.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

A culpa deve ter sido do clio...

Se um gajo se habitua a andar de Clio, tem de ter um bom telemóvel e roupa de marca para compensar. 
Ou personalidade. 
Hoje em dia, uma personalidade como esta, é sobrevalorizada. 
A suspensão do Clio é duríssima. 
Eu, fiquei apanhado da coluna... 
Tive de fazer piscina e  fisioterapia...
Fiquem bem. 
Até 2016.

Para quem merecer, bom 2016...

O tempo é fugaz! 
2015, daqui a pouco, será passado. 
Ficou para trás.
2016, o novo ano, já é o desejado...
Se dependesse de mim, no próximo ano, todos os portugueses e portuguesas, que o merecessem, teriam muito amor, muita saúde, muita cultura, poucos bancos a chateá-los e algum trabalho...

E, sobretudo, um amigo como o do Sócrates...
Como nada disto depende de mim, façam como eu.
Procurem ser felizes. 
Tendo saúde, é possível viver com pouco dinheiro, ser velho, gordo e enrugado e feliz ao mesmo tempo!..

Goodbye 2015

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

"Manifestação de solidariedade e de indignação."

TEXTO DA COMUNICAÇÃO ENVIADA NO DIA DE NATAL DO ANO DE 2015 (EM 24.12.2015), POR ALFREDO PINHEIRO MARQUES, DIRECTOR DO CENTRO DE ESTUDOS DO MAR (CEMAR), PARA O MESTRE POVEIRO DO BARCO "JESUS DOS NAVEGANTES", QUE NAS VÉSPERAS DESSE DIA DE NATAL (EM 21.12.2015) FOI ACUSADO E CONDENADO, PELO ESTADO PORTUGUÊS, EM COIMBRA, POR UM CRIME QUE NÃO COMETEU:


Figueira da Foz, 24.12.2015

ASSUNTO: manifestação de solidariedade e de indignação.

Exº. Senhor
Francisco Fortunato
M.I. Mestre do barco da Póvoa de Varzim
"Jesus dos Navegantes":

Escrevemos agora a V.Exª. em 24.12.2015, três dias depois de V.Exª. ter sido acusado e condenado, pelo Estado português, nas vésperas do dia de Natal, por um crime que não cometeu.
Escrevemos para lhe manifestarmos a nossa solidariedade e para lhe comunicarmos a nossa disponibilidade para, daqui para a frente (para sempre, no Futuro), continuarmos a acompanhar especialmente, e continuarmos a documentar exaustivamente (no nosso Arquivo e Centro de Documentação, e na futura divulgação pública das matérias que investigamos, documentamos, e publicitamos), o caso de V.Exª.: o naufrágio do pequeno barco "Jesus dos Navegantes" na barra do porto fluvial da Figueira da Foz em 25.10.2013 (na mesma barra onde, antes disso, já tinham naufragado outras embarcações… e, depois disso, ainda vieram a naufragar mais…).

Acompanhar, e documentar. Até que nesse caso seja feita Justiça. E mesmo depois de tal Justiça ser feita (para memória e exemplo futuro, nacional e internacionalmente).

Em primeiro lugar, lamentamos o infortúnio de que foram vítimas em 25.10.2013 V.Exª. e os seus sete (7) companheiros, com a tristeza então da perda de quatro (4) vidas — quatro companheiros desaparecidos para sempre, mortos ao lado de quem com eles também naufragou, exactamente nas mesmas circunstâncias de perigo e de segurança… Um infortúnio e uma tristeza que, infelizmente, deverão ficar com certeza para toda a vida, e que só não é capaz de verdadeiramente avaliar, ou sequer imaginar, quem lá não anda, nem nunca lá andou, e acha que lá não vai ter que andar nunca (e, por isso, pode achar que tudo se resume somente ao formal cumprimento de processualismos rotineiros, e a mediática afirmação de imagens públicas).

Mas é claro que, conhecendo, como conhecemos, a situação concreta do porto da Figueira da Foz (que está à vista de toda a gente, e que ninguém pode pretender fingir ignorar…), mais lamentamos a incapacidade técnica, científica, política, cívica e administrativa, por parte da entidade Estado português — uma incapacidade reiteradamente demonstrada, desde 1913, desde 1966, e desde 2008 —, para conseguir assegurar a construção (bem localizada) e, por isso, para conseguir assegurar a manutenção (bem desassoreada) de uma instalação portuária digna desse nome (e destinada não somente para cargueiros de transporte das fábricas de celulose, mas também para barcos pequenos, de pesca e de recreio…!) na região da cidade da Figueira da Foz e da enseada de Buarcos.

E, sobretudo, lamentamos que, nestas circunstâncias, sem que o verdadeiro problema seja resolvido (e sem que ninguém, ao que parece, tenha a iniciativa de por ele apresentar qualquer acusação), não somente aconteçam os previsíveis (e previstos) naufrágios (sete [7] naufrágios, com onze [11] mortes, em cinco [5] anos…) mas também, para além disso, os próprios náufragos sejam perseguidos com acusações judiciais (…!), assim se deixando ficar esquecida a matéria principal do que verdadeiramente está em causa…! Como é possível…!?

A entidade Estado português — que, agora, por último, em 2008-2010, aumentou e inflectiu em mais quatrocentos (400) metros o molhe norte do porto fluvial da Figueira da Foz… — não pode alegar ignorância ou desconhecimento destas matérias, pois foi publicamente alertada para a gravidade do que se propôs fazer (e que, mesmo assim, quis fazer… e fez…).

Os verdadeiros especialistas, que são os pescadores como V.Exª. (e, mais ainda, os pescadores originários da própria Figueira da Foz, que melhor conhecem esse mar e esse porto), logo avisaram, muito atempadamente. E até o maior dos ignorantes sobre matérias práticas de navegação, o autor destas linhas, cuja modéstia dos conhecimentos operacionais de navegação é evidente (pois nasceu muito longe do Mar, lá para os lados da Serra da Estrela… e é um simples investigador universitário de História da Cartografia Náutica e Descobrimentos…), avisou atempadamente, em 2006 e 2008, que a situação que estava a ser criada iria ser catastrófica ("… uma situação que poderá vir a ser desastrosa para os pescadores e os iatistas, e ruinosa para o futuro das pescas e da marina de recreio…"). Mas, mesmo assim, o Estado fez essa obra.

Agora, até as televisões já sabem, e noticiam, que "A Barra da Figueira da Foz é ArmadilhaMortal para os Pescadores"… (RTP, 30.10.2015). Quem é que não sabe…!?    

