.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

terça-feira, 31 de julho de 2012

Mário, amigo, o PS continua a estar contigo....

A Fundação Mário Soares vai receber, este ano, pelo menos 64.825 euros de apoio financeiro da vereação da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa (CML).
Para além dos 50 mil euros anuais que "o Município está obrigado" a dar como "apoio financeiro" à fundação de Soares, acrescem mais 14.825 euros, propostos pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto – e que vão hoje a discussão e votação em reunião de Câmara.

Via Correio da Manhã

Feiras e outras iniciativas de verão...

Este país e a nossa Terra vão bem. Pelos vistos,  vão  mesmo muito bem!.. Em especial a freguesia de S. Pedro
E, na minha opinião, em grande parte, devido às feiras!..
Temos um líder de direita  - o célebre Paulinho das Feiras - que deve, em grande parte, o sucesso politico às feiras...
Talvez, por isso, não sou grande apreciador de feiras, sejam de "Mar e Terra" ou de "antiguidades e velharias". 
Contudo, concedo que as feiras são  espaços formidáveis  para encontrar e rever Amigos...
As feiras, podem ser, ainda,  espaços excelentes  para tomar contacto com novos produtos e novas ofertas  culturais.
Por este andar, um dia destes, ainda vão ser ser devidamente legalizadas...
Até porque existe quem se sinta lesado. Como, por exemplo, este anónimo João Castanheiro com quem, ontem, por acaso esbarrei no facebook.
Por mim, que se lixem os proprietários de estabelecimentos comerciais que investiram na Cova-Gala... O que me importa, verdadeiramente,  é a freguesia de S. Pedro!
Não foram eles, salvo raríssimas e honrosas excepções, que deram os tiros nos próprios pés, ao contribuíram, ao longo de 20 anos, para manter no poder local quem agora contestam em surdina, pois continuam a ter medo não sei bem de quê?..
Agora, queixam-se porquê e de quem?..
Só se for deles próprios, pois foram avisados em devido tempo... 
Entretanto, vão aguentando  - e de bico calado!..
Quem vos avisa, vosso amigo é...

X&Q1125


Fica-nos caro, mas é com outro asseio...

Continuamos a ser lixados,  mas agora por profissionais...

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Peixe, carne, ovos e leite são alguns dos alimentos em causa ...

Se algum "troiko", dos que costumam cá vir analisar as contas, apanha alguma caganeira, quero ver como é que a ministra descalça a bota... 

Esta Figueira!.. ?.. !.. ...

Notícia a ler no Expresso:
Figueira da Foz: Obra de parque de estacionamento "esbarra" em descoberta de antigo molhe do quebra-mar...
Comentário no facebook:
‎"Até na net podiam consultar, a localização do molhe... Não faz sentido, é de um amadorismo extremo."
Nota sacada daqui:
Este comentário foi considerado (Matéria insultuosa ou fora do contexto do Grupo será removida)... 
Decisão:
Como tal, tomei a iniciativa de me desagregar grupo aberto "d' OPALHETAS NA FOZ" tendo em conta o controlo ditatorial do canal sobre a escrita dos utilizadores.

Fatalidade olímpica portuguesa… (II)

O comentário anónimo da semana nos blogues figueirenses...

"esta figueira da foz deve ser unica neste país desportivo senão vejamos: tem um atirador olimpico que não tem sitio para treinar. tem uma equipa profissional de futebol que não tem campo proprio nem sede. tem varios campeões nacionais de atletismo (suovais) que treinam na praia. Perante isto o nosso presidente da camara deve estar orgulhoso."


Via Marcha do Vapor

A razão da crise?..


