.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

domingo, 31 de maio de 2015

Foi uma jogatana para loucos e no final ganhou o Sporting - de Portugal.

Porra, pá: estava a ver que o resultado final era 2-1, favorável ao Braga, que é aquele resultado que dá para o vencedor dizer no final: “fomos melhores, mas sofremos...”
Os leões nunca desistiram e o Sporting de Braga encolheu, mesmo com um homem a mais. 
Mas, aos 90+2 aconteceu o milagre: Montero marcou e o Sporting chegou ao empate na compensação, num final de 90 minutos impróprio para cardíacos! 
Seguiu-se o prolongamento, com muito cansaço à mistura de ambos os lados, que não resolveu nada. 
Venceu o Sporting de Portugal, nas grandes penalidades. Parabéns também ao Sporting de Braga.
Que o Sporting - de Portugal – tivesse ganho a Taça, tudo bem...
Agora, ter de levar com a imagem do Cavaco a entregar a Taça - felizmente, que pela última vez... - é que não... 
Vou desligar a televisão.
Pois é. Isto para para os sportinguistas, não é fácil... 

Em tempo.
A minha decisão de acordar, hoje,  às 5 da manhã para ver os sub-20 foi acertada. Foi um grande jogo e uma grande vitória. 
Na selecção de sub-20 jogam os melhores e os que estão em forma. 
E penso que não há cá compadrios…

Infalível

A poucas horas do começo do jogo, fica, desde já, em antevisão, o vencedor da Final da Taça de Portugal, 2014/2015: ganha o Sporting.

Em 30 anos de Cavaco no poder, não me lembro de um único momento de felicidade genuína...

foto sacada daqui
Depois de 30 anos de poder de Cavaco Silva, Portugal é novamente um país onde se passa fome. O SNS, que já foi bandeira deste País, definha cada vez mais. Dois bancos colapsaram, o que resultou num  custo elevado para os portugueses. A justiça é a desgraça conhecida. Na educação nem um novo ano lectivo tem início a tempo e horas. A distribuição de riqueza é mais assimétrica. Para conseguirem sobreviver milhares e milhares de portugueses de todas as idades tiveram de emigrar. Mesmo assim a taxa de desemprego é pornográfica.
Nuvens negras continuam a embrutecer os pensamentos  e a condicionar as decisões dos portugueses. As notícias, seguem o mesmo caminho. E os políticos,  agarrados ao conforto, continuam a dizer-nos que o nosso bolso vai ser ainda mais esmifrado.
Pobres de nós,  coitados!

Em 30 anos de Cavaco no poder, não me lembro que tenha contribuído para um único momento de felicidade genuína na minha vida...
Na internet, espero, nada se perde. Conto com isso...
Todos, um dia, iremos morrer.
Espero que OUTRA MARGEM se mantenha por aqui e as pessoas o continuem a visitar.
Já estou a prever os comentários: “era tão boa pessoa  e agora não passa dum blogue”
Um dia, espero que daqui a muito tempo, já cá ninguém virá. E eu, então, não serei nada. Nem uma recordação.

Cavaco, 30 anos de poder quase a terminarem… 
Quando os portugueses escolheram um Primeiro Ministro assim, e voltaram a ter novamente, por vontade própria, depois de já o conhecerem, esta figura no poder, como Presidente, nem sei o que pensar das cabeças dos que votam neste País!..
Resta o vazio, que é uma forma de morrer e uma forma de viver a desilusão como nenhuma outra. O vazio, que é ter a tristeza encravada na garganta. 
Se Deus existe, os portugueses vão ter de ser ainda muito castigados…

Festa da Sardinha no Coliseu foi cancelda



sábado, 30 de maio de 2015

O atirador figueirense atravessa um grande momento

"JOÃO COSTA CONQUISTA TAÇA DO MUNDO EM MUNIQUE".

A propósito de o “Almoço do Trolha”, de Júlio Pomar, um quadro a óleo de 1947 ...

"A arte dos comunas apreciada plo estado e plos mercados".


à parte):
desconheço os critérios que levaram o estado e os mercados a consagrarem deste modo uma obra do neo-realismo. Esta súbita validação-cultural / valorização-monetária do neo-realismo escapam decerto ao excelso critério  do regedor da cultura da Figueira da Foz. Desconheço por exemplo, a este respeito, se entre o espólio que Joaquim Namorado legou generosamente ao município constava algo assinado pelo autor de “o almoço do trolha”; de qualquer modo, e segundo qualquer das perspectivas, parece-me cada vez mais inexplicável e desastrosa a cessão desse espólio, inteiramente de graça, ao Museu do Neo-Realismo de Vila Franca de Xira. Sob qualquer ponto-de-vista chama-se, receio, delapidação de Património.

Passos Coelho quer continuar a ser o dono da bola…

Riu Rio, ex-presidente da Câmara do Porto, já decidiu formalizar a sua candidatura à presidência da República.
A SIC dá como garantido que a decisão será anunciada até ao final do mês de junho.
Recorde-se: Rui Rio, de acordo com as informações publicadas ao longo das últimas semanas, tem sido pressionado a avançar para Belém pela direcção nacional do PSD e também por figuras centristas.
Marcelo, mais uma vez, vai continuar a  vê-los passar?

Isto é um pouco pessoal...

"Ideias que não alimento". 

Em tempo
O amor não resolve nada, porque é pessoal. 
Por isso, não transcende para o colectivo. 
Contudo, andamos há mais de dois mil anos a dizer que é importante amarmos uns aos outros... 
Serviu de alguma coisa? O mundo está melhor? 
Nesta sociedade, amor é pagares as contas todas?..
Isso, porém, não é amor: é estupidez.
Recordo as palavras sábias de Mia Couto.
"A maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos."

Se a Figueira fosse uma lula, depois das sucessivas "enrabadelas democráticas", já estaria em estado de choco...

