.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Nada de novo...

Depois do anunciado aumento dos juízes, camuflados como subsídios de exclusividade, eis mais do mesmo: “300 técnicos superiores das Finanças podem ser aumentados”!
Depois de jovens contra velhos, empregados contra desempregados, funcionários públicos contra trabalhadores do sector privado, o governo decidiu que seria boa ideia por funcionários públicos contra funcionários públicos...

Independentes...

Em Portugal, nos últimos tempos, muitos independentes andam por aí. 
Primeiro, temos os juízes - são sempre independentes. 
Depois, nas televisões, os comentadores são sempre independentes – mesmo Marcelo Rebelo de Sousa, Marques Mendes, Santos Silva, Manuela Ferreira Leite... 
Os jornais  são todos independentes – menos o Avante, claro!.. 
Vivemos num País de independentes, eu incluído, onde ninguém tem uma ligação óbvia ao poder político, por motivos ideológicos ou simplesmente clubísticos, de amizades chegadas e objectivamente promiscuas... 
Somos todos uns santinhos independentes!
Hoje na sua crónica no jornal AS BEIRAS, o eng. Daniel Santos escreve algo com o qual concordo, importa assim reconhecer que não há propriamente independentes. O que há, isso sim, são cidadãos intelectualmente honestos que colocam à frente de tudo o interesse da comunidade onde se inserem. Defendendo- se e defendendo os seus congéneres. Como disse Agostinho da Silva, «eu não voto por rótulos. (...) Eu não quero saber das campanhas eleitorais para nada. Eu quero saber das ideias que as pessoas têm e da maneira como depois as vão defender e praticar.»”

O trânsito na sede do concelho e um problema chamado Figueira Parques

foto sacada daqui
Lido no Correio da Manhã: “A PSP anunciou que vai comunicar ao Ministério Público (MP) a eventual actuação ilícita de fiscais da empresa Figueira Parques, da Figueira da Foz, por exigirem talões de estacionamento a viaturas paradas em passadeiras ou passeios. De acordo com várias fontes contactadas pela agência Lusa, há mais de um ano que vários fiscais da empresa municipal que detém a concessão de zonas de estacionamento da Figueira da Foz exigem aos condutores o talão de estacionamento fora de lugares tarifados, quer estes configurem violações do Código da Estrada (passadeiras, frente a garagens, passeios ou zonas de carga e descarga, entre outros), quer noutros locais, não identificados como lugares pagos. As situações, que fonte do Comando da PSP de Coimbra disse configurarem "matéria sensível" e que estão na base da comunicação ao MP, incluem a exigência de talão de estacionamento a condutores que pararam as suas viaturas numa passadeira e em frente a uma garagem na zona turística do Bairro Novo, perto do Casino, mas também num antigo local de cargas e descargas, na mesma rua. Outras situações, relatadas por condutores e comerciantes, ocorreram na mesma zona, mas também junto ao tribunal, em passeios, locais de paragem de motociclos e pelo menos numa rua à época recém-asfaltada e sem lugares de estacionamento pintados no pavimento, entre outras.”
A Figueira Parques, ao que presumo, foi criada por forma a regulamentar o estacionamento na Figueira da Foz. Ao que parece, com tanto sucesso, que já estendeu a sua actividade à freguesia de S. Pedro!..
Na altura, os seus criadores devem ter visto a Figueira Parques como uma verdadeira galinha dos ovos de ouro da Câmara figueirense.
O que não se tem vindo a verificar: por exemplo, em 2013 o Resultado Líquido foi “somente 7 493,98 €”.
À semelhança do que se passava noutras cidades, os políticos da altura - e os actuais... - devem ter pensado que nada melhor que concessionar o estacionamento na cidade, como se o simples facto de o concessionar, significasse, à partida, regulamenta-lo.
A cidade, passados todos estes anos, continua de facto com um enorme problema para resolver, que se chama trânsito.
Como se constata, actuar apenas do lado da concessão, não resolve o problema, antes pelo contrário, agrava-o.  Se numa primeira fase de implementação, os condutores passavam os carros para as ruas adjacentes e não concessionadas, actualmente a cidade alargou a zona de parquímetros, o que tornou mais difícil a fuga ao pagamento do estacionamento para quem tem de se deslocar à sede do concelho, sem infringir a lei.
Existem muitos problemas em torno da eficácia da Figueira Parques, a começar pelo não cumprimento do objecto que ditou a criação da empresa em 1995 - “melhor gerir a rotatividade do estacionamento na via pública, angariar verbas para manter em bom estado de conservação as vias e a sinalização, assim como investir em novos locais de estacionamento.”
Pelo menos, no que concerne a “manter em bom estado de conservação as vias e a sinalização estamos mais do que conversados”...