Salvo melhor opinião,  está por provar que a grande maioria dos portugueses  tenha andado a viver acima das suas possibilidades…
Mais do que provado está, isso sim, que a grande dos portugueses tem andado a votar muito acima das suas possibilidades…

domingo, 29 de julho de 2012

Morreu o actor Santos Manuel

FALECEU HOJE O ACTOR SANTOS MANUEL QUE SE ENCONTRAVA HÁ DIAS INTERNADO NO HOSPITAL.
FOI UM DOS FUNDADORES DA CASA DA COMÉDIA NOS ANOS 60 E AI SE MANTÉM ATÉ 1965.
EM 1962 ESTREIA-SE EM "DESEJA-SE DE MULHER" DE ALMADA NEGREIROS.
EM 1965 É TAMBÉM UM DOS FUNDADORES DO TEATRO EXPERIMENTAL DE CASCAIS ONDE SE MANTEVE ATÉ 1977 COM APENAS UMA INTERRUPÇÃO PARA FAZER NO GAT "O PROCESSO"
NO TEC INTERPRETA "ESOPAIDA", "A MALUQUINHA DE ARROIOS","D.QUIXOTE", "O COMISSÁRIO DA POLICIA", ENTRE MUITAS OUTRAS PEÇAS.
AO LONGO DA CARREIRA FOI DIRIGIDO POR CARLOS AVILEZ, ROGÉRIO PAULO, ÁGUEDA SENNA ENTRE OUTROS.
EM 1977 PASSA PELA BARRACA INTERPRETANDO "ZÉ DO TELHADO", "PRETO E BRANCO", "FERNÃO MENTES?", "D.JOÃO V".
EM 1983 REGRESSA AO TEC ONDE SE MANTEVE ATÉ  AGORA.

Natural da Figueira da Foz, onde viveu até aos 18 anos, Santos Manuel estreou-se no Teatro Amador, em 1958, na Companhia do Teatro Popular de Almada, com a Peça “Todo Mundo e Ninguém” de Gil Vicente, numa encenação de Alexandre Passos.
Em finais de fevereiro de 1983, foi uma das personalidades que esteve no palco do Casino no espectáculo de homenagem ao dr. Joaquim Namorado.

Fatalidade olímpica portuguesa…


Conquistar uma medalha olímpica é o maior momento na carreira de um atleta.
Para os Jogos Olímpicos de Londres foram produzidas 2.100 medalhas para serem distribuídas aos competidores. Criadas pelo britânico David Watkins, elas já começaram a ser entregues em Londres.
Os nossos atletas olímpicos, tal como os restantes portugueses, vão fazendo o que podem pela vidinha...
Até ao momento, a melhor prestação em Londres, foi de João Costa, que com 47 anos e 100 quilos de peso,  pode não ter a aparência física de um atleta olímpico, mas é dos competidores mais constantes que Portugal tem apresentado nas últimas edições.
Ainda ontem repetiu o 7.º lugar que tinha conquistado em Sydney2000 (em Atenas 2004 e Pequim 2008 repetiu, em ambas, o 17.º posto), no tiro de pistola a 10 metros.
Os Jogos Olímpicos fazem lembrar um pouco as eleições em Portugal: realizam-se de quatro em quatro anos e a esmagadora maioria dos portugueses acaba por perder. 
Oxalá esteja completamente enganado, mas para os portugueses, pelo andar da carruagem, medalhas, nos próximos tempos, só as da TROIKA.

Mais português não é possível!...


 "Trato todos os alunos da mesma forma. Tenho 67 anos, sempre votei no Partido Comunista e não tenho nada que ver com política" -  Manuel Jerónimo Marques dos Santos, docente da cadeira de Teoria do Estado e da Democracia e da Revolução na Universidade Lusófona, uma das quatro que Relvas realizou para ter o ambicionado canudo.
Traduzindo:  a minha política é o trabalho…
Mais português não é possível!

Quais?..

Segundo António José Seguro, o “compromisso com a ‘troika’ compromete todos os portugueses responsáveis e, em particular, o líder do PS com as metas”, mas, salientou, “completamente diferentes são os caminhos para lá chegar”.
Completamente de acordo com António José Seguro.
Agora, fico à espera que ele indique os “completamente diferentes caminhos para lá chegar”.
Como me disse ontem à noite um Amigo meu de longa data, “os portugueses estão numa de sobrevivência a todo o custo”… Portanto (concluo eu…): os portugueses estão fartos de paleio... Entre a cadeia e o hospital, vão continuar a preferir a cadeia…
O que pode ser tudo, menos seguro, para a carreira política do  inseguro Seguro!

Um caso de verdadeira inaptidão profissional...