"A câmara deveria mandar pintar a praia de uma cor tipo sépia. Espalhar-se-ia um pigmento que fosse simultaneamente tóxico para as plantas e mudasse a cor da areia. Hoje, a ciência tudo consegue. A praia teria então um tom que nos fizesse regressar ao passado, quando “a Rainha das praias” tinha 100 metros de areia e era um lugar natural e muito aprazível. É uma questão de orgulho próprio: a praia da Figueira deverá continuar a ser mundialmente famosa. No Dubai, construíram ilhas artificiais com mão-de-obra asiática. Nós, por cá, aceitamos refugiados do Mediterrâneo e mãos à obra. Juntar-se-ia o útil ao agradável: usamos os 150 mil euros, aquilo que custaria eliminar a vegetação da praia por ano, e empregamos umas 12 pessoas. Seria o contributo da Figueira para a Ajuda ao Desenvolvimento. No âmbito da visibilidade seria ainda útil pintar de cor de rosa aqueles pavilhões e edifícios, junto à foz do rio, construídos nos anos 80 e 90. Sempre estariam integrados de outra forma na paisagem urbana. Faz falta uma cor mais vibrante a esta cidade. No gigantesco areal da praia, consequência da artificialização da foz do rio e construção do moderno porto comercial, algo tem que acontecer. Há que acabar com a “imundície” da vegetação nativa. Brota tudo do solo, se ainda fossem umas palmeiras trazidas de Marrocos a 3500 euros cada uma…"

Em tempo.
Esta crónica do eng. João João Vaz, publicada hoje no jornal AS Beiras, fez-me recordar a fotografia em sépia, mais conhecida como “foto envelhecida”
O nome da cor vem do nome científico da criatura (“Sepia Officinalis”), porque a tinta da lula era usada para causar esse efeito nas fotos quando essa técnica surgiu, em 1880. 
Hoje em dia outros pigmentos são usados, e – pelo menos para isso – deixaram as pobres lulas em paz. 
Há, contudo, quem ainda ache que a foto alaranjada é coisa de foto que envelheceu por ter apanhado muita luz…  

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Resta gargarejar gargalhadas que nem o mais feliz...

Fim de tarde, principio de noite de sexta-feira.
Novo fim de semana a porta,  vida velha, antiga pobreza, miséria continuada... 
Carlos Costa continua
Blatter foi reeleito...  
"Há poucos no país com as competências de Carlos Costa"!.. 
E a "FIFA está mais forte"!..
Entretanto, aos infelizes, a escorrerem a vergonha pelo corpo, resta-lhes esbracejar impropérios para os sorridentes vencedores, como se fossem fantoches...

Ainda bem que as notícias sobre a “morte” do Mauro eram manifestamente exageradas…

Há uns dias a Figueira esteve na moda porque umas raparigas esbofetearam um rapaz.
Já passou.
Foi moda.
Contudo, a moda, na Figueira,  não é só  explorar misérias humanas.
Na Figueira, somos especialistas em emoções.
A justiça é empírica, relativa,  e vai-se formando conforme os acontecimentos.
Precisamos de acontecimentos para ter opinião. Sem os jornais, ou as redes sociais, seria mesmo uma impossibilidade.
Mas, esta sexta-feira vai ser boa para a projecção da Figueira.
Na Figueira,  quase todos já fomos Charlie – e nem todos temos um dilema moral por isso.
Somos assim: emocionais.

Ponto final

Uma história de amor nunca termina sem dor.
O que termina sem dor é a paixão, que se apaga numa gota morna de saliva.
A história da Aldeia está acabada.
Só quem lá morava não deu conta disso…

O filme é comprido - mas bem espremido, 5 minutos dão para compreender toda a história

Com um "simples telefonema", às 8h30, o primeiro-ministro informou o líder do PS que ia reconduzir Carlos Costa como governador do Banco de Portugal (BdP) para mais um mandato. 
António Costa não gostou da decisão: "Não posso dizer que esteja surpreendido, mas estou desagradado", referiu o líder do PS, no Porto. "O pior que se pode fazer depois do escândalo financeiro a que assistimos e depois de ter sido tão expressiva a interpretação que o Parlamento fez sobre as falhas da actuação do regulador é dar este mau sinal sobre o rigor que deve imperar nas instituições", acrescentou, garantindo que o PS não foi consultado.
A mesma ideia foi confirmada ao Correio da Manhã por fonte da direcção socialista. Na semana passada, Costa já tinha afirmado que "seria impensável o Governo convidar quem quer que seja para governador do Banco de Portugal sem consultar o PS." 
O deputado socialista Pedro Nuno Santos referiu no Parlamento que Passos "forçou esta nomeação, aparentemente até contra a vontade de alguns membros do Governo"
No CDS, a deputada Cecília Meireles disse concordar com a escolha, mas lembrou que o partido "sempre teve uma postura crítica da supervisão". 
O PCP considerou "incompreensível" a recondução. 
Já o BE considerou-a "um prémio"

Em tempo.
As coisas de que eu me lembro, do tempo em que enquanto crescia e via televisão!..
(Não entender que enquanto estamos a ver televisão, estamos a crescer.)
Lembram-se, de  quando em Portugal havia um Presidente da República, de seu nome Cavaco Silva?..
Lembram-se, de naquele tempo, haver um Governo de maioria PSD/ CDS-PP e um Presidente da República a apelar ao consenso entre partidos?..
Lembram-se, de quando Portugal tinha um Presidente da República que falava?..

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Era esperado

O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, anunciou esta quinta-feira, após reunião do Conselho de Ministros, que Carlos Costa foi reconduzido como governador do Banco de Portugal.
Era esperado, portanto não há assim muito para escrever.
Carlos Costa, o regulador preferido dos que deveriam ser regulados, pois é o que menos regula…

O “Corinthian" chegou e já foi embora, mas entretanto houve a sessão de boas vindas... (II)

"A escala do cruzeiro “Corinthian” despoletou um debate importante. Independentemente da capacidade do concelho poder atrair ou não aquele tipo de cruzeiros (não depende apenas de nós), este é um tipo de turismo que se enquadra nas potencialidades do concelho. No entanto, se quisermos ter a ambição de atrair este tipo de turismo, há duas questões que temos forçosamente que resolver. A primeira é melhorar as condições do Porto da Figueira. Um cruzeiro requer um terminal condigno, com apresentação, condições logísticas (água, energia, conectividade, serviços de manutenção, etc.) e transportes que não destoe do nível de turismo que oferece o próprio cruzeiro. A segunda é tornar operacionais os circuitos históricos e culturais do concelho, em articulação com a região. São essas particularidades que colocam uma cidade no mapa e não as obras efémeras e as celebridades duvidosas que deixaram um rasto de dívidas na cidade. O que é particular e valorizado lá fora é a Arte Nova tardia do Bairro Novo, o sistema de muralhas defensivas da Figueira, o circuito de mosteiros cistercienses, que deveria integrar Santa Maria de Seiça, as salinas e a gastronomia baseada no pescado."