O nível de especialização e de competência reinantes no Estado português, sobre matérias específicas de administração portuária, está hoje em dia exemplarmente patente, sobretudo, no caso do porto da Figueira da Foz. Lamentamos que V.Exª. e os seus companheiros tenham sido em 25.10.2013 vítimas desse nível de especialização e de competência — um nível que, de facto, não é de hoje, e já vem desde há muito tempo (pelo menos, desde 1913, 1966, e 2008). Agora, em 2015, está só patente de maneira mais escandalosa e mais inadmissível do que nunca (e, por isso, ridiculamente ilustrativa do que tantas vezes acontece no Estado português e nas respectivas nomeações políticas). Mas este tipo de assunto não é para rir, e sim, infelizmente, para chorar.

Reafirmamos a nossa solidariedade e a nossa indignação. E a nossa disponibilidade para acompanhar esta matéria até que nela seja feita Justiça. E desejamos que, apesar de tudo, se possível, V.Exª. e os restantes náufragos sobreviventes possam ter, neste Natal do ano 2015, (apesar de nele renovada a tristeza do Natal de 2013…), as possíveis festas felizes, e o possível Bom Ano Novo de 2016, que se avizinha, e no qual é necessário encontrar a força para continuar.

Aceite os melhores cumprimentos, e votos pessoais.

Director do Centro de Estudos do Mar - CEMAR

À boleia da opinião figueirense que vale a pena...


"...Do outro lado estão os que se deixaram tentar, se acomodaram, se tornaram beneficiários do sistema, instalaram-se, elevaram-se à sua sombra e passaram a opinar de barriga cheia, rebuscando argumentos contraditórios, vivendo em permanente revogabilidade. Muitas vezes com inteligência. Tornaram-se na espécie mais perigosa de todas: o inteligente mal-intencionado. “Quem não tem caráter, não é homem, é coisa”. Nicolas Chamfort."

Eng. Daniel Santos, hoje no jornal AS BEIRAS, na sua habitual crónica das quartas-feiras. A última de 2015.

Protagonistas figueirenses

Para ver melhor, clicar na imagem

Tomem e embrulhem...


Quem vos manda atirar bocas foleiras sobre o futebol. Tipo, insinuações sobre interesses, dinheiro, enfim, a transparência daquilo tudo ...
Aprendam, de uma vez por todas,  o que verdadeiramente vos interessa...
Portugal vai ter novamente futebol em dia de eleições!
Depois da polémica dos jogos de futebol em dia de eleições legislativas - 4 de outubro foi a primeira vez em democracia que tal sucedeu (e a abstenção bateu novos recordes) -, a história vai repetir-se. 
A 24 de janeiro, data em que os portugueses vão às urnas eleger o mais alto representante do Estado, haverá futebol.
Em comunicado ontem divulgado, a Liga anuncia que estão agendados três encontros para o dia das presidenciais. Trata-se dos seguintes jogos da 19ª jornada. Para que nada vos falte, ficam os jogos e os horários:
16h Belenenses-Vitória de Guimarães
18h15 Braga-Rio Ave
20h30 FC Porto - Marítimo
Ainda não perceberam quem manda na "quinta"?..

E as dunas do Cabedelo?..

foto António Agostinho
Neste post, mais uma vez, alertava para o que estava a acontecer:


foto António Agostinho
"...todos os dias está a ser cometido um crime ambiental nas dunas do Cabedelo.
Tal está a acontecer, desde que, há mais de 2 anos, quem de direito, deixou chegar a protecção em madeira que segurava as areias das dunas, rente à estrada, entre o campo de futebol do Grupo Desportivo Cova-Gala e o Cabedelo, ao desleixo que pode ser constatado, clicando aqui.
A partir daí, todos os dias, várias pessoas vão retirando areia, que ficou à mão de semear: é só encostar o carro e carregar.
As areias roubadas às dunas do Cabedelo devem servir para diversos fins e utilidades: desde encher chouriços, até às gaiolas dos pássaros e, claro, passando pela construção civil...
Como sabemos, as dunas constituem um ambiente frágil, que se move em função dos ventos. Qualquer mudança no ambiente, numa zona sensível como o Cabedelo, causa danos irreversíveis. Quem de direito tem de conseguir que parem de tirar areia das dunas do Cabedelo. O problema ambiental, naquele local da freguesia de S. Pedro, já é enorme, como a foto demonstra, pelo que dispensa o contributo do homem.
Para que conste e por ser verdade, sublinho que todos os dias – e garanto que várias vezes ao dia – o local é alvo de "visita" por brigadas da GNR e da Polícia Marítima. No verão, durante o dia, a PSP foi presença quase permanente no local."

Entretanto, continua tudo na mesma. 
A protecção em madeira está cada vez mais degradada e ninguém se continua a importar que a areia continue a ser retirada. As viaturas continuam a encostar e a carregar...
E o mar não está para brincadeiras...

Uma dúvida a dois dias do final de ano...

Paulo Portas já compreendeu o óbvio.
Passos Coelho é de compreensão a vapor, ou não tem onde cair morto?

Em tempo.
"Todas as coisas têm um tempo e há um tempo para tudo e só Pedro Passos Coelho, agora só meia coligação-aventesma depois da declaração de independência de Paulo Portas, continua como se nada fosse, como se nada tivesse acontecido, sem perceber que cada dia que passa é mais um dia na memória do tempo que já passou e que corre contra ele e sem que ninguém no partido lhe diga que os regressos não se fazem no activo, como muito bem o sabe o seu ex-parceiro de coligação."

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

O mar volta a atacar orla costeira na Cova (2)

foto  António Agostinho

Ontem, como alertámos aqui, o mar esteve mais revolto por estas bandas. 
Em consequência disso, as dunas de S. Pedro levaram uma valente "sova"
As fotos, que podem ser visionadas clicando aqui,  falam por si, pelo que me escuso a mais palavras a "quem de direito"...

Para ser sincero, gostei: "salve-se quem puder, deve ser o mote de 2016 e dos próximos anos."

