Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»
A apresentar mensagens correspondentes à consulta Outdoor´s 2009 ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta Outdoor´s 2009 ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 21 de junho de 2016

Outdoor´s 2009 - 7...

Basta de realidade. Venham mais sonhos!
E pronto, durante sete dias, sete, recordámos, sete cartazes de propaganda política, sete, de um político que, na campanha de 2009, usou sonhos caros, sem saber realmente quanto custavam...
Foi apenas mais do mesmo.

Como puderam constatar, é fácil perceber os resultados eleitorais que se verificaram nas eleições autárquicas na Figueira nos últimos 40 anos.
Os eleitores figueirenses são mais facilmente seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas exequíveis ou em obra feita.
É claro que há políticas com mérito, que são mal explicadas, ou cuja “explicação”, ou a falta dela, acaba por ser o seu principal óbice. Contudo, não são tantas como isso, são mais a excepção do que a regra. 
O seu reverso é igualmente verdadeiro, há políticas erradas que uma boa comunicação torna “boas”.
Mas, isso não é sustentável durante muito tempo

Não se esqueçam, portanto, de olhar para os 7 anos, sete, de gestão autárquica do presidente Ataíde e da sua equipa...
O saldo espectacular, que apurariam se se dessem a esse trabalho,  assenta numa fórmula mágica. 
Já testada por outros políticos, é uma fórmula com riscos mínimos. Funciona quase sempre  e pode ser aprendida em pouco tempo de poder...
A separação de águas, que se verifica - e é visível - no seio do poder político, na Figueira, entre o PS local, e quem manda na câmara, foi feita à custa da exclusão do partido.
É típica de políticos da "escola" tipo Cavaco Silva.

Ao PS figueirense ficou entregue a  agenda menor, ligada à partilha do pequeno poder pessoal e à dádiva de um ou outro tacho partidário  - a entrada, neste segundo executivo liderado por Ataíde, do jotinha Portugal à frente de António Tavares, explica-se por ter tido tudo a ver com isso...
Daí, a  gestão da câmara ter perdido dimensão e condução política,  neste segundo mandato de João Ataíde.
Eu, se fosse a V. Exas., nem perdia mais tempo a ler este blogue cuja memória só serve para recordar coisas da treta...
Basta de realidade. Venham é mais sonhos!

Nota de rodapé.
Continuação daqui, daqui, daqui, daqui daqui e daqui.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Outdoor´s 2009 - 1...

Basta de realidade. Venham mais sonhos! 
Durante sete dias, sete, vamos publicar, sete cartazes de propaganda política, sete, de um político que usou sonhos caros, sem saber realmente quanto custavam...

Na democracia figueirense, ao longo dos últimos 40 anos, tem valido tudo - até compromissos - para os políticos alcançarem o poder.
Depois de lá estarem, renegam as promessas feitas...
E não é que continuam a merecer o apoio dos eleitores?..

Anos atrás, houve um presidente de câmara local, que deixou uma frase que ficou célebre e que retratava a forma como os figueirenses sempre gostaram de ser tratados. 
"Um pão numa mão. Um pau na outra. Dar a cheirar o pão na mão e, com a outra, dar porrada com o pau..."
Este presidente deu-se bem com a teoria: fez 3 mandatos, três...
"Os figueirenses nem de porrada são fartos..."
Só se perderam as que caíram no chão!..

Ao contrário do que muitos julgam, é fácil perceber os resultados eleitorais que se verificaram nas eleições autárquicas na Figueira nos últimos 40 anos.
Os eleitores figueirenses são mais facilmente seduzidos por sonhos do que por mensagens baseadas em promessas exequíveis ou em obra feita.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

sábado, 18 de junho de 2016

Outdoor´s 2009 - 4...

Basta de realidade. Venham mais sonhos! 

Mais de sete anos, 7, decorridos, está provado que não se recolocam coretos só com promessas eleitorais...
Uma coisa, é o que os políticos dizem que querem fazer nas campanhas eleitorais. 
Outra coisa, é o que os políticos realmente querem fazer depois de ganharem as eleições.
Se duvidas ainda existissem, João Ataíde, desde 2099, aí está para o provar.
Mas, esta "estória" do coreto, politicamente, tem contornos mais profundos...

Muitos de nós recordam-se certamente da música a emanar do coreto do jardim municipal rodeado de gente ávida de a ouvir. 
Era assim, de forma simples e acessível, que a música e a cultura chegava aos figueirenses. 

E hoje, como é? 
Hoje, há concertos no CAE para elites que os podem pagar. Há iniciativas elitistas na Biblioteca Municipal, para os políticos se mostrarem em "traje de luces" para o social... 
Pobre gente e pobre social!
Entretanto, a falta do coreto faz imenso jeito aos que se vão demitindo de mais uma das suas funções: tornar acessível de forma simples a cultura ao Povo...
Ter um povo descontraído e alarve dá muito jeito.

Longe vai o tempo em que a devolução do coreto constava das promessas eleitorais do actual presidente, João Ataíde. Longe vai o tempo, da promessa de concretização, assegurada pelo então vereador do pelouro do Ambiente, António Tavares, da requalificação, na altura ainda “em esboço”, que iria desembocar num projecto que “incluiria o coreto e um coberto vegetal que garantiria alguma intimidade, mas sem perturbar a segurança de quem procura o jardim”.

Nota de rodapé.
Continuação daqui, daqui e daqui. Continua...

sexta-feira, 17 de junho de 2016

quinta-feira, 16 de junho de 2016