.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

domingo, 5 de março de 2017

O retrato de um concelho


MARÇO DE 2017: ESTÁDIO MUNICIPAL JOSÉ BENTO PESSOA, FIGUEIRA DA FOZ...
"O que é que vos ocorre dizer?", pergunta na sua págima do facebook o Luis Manuel Ribeiro.

Bradamos indignados? 
Contra quem?..
A culpa é, absolutamente e só, nossa. 
Temos a programação merecida...
Não sendo, de todo, o maior problema da Figueira, este é um retrato do nosso concelho.
Está a  envelhecer. 
Está sem empresas e sem trabalho. 
Está com uma juventude, na sua maioria,  resignada e sem futuro. 
Está a ser politicamente gerida por um executivo politicamente inqualificável e inadjetivável. 
Está sem oposição às politicas do executivo, porque esta oposição tem telhados de vidro. 
Está sem justiça,  grassa a impunidade e o "xico-espertismo" é recompensado.
Está  sem rumo.
Está a agonizar dia a dia e sem esperança.
Está destroçado.
No fim desta “aventura politica”, veremos as ruínas que sobram...

Em 2017, Março, ou não é  este o meu concelho, ou não conheço nada do meu concelho.
Li um estudo, há anos, em que os psiquiatras concluiam que, uma em cada quatro pessoas tem alguma deficiência mental. 
Vou ficar de  olho em três dos meus amigos. 
Se eles me parecerem normais, só posso tirar uma conclusão: o doido serei eu. 

"Joaquim Gil - Um homem de causas"

Foi um conhecido advogado, com escritório em Coimbra e Figueira da Foz, que exerceu uma intensa actividade cívica. 
O advogado Joaquim Gil, foi vítima de morte súbita, a 8 de Janeiro de 2105. Tinha 60 anos.
Recorde-se que Joaquim Gil, foi o último Director do extinto jornal o Figueirense.
O livro póstumo que lhe é dedicado, “Joaquim Gil – Um homem de causas”, será apresentado no próximo dia 15, pelas 18H00, no restaurante Picadeiro.

EXPOSIÇÃO EVOCATIVA DOS CEM ANOS DO NASCIMENTO DO PROFESSOR LUÍS DE ALBUQUERQUE, MATEMÁTICO E HISTORIADOR DA NÁUTICA DOS DESCOBRIMENTOS

PROFESSOR LUÍS DE ALBUQUERQUE 
Amanhã, 6 de março de 2017 (segunda-feira), pelos 18.00 horas, vai abrir ao público, na Figueira da Foz, no espaço da galeria de exposições da Junta de Freguesia de Buarcos e São Julião (antigos "Lavadouros da Vila de Buarcos"), uma exposição evocativa da efeméride dos CEM (100) ANOS DO NASCIMENTO DO PROFESSOR LUÍS DE ALBUQUERQUE (1917-1992), o matemático e historiador da Universidade de Coimbra (FCTUC) que foi o maior de todos os especialistas da Náutica dos Descobrimentos Geográficos Portugueses, e patrono do Centro de Estudos do Mar e das Navegações Luís de Albuquerque (CEMAR) desde que esta associação científica privada sem fins lucrativos foi fundada na Figueira da Foz, com sede legal no Forte de Santa Catarina, no ano de 1995.

sábado, 4 de março de 2017

Só num país especialista em burocracia...