O militante e vereador PS, AntónioTavares, hoje nas BEIRAS, escreveu esta pérola. Passo a citar:
"É pouco provável que o mundo mude muito no próximo ano. Qualquer vidente pode fazer sua esta afirmação que não errará. Continuaremos a ter desigualdades e dificuldades acrescidas. O petróleo desce agora, mas subirá entretanto, idem para as taxas de juro, o défice, as exportações, o consumo público e privado, a inflação. A economia “aquece” e “arrefece”. É dos ciclos e, dentro dos ciclos, ciclos há. No final deste ano, o sistema financeiro voltou a demonstrar as suas debilidades, mas, vá lá saber-se porquê, tudo nos soa agora a desconfianças de outra ordem: éticas, de honestidade e rectidão. Parece-me que nunca tantos desconfiaram de outros tantos. O laço de confiança que John Locke achava necessário ao progresso das sociedades está hoje desfeito. O que é bom para a sociedade é bom para os indivíduos, pensava o filósofo. Ora, o individualismo invadiu de tal forma o espaço coletivo que o suplantou. Esquecemos o bem coletivo e o interesse público. Ficamos ardilosamente agarrados ao que é bom para cada um, ou para os seus interesses corporativos ou institucionais. Mesmo o interesse de classe desapareceu. O contrato social rasgou-se. Depois do poder político, agora nem o poder judicial nem o chamado quarto poder, a comunicação social, são merecedores de confiança. Salve-se quem puder, deve ser o mote de 2016 e dos próximos anos."
Em tempo.
A teoria da Relatividade diz que nada é instantâneo. 
Não sei se será bem assim, pois o Nescafé, aí está para a contrariar. 
Conheci, em tempos, o actual militante e vereador socialista.
Verifiquei que, a partir de 2009, desde que passou a vereador executivo inovou. 
Verifiquei, quatro anos depois, em 2013, que desde que passou a militante do PS, inovou ainda mais... 
Esta crónica, fica-lhe a matar. Aliás, neste momento,  quase tudo lhe fica a matar.
Não esperava é que conseguisse ser assim, como dizer...  tão fashion whore.

O mar volta a atacar orla costeira na Cova

Foto Pedro Agostinho Cruz

Hoje, às 17 horas, hora da preia-mar, era este o cenário em S.Pedro.
Segundas as previsões esta semana a situação poderá agravar-se.

Ponto final?

Será magia!.. 
Pensava que Portas seria imortal na presidência do CDS!..
Apercebo-me agora: em menos de um mês, estou a assistir  à irreversível partida de um colosso da política nacional. 
Agora, sim, passei a  acreditar que, mesmo politicamente, toda a gente morre. 

Em tempo.
"O líder do CDS-PP na última década e meia terá já comunicado aos companheiros de partido que não irá recandidatar-se à presidência dos democratas-cristãos. Paulo Portas deverá ainda abandonar a vida no parlamento".
Será que não o espera um grande tacho na Europa?..

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Marcelo Rebelo de Sousa

PS lembra que PSD de Marcelo votou contra Lei de Bases do Serviço Nacional de Saúde...

Depois do candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa ter dito que sempre apoiou o Estado Social e votou a favor da Constituição de 1976 que o defende, o PS veio lembrar que o partido que já foi presidido por aquele político, o PSD, votou contra a Lei de Bases do Serviço Nacional de Saúde em 1979.

Quim Barreiros, já foste...


Alteração a Código Penal em agosto passou despercebida. 
Piropos já são crime e dão pena de prisão até três anos...
Lá conseguiram acabar com a música pimba!..

Portanto (e concluindo rapidamente porque começo a ficar enojado, quando esta gente vier falar dos preguiçosos que vivem de subsídios vários, do esforço e do valor pessoal como motor para conseguir emprego e etc. e tal, pensem e digam como eu...): vão dar banho ao cão...

foto sacada daqui
Conheci um tipo que se julgava tão artista, tão artista, tão artista, mas tão artista, que teve de deixar de andar de bicicleta. 
Não foi fácil, mas teve mesmo de ser, pois cada vez que, ao andar de bicicleta, fazia uma fractura, esta, era exposta...

Imperdível, porque é necessário conhecer a anatomia da fraude...

para ver melhor clicar na imagem

Como os bancos destruíram 40 mil milhões, debaixo do nosso nariz!.. 
A ler...

A única cena que realmente me vai lixar, quando morrer, é não poder voltar à Figueira pelo Natal...

Em tempo: "O lacinho", de Rui Beja.
"Um nó e duas pontas encarnadas; cada um dos Plátanos, Choupos, Olaias, Palmeiras e Eucaliptos do Jardim Municipal da Figueira da Foz tem direito a um laço natalício; durante a época festiva, temos o Jardim Natal...
Casinhas de docinhos, travessuras, abraços, insufláveis, selfies, carrocel, Pai Natal, artes, ténis, origami, farturas, castanhas, pipocas, face paiting, simulador de kart, Presépio, animais reais como o burro Batatinha e a cabra Riscada, etc, etc; o jardim transformou-se num paraíso para a criançada e para as suas plantas, flores, arbustos e árvores, em júbilo com os lacinhos e os cogumelos artificiais que decoram os seus troncos e ramos.
Os figueirenses têm acorrido em massa a este Eldorado de felicidade, mas, curiosamente, a mim só me ocorre uma quadra do poema de Miguel Torga, Só eu Sinto Bater-lhe o Coração: Dorme a vida a meu lado, mas eu velo. (Alguém há-de guardar este tesoiro!) E, como dorme, afago-lhe o cabelo, Que mesmo adormecido é fino e loiro.
Há pelo menos duzentos anos que esta tristeza endémica dos portugueses é atribuida à irrealidade do seu carácter, ao choque entre a miséria nativa e o convencimento de que somos um povo superior, ao saudosismo da glória passada, à esperança vã de que regressará o encoberto e o quinto império...
Mais: Unamuno, no seu Portugal Povo de Suicidas, sentencia: Portugal é um povo triste, até mesmo quando sorri. A sua literatura, inclusive a sua literatura cómica e jocosa, é uma literatura triste. Portugal é um povo de suicidas, talvez um povo suicida. A vida para ele não tem um sentido transcendente. Querem viver, sim, talvez; mas para quê? Mais vale não viver.
Os figueirenses parecem querer alterar o rumo da história procurando a felicidade na casinha das travessuras, no burro Batatinha ou nos workshops de origami; tudo isto é uma irrealidade... Bem melhor que o poema de Torga: Dorme a vida a meu lado, mas eu velo. (Alguém há-de guardar este tesoiro!)."

domingo, 27 de dezembro de 2015

É mais difícil apreciar as coisas simples da vida, do que conquistar as mais complicadas...

foto António Agostinho

Temos janeiro de 2016 à porta...

POLÍTICA (previsão...)
Um dos símbolos da Presidência, o Bolo-Rei, será substituído pela Tosta Mista em Pão de Forma Aparado...  

“Na roça com os tachos”, uma série em exibição na Figueira há 40 anos...

Ontem, publiquei este post.
Para quem não entendeu, basicamente, resume-se nisto.