Em tempo.
Esta crónica de Rui Curado da Silva,foi publicada hoje no jornal AS BEIRAS. 

"FIFA: E caímos todos como patinhos…"

A ler aqui.

Um texto que não deve ser lido na diagonal: "Sabe o peso da canga que leva ao pescoço?"

 “A fotografia é esta. 
Diz-se que a dívida pública portuguesa é de 226 mil milhões de euros. Mas, se considerarmos as empresas públicas que não são incluídas no critério de Maastricht, esta dívida passa para 289 mil milhões, ou 166% do PIB. E se considerarmos toda a dívida de toda a economia portuguesa então são 702 mil milhões, contas de Março, ou 404% do PIB, quatro anos do produto total do país. Se esta dívida fosse da responsabilidade de todos, desde as crianças recém-nascidas até aos reformados, cada um deveria algo mais do que 70 mil euros (se recair só sobre a população activa e dispensar as crianças e reformados, conte, cara leitora ou leitor ainda em idade de trabalho, que a “sua” dívida andará pelos 140 mil euros).
Também há, do outro lado, créditos da economia portuguesa na balança, ou seja dívida do estrangeiro a empresas e agentes residentes em Portugal, mas a conta fala por si e é muito negativa para Portugal. Somos um país mais endividado do que a Grécia.”
Para continuar a ler este texto de Francisco Louçã, o que recomendo, basta clicar aqui.

Para quem sempre viveu de frente para as dificuldades, as amarras provocadas pelo medo foram desaparecendo, naturalmente, ao longo da vida.
Desde novo, sempre entendi que quem não tem coragem para saltar o medo, não consegue encontrar a porta que dá acesso à conquista do futuro.
Quem,  até para olhar para  o céu tem medo, por  medo faz tudo para esconder os  bolsos vazios.
A felicidade  não é,  não ter medo. A felicidade é ter medo,  senti-lo,  mas conseguir saltá-lo…
Há textos que podem ser lidos na diagonal, outros não. 
Este, de Francisco Louçã é dos tais que merece uma leitura atenta.

Ataíde, Tavares e Monteiro e a solidariedade socialista

Ao que li nos jornais, Miguel Amaral, porta-voz do movimento cívico informal que reclama o fim da vegetação no areal urbano, entregou na terça-feira ao presidente da Câmara da Figueira da Foz, um abaixo-assinado com cerca de duas mil assinaturas.
Antes, porém, leu um manifesto.
“Não podíamos deixar passar mais um verão sem interpelar publicamente o presidente da câmara acerca do estado deplorável da praia, do mau aspecto e péssima imagem que é dada a quem aqui vive e, sobretudo, a quem nos visita”. Ao longo da leitura das cinco páginas, o munícipe – e presidente do Clube Náutico da Figueira da Foz – apelida de “imundice” a vegetação que a autarquia deixou crescer, sustentando que é para dar espaço à biodiversidade e à naturalização do areal. “Temos vergonha da imundice que ali está instalada e o senhor é o principal responsável!”,  disse Miguel Amaral. O porta-voz, que falava na reunião de câmara, afirmou mesmo que se trata de um caso de saúde pública.
Apesar das críticas e das duas mil assinaturas, João Ataíde garantiu que a autarquia não vai retirar a vegetação da praia, alegando que esta opção está tecnicamente sustentada. “Porventura, este será o ponto mais crítico, mas não se fazem obras sem incomodar”, argumentou.
Relembre-se: o concurso para a requalificação do areal está previsto ser lançado até ao final do ano, para “aproximar mais a cidade da praia”.
O vice-presidente da câmara, António Tavares, veio a terreiro para defender a autarquia e condenar o “tipo de linguagem, que não fica bem numa assembleia deste género”, utilizado no manifesto lido por Miguel Amaral.
Por seu lado, o colega de vereação Carlos Monteiro "ressalvou que a zona do areal onde se estende a tolha só tem areia e está limpa".
Goste-se ou não, João Ataíde, António Tavares e Carlos Monteiro, estiveram bem.
Sublinho apenas, que foi toda uma solidariedade (dentro de um partido fraterno, onde a luta pelo poder é o que menos importa a quem por lá milita) a funcionar!  
Por outro lado, ajuda a perceber a frustração de quem apenas tem convicções e se contenta em lutar no que acredita!
Ajuda, também, a perceber a cidade que somos!
E, ainda, o que nos espera o futuro – o nosso e o da nossa cidade ...

Em tempo.
A foto é de 23 de setembro de 2013, foi sacada daqui e tem a ver com a visita do líder do PS, na altura, para apoiar a recandidatura de Ataíde à Câmara da Figueira.
Recordo que um dia após as eleições autárquicas os comentadores invadiram os écrans. 
Da análise dos resultados das eleições de outubro de 2013 persiste - pelo menos para mim - um enigma.
E aqui já começo a entrar num terreno que não domino e nem conheço muito bem,  mas presumo como relevante na vida dos partidos e das suas lideranças. 
O PS, apesar de perder votos face às anteriores eleições autárquicas, ganhou 149+1 presidências de Câmara num total de 308 - isto é, quase metade.
Pelo que julgo saber, estes resultados eleitorais foram alicerçados em escolhas dos candidatos, feitas pelas concelhias do PS.
Sendo assim, como foi possível alguém, ameaçar e depois destituir Seguro da liderança do PS? 
As concelhias no PS - penso eu - são a base de apoio dos líderes partidários. Ganhando quase metade das presidências em outros tantos concelhos, gostemos ou não de Seguro, o resultado dessas autárquicas constituíam o melhor terreno eleitoral para o reforçar como líder do PS. Nas Europeias de 2014, sabemos o que aconteceu: o PS de Seguro voltou a ganhar.
Não é só nos romances que o real e o fantástico se podem fundir numa unidade perfeita. Na política também pode acontecer o mesmo!
Com isto, não tenho a intenção de fazer uma alegoria moral - e muito menos política. 
Sou, apenas, uma pessoa que pensa livremente.