Os diversos  "poderzinhos" precisam da burocracia, para sobreviverem. 
Por issso são difusos...
O cidadão raramente conhece os caminhos para a solução dos seus problemas. Por vezes, até eles, os tais burocratas dos "poderzinhos" se confundem. 
Recentemente o "Ambiente lançou concurso de obras na Figueira da Foz em jurisdição alheia"!..
Segundo o jornal Público, o projecto, que não foi tornado público, foi apresentado pela APA no final de 2016, internamente, à autarquia da Figueira da Foz, mas não à administração do porto, que o desconhecia.
Questionado pela Lusa sobre se a Agência Portuguesa do Ambiente não conhece a sua área de intervenção, o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, respondeu com a realização de uma reunião, agendada para quinta-feira, na Figueira da Foz, em que "vão ser dirimidos alguns assuntos que eventualmente ainda possam merecer reserva relativamente à anunciada intervenção".
"Espero que se conciliem as vontades no sentido de ultrapassar alguma dúvida que possa existir sobre o tema", disse o governante, admitindo, no entanto, que a reunião "eventualmente deveria ter ocorrido" antes do lançamento do concurso público.
"Embora haja uma boa delimitação do domínio público hídrico, daquilo que são áreas afetas a cada um dos fins, admito que em alguma circunstância possam ocorrer episódios dessa natureza [conflito de jurisdição]. O que me parece mais relevante enfatizar é esta vontade De as pessoas se sentarem à mesa e estabilizarem uma solução consensual. Sendo todas elas entidades públicas, julgo que esse exercício não será difícil", argumentou Carlos Martins.
Também o presidente da Administração do Porto da Figueira da Foz (APFF), Braga da Cruz, destacou a reunião da próxima semana e afirmou que o ocorrido deriva de existirem em Portugal "muitas entidades a intervirem sobre os mesmos territórios, um mal que já foi diagnosticado há muito tempo".
"Felizmente que nos damos bem e nos conseguimos entender, mas é um bocado fruto da própria complexidade da administração pública", argumentou.
Braga da Cruz frisou que o encontro com os responsáveis da APA e da autarquia da Figueira da Foz vai incidir sobre este caso, mas também sobre outras intervenções relacionadas com a erosão costeira e requalificação da zona do Cabedelo "exactamente para evitar uma situação análoga".
"Estas coisas dão sempre ensinamentos e por isso vamos reunir para articular as posições conjuntamente, previamente, para darmos passos seguros", argumentou.
Por seu turno, a vereadora Ana Carvalho lembrou que a autarquia não tem jurisdição naquela zona, mas efectuou "pressão" junto das entidades estatais "para que a obra se faça".
Ana Carvalho minimizou o conflito de jurisdição entre a APA e a APFF, alegando que "são duas entidades do Estado" e argumentando que as entidades públicas, Estado ou autarquias, "podem lançar concursos" em zonas onde não têm jurisdição, mas "não podem é adjudicar e iniciar obra em seara alheia" sem licença.
Já sobre o calendário dos trabalhos, o concurso público prevê seis meses de obra e fontes autárquicas declararam que os trabalhos se iniciavam este mês, levando a que, se assim acontecer, possam coincidir com a época balnear numa das praias mais concorridas da Figueira da Foz, à qual afluem milhares de pessoas por dia.

Bom sábado

O sentimento é que move o mundo... 

sexta-feira, 3 de março de 2017

aF279


Voltámos ao tempo da "tanga"?... Ou, para sermos originais, do "fio dental"...

Já hoje é sexta-feita e, esta semana, não dei conta de nenhuma promessa nova do presidente Ataíde e da sua equipa de agitação e propaganda... 
Será que basta, irmos "ser a capital (mundial?) do destino turístico dos desportos de areia, com condições para a prática de diversas modalidades no extenso areal urbano, incluindo um centro de alto rendimento, sendo o parque municipal de campismo a sua base (com bangalôs, piscina e ginásio), com  muitas mais unidades hoteleiras, para receber estágios de seleções e de clubes, nacionais e estrangeiros"? Sem esquecer, claro, o "Anel das Artes, também na praia, e a Piscina-Praia  remodelada e coberta…"

As circunstâncias...