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Como diria Bush, "estas mortes são apenas efeitos colaterais"...

"Nestas últimas semanas, morreram duas pessoas nas urgências devido à demora na assistência. O bastonário da Ordem dos Médicos diz que até podem ter morrido mais mas que as famílias não terão percebido o que aconteceu e a quem imputar responsabilidades. Pois é. Doentes que morrem abandonados num banco de urgência, horas depois de serem admitidos (na semana do Natal, por exemplo, vários esperaram mais de 24 horas) são vítimas directas da austeridade, naquela que cortou selvaticamente nos recursos materiais e nos humanos, nos médicos e nos enfermeiros."

daqui

Eles continuam a andar por aí...

Santana tem uma obsessão: quer ser Presidente da República.
Por isso, desde 2003 que anda por ai a fazer ondas – apenas porque sim, ou por causa do barulho das luzes.
Desta vez, Santana admite candidatar-se contra Guterres, ou até contra Marcelo...
Desde 20013 nisto, e ainda não percebeu o óbvio: o que Santana admite é candidatar-se a Belém contra Santana.
O passar dos anos e a experiência na Misericórdia não mudaram nada... 
O Nobre está descartado por natureza.

Com o alto e distinto patrocínio dos partidos do chamado «arco do poder», ao longo dos últimos 38 anos...

Corrupção, é a nova palavra do ano em Portugal...
Xurdir e selfie, completam o pódio de 2014.

De vez em quando é bom recordar que a Figueira tem atletismo... (II)

A figueirense Carolina Fernandes, de 13 anos, fechou o ano de 2014 a bater um novo recorde nacional de lançamento de peso, atingindo os 14,62 metros, marca que repetiu durante a prova, realizada em Pombal.
A marca anterior da atleta da Sociedade União Operária dos Vais (SUO Vaias), também record nacional, era de 14,46m.
O seu treinador é o professor Fonseca Antunes.
Fica, mais uma vez, a pergunta... 
E se a Figueira tivesse condições?... 

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

O problema que nos afecta, enquanto cidadãos de Portugal: a classe dos "nossos" políticos...

Carlos Caldas, médico que lidera um laboratório no instituto de investigação sobre cancro, em Cambridge...
A culpa é das “pessoas que nos desgovernam”
“Há responsabilidades morais que começam no senhor que ocupa o Palácio de Belém, que, quando foi primeiro-ministro, acabou com tudo no que era produção e cavou a dependência da União Europeia em que nos encontramos”, afirmou o cientista, referindo que a culpa é também dos “dirigentes actuais, que têm um pedigree que começa nesse senhor”.

A obsessão de Santana...