A miséria alheia criou novas oportunidades...

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Rostos da Arte-Xávega/ Costa de Lavos, 2015

Estes rostos fotografados pelo fotojornalista Pedro Agostinho Cruz, são um retrato com gente dentro, gente sofrida e resignada, mas que continua na luta e labuta da pesca, agora na Arte de Pesca de Arrasto para Terra, modernamente designada legalmente pelas instituições administrativas e fiscais do Estado português com o nome oficial de "Arte-Xávega".
Durante este tempo mais quente, antes da chegada do Inverno, em condições por vezes bastante difíceis, vão tentar amealhar alguns cobres que lhes melhorem a parca reforma que obtiveram depois de uma vida longa de trabalho e de sacrifícios noutras pescas e noutros mares.

Citando o Professor Alfredo Pinheiro Marques, um grande defensor e lutador desta causa,  “a  Arte de Pesca de Arrasto para Terra é um tipo de pesca muito específico, muito especializado e bastante diferente (pois, na sua aparente simplicidade, é muito mais heróico e muito mais difícil e perigoso do que julgam os que nada sabem de mar), e que por isso não pode ser comparado com qualquer outro tipo de pesca praticada em qualquer outro litoral oceânico do mundo inteiro. É mesmo muito diferente, e muito mais impressionante, em coragem e em esforço,  do que os próprios modelos originais mediterrânicos da “Xávega”, islâmica, andaluza e algarvia, que lhe estiveram na origem há muitos séculos atrás, mas que entretanto já se extinguiram (ao longo do século XX), e que já não existem hoje em dia (no século XXI).  A Arte de Pesca de Arrasto para Terra, característica dos litorais portugueses da Ria de Aveiro e da Beira Litoral (hoje, legalmente, dita “Arte-Xávega”), é uma arte que nos nossos dias ainda continua a ser praticada por muitas centenas de homens e mulheres, desde as praias de Espinho até à Praia da Vieira de Leiria, e actualmente com o coração na Praia de Mira (depois de, outrora, ter irradiado sobretudo a partir das praias do Furadouro, Torreira e Ílhavo), e é uma das realidades mais impressionantes, mais autênticas e mais simbólicas — e, por isso, mais importantes — daquilo que continua a ser, ainda hoje, Portugal: um país dividido entre o Passado e o Futuro, um país sempre adiado, e sempre sem conseguir descobrir o seu caminho, entre a tradição que não consegue manter e a modernidade que não consegue construir. Um país sempre mergulhado no seu subdesenvolvimento secular e na sua insustentabilidade económica. Mas que, nem por isso, pode ou deve sacrificar os mais autênticos e verdadeiros exemplos da sua identidade nacional e da sua cultura secular em nome de quaisquer cegas burocracias estatais normalizadoras, ou de quaisquer imbecis aculturações televisivas, ou de quaisquer bizantinismos “culturais” “modernizadores”, ignorantes das verdadeiras tradições e identidades locais.”

"... ainda bem que tivemos uma saída limpa e o país foi libertado da troika!.

A titular das Finanças, Maria Luís Albuquerque, "uma ministra que sabe o que quer".

Já se estava a sentir a falta de um grande filme…

Entretanto, o "grande filme" parece que vai tornar-se numa "grande novela"...
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos considerou esta quarta-feira que o relatório da Inspecção-Geral de Finanças (IGF) “não é isento, nem idóneo”, e reiterou o pedido de demissão do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, precisamente Paulo Núncio!

Em tempo.
A minha paciência já não é a mesma e, por isso, não sei se vou conseguir acompanhar os próximos episódios.

O problema não é de linguagem, o problema é a falta de coerência na atitude...

“Alguém disse que “a única coisa constante na vida é a mudança”. Pena que muitos de nós só se dão conta desta realidade, às vezes muito tarde na vida. Muitas vezes, mesmo muito tarde. Laborar no passado é um erro que não conduz a lado nenhum. Dele deveremos aprender as lições que nos permitam no presente projectar o futuro. De uma forma dinâmica, isto é, mudando, mudando sempre… mas para melhor, como disse Winston Churchill. Ora, não é possível mudar a olhar para trás. Nem é possível dar cobertura a uma reivindicação justa com argumentos de retorno a um passado que passou. Vem isto a propósito da petição pública posta a circular acerca da limpeza do areal da praia da Figueira. Nada mais justo, como justo será exigir manter limpa toda a cidade e todas as praias e o resto do concelho. Mas não com argumentos de retorno ao passado. “Conferir aquela imagem que a mesma sempre apresentou” parece justo, mas qualificá-la com argumentos do passado é esquecer que, tal como nós, a praia também mudou. Já não é a mesma. Como a Figueira não é a mesma. E, das duas uma: ou estudamos a possibilidade de trazer “o mar à cidade”, e, concomitantemente a areia às praias do sul, ou aceitamos que, com limpeza ou sem ela, se mantenha o extenso areal. Com ou sem projecto. Sei que a questão é muito mais complexa. Por isso deve ser amplamente discutida. Será que alguém quer mudar para melhor?”

Depois de ler a crónica de hoje publicada pelo eng. Daniel Santos  no jornal AS BEIRAS, lembrei-me do seguinte:       
1. No fim de semana passado, como a foto sacada daqui mostra, o nacional de Enduro teve uma jornada na nossa cidade. Os pilotos estiveram  mesmo na praia da Claridade, onde foi  traçado o “Enduro Test” (6 Km).
2.No princípio deste mês de maio, no mesmo local, tivemos "um dákar de pacóvios".

Fica a pergunta:
Como é que o presidente da Câmara, João Ataíde, pode garantir  que a autarquia continua a preservar a vegetação da praia, alegando que esta opção está tecnicamente sustentada, se não se opõe à realização de iniciativas como as acima citadas num local que está em processo de renaturalização?
O problema não é a linguagem, o problema é a atitude.
Qualquer dia acordamos todos com a cara enterrada no matagal da praia da Calamidade...

A equipa de design do homem sabe mesmo o que anda a fazer?..

Olho e vejo também o amarelo no sorriso...

terça-feira, 26 de maio de 2015

Coincidência, era eu ser faquir e andar a vender pensos rápidos!..