Uma jovem de 18 anos, identificada 42 vezes pela PSP de Lisboa pelo furto de carteiras em transportes públicos e detida duas vezes (tendo ficado sempre em liberdade), foi presa anteontem em flagrante no interior do eléctrico 15 (Praça da Figueira- Algés) depois de ter furtado a carteira a um homem.

Bom domingo

sábado, 28 de julho de 2012

Um, é bom conselheiro!.. O outro, é bom rapaz...

“Tempo de solidão e de incerteza / Tempo de medo e tempo de traição / 
Tempo de injustiça e de vileza / Tempo de negação”, 
diria Sophia de Mello Breyner.

João Costa foi 7º na final do tiro a 10 metros

João Costa terminou na 7ª. posição a final da prova de tiro com pistola de ar comprimido a 10 metros, igualando a sua melhor prestação em Jogos Olímpicos, em Sydney 2000.
O 7º. lugar de Costa representa a obtenção de um diploma nos Jogos Olímpicos Londres 2012.

Via jornal Público

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Oásis "lixados"...


Feira Mar e Terra na Cova-Gala

De amanhã, sábado, a 5 de agosto a Cova-Gala (freguesia de São Pedro) é palco da «Feira Mar e Terra», iniciativa promovida pela Junta de Freguesia local e que acontece no parque de merendas.
Todos os dias haverá venda de produtos do mar e terra (sábado e domingo abertura às 8h30, restantes dias às 11h00), destacando-se a área de «tasquinhas» com variados festivais, entre eles o da sardinha e bivalves (amanhã).
A cerimónia oficial de abertura do certame acontece às 15h30 com actuação do grupo de música cubana «Los Compadres». Às 16h30, a organização oferece sardinha , broa, pão, berbigão e caldo verde, seguindo-se actuação do grupo MusicalBand. Por volta das 22h00 sessão de fados com Rosarinho, Luís Oliveira, Carlos Ligeiro, Rui Miccelis e Mariana Imaginário.
Nos restantes dias prossegue a animação musical com diversos artistas e bandas. Na quarta feira, desfile de moda às 21h30 (Vera Fashion e Taisa Kids) com actuação de Sónia Pinto, Mariana Imaginário e Duo Zé e João (Núcleo Jovem de São Pedro) - direcção artística de Aldina Matias.

Via O FIGUEIRENSE

Cartão relvas, o que dá para quase tudo…


Como é que um tipo se mata em 14 segundos?..

Vale e Azevedo disse à Lusa que em 2004 esteve à beira do suicídio em Portugal, quando ficou “14 segundos em liberdade”.
Apesar das ideias suicidas, não largava o cronómetro…
Mas, Vale e Azevedo não esquece quem lhas fez. Refere-se ao juiz Ricardo Cardoso (o do laço vermelho, lembram-se?) que o teria lixado – desculpem o plebeísmo coelhino...
E querem saber porque é que o desembargador o teria lixado?
Porque Ricardo Cardoso pertencia ao grupo dos “notáveis do Benfica da oposição”.
O que a gente vai aprendendo sobre a justiça portuguesa e sobre o Benfica…
E eu a pensar que os juízes safavam os notáveis dos seus clubes…
O que nos Vale é o Azevedo.

Chama-se a isto, poupar nos "trapinhos"!..

Em 2012, já nem a malinha dos trocos veio...

Coisas do quotidiano

foto sacada daqui
Pergunta sacada daqui:
"Desculpem que mal pergunte mas, com 13 – treze – 13 processos de execução pendentes, e com o rating da empresa como de "risco comercial elevado" e de "crédito não recomendado", o genro do senhor Silva, cidadão anónimo de uma aldeia do interior, conseguia crédito do Banco Espírito Santo para comprar um palheiro, em ruínas que fosse, para tratar da lavoura?"
Nota sacada daqui
- "o Governo, este Governo,  está a preparar a criação de uma lista negra onde serão expostos à vergonha todos aqueles que acumulem mais de 75 euros em dívida aos prestadores de serviços essenciais de luz e gás, cujo IVA, recorde-se, foi recentemente agravado."

