Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

quinta-feira, 30 de novembro de 2006

Jogos do Cova-Gala para o fim de semana


Escolas: Académica / Cova-Gala

Sábado, 2 de Dezembro às 11 horas e 30 minutos
(Jogo fora – Granja de Ãnça)

Infantis:Cova-Gala / Académica

Sábado, 2 de Dezembro às 11 horas (Jogo em casa )

Seniores: Cova-Gala / Águias
Domingo, 3 de Dezembro às 15 horas (Jogo em casa )

Carta aberta a um anónimo escandalizado


Há muitos anos, o poeta Louis Aragon, do grupo surrealista, publicou um panfleto em que perguntava a quem o lia se já alguma vez tinha esbofeteado um cadáver. Se não, que se dirigisse a determinada capela onde estava, em câmara ardente o corpo do escritor, (laureado com o prémio Nobel), Anatole France,
acabado de falecer…
Mais ou menos na mesma altura, Almada Negreiros escrevia:
“Morra o Dantas, morra, PIM.”
Muitos anos depois disto o surrealista André Breton morria com o desgosto de o ”escândalo já não ser possível”… Pois sim, numa época em que piadas sobre Deus, o Papa, a Santa madre Igreja, a Arte, a Cultura, o poder, etc, já não faziam chiar ninguém… Ora bem, o escândalo é ainda possível sim senhor, mas pequenino, ao nosso nível, o da pequena blogosfera figueirense, e manifesta-se. Anonimamente, incógnito, na clandestinidade, por pessoas que, se calhar, nunca leram uma linha do velho transgressor, nem lhe compraram um livro ou um quadro ou sequer lhe entenderam as boutades, e se limitam apenas a ler-lhe o obituário no jornal humedecido pelas lágrimas de anónimos ou conhecidos crocodilos…
Ora o escândalo é possível sim senhor, e vem a propósito de um simples e pelos vistos, mal conseguido cartoon sobre a morte de um escritor surrealista…
(o velho pândego deve estar sacudidinho de riso).
Um cartoon, como sabe, é um desenho que procura sintetizar enfática ou exageradamente uma ideia por vezes complexa, com o recurso ao menor número de meios possível, tendo como objectivo provocar o riso ou, se possível, a reflexão. É tanto mais eficaz quanto, muitas vezes,
mais explicitamente equívoco.
Os surrealistas amam o equívoco, o paradoxo, o amor louco, a beleza convulsa,
o humor negro… e o escândalo!
Eu fico incomodado que este cartoon (visivelmente infeliz) o senhor incógnito escandalizado o tenha entendido exactamente às avessas das minhas intenções.
O meu lamento, em memória de Cesariny, citando Breton:
“Um filósofo que eu não entendo é um cretino”;
Ora, não sendo eu um filósofo, está à vista que desta vez,
só desta, não me entenderam…
Para esses que não me entenderam e especialmente para si, Sr. Anónimo, faço outro desenho, um esboço de retrato possível da verdadeira destinatária do infeliz manguito.
Vale

Fernando Campos

"Flexisegurança" ou “flexidesemprego”?


O Governo quer aplicar em Portugal o modelo da chamada "flexisegurança", aplicado em países como a Dinamarca ou Holanda, avança o Diário Económico. O modelo facilita os despedimentos e o flexibiliza os horários de trabalho mas, ao mesmo tempo, reforça os mecanismos de apoio social.

Vem aí, então, mudança profunda na forma como o estado vai lidar com as relações laborais.
No próximo ano estará em debate na Concertação Social um conjunto de alterações às leis do trabalho.
O Governo anuncia a intenção de acompanhar o modelo da “flexisegurança” (neologismo que pretende conjugar as ideias, aparentemente antagónicas, de flexibilidade e segurança).
Quer dizer, traduzindo: vem aí a “liberdade para despedir e contratar”.
Nos países nórdicos, a troco de mais segurança por mais flexibilidade, a "flexisegurança" tem nos sindicatos aliados poderosos. Só que, por lá, funciona uma autêntica co-gestão entre trabalhadores, governo e empresários.
E por cá?
Conhecendo a realidade, isto é, a “chico espertice” que por aí grassa, resta aos trabalhadores serem os “bombos da festa.
Será que Portugal pode garantir o nível da protecção social da Dinamarca?
Se assim for, se este pressuposto ficar garantido, aí está uma base para os trabalhadores discutirem a “flexisegurança”.
O futuro o dirá: o que aí vem será “flexisegurança”, ou “flexidesemprego”?
Para insegurança, não chegam os falsos recibos verdes?.

