Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley
A apresentar mensagens correspondentes à consulta luz eléctrica na cova e gala ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta luz eléctrica na cova e gala ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

domingo, 11 de setembro de 2016

Hoje, a título excepcional, vou falar de mim e do meu objectivo de vida

Quando eu nasci, em 1954, na minha casa não havia electricidade (apesar da luz eléctrica ter chegado à Cova e Gala em março de 1940), rede de esgotos e nem água canalizada.
Imagino, o quanto isso não será complicado de compreender para certas pessoas que, nos dias de hoje, vivem na Aldeia!..

O meu berço foi pobre e as fraldinhas eram de pano. 
A minha saudosa avó Rosa Maia e a minha mãe lavavam as fraldas que me acolhiam os sobejos do corpo, com a água do poço, o recordado poço do Tzé Maia, num tanque ao lado e com a ajuda do sol, que as corava. 

Não havia casa de banho na minha casa. 
Para me darem banho na cozinha, a minha mãe e a minha avó aqueciam, em lume de lenha, uma panela de água.
O gás era caríssimo e a energia eléctrica ainda não tinha chegado à minha casa...
Sou do tempo do candeeiro a petróleo.

Entretanto, o tempo foi passando e as condições melhoraram.
O meu pai até ser vivo (morreu em junho de 1974), a minha mãe e a minha avó, sacrificaram as vidas para darem o melhor que puderam à família.
E, por isso, conseguimos melhorar, apesar de todos os que vieram a seguir, vivam e continuem a andar na vida a pulso. 
Isto é: conforme podemos.
Umas vezes de lado, outras a subir, muitas delas a descer, mas vamos sempre para algum lado. 

Viver assim assim nem sempre é fácil e muito menos simpático ou sedutor. 
A sociedade não facilita o percurso de quem escolhe viver com dignidade e independência.  Nesta sociedade que vive de aparências, a linha do equilíbrio é ténue. Todos sabemos isso. 
Mas, isso é óbvio, é aquilo que que nos querem obrigar, é o que esperam de nós, é o que os outros esperam das nossas acções, dos nossos sonhos e das nossas projecções. 

Mas nem todos somos iguais. Ao longo da vida, sempre procurei trabalhar com a conta, o peso e a medida que me permitiu não necessitar de favores, mas procurei fazê-lo sempre sem exageros que me perturbassem o equilíbrio para viver a vida da forma que optei por viver: com responsabilidade mas independência. 
Tenho uma vida simples, equilibrada, transparente e translúcida. 
Isto, claro, tirando as noites de prazer, óbvio, quando toda a barraca tem o direito de abanar e a cama de ranger... 
Chegado aqui, passado o tempo em que exigi a mim próprio ser profissional e competente, posso garantir que me estou marimbando que as pessoas pensem se sou eu que valho pouco, ou se eram os outros que queriam mais de mim.

Na minha juventude os tempos eram outros, mas ao menos sabia, porque estava bem explicito e definido, que não havia liberdade.
Hoje, a maioria, vive numa prisão disfarçada de espaços abertos, habilmente mantida, numa movimentação repleta de espartilhos, vivendo numa luz a fingir que brilha ao sol, mas, na realidade, secando devagarinho, até morrer totalmente exaurida, seca e gasta.

É disso que sempre tentei fugir ao longo da vida...
Será que vou consegui-lo até ao fim?

quinta-feira, 24 de março de 2016

Cova e Gala têm luz eléctrica há 76 anos...

"Completam-se ontem, dia 23 de março, 76 anos sobre a data da inauguração da luz elétrica na Gala e Cova, do concelho da Figueira da Foz.
Aconteceu, festivamente, em 23 de março de 1940. 
O povo acorreu em massa, regozijando-se com o acontecimento que alterou, significamente, a sua vida."

Via PRESENTE