VAMOS SALVAR A ARTE DOS PESCADORES PORTUGUESES DA BEIRA LITORAL

fotos de Pedro Agostinho Cruz
Organizada pelos pescadores locais e pela Câmara Municipal de Mira, realizou-se  em 23.07.2012, na Praia de Mira, no auditório do Centro Cultural e Recreativo,  uma reunião de discussão aberta ao público decisiva para a sobrevivência e para o futuro de um tipo especial de Pesca portuguesa que tem séculos de história e que constitui um dos exemplos mais emblemáticos e culturalmente mais significativos — e, por isso, desde sempre, um dos exemplos mais invocados e mais utilizados como cartaz turístico e como paradigma de Cultura Popular — da Etnografia, da História e da Identidade Nacional de Portugal.
Um tipo de pesca, um tipo de património cultural marítimo, e um tipo de comunidade de pescadores que, paradoxalmente, ao mesmo tempo que em Portugal têm sido sempre infindavelmente exibidos como emblemáticos, turísticos e paradigmáticos, tem também sido sempre, ou quase sempre, desprezados e esquecidos (quando não perseguidos e asfixiados); e que por isso têm vindo a extinguir-se, e têm desaparecido "como neve diante do sol".

A Arte de Pesca de Arrasto para Terra, modernamente designada legalmente pelas instituições administrativas e fiscais do Estado português com o nome oficial de "Arte-Xávega" (nomeadamente segundo a Portaria 488/96 publicada no D.R., 1ª Ser., nr. 213, de 13.09.1996) —praticada com utilização das incomparáveis e belas embarcações artesanais portuguesas de madeira chamadas “Barcos do Mar”, ou “Barcos da Arte” (a embarcação mais popularmente conhecida com o nome de “Meia-Lua”, e que consideramos “o mais belo barco do mundo”) —, é um tipo de pesca artesanal e uma realidade humana, sociológica, tecnológica e civilizacional absolutamente única e fascinante, que não tem equivalente em qualquer outra parte da Europa e do Mundo, e que seria um enorme crime (um crime sem perdão) se alguma vez viesse a ser deixada morrer.
É um tipo de pesca muito específico, muito especializado e bastante diferente (pois, na sua aparente simplicidade, é muito mais heróico e muito mais difícil e perigoso do que julgam os que nada sabem de mar), e que por isso não pode ser comparado com qualquer outro tipo de pesca praticada em qualquer outro litoral oceânico do mundo inteiro. É mesmo muito diferente, e muito mais impressionante, em coragem e em esforço,  do que os próprios modelos originais mediterrânicos da “Xávega”, islâmica, andaluza e algarvia, que lhe estiveram na origem há muitos séculos atrás, mas que entretanto já se extinguiram (ao longo do século XX), e que já não existem hoje em dia (no século XXI).

A Arte de Pesca de Arrasto para Terra, característica dos litorais portugueses da Ria de Aveiro e da Beira Litoral (hoje, legalmente, dita “Arte-Xávega”), é uma arte que nos nossos dias ainda continua a ser praticada por muitas centenas de homens e mulheres, desde as praias de Espinho até à Praia da Vieira de Leiria, e actualmente com o coração na Praia de Mira (depois de, outrora, ter irradiado sobretudo a partir das praias do Furadouro, Torreira e Ílhavo), e é uma das realidades mais impressionantes, mais autênticas e mais simbólicas — e, por isso, mais importantes — daquilo que continua a ser, ainda hoje, Portugal: um país dividido entre o Passado e o Futuro, um país sempre adiado, e sempre sem conseguir descobrir o seu caminho, entre a tradição que não consegue manter e a modernidade que não consegue construir. Um país sempre mergulhado no seu subdesenvolvimento secular e na sua insustentabilidade económica. Mas que, nem por isso, pode ou deve sacrificar os mais autênticos e verdadeiros exemplos da sua identidade nacional e da sua cultura secular em nome de quaisquer cegas burocracias estatais normalizadoras, ou de quaisquer imbecis aculturações televisivas, ou de quaisquer bizantinismos “culturais” “modernizadores”, ignorantes das verdadeiras tradições e identidades locais.

