.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

terça-feira, 5 de abril de 2016

Assim, quando revelam o que realmente pensam, percebemos tudo muito melhor...

O caso da A14: ainda bem que existe o factor sorte...

"Aluimento na A14 não significa falta de segurança nas autoestradas"!..
A reflexão é de Carlos Matias Ramos, bastonário da Ordem dos Engenheiros, que considera que não houve falhas e que o problema estava detectado. 
Sobre as estradas municipais, a avaliação é bem diferente.

Claro que isto não significa falta de segurança nas nossas autoestradas!..
E nem é preciso ser bastonário dos engenheiros para o saber...
A realidade aí está para o provar: uma cratera do tamanho desta, tão grande, e, felizmente, não ficou lá nenhum carro!..
Aí está a prova que não foi o carro que fez o buraco,  foi a água que está dentro do buraco!.. 
Isso também prova a competência, conhecimento vasto e basto dos terrenos e de engenharia dos responsáveis pela construção de vias onde passam largos milhares de viaturas por dia!..
Felizmente que, neste caso, nenhum veículo teve problemas de maior.
Os carros que passaram não caíram, mas a falta de competência e conhecimentos desta ordem ficou bem patente nas palavras do eng. Carlos Matias Ramos.
Ainda bem que na vida existe o factor sorte...


Entretanto, a A14 continua interdita à circulação automóvel, na zona de Maiorca.
A EN111, que deveria funcionar como "alternativa natural" à auto-estrada A14, está também interrompida ao trânsito, nos dois sentidos, devido a obras na zona das Pontes de Maiorca, estando o tráfego entre a Figueira da Foz e Coimbra a processar-se por vias secundárias, num percurso de 12 km entre Quinhendros (Montemor-o-Velho) e Maiorca, onde regressa à EN111.
O director de comunicação da Brisa reafirmou que o prazo de intervenção na A14, para reparação do aluimento verificado, cujas obras se iniciaram ontem, é de seis a sete semanas, se tudo decorrer como o previsto.
Segundo as últimas notícias, a autarquia da Figueira da Foz está a equacionar a hipótese de a ponte militar prevista para ser instalada na EN 111 poder vir a ligar directamente a auto-estrada A14 àquela via, mantendo as obras em curso no local.
Esta possibilidade foi ontem adiantada num encontro que juntou técnicos da autarquia e da protecção civil municipal da Figueira da Foz e representantes do Exército, Brisa e da empresa responsável pela intervenção na A14.
"Toda a gente acha que a solução é equacionável", disse Carlos Monteiro, vereador com o pelouro das obras municipais, que informou também que não existindo qualquer problema técnico que a inviabilize a opção de "ligação directa" à auto-estrada permite continuar a obra de construção de uma ponte em betão na estrada nacional (EN) 111 "e terminá-la o mais cedo possível".
A opção ontem discutida, passa pela instalação de uma ponte militar com 55 metros de comprimento e 40 metros de vão entre a A14 e a EN 111, por cima da chamada Vala Real, junto ao nó da auto-estrada em Santa Eulália. A concretizar-se, como que recupera o anterior percurso daquela estrada nacional, existente naquele local antes da construção, em 1994, do IP3 (actual A14).
Carlos Monteiro alertou, no entanto, que a opção está dependente da "articulação" com a empresa Infra-estruturas de Portugal, proprietária dos terrenos e da própria Brisa, a quem caberá a "palavra final", mantendo-se os prazos de instalação da ponte militar - até aqui prevista apenas para o troço em obras da EN 111 - que deverá iniciar-se na quarta-feira e decorrer durante sete a nove dias.
"Queremos manter o prazo, não se está a inventar nada para protelar, esta alternativa não pode ser mais morosa", frisou Carlos Monteiro.
Ainda segundo o vereador figueirense, a opção por uma ponte de 55 metros, ao invés de outra, de 36 metros, é para permitir o trânsito de veículos pesados.

Recordar a Gala de 1972...

A Promessa, um livro que também li e um filme também que vi... E até assisti, no já longínquo ano de 1972, à rodagem de algumas cenas do filme que tiveram como cenários a Capela de S. Pedro, o largo da Capela e o Moinho, construído de propósito nas dunas da Cova, mesmo junto ao Catavento que lá então existia.
Na altura, a Gala era ainda uma simples Aldeia de pescadores. 
Nessa época, a Gala pouco mais era do que uma rua, que ia da antiga Estrada Nacional 109, agora Rua Doze Julho, quase até ao Mar, já na Cova, antes das dunas, que a separavam do areal da praia...

O fado que a malta nova vai fazendo...

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Isto, é de tão baixo nível, que só apetece mandá-los pró c...

... em Portugal, passou pela Acona International Investments Limited!..

A festa, afinal, foi porreira, pá!..