De acordo com o Diário de Notícias, “Pedro Santana Lopes admite que pode haver dois candidatos da direita à primeira volta das presidenciais de janeiro de 2016 e não exclui avançar mesmo que Marcelo Rebelo de Sousa o faça.” 
Há uma terrível tentação, em política e na nossa política, de ver as coisas não como elas realmente são, mas como gostávamos que elas viessem a ocorrer. 
Em Santana há muito que isso já não é novidade. 
Mais uma vez, o debate sobre o escrutínio presidencial foi lançado por ele nas hostes sociais-democratas. Sem que (tal como tinha acontecido com Durão Barroso em 2003), Passos Coelho, o presidente do partido se ter pronunciado sobre o assunto. 
Agora, devem suceder-se as proclamações de apoio ao auto proclamado pré-candidato Santana na corrida a Belém. 
Em 2003, então com 47 anos de idade, Santana Lopes corporizava, à direita, o ideal de uma nova geração.
Em 2015, com 58 ou 59, Santana Lopes continua a apresentar-se como alguém que dá uma ênfase especial ao lado emocional da política, muito para além do entendimento politicamente correcto do cargo de Presidente da República como mero garante do funcionamento regular das instituições. 
Mas a vida, mais uma vez, não está fácil para Santana: as sondagens não são famosas e Marcelo dará seguramente um bom cabeça de lista da família politica da direita... 

União FC (líder da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Coimbra) perdeu no Cabedelo!


Estou a entrar em depressão profunda...

61 já cá cantam!
É a segunda vez que celebro o meu aniversário com o algarismo «6» na casa das dezenas...

domingo, 4 de janeiro de 2015

Na véspera dos 61...


Gostava de ter mais tempo e mais algum dinheiro. 
Tempo para usar o tempo e o dinheiro da forma mais ajuizada, sem esquecer a auto-estima, os amigos e a família...
Mas, o que gostava mesmo, era de ter um blogue que não fosse lido por ninguém...

sábado, 3 de janeiro de 2015

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Mensagens presidenciais...

"Devo ainda referir que circunstâncias várias, para que, felizmente, não concorri, fizeram diminuir a minha movimentação e o número de presenças em cerimónias inaugurais e comemorativas. Mesmo assim não estive demasiadamente parado". 

Janeiro de 1974. Américo Tomás "dixit"...

"Rejeito em absoluto uma ideia demagógica e populista, que alguns pretendem incutir na opinião pública, segundo a qual os partidos e os seus dirigentes se alheiam dos interesses do país e das aspirações dos cidadãos. Devemos recusar o populismo e fazer um esforço de pedagogia democrática, tendo presente que os partidos políticos são essenciais para a qualidade da democracia e para a expressão do pluralismo de opiniões.

Mas esse esforço de pedagogia democrática só pode ser feito através da força do exemplo. Os partidos e os agentes políticos têm de demonstrar, pela sua conduta, que são um exemplo de transparência, de responsabilidade e de civismo para os Portugueses."

Janeiro de 2015. Cavaco Silva "dixit"...

“Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é tolo ou não tem arte”...

As coisas, neste novo ano, continuam simples em Portugal: desde o vulgar trabalhador até aos detentores dos cargos políticos, quando exercidos em exclusivo, continua a não ser possível enriquecer com os actuais salários. 
Por isso, não se pode aspirar a viver em médias casas, passear em médios carros e gozar médias férias - no fundo, usufruir de um nível de vida médio, com um salário, mesmo que seja de político. 
Não pode. 
Ponto. 
Quando assim acontece, quando não é lotaria, nem herança, nem bens próprios anteriores, ou a família a pagar, é outra cosia
E essa coisa não é boa. 

Esta coisa, evidente e percebida por qualquer português que tenha passado uma vida de trabalho em Portugal, não necessita de explicações, pois é fácil de entender. 
Mas, em Portugal, também temos a outra coisa - a classe dos milionários, uma classe pequena mas crescente... 

Guerra Junqueiroin Pátria -  deu a explicação.
"Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, - reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta (...)  
Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados (?) na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro (...)
Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e estes, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do país, e exercido ao acaso da herança, pelo primeiro que sai dum ventre, - como da roda duma lotaria.  
A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas;  
Dois partidos (...), sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes (...) vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se amalgando e fundindo, a-pesar-disso, pela razão que alguém deu no parlamento, - de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar (...) “