Via AS BEIRAS:
"Cada vez que o mar se revolta, os residentes de São Pedro e da Leirosa temem o pior. As últimas agitações marítimas têm danificado as frágeis barreiras que se interpõem entre o Atlântico e as localidades, com a água a aproximar-se perigosamente das zonas residenciais: os cordões dunares já não são suficientemente resistentes para fazerem frente à força das ondas, que até pedras de grande porte arrastam para a via pública. 
A Praia da Cova, o Cabedelo e a Leirosa são as zonas mais fustigadas, mas a Tamargueira e a Costa de Lavos também têm sido afetadas pelo avanço do mar. 
«Há necessidade da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) criar um enrocamento para proteger a Praia da Cova, o que nos deixaria mais descansados nos próximos anos», defendeu  António Salgueiro, presidente da Junta de São Pedro. «Está prevista uma intervenção, desde o quinto molhe até à Costa de Lavos», acrescentou o autarca da margem sul da cidade. «O nosso receio é que o mar atinja as habitações», disse ainda ao jornal António Sagueiro." 

Este espaço começou, quase há 11 anos, com poucas dezenas de leitores diários.
A coisa foi crescendo. No tempo que passa, tem dias em que ultrapassa as 5 000 visualizações.
A média mensal, neste momento, está próxima das 100 000. 
Isto não aconteceu por acaso. Contra tudo e contra o oportunismo dos políticos com responsabilidades políticas na Aldeia e na cidade, sempre focámos a verdade e a realidade. 
Para OUTRA MARGEM, a protecção da Orla Costeira Portuguesa foi sempre uma necessidade de primeira ordem... 
O processo de erosão costeira assumiu, desde sempre, aspectos preocupantes numa percentagem significativa do litoral continental. Logo em 11 de Dezembro de 2006, alertámos para o estado em que se encontrava a duna logo a seguir ao chamado “Quinto Molhe”, a sul da Praia da Cova. 
Fomos acusados de tudo, caluniados, perseguidos, ostracizados, mas nunca nos calámos.
O "elogio" mais simpático que recebemos do poder local foi: "velhos do restelo e profetas da desgraça..."
Por vezes, ao centrar-se a atenção sobre o acessório, perde-se a oportunidade de resolver o essencial... Foi o que aconteceu na Aldeia e os resultados estão à vista. Podia haver falta de verba, mas existiam prioridades... E quem está no poder há mais de 20 anos, ou há mais de sete, tem responsabilidades políticas.

Confesso: conhecia pessoalmente alguns leitores,  antes de começar a editar o OUTRA MARGEM
Via OUTRA MARGEM, já conheci muita gente. 
Por exemplo, não é raro estar a fazer compras numa superficie comercial e, alguém que não conheço, vir abordar-me: não é o Agostinho da OUTRA MARGEM?..
Digo que sim...  E lá vem o incentivo: carregue neles...
Neste momento, tenho a certeza que não conheço pessoalmente a esmagadora maioria dos leitores deste espaço: não é que tenha interesse especial em saber o trabalho que desempenham, a  idade, o estado civil, onde votaram, o dinheiro da conta bancária, a casa onde moram, se para lá morar precisaram de crédito bancário ou dispunham da massa total para a compra, se têm carro, ou andam de transportes públicos, se frequentam igrejas, sinagogas ou mesquitas, se têm 20 ou 90 anos, se são agricultores, pescadores, professores, médicos, recepcionistas, enfermeiros, bancários (banqueiros não acredito...) se são homens ou mulheres, se comem mais peixe ou carne, se gostam de sopa, vegetais e fruta, se bebem mais leite, mais água ou mais vinho, se viajam, ou se não gostam de viajar, se gostam de ler, ou se gostam mais de futebol, etc...
A única coisa que presumo é que as circunstâncias de quem me lê, são as minhas...
E, como sabemos, em igualdade de circunstâncias, é mais feliz quem gosta de sorrir. 
Tristezas não pagam dívidas e as pessoas querem é ultrapassar os problemas que as afligem. 
Por isso, é que gosto de distribuir por aqui sorrisos...
Não há quem não sorria a um sorriso! 
E sabem uma coisa? 
Custa tão pouquinho!