O ex-líder do PSD Pedro Santana Lopes homenageou Cavaco Silva no congresso do PSD agradecendo os "serviços prestados ao país" pelo antigo Presidente da República em "circunstâncias dificílimas".
Pedro Santana Lopes fez igualmente referência ao novo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também ele antigo líder social-democrata, notando que, com a sua eleição, pela primeira vez na história há um "empate" de "2-2" entre chefes de Estado oriundos do PS (Mário Soares e Jorge Sampaio) e do PSD (Cavaco Silva e Marcelo Rebelo de Sousa).
"Um dia haverá quem desempatará", disse ainda...
(No fim do discurso, será que os congressistas não acabaram a fugir de alguma ventoinha gigante, eventualmente na sala?..)

Em tempo.
Cavaco Silva foi "o pior Presidente em democracia" e  "vai ser um Presidente muito elogiado sobretudo por aqueles que fizeram fortunas com ele, os seus amigos do BPN, os banqueiros, as grandes famílias, aqueles que beneficiaram desta política chamada de austeridade e que é uma política de concentração da riqueza".
Carlos Carvalhas, no passado dia 6 de março.

O buraco na A14: quem é que não quer prever o que era facilmente previsível?

FOTO DB/LUÍS CARREGÃ
Como é conhecido, um troço da A 14,  a autoestrada do Baixo Mondego, que liga Montemor-o-Velho à Figueira da Foz, ao quilómetro 10, na zona de Maiorca, a auto estrada que liga os figueirenses às maternidades de Coimbra, por exemplo, cedeu e provocou uma cratera na estrada.
Quem conhece bem o local, sabe que existe uma passagem de água sob a autoestrada. Portanto, nada mais natural que a pressão das águas - e aqueles terrenos são zona de alagamento e de cheias... -, que fossem sendo provocados danos, pelo que o aconteceu era previsível, mais ano menos ano: o abatimento do piso terá resultado do colapso de uma conduta de escoamento de água.
A Figueira, tem um azar do caraças!..
Com as obras da barra é o que sabemos... Agora, é este caso do buraco na A14, uma obra com 20 anos (o troço Figueira da Foz - Montemor-o-Velho oeste entrou em funcionamento em 1994) ...
Neste momento, com o aumento do tamanho da cratera e dos danos na estrutura, considera-se possível que os trabalhos se prolonguem até ao início do verão. Se isso vier a acontecer, o sector do turismo da Figueira da Foz poderá ser seriamente afectado.
Será assim tão difícil prever o que, em devido tempo, é facilmente previsível?...
"Quem prende a água que corre\ É por si próprio enganado\ O ribeirinho não morre\ Vai correr para outro lado."António Aleixo, Poeta Popular.

Resumo do 36º. Congresso PSD que se realizou na sexta, sábado e terminou ontem... (IV)

Escolha de ex-ministra Maria Luís Albuquerque desagradou a vários congressistas.
Passos Coelho, que escolheu Maria Luís Albuquerque para a direcção nacional, teve hoje o seu pior resultado de sempre desde que é líder do PSD na lista para a Comissão Política Nacional.
A lista proposta pelo líder teve apenas 79,8% dos votos, com apenas 594 votos em 794. Este é mesmo o pior resultado de sempre do presidente do PSD, que em 2010 tinha conseguido 87,2% dos votos (677 em 774 delegados, em 2012 88% dos votos (657 em 745) e, em 2014, 85% (660 em 773).

Via DN

domingo, 3 de abril de 2016

Desvio Montemor-o-Velho - Maiorca...

Clicar aqui.

Em tempo.
Competência, rapidez de reacção, cidadania e capacidade de trabalho, foi isto que a Câmara Municipal de Montemor-o-Velho demonstrou.
Na Figueira, é tudo gente de grande gabarito pessoal, cultural, dinâmico, com currículo profissional reconhecido e sempre disponível para trabalhar pró boneco...
É esta gente que está montada no cavalo do poder há seis anos!.. 
Mas,  a culpa não é deles. 

Resumo antecipado do 36º. Congresso PSD que se realizou na sexta, sábado e termina hoje... (III)

Pedro Passos Coelho continua igual: "Maria Luís Albuquerque foi escolhida por ele próprio para vice-presidente do PSD".

