Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

Qualquer dia ainda ficamos com os pés de molho...


Freguesia de São Pedro, Praia do Cabedelo, dia 10 de Janeiro de 2007, 16 horas e 33 minutos.

O que vale é que o mercado está a funcionar!...


Nada como estar na oposição, por um período o mais prolongado possível, para "descobrir" o que se ignora quando se está no poder...
Temos é muita sorte por Francis Obikwuelu continuar a querer ser português!..
Um país, que nem lhe dá condições para treinar...
Um país, que fez estádios de futebol aos molhos, para as moscas e os mosquitos...
Francis Obikwuelu é que foi esperto: foi para Espanha.
Legal?...

segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

Este é o caminho...

Quem disse que não se deve sonhar com o impossível?



Não sei, se Maria José Morgado na coordenação dos processos que nasceram do "Apito Dourado", já tem resultados palpáveis!..

Sei, isso sim de ciência certa, que o FC Porto foi derrotado em casa pelo Atlético Clube de Portugal, (um clube da II B, de Lisboa, mais exactamente da freguesia de Alcântara, fundado em 18 de Setembro de 1942, em resultado da fusão de 2 clubes de Alcântara e Santo Amaro - o União Foot-ball Lisboa e o Carcavelinhos Football Clube), num jogo a contar para a Taça de Portugal...

Sei, também de ciência certa, que o Atlético Clube de Portugal não precisou de estágio, nem de outras "mordomias", para ir ao Dragão fazer o seu jogo e ganhar!...

Sei, ainda de ciência certa, que os jogadores do Atlético tiveram que sair da cama pelas 6 horas da manhã, meterem-se num autocarro que saiu de Lisboa às 7h00, e foram ao Porto vencer o campeão da I Liga e da Taça de Portugal do ano passado.

Quem disse que não se deve sonhar com o impossível?

domingo, 7 de janeiro de 2007

Pereira 1 / Cova-Gala 1



Campo do Pereira

Arbitro: António Tomás
Assistentes: Fernando Matias e Alberto Caixeiro


Pereira: Eurico (Nelito aos 53m); Lino ( Felipe Amaro aos 60m),Carlos Daniel, Rui Tó, Telmo (cap.), Fábio, Daniel, Joel, Paulo, Rui Peralta e Tinoco

Treinador: José Torres
Suplentes não utilizados: Luís Coutinho, João, Ivo Santos, Toni e Rui Batista

Cova-Gala: Bolas; Rafa, Lambreta, Hugo, Dani, Pedro Carvalho, Copinho, Alex (Rato aos 83m), Mané, Rui Camarão (cap.)(Fábio aos 84m) e Tó-Jó (Ivo aos 64m)

Treinador: Carlos Silva
Suplentes não utilizados: Dias e Ricardo

Resultado ao intervalo: 1 – 0
Resultado Final: 1 – 1

Golos: Tinoco aos 4m e Lambreta aos 94m

Disciplina:
Amarelos:
Felipe Amaro aos 64m, Carlos Daniel aos 68m, Ivo aos 70m, Rafa aos 80m e Pedro Carvalho aos 91m
Vermelhos: nada a registar


Comentário:

Um mau jogo de futebol em que o Cova-Gala, mesmo sem jogar bem, dominou as operações.
Foi evidente a falta de eficácia por parte da equipa São de Pedro.
Trabalho pouco convincente da equipa de arbitragem.

sábado, 6 de janeiro de 2007

Formação do Cova-Gala

Escolas: Cova-Gala 2 / Touring 2

Complexo Desportivo do Cabedelo
Árbitro: Pereira


Rui Pedro; Cláudio, Carlos Rafael, João Reis, Carino, Ruben (cap.), Dário, Diogo, Tiago e João Morgado.

Treinadores: João Cravo e Pedro Nunes

João Luís; Adriano, Dinis, Ricardo (cap.), Virgílio, Cuco, Emanuel, Lima, Tiago, Rafael,
Carlos e João.

Treinadores: João Paulo e Manuel Cuco

Resultado ao intervalo: 0 - 1
Resultado final: 2-2

Golos: Cuco aos 8m, Dário aos 25m, Ricardo aos 29m e Diogo aos 49m.

Infantis:
Por sua vez a equipa treinada por João Camarão e Rui Camarão foi ao campo do Tocha vencer por 0 – 10 .

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

Aos caluniadores...

Quem disse que há impossíveis?
Há gente que desmente isso todos os dias!..

Foi feito tudo o que era possível?