Do alto da Serra da Boa Viagem, olhando para sul, tudo avistamos...
Contudo, quando estamos na praia da Cova, e olhamos para norte, sentimo-nos frágeis e pequenos... 
Todavia, somos a mesma pessoa: apenas a perspectiva é que mudou. 
Nada mais. 
Não nos iludamos. Nem com a nossa pequenez. Nem com a nossa importância. 
Ambas, são adjectivas ao substantivo que somos.
As circunstâncias exteriores é que se modificaram!

Fadinho catita...



A Figueira, só pode ser compreendida, olhando-se para trás, mas só pode ser fruida, olhando-se para a frente. 
A contagem dos anos não volta para trás e este é o único 2017 que temos, na Figueira, para viver. 
O futuro, é o que nos resta. Agarrêmo-lo, com as duas mãos, dia a dia e hora a hora. Ele tem muito para nos dar,  se estivermos atentos e fizermos as escolhas certas.
Não podemos fazer  figura de tolos no meio da ponte, não sabendo se o melhor é ir para a frente, ou vir para trás... 
Bom, esses têm sempre a hipótese, que seria mais útil à sociedade, de se amandarem da ponte abaixo! 

Sou suspeito, mas é por estas e por outras que tenho orgulho no puto...

Via ASSOCIAÇÃO BOMBEIROS PARA SEMPRE
Os bombeiros Voluntários de Montemor-o-Velho (BVMM) celebraram, no passado domingo, o seu 85.º aniversario, sendo que a cerimonia contou com a presença de várias entidades, entre elas o secretário de estado da administração interna, Jorge Gomes.
As festividades contaram com uma série de eventos que culminaram com a sessão solene.
Nesta sessão, entre muitos discursos e a recuperação de uma viatura Ford (primeiro veiculo motorizado da corporação), destacou-se um momento em particular, que colocou a sala de pé: Pedro Agostinho Cruz, conhecido fotógrafo da região foi distinguido pelos BVMM, devido a um post (na rede social Facebook) com a história de uma criança que ajudou os bombeiros, em Setembro, aquando de um incêndio florestal na zona de Tentugal (Montemor-o-Velho).
Fica a foto e a postagem do Pedro Agostinho Cruz...

"Hoje partilho a minha história do dia. 
Esta tarde andei pela Mealhada, Luso, Santa Combadão e Montemor-o-velho/Tentúgal a fotografar os vários incêndios que consomem o país nesta região. Vi imensa coisa que me deixou triste e a reflectir, acreditem! Mas, foi na ultima paragem do dia, já relativamente perto de casa que aconteceu o episódio que vou partilhar. 
Cheguei a Tentúgal e por questões de segurança a estrada estava cortada. Falei com o GNR e perguntei se podia ir a pé até ao local. Olhou-me de alto a baixo e respondeu que sim, mas avisou-me: "Olhe que é bastante longe e vai andar pelo meio do mato. Cuidado!". Mesmo assim decidi ir. Andei uns bons minutos para não dizer quilómetros. Não via ninguém, nem o sol! Só via um fumo super denso e ouvia um helicóptero. Do meio do fumo surge um carro de bombeiros:"Pedro o que estás aqui a fazer seu louco??!" Sim! Talvez tenha sido uma loucura, mas não estava a pensar nisso naquele momento. Na verdade estava a tentar perceber quem ia dentro daquele carro. Era o Nobre com um rosto cansado. Iam abastecer o carro. Perguntei se estava longe ao qual me respondeu: " ainda estás a mais de um quilometro". Sem me deixar responder disse: "Entra!".
Fomos abastecer o carro e deparei-me com um miúdo. Já era a segunda vez que o Bombeiro Nobre ia ali abastecer. Ofereceu a água do seu furo para ajudar os bombeiros.
Meti conversa com o miúdo e perguntei-lhe se queria ser bombeiro: " Não! Só quero ajudar os bombeiros!" respondeu-me decididamente. 
Não sei o nome do miúdo. Mas, sei que provavelmente continua a ajudar o bombeiro Nobre.
Eu vou dormir descansado!
O meu amigo e bombeiro Nobre não vai provavelmente dormir. Aquele miúdo, se dormir não o vai fazer descansado, mas desconfio que continue ajudar o bombeiro Nobre a abastecer o carro com água do seu furo (...) 
É por estas histórias que me apaixono todos os dias pelo meu trabalho (...)
Obrigado rapazes..."