Uns falam em "loucura". Outros em "teimosia". Alguns, consideram que Passos Coelho “está a provocar o partido, mas mais ainda o país”.
Pedro Passos Coelho gosta de fazer demonstrações destas. 
Entretanto, segundo o Observador, "a entrada de Maria Luís Albuquerque para a comissão permanente de Pedro Passos Coelho, como vice-presidente do PSD, caiu mal em muitos dirigentes do partido..." 
São poucos os congressistas, porém, que dão a cara por estas críticas. 
José Eduardo Martins, que se assumiu como oposição interna, comentou com ironia: “Quem escolhe é o Pedro Passos Coelho. Ele escolheu, ele é o responsável”. 
Ribau Esteves, presidente da câmara de Aveiro, é mais directo: “Não acho uma boa solução, mas respeito o líder”. 
Muitos outros consideram que se manifestou, mais uma vez, a proverbial tendência de Passos Coelho para a teimosia. 
“É a cara do Passos. Quanto mais batem numa pessoa, mais ele a segura”. 
É o que o leva a tomar decisões como esta, fazendo o contrário do que seria politicamente correto. 
“É uma loucura”, comenta-se em surdina nos corredores do Congresso. 
“A malta acha que não havia necessidade de fazer isto”.
Livra: pior do que um ex primeiro-ministro teimoso, só um candidato a primeiro-ministro teimosamente incompetente, ainda por cima birrento!

Que grande buraco: A14 e 111 inoperacionais!..

foto sacada daqui
Os buracos são uma carga de trabalhos. Urbe que exiba solo esburacado não fica bem no retrato. Mas há buracos e buracos. Ali para os lados de Maiorca há, desde hoje, um grande buraco...
O trânsito entre Montemor-o-Velho e Figueira da Foz está a ser desviado, a partir do nó de Montemor-o-Velho, por vias secundárias, pelas normalmente designadas estradas do campo, disse à agência Lusa fonte do Destacamento de Trânsito da GNR.
A "alternativa natural" à A14 seria a antiga Estrada Nacional (EN) 111, mas esta está interdita ao tráfego, num dos seus troços, entretanto municipalizado, onde decorrem obras.
A Câmara da Figueira da Foz, responsável por aquele lanço da EN111, vai "procurar criar condições" para que esta estrada possa ser utilizada dentro do mais curto espaço de tempo possível, adiantou a Brisa, que admite que reparação da A14 em Montemor-o-Velho demore seis a sete semanas...
O abatimento do piso na A14 terá resultado do colapso de uma conduta de escoamento de água, admitiu à Lusa fonte da GNR.

sábado, 2 de abril de 2016

A importância da Constituição

A Constituição Portuguesa faz hoje anos: 40
Não sendo a Constituição Portuguesa de 1976 - hoje aniversariante - uma Constituição com muito tempo de vida, podemos dizer que tem sido uma Constituição normativa, no sentido de que tem sido substancialmente cumprida.

O actual Presidente da República, Marcelo, que foi à data um dos deputados constituintes – tinha então 27 ano e integrava a bancada do Partido Popular Democrático (PPD) –, admite que devem ser criados, no sistema educativo, "espaços de diálogo e de debate acerca das instituições, incluindo a própria Constituição".
Recorde-se, que a Constituição de 1976, não nasceu à margem de um processo revolucionário. Pelo contrário, "foi o facto de ter havido o 25 de Abril, que rapidamente se converteu numa revolução, e ter havido aquela tensão e aquele debate e confronto de projectos doutrinários e ideológicos muito diversos, que acabou por marcar quer a eleição para a Assembleia Constituinte quer os seus trabalhos", recorda Marcelo Rebelo de Sousa.

Por outro lado, não nos podemos esquecer dos perigos. Ainda há pouco mais de 2 anos, um político no activo, Pedro Passos Coelho de seu nome, proferiu das mais graves declarações algumas que tive oportunidade de ouvir a  alguém que deveria ser politicamente responsável.
Na altura, esta criatura dirigiu-se aos imbecis da universidadezinha de verão do seu partido, dito social-democrata, nestes termos!
“Já alguém perguntou aos 900 mil desempregados de que lhes valeu a Constituição até hoje?”. 

Há pensamentos fatais para quem os diz em voz alta. 
Este é um deles. Não tanto pelo que Passos Coelho - o autor da frase - diz, mas, sobretudo, pelo que a frase diz do seu autor - Passos Coelho.
É que ele disse isto, como poderia ter dito, outras coisas:  para que serve a democracia? E a Liberdade? E as eleições? 
Se é só despesa,  não se pode eliminar tudo isto?

Na altura, os imbecis "universitários"  aplaudiram. 
A estupidez anda à solta. Com "estadistas" como Passos como professores, se estas ridículas "universidades" forem levadas a sério, o futuro de Portugal não sairá do nível de jotinhas sem formação humanística, nem sentido da democracia, nem decoro... Nada, a não ser ambição pessoal, própria de gente sem escrúpulos. 
Gente que não presta, como esta senhora...  