Hoje, ao passar dei conta que uma máquina, esta manhã, começou a fazer alguma coisa...
Há muito por fazer, como as fotos que podem ver aqui demonstram.

Em tempo.
Fica o agradecimento a quem me avisa, de vez em quando, que, aqui e ali, coloco umas vírgulas fora do lugar e me ajuda a colocá-las no sítio...

A memória e o interesse

“Poucos anos depois da criação da ACIFF (1835), Henriques Seco, lente de Coimbra, inscreveu como factores do  progresso da Figueira da Foz a existência do porto, a fácil comunicação com o interior (através do rio), o génio dos seus habitantes, o afluxo de banhistas e o comércio do sal, do carvão, vinhos, cereais e frutas das beiras.
O que mudou desde então para hoje?”  - citei o vereador António Tavares.

Assim, de repente, olhando para o presente, apetece responder que mudou quase tudo…
E, na Figueira, para pior.
Porém, a memória é quase sempre um lugar escorregadio. 
O passado,  traz à memória poeiras sopradas pelos ventos. Podem ser simples constatações, ou verdades.
O tempo, essa coisa que estraga os corpos e as mentes, é inflexível para todos nós.
Eu sei que o consensual era isto: caminhar despreocupadamente a olhar para  o paraíso em  que este executivo transformou a Figueira em apenas quase 6 anos...
Contudo, a meu ver, o importante é respirar – sobretudo,  a saudade do futuro, apesar do passado recente e do presente que esburaca o meu optimismo.
Por isso, do que depender de mim, não vou permitir alienações que me roubem o  horizonte – que é o futuro.
E, pelo menos no meu  futuro não cabe este passado recente, protagonizado pelo vereador Tavares e a equipa de que faz parte.
Modéstia à parte, a minha memória está cada vez melhor. 
Ou é isso, ou ando-me a esquecer de me esquecer.

Em tempo.
Para aquelas pessoas que, porventura, achem que a minha memória não conta para nada, eu acho que elas é que deixaram de ter interesse...

Carlos Costa…

Cito o Económico.
 “O Governo já convidou o Governador do Banco de Portugal a manter-se para mais um mandato. Carlos Costa aceitou”.
Carlos Costa, o regulador preferido dos que deveriam ser  regulados, pois é o que menos regula

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Figueira, um concelho em processo de renaturalização?..

Esta foto de António Agostinho, dá conta do abandono a que está votado o Cabedelo. Mais fotos aqui
Por brincadeira, diz-se pela Figueira que já tivemos a carraça das Abadias, a pulga da praia (outrora da Claridade, agora da Calamidade) e, neste momento, temos, em pleno processo de evolução, o caruncho do Cabedelo.
Esta Câmara faz lembrar aqueles miúdos, com um cheirinho a atraso, mas que ainda não podem ser considerados deficientes. Contudo, tal como com aqueles miúdos, vê-se – mesmo  olhando de longe - que não está tudo bem por aqueles lados…
Antes de publicar esta postagem mostrei as fotos a  alguém… Arregalou os olhos até ao excesso e disse apenas:  “não percebo!”
Nem eu, confesso. Tanto mais,  que o gabinete de agitação e propaganda da nossa autarquia, reconhece que “do rico património natural existente é de realçar os 12 km de praias de “finas areias”, onde pode apreciar a inconstância do rebentar das ondas espumosas e salgadas do Atlântico. Na sua maioria, com águas de “qualidade ouro”, reconhecidas pela chancela europeia da “Bandeira Azul”, estas praias fazem do concelho um destino de praia por excelência e são um convite ao lazer, a longas caminhadas à beira de água, mas também ao repouso ao sol.”
Figueira,  um concelho em  processo de renaturalização, ou uma cidade que tem um poço de petróleo  – as suas praias – e o está a deixar arder por incompetência?...
Do alto da experiência dos meus mais de 60 anos,  já ouvi falar da velhice e da morte e dessas coisas todas…
No entanto,  no que me diz respeito, continuo a acreditar que tudo  não passa de rumores…
Espero que os políticos figueirenses tenham mais noção da realidade do que eu.

Farturinha pré-eleitoral…

“Ministro da Defesa anuncia 6.088 promoções nas Forças Armadas”

O meu problema com os políticos é sempre o mesmo: é aquela parte de acertar na maneira de como eu e eles olhamos para a realidade...

"O Porto da Figueira da Foz volta a bater recordes e é inegável a sua importância para o desenvolvimento da economia local e regional. O papel que o porto desempenha na movimentação de carga, facilitando o escoamento de bens produzidos no concelho e contribuindo para o valor das exportações concelhias deve ser cada vez mais realçado. A movimentação de mercadorias no primeiro trimestre deste ano aumentou 17,5% em relação ao período homologo, constituindo assim o melhor trimestre de sempre. Estes bons resultados são fruto de uma comunidade portuária cada vez mais empenhada no crescimento desta infraestrutura portuária e na afirmação, cada vez mais consolidada, do Porto da Figueira no panorama nacional. O porto figueirense é um dos poucos portos nacionais que tem uma balança comercial positiva, ou seja, em que o valor das exportações supera o das importações. Com efeito, cerca de 60% da carga transacionada no porto tem como destino o estrangeiro, valor muito significativo e animador. Estes números são o reflexo de um crescimento do principal cliente do porto, a fileira da pasta e do papel, mas também de um aumento das exportações de outras empresas da região, que utilizam o porto da foz do Mondego como porta de saída para o mundo. É por isso vital para o concelho saber utilizar esta enorme vantagem competitiva, para captar mais investimento. Apesar desta superação de objectivos o porto continua a lutar com dificuldades no que respeita às dragagens, que durante o ano passado constituiu uma enorme dificuldade para actividade portuária e um gigantesco risco para a frota pesqueira. Esperemos que a nova administração do porto, consiga ultrapassar essas dificuldades." 

Em tempo.
"Porto seguro", é o título desta crónica de Miguel Almeida.
Entretanto, pelo caminho, vão ficando as pessoas que vão morrendo nos acidentes marítimos à entrada da barra. Mas, isso, é só um pormenor que preocupa alguns patetas como eu. O importante são os números dos recordes das toneladas.
Enfim, estamos a viver um momento em que quase apetece arrumar as botas, que a razão já tem pouco a ver com o que se passa e vai continuar a passar nesta bela cidade da Figueira da Foz, em particular, e no país, em geral. 
Mas, tenhamos um restinho de esperança: um dia ainda hão-de ser de forma genuína as pessoas a contar.