Os problemas da segurança, flexibilidade, polivalência, mobilidade profissional (ascendente ou descendente) reconversão, precariedade no trabalho não residem em quem trabalha, mas sim em quem detém ou gere as organizações. Além fronteiras, os portugueses estão bem cotados, são bem remunerados e respeitados. Por cá...nem tanto!
Será do "clima" ou de quem "manda?

terça-feira, 28 de novembro de 2006

Mundo cão


Que representamos nós, afinal, neste mundo cão?..
Talvez, um simples grão de areia, nada mais!..
Contudo, há quem disso facilmente perca a noção...
Há quem viva com medos, tantas vezes sem saber sequer de quê!..
Acabamos, aos olhos dos outros, por ser apenas o que se vê...
O tal grão de areia... Nada mais!..
O que é redutor...
Pois é...
Mas esse grão de areia, que é afinal o que representamos, pode conter sonhos, verdade e amor...
O que, quase sempre, provoca dor ...
Viver com amor, sonhos e verdade, só é possível se se enfrentar muita adversidade!..

segunda-feira, 27 de novembro de 2006

Mário Cesariny de Vasconcelos



Mário Cesariny de Vasconcelos morreu na madrugada de domingo em sua casa, em Lisboa.
Poeta e pintor, Mário Cesariny de Vasconcelos nasceu em 1923.



radiograma

Alegre triste meigo feroz bêbedo
lúcido
no meio do mar

Claro obscuro novo velhíssimo obsceno
puro
no meio do mar

Nado-morto às quatro morto a nada às cinco
encontrado perdido
no meio do mar
no meio do mar

domingo, 26 de novembro de 2006

Sepins 1 Cova-Gala 2


Campo Engenheiro Barreiros
Árbitro: Augusto Cunha
Assistentes: Nuno Lucas e José Silva

Sepins: Quim; Rasteiro (cap.), Márcio, Hugo F., Bruno, Cláudio (Beto aos 45m), Marco (Joel aos 85m),Rui (Ricardo aos 77m), Salgado, João e Tó-Vim

Suplentes não utilizados:
Nuno, Gonçalo, Pinto e Belo
Treinador: Fernando Pessoa

Cova-Gala: Bolas; Rafa, Copinho, Hugo, , Dani, Tó Jó (Paulo aos 66m), Alex, Ivo (Ivo Cruz aos 76m), Rui Camarão (cap.) e Lambreta ( João Tiago aos 85m)

Suplentes não utilizados: Rui, João Pedro e Dias

Treinador: Carlos Silva
Resultado ao intervalo: 0– 1

Golos: Lambreta (2 e 51m) e Tó-Vim aos 81m

Disciplina:
Amarelos: Dani aos 23m, Hugo F. aos 28m e Hugo aos 44m
Vermelhos: Rato por acumulação aos 20 e 68m, João por acumulação aos 31 e 37m e Rafa por acumulação aos 33 e 39m

Vitória justa da equipa visitante.
Todavia, os números não expressam a superioridade do Cova-Gala, dado que esta equipa desperdiçou várias oportunidades para ampliar o resultado.

sábado, 25 de novembro de 2006

Formação do Cova-Gala



Escolas: Cova-Gala 0 Naval“B” 5

Complexo Desportivo do Cabedelo
Árbitro: Pereira


Rui Pedro; Carlos Rafael; João Morgado; Mauro; Carino; Ruben (cap.); Dário; Diogo; Tiago; Afonso e Léo

Treinador: João Cravo e Pedro Nunes


Pedro Mano; Gata; Marcelo; Fábio(cap.); Pedro; Rui; Pedro André; Gonçalo; Raul; Daniel e João

Trinador: Pedro Simões

Resultado ao intervalo: 0 – 3
Resultado final: 0 – 5


Golos: Daniel (8 e 31m), Gonçalo (13m), Fábio (15m) e João (28m)

Infantis:
Quanto aos “Infantis”, jogaram na Figueira da Foz frente à Naval “B”, tendo vencido por 0 – 7.