Resumo antecipado do 36º. Congresso PSD que se realiza hoje, amanhã e domingo... (II)

Aquilo que não vai acontecer a Passos Coelho, neste 36º. Congresso do PSD, é confrontar-se com pessoas capazes de lhe dizerem a verdade, mesmo que isso lhes viesse a custar o tacho político. 
Os mais críticos nos últimos tempos (Rui Rio e Morais Sarmento) não vão estar presentes. Sobram os posicionamentos envergonhados (Paulo Rangel e Luís Montenegro), numa reunião que vai ser marcada pela tentativa de rejuvenescer o PSD como potência autárquica.
De José Eduardo Martins, que apenas vai posicionar-se para o futuro, espera-se um discurso crítico. Aquele que também foi vice-presidente de Manuela Ferreira Leite será, muito provavelmente, a voz mais desafinada em Espinho. Mas nunca a ponto de desafiar a legitimidade de Passo, que ganhou as directas com mais de 95% dos votos dos militantes.
E vai ser um congresso sem Citroëns...

É uma pena não saber escrever sobre cinema: "Passos Coelho legitima maioria de esquerda"...

Passos no final do primeiro dia de um
Congresso  em que não tem adversários.
 
Pedro Passos Coelho subiu ao palco do 36.º congresso do PSD para se assumir como líder da oposição e legitimar a maioria de esquerda. O presidente do partido deixou o passado para trás na segunda meia hora do discurso, que durou mais de 60 minutos, e aproveitou ainda para traçar uma linha de demarcação na relação do Presidente da República com os partidos.

Depois de a maioria de esquerda ter sido apelidada de “negativa”, quando derrubou o Governo PSD/CDS, a mesma maioria é agora legitimada pelo líder do PSD. “Estamos na oposição e lidamos com o Governo que tem a legitimidade do Parlamento. Se a maioria que nos impediu de governar era nessa acepção negativa, a actual maioria evoluiu para uma maioria positiva”, declarou Pedro Passos Coelho na abertura do 36.º Congresso, que decorre este fim de-semana na Nave Desportiva de Espinho.

O líder do PSD e ex-primeiro-ministro legitimou assim o Governo do PS apoiado pelo BE e pelo PCP e liderado por António Costa. (via jornal Público)

Que a verdade seja apurada...

Em tempo. 
"Entidades concluem que houve falhas no socorro na Figueira da Foz." 
Clicar aqui.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Resumo antecipado do 36º. Congresso PSD que se realiza hoje, amanhã e domingo...

Exercer o poder, para os políticos, é isto: confiar em quem não tem espinha nem coluna direita e arredar os que poderiam colocar competência, profissionalismo e brio  no exercício dos cargos para que poderiam ser eleitos.
O poder, para políticos como Passos Coelho, resume-se a isto: rodear-se de "yes man".
Ao menos que, no domingo, consigam que fique esclarecido se o partido é neoliberal ou social-democrata! 
Se é de direita ou de esquerda! 
Ao menos, que consigam ficar a saber o que são...

Dia das mentiras (II)...

Como era de esperar, o arranjo da nacional 111 trazia água no bico. 
Vão ser instaladas portagens no troço da A14 entre a Figueira e Montemor.

Via Luís Pessoa

Dia das mentiras...

Quintas de Leitura

Como o previsto, Pedro Mexia, o Conselheiro de Marcelo que não votou em Marcelo, esteve ontem à noite na Figueira.
Pedro Mexia, segundo julgo saber, é mais um que vive para escrever. Fora da escrita, apesar de ter chegado a Conselheiro para a Cultura do actual Presidente da República, as suas ambições são «abaixo da média», não indo muito além das expectativas burguesas de ter um tecto ou jantar bem. Não se deve lembrar de ter querido mais do que escrever. E conseguiu o que não é fácil: viver só da escrita. 
Pedro Mexia, é um dos nomes emergentes da poesia portuguesa e uma das vozes  no domínio da crónica e da crítica literária. A escrita será a sua única utopia, já que carece em absoluto de fé em qualquer outra. Não acredita na bondade dos Homens nem das sociedades e assume o que já sabiam os egípcios, que «não há nada de novo debaixo do sol».
Fez o curso de Direito, na Universidade Católica, sem sombra de vocação. Meteu os códigos penosamente na cabeça, mas não teve futuro nas leis. Ficou-se pelo estágioEntretanto, chegou a Comendador (foi condecorado oficial da Ordem Militar de Sant'iago da Espada por Cavaco Silva) e a Conselheiro Cultural de Marcelo Rebelo de Sousa. Sem ter votado em nenhum!

Nada como ser apenas  blogger, seulement blogger...
Um dia destes, aqui há atrasado, passou por mim na Avenida Saraiva de Carvalho, mesmo em frente da Caixa Agrícola, o maior intelectual da Figueira.
Como tinha acabado de ganhar o Prémio LeYa, ainda estive para o abordar nestes termos: "que tal um autógrafo do melhor escritor da Figueira, quiçá o Eduardo Lourenço da foz do Mondego, para o blogger da Aldeia?" 
Porém, não o fiz. Para além da minha habitual timidez, tive receio de que não me percebesse ou que não se julgasse o melhor escritor da Figueira...