Centro de Estudos do Mar - CEMAR

No Auditório do Tubo D´Ensaio de Artes


quinta-feira, 26 de julho de 2012

Exportar, pois claro: é esse o modelo…

foto sacada daqui
Desde que tomou posse, há um ano e picos,  este Governo, entre outras coisas, quer  reduzir a despesa pública, aumentar as exportações, melhorar a balança de pagamentos e diminuir o desemprego.
Pelos resultados obtidos,  até agora,  a melhor maneira de ainda vir concretizar tudo isso  é promover ainda mais a emigração.
Com gente a emigrar ainda em maior número, teremos menos povo a encher hospitais, a pedir subsídios ou a fazer despesa ao Estado. Poupa-se no Serviço Nacional de Saúde, poupa-se na Educação, poupa-se na Segurança Social (incluindo o subsídio de funeral).
É só poupar.
Depois, exporta-se aquilo que cada vez há mais: desempregados.
Ao exportar, assim em massa, não só diminuímos o desemprego, como ainda se melhora a balança de pagamentos, quer pelas próprias exportações, quer pela remessa de poupanças dos emigrantes para Portugal.
Para gente eventualmente resistente e teimosa, que a há sempre, transforma-se este torrão à beira mar plantado numa pequenina China, pondo-os  a produzir 24 horas por dia, por meia dúzia de tostões, para sermos competitivos e poder vender ao mundo.
Seremos um  povo pobre, cada vez mais  pobre, “corno manso”, cada vez mais “corno manso”, triste, com a tristeza de sempre,  mas a fabricar  para o mundo.
É este o modelo.
Por mim, já me estou a ver orgulhoso como ó caraças do meu país, a trabalhar até aos 80 anos, dez horas por dia, por 400 escudos por mês. 

Património covagalense

Mais um caso Relvas

Miguel Relvas teve, durante 10 anos, e enquanto presidente da assembleia municipal de Tomar, telemóvel e chamadas pagas pela Câmara. Sem limites. 
Na revista VISÃO,  edição desta semana, além de um "retrato desconhecido" do ministro, o leitor encontrará  toda a história das despesas suportadas pela autarquia, que dispararam em ano de eleições.
Para se ter uma ideia das despesas, a VISÃO procurou exemplos nas duas maiores câmaras do País. Em 2006, ano em que Relvas gastou ao município de Tomar quase 4 mil euros em chamadas, a autarquia de Lisboa, então presidida por Carmona Rodrigues (PSD), estabelecera 85 euros como plafond máximo para os seus autarcas e funcionários. Acima disso, pagavam os próprios. Os dados do município do Porto são mais atuais: Valente de Oliveira, presidente da assembleia municipal, tem direito a telemóvel, mas prescindiu dele. Se o usasse, teria direito a um plafond máximo de 135 euros. A última fatura de Relvas em Tomar é de 27 de junho do ano passado, seis dias após tomar posse no Governo PSD/CDS. O valor acumulado nesse período ultrapassava 1200 euros. Segundo dados do próprio executivo camarário de Tomar, a dívida global da autarquia é hoje de 39 milhões de euros, 22 milhões dos quais à banca. O ministro não esteve disponível para falar à VISÃO sobre os temas que constituem a reportagem da edição desta semana.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Puta que pariu o clima...

Estive de férias na primeira quinzena deste mês e apanhei frio, vento e chuva!..
Hoje em Cantanhede, Passos Coelho, depois de ter sido vaiado à porta da câmara por cerca de uma centena de manifestantes, disse que não é o Governo que está a “exigir de mais” ao país – é antes o tempo que “é muito exigente”!..
Puta que pariu o clima. 
Isto, está pior do que o cenário mais pessimista...

O futuro?

Newsweek vai passar a ser apenas revista digital

aF195


Passos Coelho vai estar hoje à tarde em Cantanhede


O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho vai inaugurar esta quarta-feira, pelas 17H00, a Expofacic - Festas do Concelho de Cantanhede/2012.
Antes, pelas 14h30, o governante vai presidir à sessão solene comemorativa do feriado municipal de Cantanhede que se realiza no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Via AS BEIRAS

Relvas, na imprensa angolana


Mediocridade



De 2006 para cá – ano em que nasceu este blogue -  muita coisa mudou.
Ficámos a saber, pelo menos, uma coisa nova.
Os políticos medíocres (os chamados de segunda)  reagem à bruta aos blogues  cujo conteúdo não conseguem controlar.
As suas limitações democráticas exigem unanimidade.
Temos pena…

Há notícias felizes...