Na Figueira, a seguir a Abril de 1974, primeiro foram os jotinhas da direita (leia-se, do PSD...) que tiveram de fazer-se à vida por outras paragens. Depois, em 1997, veio o Santana e, durante 12 anos, foi a vez de os jotinhas da esquerda (leia-se, PS...) se fazerem à vida por outras paragens (Condeixa, Poiares, Lisboa....)
De 2009 para cá, com a vitória de Ataíde, os jotinhas de direita viram a vida a andar para trás – isto é, recuaram ao depois do 25 de Abril de 1974...
Ironia do destino: ao que parece, cá pela Figueira, são os jotinhas da direita (leia-se do PSD...) que têm de fazer-se à vida e sair da zona de conforto...

A Figueira não para de nos surpreender.
Tendo em conta a política dos últimos 40 anos em Portugal, pensava eu, na minha santa e feliz ignorância, que os jotinhas ideologicamente mais próximos eram os PS e os do PSD, mas é óbvio, verificando o caso figueirense, que é muita burrice minha pensar nisso assim.

Por aqui, a ideologia não deixa de ser muito linda, seja à esquerda (leia-se PS...), seja à direita (leia-se PSD...). Porém, quando começa mais uma sessão do programa, velho de 40 anos, “na roça com os tachos”, aí é que o caldo entorna mesmo.
Fico à espera dos próximos capítulos...  

sábado, 26 de dezembro de 2015

Aquilo que fazemos conta. E aquilo que deixamos por fazer também...

Em outubro passado, devido à desgraça que abalou a sociedade figueirense com o naufrágio à entrada da barra do Olivia Ribau, ficámos a saber que a estação salva-vidas da Figueira da Foz "fecha às 18 horas", dado que os seus funcionários "têm o regime normal da função pública como qualquer funcionário de secretaria".
Alguém sabe se esta situação, entretanto, sofreu alteração?..

Nos últimos dias ficámos a saber que, desde 2013, não havia equipa de neurorradiologia e que, a partir de 2014 também de cirurgia neurovascular a operar aos fins-de-semana nos Hospitais de São José e de Santa Maria. Ficámos ainda a saber que o Ministério da Saúde foi indagado sobre este facto também desde 2013, pelo BE, e que o DN falou no assunto no início deste ano.

Tanto no caso ocorrido na Figueira, como no caso de Lisboa, morreram pessoas. 
Tudo isto é demasiado mau, demasiado grave, demasiado triste, demasiado assustador. E tudo isto tem a ver com os portugueses e a sua responsabilidade colectiva.  

E o tempo a voltar para trás...

Uma notícia lida na edição de hoje do diário AS BEIRAS.
Título:Contratada autarca socialista  através de convite único
Texto: "A Câmara da Figueira da Foz contratou os serviços de uma psicóloga para apoiar a estrutura solidária Empresários Pela Inclusão Social, de que a autarquia é parceira, através de convite único. O vereador do PSD Miguel Almeida questionou, na reunião de câmara, o executivo camarário (PS) sobre esta contratação que excluiu outros potenciais candidatos, tendo obtido como resposta que a escolha recaiu na autarca socialista devido ao seu currículo. Trata-se de um elemento da Assembleia de Freguesia de Tavarede".

Em tempo.
Retornámos a um ponto já vivido na Figueira.
Pouco depois do 25 de Abril de 1974, até 1997, na Figueira, quem teve  dúvidas acerca do PS passou mal...
Depois, nos 12 anos que se seguiram a 1997, quem teve dúvidas acerca do PSD de Santana Lopes, passou mal...
A seguir a 2009 e até aos dias de hoje, quem teve dúvidas acerca do PS, voltou a passar mal...
É fácil de presumir, portanto, que do ponto de vista moral, certamente que a autarca socialista, pelo seu currículo, não vai ter dúvidas em aceitar o convite para trabalhar na Câmara da Figueira, como psicóloga. 

A função do verdadeiro jornalista é, precisamente, divulgar o que corre mal, já que aquilo que corre bem é, em termos noticiosos, um não-acontecimento. 
Os políticos locais, tal como eu, sabem  que os figueirenses são, por educação e temperamento, servilmente apáticos e muito respeitadores.
Um dia, talvez a Figueira venha a servir como case-study para quem quiser investigar como se destruiu uma cidade e uma paisagem única.
Se ainda fossem vivos, Aguiar de Carvalho e Duarte Silva poderiam proporcionar dos mais esclarecedores e probantes depoimentos sobre a matéria. Mas, desse tempo, ainda existe muita gente que foi protagonista activo no processo em condições de explicar muita coisa.
Mas, nem isso já deve interessar. É tarde. Para a Figueira e para os figueirenses.


Quem alguma vez se tenha debruçado sobre a etologia do intelectual béu-béu figueirense, vulgo guarda-portão, sabe que lema inspira a intervenção pública deste tipo de animal: forte com os fracos e fraco com os fortes
Esta fauna, sempre necessária à oligarquia do momento, é tão velha como o mundo e define-se pela aplicação sofistica e mercenária que dá à sua mioleira. As suas cabecinhas pensadoras, registam e estão sempre prontas a apontar os crimes dos pequenos e a silenciar ou desculpar os dos grandes.
Embora formado num niilismo moral muito prático e rentável, o béu-béu não gosta que lhe lembrem o seu cinismo.  É  fácil vender a “alma”;  difícil é admitir que se a vendeu. 
Daí que o intelectual béu-béu  deteste  quem  lhe lembre a humanidade e o direito dos fracos.  
Daí, que as mais encarniçadas acusações a Robin Hood tivessem vindo de antigos “companheiros de luta”, de trânsfugas ao ideal de justiça que na juventude os levara à floresta de Nottingham. 
Só esse mecanismo de auto-defesa (que de intelectual, em rigor, pouco tem) explica a inaudita sanha que os béu-béus costumam reservar para quem aponte o dedo ao seu dono.
Entendem eles - e bem - que a crítica ao dono é extensível ao jeco.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Feliz Natal...

...de preferência, sem BANIF´s no sapatinho...

É isto o Natal (II)

Ter isenção e desportivismo para saber reconhecer que, para além do meu Sporting, existem outros clubes grandes que nos proporcionam grandes momentos.
Isto, também pode ser Natal.
Convém que fique devidamente registado e seja celebrado, pois os resistentes ao desporto encarado como um negócio, estão cada vez mais em minoria e encurralados pela ditadura do futebol espectáculo, que tudo devora e consome...
Isto, vai para além da clubite. 
Vejam o vídeo até ao fim e não se vão arrepender.
É assim a realidade desportiva, neste caso o futebol, neste final de 2015 - em pleno século XXI - em Cabo Verde, África.

