomada de posse, em 23 de outubro de 2017, foi de imediato assumido pelo executivo da Junta de Maiorca a necessidade de percecionar o funcionamento do posto médico. De imediato, consultámos o ACES, que nos referiu, em finais de novembro, não ter nenhuma indicação nesse sentido, nem nos garantiu a vinda de outro médico”, afirmou o autarca. “Para atenuar esta situação”, acrescentou Rui Ferreira, “a junta assumiu o apoio aos utentes de Maiorca, com a recolha de receituários, na sede da junta, e respetivo pedido, sem custos ou encargos para os utentes”
Na freguesia de Maiorca existem 1250 utentes inscritos no médico de família. A extensão de saúde funcionava com um médico, um enfermeiro e um administrativo."

Recordo que a deputada na Assembleia da República do PSD, Ana Oliveira, anda há muito preocupada com o futuro das extensões de saúde do concelho da Figueira da Foz. 
Recentemente na Assembleia da República abordou o tema. 
Conforme se pode verificar pelo vídeo, Ana Oliveira questionou o ministro Adalberto Campos Fernandes sobre o assunto, que lhe garantiu “fazer tudo para que não encerrem serviços”.
A única deputada figueirense na Assembleia da República, na breve passagem como vereadora pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, questionou o presidente da câmara, João Ataíde sobre este assunto na reunião de Câmara realizada a 20 de Novembro do ano passado.
O presidente da câmara, João Ataíde, na oportunidade, referiu que a política de saúde é da competência do respectivo ministério. 
Contudo, referiu ainda, que a autarquia assinou dois protocolos com a Administração Regional de Saúde, através dos quais foi possível construir os centros de saúde de Lavos e Alhadas. João Ataíde garantiutambém  que a câmara está empenhada em continuar a colaborar com a tutela da saúde para melhorar os serviços prestados aos utentes. “Também não regateamos obras que sejam necessárias nas extensões de saúde do Paião, Marinha das ondas e Bom Sucesso”, disse. 
Segundo João Ataíde,  a autarquia acompanha “tudo o que a tutela considere adequado em relação às infraestruturas e as reivindicações das populações”.
O autarca, por outro lado, diz que é pela coesão do mapa dos serviços de saúde do concelho. “Queremos que, a norte e a sul, haja unidades de saúde com a qualidade que há na zona urbana”, destacou. O presidente defendeu ainda “verdadeiros cuidados primários de saúde e medidas preventivas”. 
Ou seja, que passem a estar equipadas com meios de diagnóstico e, assim, deixem de ser reactivos e passem a ser proativos. 
Quanto a eventuais encerramentos de serviços, Ana Oliveira baseou-se nos possíveis reajustamentos na sequência da entrada em funcionamento dos centros de saúde de Lavos e, mais recentemente, das Alhadas. 
Mas, também, devido à crescente falta de médicos. 
A deputada  disse ainda ao jornal AS BEIRAS que o ministro lhe pediu para não alarmar as populações sobre o assunto, por não se perspectivar o fim de serviços de saúde.

Citando Manuel da Costa Cintrão, um velho lutador pela Liberdade que sempre agiu por imperativo de consciência cívica, espírito livre e de missão: como dizia alguém: «A saúde é um estado de espírito que não augura nada de bom». 
É verdade, a doença não tem dia nem hora marcada, poderá surgir a qualquer momento!...
O futuro não se aceita passivamente. Constrói-se!... A luta continua!..