Como filho, neto e bisneto de homens do mar, não podia ficar indiferente à morte dos pescadores perto da Nazaré.
O inquérito já tirou algumas conclusões..
Quanto a nós, é necessário questionar se foi feito tudo o que era possível!..
Será que este país deu alguma vez a devida atenção aos homens do mar?
Ficou provado, se tal ainda fosse necessário, que os recursos para socorrer pescadores em apuros são escassos e que um modelo de salvamento assente em meios aéreos concentrados nas respectivas bases pode ser tragicamente insuficiente....
Mas este acidente, leva-nos também a pensar se a ganância nas pescas, que não é de hoje nem de ontem, não está a ir longe de mais, colocando em risco as embarcações e as vidas. .
Os pescadores, durante horas, a meia centena de metros da Praia da Légua, ficaram entregues a si próprios, para se defenderem do mar e da hipotermia!...
A morte era uma questão de tempo... E demorou menos, muito menos, do que os meios aéreos...
Os socorros a náufragos, só têm razão de existir se forem eficazes e se forem rápidos...
Para já o ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, afirmou esta quinta-feira que o Estado precisa de reflectir sobre os procedimentos e meios de socorros a náufragos, não admitindo, no entanto, a existência de qualquer tipo de erro no resgate aos tripulantes da embarcação que na passada sexta-feira naufragou na praia da Légua, a norte da Nazaré, deixando três pescadores mortos e três desaparecidos.
«Podemos e devemos fazer uma reflexão sobre aquilo que é o sistema de coordenação, os meios e os procedimentos [de salvamento]», declarou o ministro, em conferência de imprensa no ministério da Defesa, após ter recebido o representante dos pescadores das Caxinas, de onde eram naturais os pescadores vitimados, que entregaram hoje uma petição para o reforço dos meios de salvamento.
Entretanto, o resultado do inquérito mandado realizar pelo mesmo ministro foi entregue quarta-feira e reconhece que a preparação e activação dos helicópteros, depois de recebida a ordem de descolagem, é demorada, prolongando-se por um período de tempo entre 30 a 45 minutos.
O mesmo relatório, aponta também o dedo às dificuldade de localização do barco e ao facto de os tripulantes não usarem coletes salva-vidas.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

Jogos do Cova-Gala para o fim de semana

Escolas:
Cova-Gala / Touring
Sábado, 6 de Janeiro às 11 horas
(Jogo em casa )

Infantis:
Tocha / Cova-Gala
Sábado, 6 de Janeiro às 11 horas
(Jogo fora )

Seniores:
Pereira / Cova-Gala
Domingo, 7 de Janeiro às 15 horas
(Jogo fora )

A Figueira continua na moda!...





Em 2007, a «cooperação estratégica» entre Belém e São Bento, uma das marcas que Cavaco Silva imprimiu desde o início ao seu consulado, pode levar um forte empurrão na Figueira.
O Presidente da República e o primeiro-ministro deverão participar nas comemorações do centenário do Grupo Caras Direitas.
Segundo o que se pode ler na edição de hoje de
as Beiras http://www.asbeiras.pt/?area=regiaocentro&numero=37069&ed=04012007, “existe a real hipótese de podermos contar com estas figuras do Estado, no 100.º aniversário da nossa colectividade”, disse ao referido jornal José António Gaspar, presidente do Caras Direitas.
Quem disse que a Figueira não continua na moda!...
É tão bom viver na Figueira, cidade onde a vida é um fenómeno delicioso, avassalador e extraordinário!...
Palavra!...

Ainda as Janeiras




A campanha das Janeiras, que um grupo de pessoas está a levar a cabo para angariar fundos para o Centro Social S. Salvador, de Maiorca, a que já fizemos referência em anterior post, continua a decorrer.
E, segundo apuramos, a decorrer muito bem.
Tal, fica a dever-se à solidariedade das pessoas que, em restaurantes, bares, ou casas particulares, não deixam de apoiar um causa que é sempre justa.
Daí, o nosso apreço e a nossa admiração, não só ao grupo quer pelo trabalho musical apresentado, com uma qualidade nitidamente acima da média, quer pelo esforço que tem feito, como fomos testemunhas, mas também às pessoas que, com maior ou menor dificuldade não regateia um apoio sempre importante, numa sociedade em que o Estado se demite indecorosamente do seu papel.
Por isso, é de realçar algumas casas comerciais e outras entidades que se associaram ao esforço que se está a fazer para que a Terceira Idade, utente daquele centro, tenha no dia-a-dia uma existência mais condigna, mais humana, mais condizente com os valores em que acreditamos, neste início do vigésimo primeiro século.
Daí que também não fique mal, porque merecida, a publicidade que fazemos a essas entidades que se associaram à campanha, quer com donativos quer com outros apoios que vão de encontro às necessidades do Centro.
Aí vão: Centro de Artes Tubo de Ensaio, MC-Tecidos e Confecção de Cortinados (Casais, Maiorca), Garfil, Centro de Cópias “O Cábula”, “Entrelinhas”- Bordados Personalizados.
Por último, mas não menos importante, refira-se a Junta de Freguesia de S. Julião, que, numa atitude que vai marcando a política de Victor Coelho caracterizada já por uma preocupação social, decidiu dar um donativo àquele Centro.
Bem hajam. E que a voz não doa às moçoilas das Janeiras.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