É isto o Natal

Foi fixe ter sido criança no final dos anos 50 do século passado.
Não havia dinheiro para comprar os brinquedos, pelos que tínhamos de os inventar nós próprios, os putos desse tempo.
Lembro-me do arquinho, do carrinho com rodas de cortiça, do peão, dos campeonatos na areia com a "crica" da cerveja e das laranjadas, dos carrinhos de rolamentos e das trotinetes e da trapeira.
Recordar a vivência num mundo infantil, num período histórico de Portugal, em pleno Estado Novo e, ainda, a mais de 20 anos da Revolução de 25 de abril de 1974, significa reviver memórias e vivências da época dos avós, memórias e vivências  relacionadas com a escola, os brinquedos, os jogos, as leituras, mas sobretudo a brincadeira.
Tanto quanto consigo retornar ao meu olhar de criança, no seu contexto e espaço temporal, é recordar a história de uma Cova e Gala dessa época - uma Aldeia com muita areia, sem esgotos, sem água canalizada e sem luz em casa
Tentar entender o meu universo infantil é retratar uma criança rodeada de amor: pelos meus pais e pelas avós. 
Infelizmente, os meus avôs morreram cedo, um - o materno, o meu avô Domingos Marçalo - não cheguei a conhecê-lo; o outro, - o meu avô Manuel Agostinho da Barbeira - casado com a minha avó Carmina, lembro-me sobretudo da noite da sua morte, teria eu na altura 5 ou 6 anos. 
Através do tempo, o crescimento de uma criança como eu, ficou marcado pelo que bebi no seio da minha família, onde eram naturais valores como a seriedade, a honra e o compromisso, testemunho aliás natural da cultura de uma Aldeia e de uma época.
Esta crónica do Rui Curado Silva, acabadinha  de ler no jornal AS BEIRAS, permitiu-me, por breves momentos, revisitar o meu mundo infantil e recuperar memórias antigas, nesta véspera de Natal de 2015, um Natal diferente dos 61 que já vivi... 

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

A coerência da muleta laranja...

Há, apenas, um mês "Passos avisou Costa que devia demitir-se quando fosse preciso o apoio do PSD e CDS".
Como se viu hoje, as notícias sobre a morte do arco da governação eram manifestamente exageradas.
Foram, igualmente, manifestamente exageradas as notícias que davam como extintos os partidos de protesto...
Aliás, esse "arco do contra" viu-se substancialmente reforçado, com a aderência do CDS, o partido de Paulo Portas, o maior e o mais bem sucedido contorcionista do circo político em Portugal, nos últimos 20 anos.
Pelo que consigo perceber, neste momento, não é propriamente Costa o mais aflito...
Vou citar um que se fosse deputado PSD tinha vontade contra...
Escreveu ele: "ainda bem tenho o PCP para defender os meus interesses."

Não sei se estão a ver o risco do ridículo que os portugueses estavam a correr?..


Ainda bem que o tempo parece estar a mudar para o frio, quando falta um dia para a véspera de Natal. 
Com o calor que, por esta hora, ontem, ainda levava pessoas à praia do Cabedelo, para que iriam servir as mantas polares, os cachecóis, as luvas e as pantufas que, meio mundo, costuma oferecer na noite de Natal?..
Boas Festas.

Iluminação de Natal na Figueira é aquilo que acontece uma vez por ano para lembrar aos figueirenses que a vida podia ser bem pior: ficámos com a diferença entre ter isto e não ter nada...

“Contratualizámos uma coisa e apareceu outra.
 Foi a diferença entre ter isto e não ter nada”
Na reunião camarária realizada na passada segunda-feira, (até) o presidente da Câmara da Figueira da Foz se mostrou insatisfeito com as iluminações de Natal na cidade, contratualizadas pela autarquia. 
Consequente,  espera uma redução do preço acordado com a empresa responsável. 
“Não estamos satisfeitos com o trabalho que foi prestado, começou um pouco tarde. Não foi um trabalho meritório, longe disso e muito longe do que tinha sido acordado, penitenciamo-nos que não tenha corrido conforme pretendíamos”, disse o autarca. 
João Ataíde apontou que houve “violação do contrato” no prazo e na qualidade dos artefactos. E frisou que, caso a autarquia optasse pela denúncia do acordo, a cidade ficaria sem iluminações de Natal. “Contratualizámos uma coisa e apareceu outra. Foi a diferença entre ter isto e não ter nada”.
"Quem acorda para as iluminações de Natal em fim de outubro 
não pode estar a espera que as empresas tenham material disponível”
A questão das iluminações de Natal dominou grande parte do período antes da ordem do dia da reunião municipal e mereceu diversas críticas por parte da oposição  Somos Figueira. “Isto correu mal e a culpa é desta empresa que não cumpriu? A culpa é dos senhores. Quem acorda para as iluminações de Natal em fim de outubro não pode estar a espera que as empresas tenham material disponível”, acusou o vereador do PSD Miguel Almeida. 
“É a mesma coisa que comprar um bilhete para a Liga dos Campeões na antevéspera do jogo. Ou não vai ou então custa um balúrdio”, afirmou ainda o vereador da oposição, apontando outras falhas, entre elas “iluminações desligadas à noite”.

É isto um país civilizado?..

Há mais de dois anos que o problema da falta de assistência em neurocirurgia aos fins de de semana nos hospitais de Lisboa se arrasta. Falhas que levaram agora à morte de um homem de 29 anos, depois de três dias à espera de uma operação a um aneurisma cerebral no hospital de São José. Ontem, o presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e os administradores hospitalares de S. José e Santa Maria apresentaram a demissão em bloco, queixando-se dos cortes orçamentais e por não terem conseguido responder ao caso de David Duarte. O Ministério da Saúde e a Inspecção Geral das Actividades em Saúde já abriram investigações.

Em tempo.
1. A namorada de David Duarte, Elodie Almeida, de 25 anos, estava com ele quando surgiram os primeiros sinais. Colocou em palavras escritas aquilo que não conseguiu contar ao Expresso de viva voz. É um testemunho raro. Ler aqui 
2. "O Hospital de São José poupou para o BANIF, para o BES, para o défice, para agradar a Bruxelas e aos mercados. E falhou naquilo que é a razão da sua existência. Morreu um rapaz. Há gente a morrer porque o dinheiro dos nossos impostos é desviado daquilo que seria suposto que esses impostos pagassem. Não me venham com a lengalenga que tem que ser, que se não for assim será ainda pior. Não há pior do que isto. As nossas prioridades enquanto comunidade que vamos deixando de ser estão completamente invertidas. Esta palhaçada tem que acabar e já." - Filipe Tourais

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Um frase que, na boca de Passos, basicamente serve para tudo...