Honestidade!..

Maria Luís Albuquerque: "é honesto dizer aos portugueses que vai ser preciso fazer alguma coisa sobre as pensões para garantir a sustentabilidade da Segurança Social. E essa alguma coisa pode passar, se for essa a opção, por alguma redução mesmo nos actuais pensionistas. Se isso for uma distribuição mais equilibrada e razoável do esforço que tem de ser distribuído entre todos, actuais pensionistas, futuros pensionistas, jovens a chegar ao mercado de trabalho, se essa for a solução que garante um melhor equilíbrio na distribuição desse esforço, é aí que nos devemos focar".

Em tempo.
E é honesto avisar os que dentro de cerca de 4 meses vão votar para escolher um governo e um primeiro-ministro para os próximos 4 anos, que quem optar pelo partido da senhora ministra, vai lixar, mais uma vez, os gajos e as gajas que trabalham, trabalharam ou venham a trabalhar em Portugal, e que não chegarem a ministros.
Será a esses, aos que trabalham, trabalharam ou venham a trabalhar em Portugal, e que não chegarem a ministros, que se cortarão ainda mais os salários, que se cortarão ainda mais as pensões, que se aumentarão ainda mais os impostos.
Por fim, por falta de dinheiro - a opção terá de ser feita, ainda mais, entre comer e os remédios para as maleitas... - tira-se-lhes o acesso aos medicamentos, na esperança de que morram rapidamente e assim aliviem os encargos sociais.
Não se esqueçam que a crise pode estar dentro das nossas cabeças...

Algo de novo: PDR coloca "Portugal à gargalhada"!..

Os ânimos exaltaram-se, Marinho Pinto mandou suspender as votações e falou de um "assalto" ao partido por uma "multidão de uma confissão religiosa".
“Vieram de autocarro, gente que não estava inscrita, roubaram fichas que estavam aqui espalhadas pelos balcões e puseram-se na fila para votar. Tínhamos molhadas de papéis em cima da mesa que desapareceram de repente”, explica, a olhar para todos os lados, e sem querer que o seu nome fosse citado.
“Foi a seguir ao almoço. Eram hordas da Igreja Maná”, continua, assertivo. Mas de repente cala-se. Um grupo de três pessoas que estava ali perto, chega-se ao balcão e pergunta: “Está tudo bem? Estão a olhar torto para nós? Pagamos impostos, temos os nossos direitos”, fala a rapariga loira, para logo desaparecer de vista.
“Está a ver? São estes. Todos brasileiros”, murmura o homem. E depois justifica a aparente falta de organização: “Somos um partido novo, estavam aqui as coisas todas à vista, as caixas, e olhe, agora está tudo cancelado”. Ri-se, meio nervoso, enquanto atende uma outra senhora que se dirige ao balcão: “Não é aqui que existe uma exposição de quadros?”
Não. Aqui, no Fórum Lisboa, decorre a primeira Assembleia de Filiados do Partido Democrático Republicano, que de manhã havia eleito, sem margem para dúvidas, Marinho Pinto como presidente. 494 votos a favor, 7 votos em branco, 3 nulos e zero votos contra.
Alexandre Almeida, antigo militante do MPT (Partido da Terra), que elegeu Marinho Pinto como deputado ao parlamento europeu, decidiu apresentar uma lista concorrente ao conselho nacional do partido. Pouco tempo antes de as votações se iniciarem, começaram a aparecer várias pessoas que se inscreveram e receberam uma credencial. Dirigiram-se então para as mesas de voto.

E esta é a segunda versão do que aconteceu, pela voz de Alexandre Almeida e Luciana Almeida, mulher do candidato. “Eu sou aqui o palhaço de serviço”, disse logo assim de rajada o antigo companheiro de partido de Marinho Pinto. “Apresentei uma lista ao conselho nacional, íamos ter uma excelente votação. Quando perceberam que a coisa não estava a correr bem…” Luciana interrompe. “Ele falou de uma cambada de brasileiros de uma determinada religião. Mas eu tenho de dizer qual é a minha religião para votar? Sou filiada desde 20 de Janeiro.” Luciana é brasileira e trouxe familiares e amigos que se inscreveram para votar.
Mas autocarros, não. “Eu vim de autocarro, mas de autocarro da Carris, que sou aqui de Lisboa”, diz Alexandre Almeida.
Perante a quantidade de pessoas que se juntava às filas para votar, e alegando a estranheza de tantas caras que nunca ninguém do partido tinha visto, Marinho Pinto foi avisado. Imediatamente saiu de dentro da sala do Fórum Lisboa. “Vieram avisar-me e eu vim ver. Fui ao serviço e disse «parem aqui a votação», dirigi-me à presidente da mesa e mandei suspender”, conta ao Observador.
Marinho Pinto é, a partir de ontem, o presidente do Partido Democrático Republicano. 
Um partido com um presidente, sem conselho nacional e com uma confusão de filiados.

domingo, 24 de maio de 2015

E que tal perguntar aos interessados?..

João Damasceno, o presidente da ACIFF, na oportunidade, perante  António Tavares, vice-presidente da câmara,  e o ministro Poiares Maduro, defendeu a necessidade que a Figueira Foz tem de se se preparar para responder aos desafios que a região, o país e a Europa lhe colocam. Um desses reptos tem a ver com os refugiados, advogando que a cidade se posicione para recebê-los, tal como fez durante a II Guerra Mundial.
Falta saber:  quando os refugiados souberem o que é Portugal e a Figueira, será que quererão vir para cá?..

Fatalismo?..

Ser inteligente é ser um desgraçado. O imbecil é feliz. 
Mas o animal também. 

Vergílio Ferreira

Em tempo:


Quem é (mesmo) Passos Coelho?