Também aqui, nesta nossa tão querida e santa terrinha à beira mar plantada...




Impávida e serena, como é seu timbre, a Figueira, esta tão nossa santa e querida terrinha à beira mar plantada, viu desfazerem-se ao longo de anos, alguns projectos de informação independente, livre e pluralista.
Alguns exemplos: a Voz da Justiça, o Mar Alto (série I), o Barca Nova, o Linha do Oeste.
Neste momento, outro projecto que cometeu o pecadilho de pretender estar com a espinha direita, encontra-se em risco de sobrevivência. Estou-me a referir, obviamente ao site figueira.net.
A vida é assim mesmo, dirão os cínicos.
Talvez seja. Os sonhos desfazem-se. Espero é que o sonho figueira.net, se se confirmar o seu azedamento, não azede também o seu criador.
António Cruz: a Figueira não merece isso.

Mas isto – e, isto, é o pluralismo, a independência e a liberdade da informação na nossa querida e santa terrinha – não pode ser analisado numa perspectiva meramente pessoal.
Isto, na realidade, tem a ver com toda a comunidade figueirense. Isto, deveria ser uma preocupação de todos os figueirenses. Figueirenses, escrevi eu, não escrevi figueirinhas.
Os figueirenses, neste momento, têm uma óptima oportunidade para afirmarem claramente que informação querem.
Mas não vai acontecer nada, como sempre, vão assobiar para o lado e seguir em frente, deixando isto como preocupação de outros.
Um dia destes, voltam a lamentar-se que a Figueira é um marasmo, que os políticos são uns oportunistas, que a cidade está cada vez pior...
Mas, de Abril de 1974 para cá, quem tem permitido que isso aconteça?
Quem cala? Quem vota nos políticos oportunistas? Quem permite o marasmo?
De quem é a responsabilidade, no fundo, pelo estado vegetativo do concelho da Figueira da Foz?
Dos figueirenses em geral... Primeiro, sempre primeiro, está a sua vidinha...

Todos, ou quase todos, conhecemos a realidade da comunicação social na Figueira, onde só por humor negro, se pode admitir que existe pluralismo, independência e informação livre.
O trabalho precário reina no sector. Será possível, haver ética e informação independente e livre com jornalistas “a dias”?
Num jornal ou numa rádio, o trabalho precário – à peça ou com contrato a prazo – não é, apenas e só, uma questão laboral. É, antes do mais, uma questão de liberdade da informação – do jornalista e nossa, os potenciais destinatários do conteúdo do seu trabalho.
Independentemente da pessoa que se encontra por detrás do jornalista, numa cidade como a Figueira da Foz, é fácil controlar a informação: basta aos poderosos – sejam políticos ou detentores do poder económico –controlar a barriguinha do jornalista e da sua família.

O figueira.net não era a oitava maravilha do mundo. Mas que vai fazer falta à Figueira, lá isso vai.
António Cruz: um abraço do António Agostinho

terça-feira, 2 de janeiro de 2007


Este site foi descontinuado a partir de 1 de Janeiro de 2007
http://www.figueira.net/ info@figueira.net

O António Cruz lutou, mas a realidade foi mais forte: o site Figueira-Net foi “descontinuado” a partir de 1 de Janeiro passado.
Aconteceu-lhe o que já aconteceu com outros projectos na Figueira: a falta de meios financeiros para manter esta eficaz forma de promover e divulgar a nossa cidade, ditou-lhe o destino.
Tive o prazer de colaborar no Figueira-Net , a convite do António Cruz, de quem fiquei Amigo.
Nesta hora certamente amarga para o António Cruz, fica um abraço de solidariedade.
Oxalá seja possível um breve regresso da “nossa” Figueira-Net.
Faz falta a quem gosta da Figueira.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2007