quinta-feira, 2 de março de 2017

"...cometeste o pecado capital da governação: ocultaste informação, ocultaste a verdade. Ocultaste durante meses. O PCP fez várias perguntas a respeito deste tema. Qual foi a resposta? Nenhuma! Nenhuma!.."

Em Portugal, há mais milagres para além dos de Fátima!

Teodora Cardoso: défice de 2,1% “foi um milagre”...

Nota de rodapé.
Quando é que Vaticano inicia processo de canonização da Geringonça?..

A Câmara andou 4 anos a falar do assunto e nada... Há pais que demoram 20 anos para fazer do seu filho um homem...

A Casa dos Pescadores de Buarcos foi vendida à Misericórdia - Obra da Figueira em 11 de Julho de 2014 
O presidente da Junta de Buarcos afirmou em 18 de julho de 2014, em declarações ao jornal AS BEIRAS que ficou “indignado” quando soube que a Casa dos Pescadores de Buarcos foi vendida à Misericórdia – Obra da Figueira.
O facto tinha sido tornado publico na edição do dia anterior do mesmo jornal: “a Misericórdia – Obra da Figueira comprou a Casa dos Pescadores de Buarcos, por 425 mil euros, ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social. As negociações começaram em novembro de 2013.”
Ouvido pelo jornal, o provedor da instituição particular de solidariedade social, Joaquim de Sousa, confirmou que os dois imóveis foram formalmente adquiridos no dia 11 desse mesmo mês de Julho de 2014.
Havia outros interessados, entre os quais a Junta de Buarcos, presidida por José Esteves, antigo marítimo. “Tanto quanto sei, houve alguns interessados, durante anos, mas foi mais conversa do que outra coisa. A nossa foi a primeira proposta concreta”, declarou ontem nas BEIRAS Joaquim de Sousa.
O valor dos imóveis resulta de uma avaliação feita pelas Finanças.
O terreno onde os dois edifícios foram construídos, com dois pisos e 700 metros quadrados, tem uma área de mil metros quadrados.
José Esteves, em declarações que o mesmo jornal insere na sua edição de hoje, afirma que “a Câmara da Figueira da Foz e a Junta de Buarcos fizeram uma proposta conjunta e fomos a Lisboa falar com o secretário de Estado, que nos garantiu que não tomaria uma decisão sem antes falar connosco”. E a terminar as declarações ao jornal AS BEIRAS, remata: “estou indignado por ter sabido da decisão através do jornal, quando as coisas estavam a ser tratadas a nível oficial. Este é um Governo prepotente que não quer saber do povo”.
Recorde-se, que desde o mandato anterior que José Esteves vinha manifestando interesse nos dois imóveis, vendidos agora por 425 mil euros, para onde pretendia transferir os serviços da junta e criar valências relacionadas com a comunidade piscatória local.

A venda da Casa dos Pescadores de Buarcos à Misericórdia - Obra da Figueira na reunião de Câmara de 21 de Julho de 2014...
A discussão deve ter sido interessante... Segundo o jornal AS BEIRAS, a Câmara Municipal da Figueira da Foz está manifestamente descontente com a forma como decorreu o processo que culminou com a venda da Casa dos Pescadores de Buarcos à Misericórdia – Obra da Figueira.
“Darei nota ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social do facto de não termos sido ouvidos sobre o processo de venda da Casa dos Pescadores de Buarcos, quando manifestámos interesse em adquirir a fracção”, afirmou o presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, na reunião da autarquia.
“Felizmente que apareceu a Misericórdia. Andam (leia-se executivo PS...) há quatro anos a falar nisto”, disse, por sua vez, o vereador da oposição Somos Figueira. Miguel Almeida perguntou ainda a João Ataíde: “o que mudaria se o instituto tivesse consultado a câmara?”
“Procuraria ver se era possível adquirir em prestações, consultar a junta de freguesia, avaliar investimentos, condicionar ou não o processo de venda”, respondeu o presidente da câmara.
“Fomos completamente defenestrados deste processo”, concluiu João Ataíde.