"Não foi possível porque a realidade é o que é" -  
Pedro Passos Coelho sobre BANIF em 22 de Dezembro de 2015... 

Estou farto de gente sem VERGONHA na cara!

Hoje, quase todos os Jornais tentam adivinhar quanto nos vai CUSTAR, a TODOS nós, a solução do problema BANIF.

Confesso que já não me interessa conhecer o número em euros. É-me indiferente. Perdemos MUITO mais do que isso. Acima de tudo, perdemos a DIGNIDADE de um Povo que deixa IMPUNES os responsáveis!

Tudo o que, esta manhã se sabe, sobre o tema:
1) O problema ocorreu por, mais uma, INCOMPETÊNCIA do Banco de Portugal;

2) O problema estava perfeitamente IDENTIFICADO em Março de 2014 e a solução desenhada há UM ano atrás;

3) A anterior Ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, em conivência com o anterior Primeiro Ministro, Pedro Passos Coelho, decidiu ESCONDER o problema para DEPOIS das Eleições;

4) O Governador do Banco de Portugal foi RECONDUZIDO no cargo, não para continuar o processo de venda do BES (como foi anunciado), que não aconteceu, mas sim para ser CONIVENTE no ENCOBRIMENTO de mais este CRIME;

5) A Administração do Banco (TODOS os seus elementos) foi mantida em funções, NOVE meses de Ordenados e Benefícios ABSURDOS, em troca da ajuda ao ENCOBRIMENTO do CRIME.
Agora, foi preciso, em DOIS dias, inventar uma solução apressada, quando se houvesse um mínimo de coragem, honra e dignidade em algum, qualquer um, dos membros do anterior Governo, da Administração do Banco de Portugal ou da Administração do BANIF, teria havido 12 (DOZE) meses para resolver o problema.

O tema de debate de toda a semana vai ser: “quanto custa o BANIF aos contribuintes?" (nós TODOS). Repito: É-me indiferente! Perdemos MUITO mais do que isso.
Acima de tudo, perdemos a DIGNIDADE de um Povo que deixa IMPUNES os responsáveis!
E, pelo menos a dois deles (Carlos Costa e Maria Luis Albuquerque) vamos continuar a PAGAR os Ordenados e Benefícios para o resto da vida.
Quando ACABARÁ este pesadelo?

Carlos Paz, professor de economia 

Já que estamos numa de vídeos, vejam este sobre os que andam a mamar da gamela...



Em tempo.
Recordar 2013. 
Carlos Costa garantiu que Banif daria 10% de lucro ao Estado
Recordar setembro de 2015, é recordar Passos a ver  lado bom no cancelamento da venda do Novo Banco.
 "Era dinheiro que estava a render"...

Uma pepineira do calendário político, que seria imperdoável deixar sem divulgação

Via Figueira tv, ficam os votos de um santo e feliz natal, aos caros figueirenses, de Sua Excelência o Presidente da Câmara. 
Da minha parte, fica a retribuição e o agradecimento Senhor Presidente.

Obras de requalificação do areal da Figueira previstas para começarem em fevereiro próximo... Depois não digam que não foram avisados.

Ficou a saber-se na reunião de câmara realizada ontem, à porta aberta ao público e à comunicação social, que a requalificação do areal urbano, entre a cidade da Figueira da Foz e a vila de Buarcos deverá começar em fevereiro.
A empreitada, recorde-se, contempla ciclovia, via pedonal, pista de atletismo, reparação dos espaços desportivos e dos passadiços (e construção de outros) e intervenção nas valas. 
Como foi tornado publico em abril deste ano, esta é uma versão minimalista do projecto submetido à aprovação prévia da Agência Portuguesa do Ambiente. Este organismo do Estado, recorde-se, “chumbou” o Anel das Artes (anfiteatro redondo) e uma piscina de água salgada. O custo da obra também foi substancialmente reduzido, ficando em 1,9 milhões de euros. 
Ana Carvalho  previa que as obras de valorização do areal urbano deverão arrancar até ao final do corrente ano.
Entretanto, a vegetação foi crescendo na antepraia, não obstante a contestação de muitos figueirenses. Aliás, até estava previsto ser reforçada, com a “plantação de algumas árvores”.
Para a vereadora, “a vegetação vai permitir que não haja areia nos campos de jogos e na ciclovia”!

Em tempo.
A propósito da praia da Figueira e dos idiotas de Concursos Públicos de Concepção (ideias)/Requalificação e Reordenamento da Praia e Frente de Mar da Figueira da Foz e Buarcos...
"Infelizmente, todos sabemos que a saudosa «Praia da Claridade», após a construção dos molhes da Barra, passou a ser «Praia da Calamidade».
Muito se tem escrito sobre o areal. Há anos que se vem falando e escrevendo de projectos e mais projectos de obras a implantar nesse extenso areal. Pensamos, até, que já foi gasto bastante dinheiro nalguns desses projectos. Entendemos que, quem assim pensa, não tem ideia do que é o mar e do que ele é capaz.
Ao mesmo tempo pergunto-me se alguma empresa privada arriscaria o seu capital nessas obras; porém, já não temos a mesma opinião sobre as mentalidades administrativas do Estado, porque os dinheiros a gastar são do erário público e ninguém exige responsabilidades pelas enormes asneiras que se têm cometido no nosso degradado país, sendo a Figueira uma das grandes vítimas, porque há asneiras que vão servindo de suporte às novas asneiras."

MANUEL LUÍS PATA, ("um modesto marítimo figueirense que sempre amou a sua Terra e sempre sofreu com as consecutivas asneiras que LHE foram feitas ao longo da sua longa vida") em artigo publicado no jornal A VOZ DA FIGUEIRA em 5 de Março de 1998.
17 anos passados e com o agravamento do problema como entender isto?..
Depois não digam que não foram avisados.

Depois de enganados, espoliados, lesados, agora fomos o quê: banifados?...

Sabemos que para sermos mais honestos que ele teríamos que nascer duas vezes.
Porém, sempre que nos deparamos com estes actos de terrorismo financeiro, que pelas contas do Diário de Notícias já custou aos contribuintes cerca de 13 mil milhões de euros desde 2007 – 7,3% do PIB, quase um ano de colecta de IVA – surge o denominador comum: Cavaco Silva

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

BE defende a melhor solução para a orla costeira

Via fecebook Rui Curado Silva

A pouca vergonha que continuamos a pagar


Luís Amado
A barba dá-lhe um ar mais velho, mas fica-lhe bem.