Marcaram os golos: Paulito (3);Carlos Daniel (2); Zé Pedro (1) e Hugo (1)

(Trabalho de Pedro Cruz)

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

7 meses



25 de Abril!
25 de Novembro!


Ora bolas....
Já 7 meses de OUTRA MARGEM!...

Que tempo!..


Que tempo!..
O país está sob influência de uma forte depressão.
O centro é o mais afectado..
Os ventos estão a soprar fortes..
Segundo informações fidedignas recolhidas pela redacção do OUTRA MARGEM, o governo central não tem nada a ver com esta situação adversa, pois na “raiz do problema está uma depressão em cavamento, situada a norte dos Açores.”

quinta-feira, 23 de novembro de 2006

Carta aberta ao blogueiro


Continuo numa de cartas abertas.
Aí vai uma pró blogueiro.


Crido tó da maia:

Antes do mais, espero que não interprete mal, mais olhe que o migo a vestir não é exemplo pra ninguém!...
A martinha ta atenta.
Com que então andam a desafiá-lo pra se candidatar ao cova-gala e à junta!..
Eu sei que o minino é esperto, mas como caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém, tenha juizinho, aceite um conselho duma parva: deixe-se tar sossegadito....
Deixe lá a junta e o cova-gal pra quem sabe!...
A vida de presidente é dura! E o minino até nem gosta de trabalhar!..
O minino, imagina lá a trabalheira que dão as brutais negociações com o Governo e a Câmara para discutir questões relativas à prestação de subsídios!.. Para não falar os golpes de rins que são necessários por causa das obras!...

Um bom presidente, é aquele que consegue tar sempre nos locais onde é mais desejado e necessário.
Como é que o minino resolvia o problema, se fosse presidente do cova-gala e da junta ao mesmo tempo?

Pra não ser xata, o que na minha idade pode facilmente acontecer, termino como comecei.
Não quero maçar-vos mais...
Fica apenas um conselho ao blogueiro sobre fatiotas.
O Napoleão Bonaparte, durante as batalhas usava sempre uma camisa de cor vermelha.
Sabem porquê?
Se fosse ferido, na camisa vermelha não se notaria o sangue, os seus soldados não se preocupariam e também não deixariam de lutar.
Qual é, agora, o presidente do cova-gala, ou da junta, que veste uma camisa vermelha?
Juízo, minimo, juízo! ...
Olhe minimo, você, nos últimos tempos, tem melhorado o aspecto.
E uma camisinha vermelha fica sempre tão bem!...

Beijinhos desta velha gaiteira
martinha lacerda

(recebida por e.mail)

quarta-feira, 22 de novembro de 2006

Uma reflexão sobre futebol regional

Hoje em dia, não existem na nossa Terra, muitas actividades que ocupem lugar tão central no gosto da população, como o futebol.
Se calhar, porque não existem muitas outras actividade culturais, recreativas e desportivas...
Mas, essa discussão terá de ficar para ocasião mais apropriada.

Contudo, não tem de ser necessariamente um factor negativo, uma Terra vibrar por uma equipa de futebol!..
Ricos e pobres, gente de idades diferentes, de profissões diversas, de gostos desencontrados, podem perfeitamente unir-se pelo interesse pelo futebol da Terra.
Daí que, face à importância que um simples jogo de futebol local assume, talvez seja necessário pensar e redimensionar a importância do futebol nas nossas vidas.