Nota de rodapé.
Ainda tenho uma curiosidade, que espero ver satisfeita em vida. Ainda só passaram quase 2 anos: quando é que João Ataíde torna público o resultado da queixa que apresentou ao ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social do facto de não terem sido ouvidos sobre o processo de venda da Casa dos Pescadores de Buarcos...

PISCINA MAR, proposta camarária passou na Assembleia Municipal com os votos contra da CDU e de Ana Oliveira, da coligação SOMOS FIGUEIRA...






Originalmente denominada de Piscina-Praia, esta emblemática edificação, foi inaugurada a 05 de agosto de 1953.
Foi uma das marcas do desenvolvimento turístico figueirense da década de 50, do século passado. Ainda hoje é um dos ex-libris da cidade.
Durante os chamados anos “dourados”, muitos foram os acontecimentos sociais e manifestações desportivas de relevo que tiveram lugar na Piscina-Praia.
Ali se disputaram, durante vários anos, os campeonatos de Portugal de natação. Também ali decorreu um acontecimento de nível internacional: duas jornadas dos Jogos Luso-Brasileiros, incluindo competições de pólo aquático.
O edifício foi considerado, em 2002, pelo seu interesse arquitectónico, património de interesse público.
Na sessão da Assembleia Municipal realizada na passada sexta-feira, foi discutida e votada a concessão do concurso público para a reconversão e exploração da piscina-mar.
A proposta passou, com os votos contra da deputada municipal, PSD Ana Oliveira e da CDU. Absteve-se a maioria da bancada Somos Figueira. Votaram a favor a bancada do PS, e duas deputadas Somos Figueira Vânia Baptista e Carla Eduarda.
A deputada municipal Ana Oliveira fez uma declaração de voto que "mexeu" com o presidente Ataíde.
"O meu voto é contra, pois todos os que estamos a votar aqui hoje, teremos que esperar 50 anos para verificarmos se a proposta hoje apresentada da exploração da piscina-mar é válida ou não. Tenho muitas dúvidas dos critérios seguidos desde a última concessão , desta nova concessão - precisamos de esclarecimentos, precisamos de transparência neste processo".

Na Figueira, uma pequena mudança pode significar tanto!..

"A única salvação do que é diferente é ser diferente até o fim, com todo o valor, todo o vigor e toda a rija impassibilidade; tomar as atitudes que ninguém toma e usar os meios de que ninguém usa; não ceder a pressões, nem aos afagos, nem às ternuras, nem aos rancores; ser ele; não quebrar as leis eternas, as não-escritas, ante a lei passageira ou os caprichos do momento; no fim de todas as batalhas — batalhas para os outros, não para ele, que as percebe — há-de provocar o respeito e dominar as lembranças; teve a coragem de ser cão entre as ovelhas; nunca baliu; e elas um dia hão-de reconhecer que foi ele o mais forte e as soube em qualquer tempo defender dos ataques dos lobos."

Agostinho da Silva

quarta-feira, 1 de março de 2017

O tal Núncio... Olé Núncio! Nós que vamos morrer estamos eternamente agradecidos...




"Até mesmo de Paulo Núncio (o tal a quem muito devemos conforme ditou Cristas) não se esperava tão malfadada brega no esconde-esconde das offshores made in Portugal.
Defender-se, dizendo que não divulgou os dados porque com essa acção pretendia evitar a evasão fiscal, é tão idiota como dizer que não se divulgam os números relativos à violência doméstica porque se quer acabar com ela, não se prendem os ladrões porque pode-se fomentar os assaltos, ou que não se deve tourear porque se pode ser colhido..."