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Posto médico de Maiorca: onde está a verdade? (II)

Imagem via O Sítio dos Desenhos
Ontem, houve concentração em Maiorca em defesa do posto médico.
Segundo o jornal Diário de Coimbra, os "maiorquenses “concentraram-se” junto da Unidade de Saúde de Maiorca por alegadas “pressões” para se mudarem para o Centro de Saúde de Alhadas. António de Jesus foi um dos promotores e considera que se trata «de um embuste que estão a fazer às pessoas. Andam a enganar, um dia dizem que não há médico, outro que é o sistema informático que não funciona e não há avaria nenhuma, é a funcionária que pressiona as pessoas». Este antigo autarca considera que andam «a ser enganados», e o que pretendem «é um roubo de algo que a população alcançou na década de 60», altura em que o espaço foi construído. Mas praticamente todos os presentes tinham motivos para ali estar. Maria Virgínia Ramos, de 69 anos, lamenta que tenha de ir «às Alhadas pedir e buscar receitas, porque dizem que não pode ser aqui». Já Margarida Correia afirma que marcam uma consulta «e depois dizem que foi adiada e que se quiser mais depressa, é ir às Alhadas». O mesmo garante outra senhora que foi à consulta de planeamento familiar e recebeu idêntica resposta. «São quatro quilómetros, não há transportes, para ir lá, a minha filha que tem de faltar um dia ao trabalho e se for com a Cruz Vermelha tenho de pagar 9 euros», refere, aludindo à parca reforma. Já a Albino Lopes, ontem mesmo, foi-lhe dito que «não havia ordens para marcar consulta», quando o ia fazer, para que o médico visse os exames que tinha feito. «A resposta foi para marcar nas Alhadas que era mais rápido».
Contudo, segundo AS BEIRAS, edição de hoje:

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Posto Médico de Maiorca: onde está a verdade?

Há pouco mais de um mês, a 24 de janeiro de 2018, colocámos a seguinte questão: Maiorca, a experiência piloto para "o encerramento de todos os Postos médicos a sul e norte, para os incorporar nos Centros de Saúde de Alhadas e de Lavos"?...  
Recordo que a deputada na Assembleia da República do PSD, Ana Oliveira, anda há muito preocupada com o futuro das extensões de saúde do concelho da Figueira da Foz
Na edição do jornal AS BEIRAS de 24 do corrente mês vem a notícia abaixo.

Hoje, tivemos conhecimento da resposta do Ministro da Saúde à pergunta colocada pelo Grupo Parlamentar do PSD em 24 de Janeiro de 2018.
Para ler melhor clicar na imagem
Face à resposta dada pelo Ministro da Saúde alguém anda a mentir aos fregueses de Maiorca. 
Tem a palavra o Senhor Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, o Senhor Presidente da Junta de Freguesia de Maiorca e o Partido Comunista da Figueira da Foz, que tem um eleito seu na lista CDU no executivo da Junta de Freguesia de Maiorca.

Nota de rodapé.
Quem anda a enganar quem? E quem está a ser enganado? Reparem bem no teor da local publicada pelo Diário de Coimbra de 24 de Janeiro de 2018. Nada disto é verdade face à resposta do Ministro da Saúde que publicamos acima. Vamos ser sérios, pois o que está em causa é algo de fundamental para quem vive no concelho da Figueira da Foz: o direito à saúde, está consagrado na Constituição da República Portuguesa.


Rectificação (1 de março, pelas 12 horas e 23 minutos):  
- em Maiorca a correlação de forças saída das eleições de outubro do ano passado foi a seguinte: 4 eleitos PS, 4 eleitos PSD e 1 eleito CDU
Ao contrário do que aconteceu em Quiaios a CDU em Maiorca não faz do executivo. Todavia, o seu voto foi decisivo para que o actual executvio da Junta, totalmente composto por elementos do PS tomasse posse. O seu voto é o fiel da balança.  
Fica o meu agradecimento ao meu Amigo Fernando Campos, cujo alerta me permitiu fazer a rectificação que não altera os factos relatados acima.
Alguém andou a enganar a população de Maiorca.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Hoje, pelas 9 horas e 30 minutos há concentração em Maiorca em defesa do posto médico

A 24 de janeiro de 2018, colocamos aqui no OUTRA MARGEM a seguinte questão: Maiorca, a experiência piloto para "o encerramento de todos os Postos médicos a sul e norte, para os incorporar nos Centros de Saúde de Alhadas e de Lavos"?.. 
Hoje, no jornal AS Beiras, pode ler-se: "O posto médico daquela localidade do concelho da Figueira da Foz existe desde 1960, na Casa do Povo. Nos últimos meses, porém, muitos utentes estão a ser persuadidos a mudarem-se para a Unidade de Saúde Familiar das Alhadas, queixam-se os organizadores da concentração."