Mas, talvez a melhor maneira de pensar sobre o futebol local, seja a meio da semana, quando a bola pára!..
Trata-se, sem dúvida, de uma reflexão que tem de ultrapassar o momento dos jogos, tendo em conta, porém, que o futebol vai muito para lá daquilo que se disputa dentro das quatro linhas.
Todavia, não se infira daqui, que o ideal é afastarmo-nos dos campos onde se jogam os desafios.
Pelo contrário.
Daí, que a promoção e divulgação que fazemos neste blog ao futebol da nossa Terra, seja exactamente para captar a atenção dos habitantes e levá-los ao campo.
Sem deixar de pensar nisto, vamos em frente.
A este nível, o futebol continua a ser apenas um mero jogo.

Aqui, na nossa Terra, longe dos holofotes do mediatismo, longe dos grandes palcos e das grandes multidões, longe do profissionalismo principescamente pago, existe um outro futebol, com menos qualidade física e técnica é certo, mas, igualmente, capaz de despertar as grandes emoções de um desporto que, também, é rei.
Daí, a divulgação que tem no OUTRA MARGEM, este magnífico espectáculo que é o futebol regional.

trinta anos atrás, quando apenas a televisão nos oferecia as finais da Taça de Inglaterra e da Taça dos Campeões, e nem a maioria dos jogos da selecção nacional eram objecto de transmissão directa, a única forma que grande parte do país tinha de assistir a um jogo de futebol era deslocar-se nos domingos à tarde ao campo (na maioria das vezes de terra batida) da sua terra, e aí vibrar com os golos, as defesas, os pénaltis (assinalados e por assinalar), com a curiosa vantagem de poder falar bem aos ouvidos do fiscal de linha, do treinador e, eventualmente, até poder discutir com ele ou com os jogadores, no dia seguinte à mesa do café, as incidências da partida.
Os tempos mudaram e, ao que parece, isso agora realiza-se nos blogs – o que é pena.

Desde há uns anos para cá, porém, com a exagerada profusão de jogos nos canais da televisão por cabo, com a qualidade dos protagonistas de ligas como a inglesa, a espanhola ou a italiana, o público português (e, isso na nossa Terra também aconteceu) virou as costas ao futebol amador ou semi-profissional.
Aliás, virou as costas a todos os estádios, pois mesmo na Liga principal as assistências são escandalosamente fracas,
Veja-se, para não irmos mais longe, o que se passa nos jogos da Naval em casa!..
O que podem fazer os pequenos clubes como o Cova-Gala perante isto?
Talvez não muito.
Mas, pelo menos, tentar não deixar destruir as suas raízes de base, que sociologicamente se encontram nos despiques entre localidades vizinhas.

terça-feira, 21 de novembro de 2006

O Grupo Desportivo Cova-Gala em Alcochete






Inaugurada em Junho de 2002, a Academia Sporting é o primeiro complexo com esta envergadura e qualidade construído em Portugal. Trata-se da mais moderna e bem equipada estrutura do género na Europa, num lugar tranquilo, com ambiente e clima recomendáveis para a preparação de equipas de futebol. Vocacionado para o treino, estágio e formação, o complexo tem condições e está homologado para competições de futebol adequadas às suas características.
A Academia Sporting caracteriza-se pela privacidade das condições de trabalho, não apenas pela localização escolhida mas também pelos sistemas de vigilância montados com esse objectivo.
Os 250 mil metros quadrados do complexo desportivo são completamente vedados e protegidos por um sistema de vídeo-vigilância e detecção de intrusão. A entrada na Academia é reservada através de um portão com tele-vigilância e uma portaria em funcionamento permanente.
A Academia é o pólo de trabalho de todo o futebol do Sporting, dispondo ainda de instalações para alugar. Está ao serviço da preparação e dos estágios da equipa profissional e de todos os escalões de formação a partir dos 13 anos de idade.
A Academia é um pilar estratégico do Sporting. Proporciona excelentes condições de trabalho aos profissionais, além de ser fundamental para o desenvolvimento da conhecida escola de futebol do Clube e para a formação de talentos, muitos dos quais residem nas instalações
Foi esta magnifica estrutura que, no passado domingo, jovens da Cova-Gala vistaram e ficaram maravilhados.