Um reformado do Banco de Portugal e respectiva esposa, para
quem "tudo somado não deverá  dar para pagar as despesas!.."
Os subsídios de férias e de Natal dos reformados e pensionistas do Banco de Portugal ficam retidos na instituição até que alguém decida o que fazer, isto é, pagar ou não pagar os ditos na íntegra. Assim, o banco central vai esperar que "os tribunais" tomem uma decisão.
 Em comunicado, o Banco de Portugal diz que "não tendo sido consultado sobre a aplicação do artigo 25.º da Lei do Orçamento do Estado ao Banco de Portugal antes da aprovação da lei em novembro último, o Banco Central Europeu considera que as dúvidas suscitadas pelo Banco de Portugal devem ser avaliadas e decididas pelas entidades envolvidas na aplicação da lei ou pelos tribunais".


Em tempo.
Mais uma do ainda ministro Relvas: "Governo poupa administradores da RTP aos cortes salariais."

terça-feira, 24 de julho de 2012

Às vezes apetecia-me não ler livros, ver televisão, ouvir rádio, ler jornais e ter computador…


Parece incrível, mas é verdade! 
Conheço gente que não quer saber o que se passa no mundo… 
Não lêem livros, não  vêm televisão, não ouvem rádio, não lêem jornais e não têm computador.
Mas, quando pergunto se sabem o que se passa em Portugal, a resposta surge rápida e pronta: "ouço dizer os outros na rua, que é só roubar,  lá por Lisboa... E a polícia não faz nada…" 
De facto, para que é preciso os livros,  a televisão, a rádio, os jornais ou o computador?..
Esses meus conhecidos que não ligam a essas ninharias, sabem mais do que muitos que, lá por Lisboa, mandam no País...

Portugal não era a Grécia. A Espanha não era Portugal… Agora, deve ter chegado a vez da Alemanha dizer que não é a Espanha… E muito menos Portugal ou a Grécia…

Há uns meses atrás, o  Governo português andou armado em “carapau de corrida”, para se demarcar, custasse o que custasse, da Grécia. Depois, veio a Espanha a dizer que não era  Portugal.
Abreviando. Já nem dá para disfarçar: aqui pela Europa  estamos quase  todos na merda, interessa é fazer crer que se pertence aos que estão  menos na merda.
Qualquer dia,  não me admira que a Alemanha venha dizer que não é a Espanha, Portugal ou a Grécia. Ou vice-versa: a Grécia dizer que não é a Alemanha!
A solidariedade europeia é tão enternecedora!..

Em causa está a sobrevivência da arte xávega

foto Pedro Agostinho Cruz
Deputados e autarcas estão do lado dos pescadores de arte xávega, que, ultimamente, têm sido alvo de apertada vigilância por parte das autoridades. Ontem, estiveram na Praia de Mira, ao lado dos homens do mar, e não houve quem não se indignasse com a «perseguição sem tréguas» que as brigadas da Unidade de Controlo Costeiro da GNR têm feito aos pescadores. Em toda a costa do litoral, desde a Marinha Grande a Espinho. O Centro Cultural da Praia de Mira acolheu representantes de 18 companhas, deputados, autarcas camarários e de freguesia e cerca de duas centenas de pescadores, que acusam o Governo de querer matar esta arte secular, e único sustento de centenas de famílias.

Na linha do anterior governo

O teste está feito e, pelos vistos, com excelentes resultados!
Relvas já provou que as escolas são desnecessárias...
Portanto, é perfeitamente natural que o " Ministério da Educação encerre mais 239 escolas do primeiro ciclo do ensino básico no próximo ano lectivo".

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A cartilha de Rui Rio ("as autarquias com dívidas não deveriam ter eleições...") e Manuela Ferreira Leite ("devia suspender-se a democracia por 6 meses") continua a fazer o seu caminho dentro do PSD...



Desta vez, foi o "nosso" primeiro-ministro a falar numa linguagem que o povo tão bem entende: "que se lixem as eleições"!..