O país político - sobretudo certa comunicação social - passados quase 4 anos, parece continuar  deslumbrado com Pedro Passos Coelho.
As televisões, certos blogues, as rádios e os jornais continuam a tentar dar a parecer que o homem é um aluno bem comportado, muito asseado e com a lição desmesuradamente estudada.
Ele tenta colaborar: continua a falar sem mexer um músculo que seja. Porventura, continua a achar que a maioria dos portugueses esperam dele grandes feitos e obras!
Sem  ter feito os ditos feitos e obras de que tanto se gaba - tanta eficiência, tanta eficácia, tanto deslumbre!..  -  espero estar cá para ver  o que acham os portugueses,  em Outubro próximo, de Pedro Passos Coelho: um homem que não dá conselhos e  a quem  já não contam uma boa piada há mais de 20 anos!..
Por mim falo: não tenho expectativas deste governo, desta maioria e do maior partido da oposição.
O neoliberalismo vai continuar a  avançar por cima dos cadáveres consumidos pelo passar do tempo, pela mágoa da injustiça e com a  indiferença  do fútil social em que vivemos.
E tudo vai acontecer a uma velocidade tal, que os fracos de espírito,  ou os camaleões, não vão conseguir suportar. Vão acabar por desesperar e por morrer politicamente,  desconexos do meio, abandonados  na valeta do esquecimento.
Em Outubro iremos constatar o óbvio.

Pela boca morrem alguns peixes

A foto acima foi obtida pelo bloguista a partir da zona do farol do molhe sul, num dia de vento e ondas. 
Neste local, onde até os pensamentos têm cor, podemos encontrar a verdadeira e própria liberdade.
São os solitários, os poetas, os que precisam do mar, das ondas e do seu som, para que os seus pensamentos vão com elas e caminhem pela liberdade dos grandes e amplos espaços.
Quem, como eu, gosta de coisas simples e de borla, fazer uma caminhada pelo paredão do molhe sul do estuário do Mondego, é ir ao encontro de um mar limpo e fresco. Caminhando obrigatoriamente para poente, chega-se junto ao farol que sinaliza a ponta do molhe - aí, o mar já se esqueceu do rio e encontrou a sua vocação atlântica. 
Entretanto, mesmo por muito distraído que se seja, percorrendo aqueles cerca de 900 metros, contados a partir do Parque de Campismo do Cabedelo, damos conta que existem dezenas de pescadores desportivos. Dá também para observar facilmente que alguns - poucos - peixes morrem pela boca, no anzol das canas dos pescadores. 
Um dia destes, naquela muralha artificial, de cimento e pedras, que entra pelo mar dentro e que serve também para separar o rio do mar, e a que chamam molhe sul, um peixe em agonia, atirado para cima da superfície rugosa e imperfeita do piso do molhe por um pescador, quase que parecia que me queria atacar os pés. 
Ultrapassado o percalço, prossigo, determinado e firme, a caminhada pelo molhe em direcção a poente, rumo ao farol, no local onde as ondas embatem nas pedras com violência, como se dissessem ao paredão que, dado o barulho, as palavras aí são desnecessárias, por incompreensíveis. Contudo, ainda ouço alguém, que ficou para trás, dizer: “este é dos gordos…” 
No ar havia um cheiro intenso a maresia - lembrava um perfume tépido. O vento, era apenas uma miragem, como que uma bruma coberta de sonho. Do céu, limpo de nuvens, o sol enviava raios de calor. 
Assim somos todos nós. Num dia cheios de imaginação e vida, ligamos aos pormenores. 
No outro, já somos apenas uns restos, que a natureza se encarregará de desintegrar. Depois, seremos esquecidos pela maioria. Um dia, ninguém sequer saberá que um dia existimos. 
Tudo perfeito, portanto: um dia o incauto compreenderá o chão que pisa. 
Fica aqui partilhado este  meu primeiro olhar de hoje. 
Como, aliás, acontece em silêncio todos os dias, foi na direcção ao mar da minha Aldeia -  forte, imenso, límpido, azul e denso.
Talvez, quem sabe, apenas a sonhar com poesias feitas de mar. 
Bom domingo para todos.

sábado, 23 de maio de 2015

Passos defende que se deixe “para trás das costas os fatalismos”….

Já agora, para além dos “fatalismos”, deixemos também  "para trás" a desgraça que está a ser esta coligação Passsos/Portas.
Depois destes quase 4 anos, tenho o corpo numa desgraça. Todos os meus ossos andam a resmungar…

A SOLIDÃO DAS LUTAS

“Hoje quem luta e quem reivindica está sempre sozinho. Pode contar consigo ou com os seus e nada mais. Os mecanismos clássicos que geravam solidariedade foram erodidos na sociedade durante várias décadas e praticamente destruídos pela crise do «ajustamento». Há excepções, mas esta é a regra.

Isto significa que todas as lutas parecem ser corporativas, mesmo quando não o são. Esta «corporativização» dos conflitos sociais enfraquece o seu impacto, dá-lhes uma dimensão que parece, vista de fora, egoísta, e dificulta, quando não impossibilita, qualquer solidariedade activa. Cada um, a seu tempo, quando precisa de lutar, protestar, pura e simplesmente levantar-se e dizer que "não", vai pagar na sua solidão a indiferença que teve pelos outros.”

A Escola da Gala

Ontem, o secretário de Estado do Mar esteve na Gala em visita à Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico de São Pedro, para tomar conhecimento do projecto “Aquacultura… uma solução quando o mar não chega!”.
Pelo que tive oportunidade de ler na edição deste sábado do jornal AS BEIRAS,  Manuel Pinto de Abreu ficou impressionado com o que viu e desafiou o presidente do Agrupamento da Zona Urbana da Figueira da Foz, Adelino Matos, a candidatar a proposta ao programa de fundos comunitários Portugal 2020.
“Estou entusiasmado e vou divulgar o projecto”, avançou, em declarações aos jornalistas. Para o governante, envolver as crianças em projectos e acções como esta promove a “verdadeira cultura do mar”.
Antes de visitar a exposição sobre a proposta que o agrupamento submeteu ao concurso nacional Ciência na Escola da Fundação Ilídio Pinho e que pretende transformar em actividade económica, no estabelecimento de ensino, o secretário de Estado apresentou a política marítima aos alunos, no Clube Marítimo da Gala.
Em síntese, o projecto consiste em reduzir o impacto ambiental e maximizar a eficiência produtiva e a qualidade do pescado criado em cativeiro. Propõe, entre outras soluções, a instalação de estações de tratamento de águas, para evitar os efeitos dos produtos químicos oriundos dos campos agrícolas no peixe, criar peixes de segunda categoria para a farinha através da qual se produz a ração, produzir bivalves e purificar a água com algas. Saliente-se que a Figueira da Foz tem várias explorações piscícolas, na ilha da Morraceira.
Sublinhe-se, que o Agrupamento da Zona Urbana da Figueira da Foz  tem conquistado diversos prémios nacionais que aliam a ciência ao empreendedorismo. Cristina Oliveira, directora regional da educação, também elogiou o espírito empreendedor do agrupamento.
Manuel Pinto de Abreu convidou os alunos da Escola de São Pedro a visitarem a Semana Azul, evento dedicado ao mar que se realiza em Lisboa, no início de junho.
O vice-presidente da Câmara da Figueira da Foz, António Tavares, informou AS BEIRAS que a autarquia disponibiliza o transporte.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Um livro não responde. Um livro pergunta...