Figueira, a cidade da mercearia, do carnaval e das bicicletas... "Sinal dos tempos"?

A inevitabilidade, uma crónica de  Daniel Santos, engenheiro civil,publicada hoje no jornal AS BEIRAS.

«Porque a “entidade reguladora das superfícies comerciais” já não existe, o presidente da Câmara opinou na última assembleia municipal sobre a respetiva instalação que “vigoram as leis da concorrência” e que “são sinais do tempo”, pelo que são inevitáveis. A afirmação é reveladora de uma perspetiva neoliberal e encontra-se desfasada do modelo socialista democrático ou socialdemocrata que sempre foi a opção da população figueirense. Pode concluir-se da afirmação que, desde que se respeitem os planos territoriais, tudo é permitido! Ora, na falta de tutela, o município deve assumir-se como regulador do território municipal. Argumenta-se que as leis de mercado fundamentam as opções dos investidores e que os empresários se apoiam em estudos prospetivos. Nada mais errado. Paul Krugman, economista contemporâneo, professor em Princeton, prémio Nobel da Economia e doutorado “honoris causa” pelo ISEG, desenvolveu teorias de localização das atividades económicas que, considerando a escala do concelho, deveriam ser tidas em conta no planeamento estratégico e nos planos de território, sob pena de materialização caótica das atividades. Na mesma intervenção foi dito que se encontra vertida no Plano Estratégico o modelo que há-de salvar o comércio tradicional. Pelos vistos, pelas recentes declarações do atual vice-presidente da ACIFF, a articulação das propostas de intervenção inscrita naquele instrumento não foi acionada.»
...em 2017, ano de eleições autárquicas,
era tão fácil enlouquecer na Figueira...

Nota de rodapé.
A Figueira, a norte, está um espectáculo. 
Segundo as contas da Comissão, estiveram cerca de 30 mil pessoas nos desfiles de Carnaval.
Por aqui, na zona sul, tudo se move sobre duas rodas... 
A Câmara até tem 2 bicicletas eléctricas, como um grande contributo para a sustenbalidade ambiental no concelho.
Aqui no centro de Portugal ninguém quer outra coisa: merceria, carnaval e bicicletas...
Até à porta do Casino, tenho esperança de ainda ver um parking para bicicletas!.. 

Isto, sim, é evolução! 
Menos poluição, nada de barulho, menos problemas com parques de estacionamento, vai-se pedalado e conversando,  encontram-se os amigos... 
Depois o problema do excesso de bicicletas resolve-se por si próprio: "funciona a lei da concorrência".
Também se roubam - e roubam - as bicicletas uns aos outros...
Mas, isso, acabará por ser um outro ciclo: o ciclo social!

Calma...

Temos que ter - e, para isso temos de os criar - interesses na vida.
Temos de cuidar deles como coisas delicadas e frágeis, que na realidade são. 
A vida tem que ser vivida também com eles. 
O tempo vai-se tornando cada vez mais curto e tem que ser cada vez mais bem preenchido.
Hoje é dia de continuar a passear. Mas, sem fazer barulho. 
A beleza pitoresca convida ao silêncio e ao respeito pela vida que aqui se desenvolve.
Vou limitar-me a ouvir a vida, a  deliciar-me com coisas simples mas ternurentas, como, por exemplo, observar  a soneca de um cão estirado ao sol, e dar atenção à  boa comida...
Para já, vou começar por um prazer que há largas dzenas de anos me acompanha logo pela manhã: o café,  aquela boa companhia e sabor diário que tanto aprecio logo pela fresquinha. 
Apetece-me parar um pouco e sorver isto tudo...
A vida é boa a um ritmo descansado e sorridente. 
Quero ter tempo para ter tempo.

Grandes reformas do tempo da PAF...

Bizorreiro de Lavos


Alcatrão novo - tem no máximo uma semana... - e já foi esburacado...
Será pressa ou falta de coordenação na execução da obra?..