18, 10 ou apenas 1 freguesias para a Figueira?... A verdadeira questão, quanto a mim, não é essa…

Antes do mais, a meu ver, convém  esclarecer que aquilo que o actual governo quer impor às freguesias, não é uma reforma político-administrativa, mas  um conjunto de alterações avulsas, coerciva e apressadamente gizadas, feita  à medida do chamado plano de reajustamento, ou Memorando de Entendimento (ME), celebrado pelo estado português sob a batuta do governo socialista de Sócrates com a Troika (FMI, CE e BCE), e com o acordo do PSD e CDS-PP.
Desde já, um ponto prévio.
Não sou  defensor  de que tudo, nomeadamente no que concerne às organizações humanas, é eterno.
Daí, encarar como perfeitamente natural  reformas dos sistemas político-administrativos. Contudo, essas reformas têm de assentar em estudos fundamentados e tendo em conta a realidade.
Reformas político-administrativas coerentes e sérias,  só se justificam quando ocorrem três condições fundamentais: necessidade comprovada de reforma (através do resultado de trabalhos científicos, do debate e acção política e de comparações/imposições internacionais), existência de tempo e de recursos para promover a reforma mais adequada às circunstâncias e, finalmente, vontade de promover a reforma por uma via democrática no referencial constitucional em vigor.
No actual momento, creio que não será estultícia apontar que não se verificou nenhuma das três condições formuladas (salvo a imposição da Troika, que não é coisa pouca).
Verifica-se, isso sim,  que o governo quer impor um conjunto de alterações no referencial autárquico desajustado ao caso concreto português,  no geral, e à Figueira, em particular.
O ministro Relvas, que quase sempre se descontrola quando aborda este tema, disse, há tempos, entre outras coisas, que esta reforma é incontornável porque, pasme-se, a última tinha sido feita há 150 anos!
Esqueceu-se foi de clarificar qual seria  o ciclo mínimo para fazer este tipo de reformas: 10, 20, 30, 40, 50, 60, 70 80, 90 ou 100 anos?
Além do mais, não é verdade que, no que às freguesias diz respeito, a tal reforma  tenha sido feita há 150 anos. O ministro confunde a reforma administrativa municipalista liberal com a realidade, diferente, das freguesias, porque essas só foram estabilizadas mais tarde, já no advento da república. E, em todo o caso, seria bom recordar ao ministro que, Portugal, lá por existir há cerca de um milénio, não tem que ser extinto!
Uma reforma séria, profunda e coerente de todo o universo autárquico português, implica muito mais do que a questão simples, mas muito polémica, do desenho administrativo territorial de municípios e freguesias.
 Recorde-se que em Fevereiro de 2006, foi  anunciado a Lei-Quadro de Criação de Autarquias Locais, que passaria a chamar-se "Lei-Quadro de Criação, Fusão e Extinção de Autarquias Locais". Aquela Lei visava pôr em marcha a fusão de freguesias com dimensões mínimas. A operação, segundo o secretário de estado que então tinha a tutela do assunto (Eduardo Cabrita), começaria nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, nos municípios com mais de 50 mil habitantes. É por esta razão que António Costa veio, mais tarde, a iniciar um processo nesse sentido em Lisboa.
A ANAFRE reagiu, então, de forma enérgica, e os jornais passaram a dizer que o governo apenas queria agrupar algumas freguesias das zonas urbanas. Depois, o assunto caiu no esquecimento.
O ministro Relvas, a própria Troika e  António Costa, que já  reduziu o número das freguesias de Lisboa, não estão a tentar materializar nada caído do céu recentemente.
A questão, não obstante as suas características artificiais, tem, pelo menos, seis anos.
Aqui chegados, impõe-se perguntar se, numa situação de profunda crise económica, financeira e social, se deverá dar prioridade a reformas deste tipo? Parece, a meu ver,  que a resposta sensata, é negativa, até porque é muito incerto que a redução do número de freguesias conduza, por si só, a uma redução sensível das despesas públicas. Por esse mesmo motivo, e em coerência, também não parece ser a altura mais adequada para avançar com a regionalização, não obstante os seus méritos potenciais.
É quase surreal que, numa conjuntura como é a actual, se queira forçar esta reforma, que seria sempre difícil e complexa em si mesma, quanto mais quando conduzida sob a batuta coerciva e antidemocrática dos princípios defendidos pelo ministro Relvas em nome da Troika.
Será que a maioria parlamentar, e o próprio primeiro-ministro, ainda não perceberam que os conflitos "necessários e reais" que a sua política socioeconómica impõem, já são mais do que suficientes para lhes tornarem a vida difícil?
No caso concrecto da Figueira colocar a questão em 18, 10 ou apenas uma freguesia, quanto a mim é um falso problema.
Quanto a mim,  a verdadeira questão é: para que servem as freguesias?.. E como servem!..