Um lutador compulsivo, um homem “inimputável”, extremamente competitivo, com as virtudes que caracterizam os grandes líderes mundiais.
Assim é José Sócrates, retratado no livro "Cercado", lançado pelo jornalista Fernando Esteves a propósito da sua detenção.

Se não fizermos o que tem de ser feito, ninguém o fará por nós...

Os anos disto vão passando.
Com eles, o desânimo, a infelicidade, a amargura acumulam-se como o papel nas paredes, as fotografias da família, a preto e branco, amarelecidas pelo passar do tempo. 
E a malta já não é a mesma - os que não morreram, estão a envelhecer. 
Mas o rio da Aldeia continua, imponente, a correr...
Um dias destes, alguém me disse que os blogues na Figueira estão em recessão...
Comentei o óbvio: se eu não fizer um blogue, ninguém o fará por mim.

Um dia tipicamente figueirense

ALERTA COSTEIRO 14/15 - vídeo IV
("um registo dos efeitos do vento nas novas dunas de São Pedro" - um trabalho de Pedro Agostinho Cruz)


Hoje, está um dia tipicamente figueirense: um dia com sol e vento.
Convidativo, portanto, para pegar na bicicleta, sair e ir olhar a Aldeia,  que já está a sonhar com o verão.
Tem dias em que, apesar de tudo, prefiro ser optimista e ter o progresso no pensamento.

Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz comemorou 180 anos de existência

imagens sacadas daqui
A sessão arrancou  com a assinatura de um protocolo entre a ACIFF, o Turismo do Centro e a Câmara da Figueira da Foz para a instalação de painéis de informação turística interactivos em pontos estratégicos da cidade.
Seguiram-se os discursos.
O presidente da Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz,  João Damasceno, ao usar da palavra  na sessão solene comemorativa dos 180 anos da Instituição , uma das três mais antigas do país (a seguir às de Lisboa e Porto), aproveitou para  reclamar mais atenção  da Universidade de Coimbra em relação ao estuário do nosso rio. Segundo AS BEIRAS, João Damasceno sublinhou que “não se compreende,  que durante 725 anos de existência, ainda não tenha considerado suficientemente a biodiversidade única do estuário do rio Mondego e a costa da Figueira para criar um pólo marítimo de excelência nesta cidade e se reduza a recolher amostras para colocar em apresentações de PowerPoint e teses”.
Na oportunidade, João Damasceno defendeu ainda a abertura da Base Aérea de Monte Real à aviação civil e referiu  também a necessidade que a Figueira Foz tem de se se preparar para responder aos desafios que a região, o país e a Europa lhe colocam. Um desses repto tem a ver com os refugiados, advogando que a cidade se posicione para recebê-los, tal como fez durante a II Guerra Mundial.
A cerimónia teve outros oradores: José Couto, presidente do Conselho Empresarial do Centro, António Tavares, vice-presidente da câmara, João Vieira Lopes, líder da Confederação do Comércio, e o ministro Poiares Maduro, que encerrou as comemorações.
Poiares Maduro, que falou num registo descontraído, começou por dizer que, hoje, os ministros não podem levar uma lista de promessas quando fazem visitas, muito menos quando sabem que não podem cumpri-las.
Os tempos mudaram e o assunto da ordem dos dias do governante são os fundos comunitários, que dominaram aliás a sua intervenção. 

Portugal é dos países mais pobres e desiguais da OCDE (II)

A OCDE identifica neste aumento das desigualdades um entrave ao crescimento económico que há que combater.
Apesar de haver histórias que nunca passam nos telejornais, não é novidade nenhuma. 
E a procissão ainda agora vai no adro.



Em tempo.
"Nós somos considerados como países ricos no mundo".
Pedro Passos Coelho, em 15 de Maio de 2015

ESPECTÁCULO DE GALA PARA APRESENTAÇÃO DO FESTIVAL CINEMA 2015, É HOJE

DAQUI

Portugal é dos países mais pobres e desiguais da OCDE

Alvin Toffler

Mais precariedade, menores salários, menor receita fiscal, menores descontos para a Segurança Social, menor consumo, menos emprego, produto a encolher.
Os dados são de ontem e tornam  visível a relação causal entre os desequilíbrios nas relações laborais que foram sendo progressivamente introduzidos pelos sucessivos Governos que tivemos, a estagnação económica que marcou todo o período e a degradação progressiva das nossas contas públicas: mais de metade dos empregos criados nos últimos 18 anos são a tempo parcial, contratos a termo ou trabalho independente, conclui um estudo que analisa as desigualdades nos países da OCDE e em várias economias emergentes.
"Entre 1995 e 2013, mais de metade de todos os empregos criados nos países da OCDE eram de uma destas categorias.”
O estudo ontem apresentado pela OCDE complementa a informação constatando que os “trabalhadores pouco qualificados com contratos temporários, em particular, têm rendimentos muito mais baixos e mais instáveis que os trabalhadores permanentes”, confirma o aumento das desigualdades em quase todo o mundo e coloca Portugal na parte desse mundo onde – transferência/concentração de riqueza – o empobrecimento dos que menos têm corresponde ao aumento da fortuna dos mais ricos.
A OCDE identifica neste aumento das desigualdades um entrave ao crescimento económico que há que combater.
Apesar de haver histórias que nunca passam nos telejornais, não é novidade nenhuma. 
E a procissão ainda agora vai no adro.