"Não escrevo ainda sobre os detalhes da situação do BANIF, da incapacidade preventiva do Banco de Portugal, BCE, CMVM, auditores, raters e revisores, nem das manobras políticas para esconder a podridão. Vou aguardar por mais detalhes para além do que se sabe pelo comunicado semítico do Banco de Portugal e pela declaração selectiva do Primeiro-ministro. Estranhamente tudo num banco que, há 4 anos, tem tido o Estado como detentor da maioria do capital, até com administradores nomeados pelo governo.
Tudo vai à conta dos portugueses. Sempre se invoca o risco sistémico para nacionalizar erros, danos, prejuízos e desfalques privados, assim se gerando outro risco sistémico: o benefício do infractor. Sempre beneficiando do privilégio bancário da intervenção pública pela circunstância de os bancos terem como credores os depositantes. Mas, claro está, alguém já ganhou ou vai ganhar.
Muitos dos responsáveis desta calamidade passam entre os pingos da chuva. Alguns são reciclados para outras prebendas e pavoneiam-se na praça dos interesses. Continuam a achar-se grandes gestores pagos a preço de ouro. Outros vieram encartados pela política para servirem, promiscuamente, interesses estranhos à actividade. Todos se especializaram em capitalistas de passivos. Triste e degradante miséria, num país em que 20% da população é pobre ou em risco de severa pobreza, e o desemprego atinge transversalmente a esperança de muitas vidas."

NATAL SEM JESUS NO TOPO

Deus assim o quis... 
E contra a vontade do Senhor, já se sabe, nem Jesus pode fazer nada...

Herança de Passos, mas decisão de Costa...

Voltamos a confirmá-lo ainda mais uma vez. Não há dinheiro para baixar impostos, não há dinheiro para repor salários e pensões, não há dinheiro para prestações sociais que garantam dignidade à vida de todos e não há dinheiro para serviços públicos universais de qualidade mas para – ou será porque? – pagar a delinquência banqueira há sempre, muito e do dia para a noite. Já pagámos bancos suficientes para cimentar a certeza de que o problema do sector financeiro não se resolve nem injectando-lhe os milhões que socializam as suas perdas nem com uma regulação que comprovadamente não regula porcaria nenhuma. A nacionalização da banca, que apenas existe na parte relativa aos prejuízos, tem que ser rapidamente alargada também à parte relativa aos lucros e à sua gestão e as actividades especulativas têm que ser proibidas de uma vez por todas. Porém, a opção foi novamente outra. 
E venha o próximo banco...

A operacionalidade do acesso ao hospital da Figueira, um tema que diz respeito a todos nós e que ainda vai dar muito que noticiar...

A operacionalidade do aceso ao hospital da Figueira, é um tema que diz respeito a todos nós e que a todos deveria preocupar...
Recorde-se: o sistema pago entrou em vigor no início de Novembro de 2013 e colocou, na prática, o hospital dentro de um  parque de estacionamento.
A angústia do PS figueirense, na sua condição de anjinho culpado e pecador, no envolvimento da Câmara, via Figueira Parques, no processo do estacionamento pago no Parque de Estacionamento do Hospital Distrital da Figueira da Foz, sito na Gala, faz lembrar a limpeza das casas. 
Por mais merda que a gente limpe, mais merda aparece...

A 30 de Abril de 2014, na Assembleia Municipal, a coligação Somos Figueira (PSD/CDS-PP/PPM/MPT) apresentou um voto de protesto e revogação da decisão – chumbado pela maioria socialista – apoiando-se num parecer pedido ao serviço municipal de protecção civil que considerou não estarem reunidas “as mínimas condições de segurança” no acesso a viaturas de emergência.
Na oportunidade, Pereira da Costa, também do movimento Somos Figueira, já depois de João Ataíde ter assumido que a empresa municipal está “a perder dinheiro” com a intervenção, considerou que o Presidente da Câmara “já deve estar 50 vezes arrependido” de ter assinado a parceria com o HDFF.
“Foi um mau negócio, perdeu dinheiro, mas deu a entender que estava de acordo. O que a Câmara devia ter dito era que não queria, a posição da Câmara foi absolutamente desastrosa”, afirmou o presidente da bancada PSD na AM.

Na altura, a bancada do PS também avançou com uma moção – esta aprovada – onde, apesar de se manifestar “contra qualquer agravamento de taxas ou custas” associadas ao Serviço Nacional de Saúde, lembra que o parque de estacionamento hospitalar “carecia absolutamente de uma requalificação profunda” e ordenamento.
Luís Ribeiro, deputado municipal do PS, alegou que o Governo não avançou com a obra “por completa falta de capacidade financeira ou de vontade para tal” e que a empresa municipal, ao fazê-lo, defendeu “o bem e o interesse público”.

Em janeiro deste ano, perante as críticas, o presidente da Câmara já tinha defendido a aplicação de um tarifário “quase simbólico” no HDFF, que não onerasse as idas dos utentes à unidade de saúde, mas que deve ter agravado os prejuízos para a empresa municipal Figueira Parques.
Na mesma altura o tarifário foi alvo de alterações – embora mantendo o valor hora, superior ao praticado nos parques e vias públicas da cidade – passando a primeira hora a ser gratuita, assim como a maior parte do período nocturno.

Neste momento, partindo do pressuposto que o presidente da AM já deu cumprimento ao deliberado na última reunião daquele órgão autárquico, por iniciativa da deputada municipal Ana Oliveira, a operacionalidade no acesso ao parque de estacionamento do Hospital, já deverá estar a  ser avaliada pela Autoridade Nacional de Protecção Civil.

BANIF

Tanta pressa que o governo de Passos Coelho tinha em vender o NOVO BANCO e é o BANIF que vai primeiro. 
O problema vinha de 2013. Falta saber porque é que foi empurrado com a barriga. 

Quanto aos danos causados pela TVI, quem é que ganhou com o pânico intencional? Qual foi a fonte da “notícia”

(Via aventar)

Lídio Lopes, presidente dos Voluntários desde 1997

Como figueirense e como sócio dos Voluntários figueirenses, desde 1976, com as quotas pagas, mais uma vez, não podia ficar indiferente ao importante e competente trabalho de  Lídio Lopes, presidente desde 1997
Desde aí,  já lá vão 18 anos, Lídio Lopes entregou-se com entusiasmo e competência à causa, tendo vindo a encontrar  soluções "para a tranquilidade na gestão de todos os seus recursos e para o necessário investimento atempado nas necessidades operacionais do corpo de bombeiros, seja em fardamento ou em equipamento e em viaturas”.
Recorde-se, por ser verdade, que em 1997, os Voluntários figueirenses atravessavam "um momento particularmente difícil, quer a nível financeiro, quer de autoestima e de património".