A deputada na Assembleia da República do PSD, Ana Oliveira, anda há muito preocupada com o futuro das extensões de saúde do concelho da Figueira da Foz. 
Em novembro do ano passado, abordou o tema na Assembleia da República.


Conforme se pode verificar pelo vídeo, Ana Oliveira questionou o ministro Adalberto Campos Fernandes sobre o assunto, que lhe garantiu “fazer tudo para que não encerrem serviços”.
A única deputada figueirense na Assembleia da República, na breve passagem como vereadora pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, questionou o presidente da câmara, João Ataíde sobre este assunto na reunião de Câmara realizada a 20 de Novembro do ano passado.
O presidente da câmara, João Ataíde, na oportunidade, referiu que a política de saúde é da competência do respectivo ministério. 
Em final de fevereiro do corrente ano,  tivemos conhecimento da resposta do Ministro da Saúde à pergunta colocada pelo Grupo Parlamentar do PSD em 24 de Janeiro de 2018.

Face à resposta dada pelo Ministro da Saúde, e dada a presente preocupação da população, presume-se que alguém anda a mentir aos fregueses de Maiorca. 
Tem a palavra o Senhor Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, o Senhor Presidente da Junta de Freguesia de Maiorca e o Partido Comunista da Figueira da Foz, que tem um eleito seu na lista CDU na Assembleia de Freguesia de Maiorca.
Este blogue preza a verdade e não tem feitio para estar ao serviço dos que só sabem lidar com quem se comporta como criado gratuito da máquina de propaganda figueirense.
Embora possam dizer que não conhecem essa  prática na Figueira, ela existe, pois esse é um problema de funcionamento da natureza da classe política, que  sempre existiu e que sempre foi assim. 
É por isso que existe este blogue, que é feito por alguém que sempre considerou o jornalismo como serviço público.

sexta-feira, 2 de março de 2018

Posto Médico de Maiorca: onde está a verdade? (II)

Na passada quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018, há dois dias, portanto, este blogue  tornou pública, em primeira mão,  a resposta do Ministro da Saúde à pergunta colocada pelo Grupo Parlamentar do PSD em 24 de Janeiro de 2018.
O teor da resposta, conforme se pode ler clicando aqui, é claro.
O gabinete do ministro da Saúde na resposta que deu aos deputados do PSD eleitos por Coimbra sobre a reorganização das unidades de cuidados primários de saúde do concelho da Figueira da Foz, explícita "que foi decidido instalar nas Alhadas a sede da Unidade de Saúde Familiar e extensões em Santana e Bom Sucesso, no norte do concelho." Mais adiante,  o gabinete do titular da pasta da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, acrescenta que “as propostas organizacionais em apreço foram objeto de análise e acordo prévio com o presidente da Junta de Maiorca, em consistência com a prática colaborativa e inclusiva da Administração Regional de Saúde do Centro, no âmbito da tomada de decisão respeitante à rede de serviços de saúde na região”.
Hoje, o asssunto é abordado nos jornais Diário de Coimbra e Beiras.


Face à resposta dada pelo Ministro da Saúde alguém continua a mentir aos fregueses de Maiorca. 
Este blogue preza a verdade e não tem feitio para estar ao serviço dos que só sabem lidar com quem se comporta como criado gratuito.
Embora possam dizer que não cohecem essa  prática na Figueira, ela existe, pois esse é um problema de funcionamento da natureza da classe política,  que  sempre existiu e que sempre foi assim. 
É por isso que existe este blogue, que é feito por alguém que sempre considerou o jornalismo como serviço público.