Balanço final de 4 páginas de jornal, baseado nas declarações do presidente da junta de freguesia de S. Pedro

Depois de nos últimos dias termos vindo a tentar focar, por temas, as declarações do senhor António Salgueiro, presidente da Junta de Freguesia de S. Pedro, concedidas ao jornal AS Beiras na passada quarta-feira, o saldo final resume-se assim: o senhor Presidente da Junta de S. Pedro perdeu uma excelente oportunidade de permanecer calado.
Resumindo: de novo, nada foi dito.
A única "vantagem" foi esta: para quem não o conhecia, ficou a conhecê-lo um pouco melhor. Isto é: constatou o vazio de conteúdo que patenteou, e não pelo que, em substância, foi dito efectivamente.
Dá vontade de deixar escrito. 
Ganda presidente! 
Não só pelo conteúdo das declarações, mas ainda mais pelo ar cândido e forma displicente, como se gastou em 4 páginas de jornal, sem dizer coisa nenhuma!...
Para quem mostrou ambição política (o que não é negativo), com menos de 2 anos anos já para cumprir deste mandato e, depois de uma já longa carreira política, algo maior e de relevância, haveria a esperar
Ficou por  conhecer o essencial: a visão e a estratégia do desenvolvimento global, sustentado e planeado que, presumo, deverá ter para a freguesia de S. Pedro
As suas respostas, porém, conseguiram o desiderato: deixaram a nu e ilustram, sem sofismas, a atenção (ou melhor: a falta dela...) que os executivos municipais presididos por João Ataíde têm dispensado à nossa freguesia - nenhuma!
As pequenas freguesias, para quem não tem qualquer visão de desenvolvimento global, são apenas uma chatice que é necessário contornar, de quatro em quatro anos.

Pena, foi ter-se perdido uma excelente oportunidade de esclarecer a população da freguesia da margem sul do Mondego e ter optado por divagações e linguagem truncada de conotação aparentemente jocosa, mas, efectivamente bélica, referindo-se a inimigos imaginários, coisa  pouco inteligente para um político que ambiciona ainda construir uma carreira – apesar de estar na política activa há 30 anos

Devo confessar a surpresa com que verifiquei os remoques deixados nas declarações do presidente da junta, a quem, apenas, com lealdade, de alma aberta e transparente e sentido de servir a sua Terra, a sua solicitação, se prontificou colaborar com ele.
Apesar do reconhecimento da boa razão do “alerta costeiro”, entendeu que a forma era mais importante do que o conteúdo, e acabou por espalhar-se ao comprido, deixando pelo caminho, em diversos sectores da vida local, concelhia, distrital e até nacional, um suave perfume a ridículo, que o vai perseguir pela vida política que ainda lhe resta.

Na questão da erosão costeira, não fora a acção de alguma gente, e S. Pedro estaria numa situação ainda mais complicada. V. Exa. está há cerca de 30 ano ligado a uma lista de poder e a sua acção, neste caso, como em outros, tem sido tão só de colaboracionismo com o poder político figueirense.
foto sacada daqui
Nunca ouvi uma só palavra da sua parte a confrontar, quem de direito, com o problema que acabou de se agravar e consumar com o prolongamento dos tais 400 metros no molhe norte: a erosão costeira a sul e o perigo nas entradas e saídas da barra de muitos filhos da nossa Terra que têm de arriscar a vida para conseguir o pão para a família. 
Penso que ainda todos temos presente a sua intervenção no recente drama do naufrágio do Olívia Ribau: limitou-se a acompanhar, mudo, quedo e calado, o presidente da câmara no papel de "emplastro".
Assim como nunca ouvi da sua parte -  a Assembleia Municipal, realizada na passada segunda-feira, constituiu uma excelente oportunidade que foi desperdiçada, naquele órgão autárquico: num assunto que tem a ver directamente com a freguesia de que é presidente, o seu silêncio foi ensurdecedor... uma palavra sobre o caso do estacionamento do parque do hospital e as graves questões de operacionlidade para os veículos prioritários e de emergência no acesso a este estabelecimento hospitalar, que foram levadas à discussão pública.

Tal, como acontece desde 1990, ao arrepio da necessidade e dos princípios que estiveram na origem da sua constituição, em 1985,  o grupo de que emana o poder que tem definido a linha de rumo de S. Pedro, limita-se a tentar ter as melhores relações com quem está conjunturalmente e exerce o poder na Figueira. Dessa subserviência, ditada por favores, pessoais ou familiares, obtidos ao longo dos anos por certos membros da lista de que faz parte, os resultados estão à vista. 
Para simplificar, basta verificar as condições em que a juventude da nossa freguesia pratica desporto. Neste momento, o Grupo Desportivo Cova -Gala é a única equipa distrital que participa na divisão de honra com um campo peladoAlém de uma vergonha, é uma ameaça à integridade física dos atletas que são obrigados a participar num jogo de futebol, a contar para a prova rainha da AFC nas condições vergonhosas em que o Clube que representa a nossa Terra, por falta de apoios ao longo dos últimos 15 anos, tem para o fazer.

Quanto ao problema de fundo que me move, é  apenas este: gostaria que muitos outros cidadãos desta nossa pequena Aldeia, aspirassem e exigissem a viver numa terra mais digna, desenvolvida, capaz de garantir habitabilidade e emprego aos seus filhos - coisa que, até ao presente, não foi conseguida. 
Salvaram-se algumas, poucas, excepções. Daí, termos ainda por cá, 41 anos depois de Abril de 1974, reminiscências de um caciquismo místico, seráfico e serôdio.

De resto, a constatação há muito feita, de que esta presidência da autarquia figueirense despreza as pequenas freguesias, não chega para justificar a situação a que se deixou chegar esta Aldeia – ver, por exemplo, o abandono a que deixaram chegar as nossas “excelentes” praias
Em certas zonas, mais parece que estamos no terceiro mundo...
Já sei que a responsabilidade será de todos, logo, de ninguém. Mas, seguramente que será necessário gente nova, outra gente, que saiba traçar metas de desenvolvimento, que determinem planos e prazos de execução.
No fundo, que se disponha a governar no interesse do colectivo - e não governar-se a si e aos seus - para que algo mude.