Um ano depois...


E tudo começou em Maiorca... 

domingo, 22 de julho de 2012

Promoção do livro e da leitura

José Vilhena

O homem chama-se José Vilhena e produziu, nos vinte anos que antecederam a Revolução de Abril, algumas das mas notáveis peças paraliterárias de resistência à ditadura. 
Depois de 74, o seu humor mordaz continuou a incomodar os sucessivos poderes – tanto o poder revolucionário como o institucional que se lhe seguiria – mas isso não o impediu de manter, durante os trinta anos posteriores, uma actividade regular sem paralelo como autor e editor.
Com a Gaiola Aberta, primeiro, e depois com O Fala Barato, O Cavaco, ou O Moralista, Vilhena esteve sempre na primeira linha do humor, disparando sem dó nem piedade contra políticos e militares, padres e bispos, reis e princesas e demais figuras públicas e privadas que se pusessem a jeito. As publicações periódicas foram o seu meio privilegiado de comunicação, no regime democrático. Antes disso, eram os livros, pela simples razão de que, sobre eles, não existia a obrigatoriedade de submissão à censura prévia. Em contrapartida havia sempre o risco da apreensão posterior, coisa que Vilhena conheceu bem: com cerca de 40 títulos capturados pelos esbirros do regime foi, seguramente, o autor mais perseguido pelo lusofascismo. 
Fez no passado dia 7,  85 anos de idade. 
Todavia, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
Com atraso e graças à  boleia do meu Amigo Fernando Campos,  fica uma saudação ao Homem de carácter e Mestre do humor em Portugal.

A Figueira no Tour!

José Santos, dava aulas de Educação Física na Figueira da Foz, mas ao fim de vinte anos foi colocado na mobilidade.

Surf Adaptado na praia da Cova-Gala (II)

Organizado pela SURFaddict – Associação Portuguesa de Surf Adaptado, esta iniciativa teve como principal objetivo “alertar e criar condições para que as escolas recebam as pessoas com deficiência na prática dos desportos de ondas”. 
Para ver o  trabalho fotográfico de Pedro Agostinho Cruz, sobre o que se passou na manhã de ontem na praia da Cova-Gala,  clique aqui.

E se o senhor da imagem tiver razão?..


Isto das dívidas soberanas é assim um bocado estranho. De um dia para o outro começou a falar-se em risco de incumprimento, as dívidas dispararam, levou tudo as mãos à cabeça e pronto, ficou tudo de pernas para o ar. Em parte, portanto, é bolha. Se o risco cair amanhã, como começou a subir num certo dia - sem razão aparente - imediatamente as economias da zona euro ficam um brinco.
Então por que não baixa o risco? Parece que há qualquer coisa a segurá-lo, não é? Por exemplo, Portugal tem ouro, tem um povo muito sereno, paz, recursos naturais.
Quem olha para Portugal não pode ver uma ameaça ao seu investimento. Com mais risco temos o Brasil, que sofre mais com a instabilidade política interna e da região. Então, por que razão permanece este risco mais ou menos constante sobre a maioria das economias europeias? E por que razão não declarámos já a bancarrota e andamos sempre neste limite? É porque se os europeus fossem um bife, eu diria que estão no ponto. Nem crus nem estorricados. É isto mesmo que convém a uma eventual estratégia de baixar salários e eliminar direitos para tornar a Europa mais competitiva.
Ah, pois é: "e se o maluco da foto tiver razão?"

Bom domingo

sábado, 21 de julho de 2012

Morreu uma grande Senhora


Faleceu esta sexta-feira em Lisboa, Helena Tâmega Cidade Moura  ( 1924 - 2012),
a responsável pela maior campanha de alfabetização logo a seguir ao 25 de Abril. 
Deputada do MDP/CDE e activista da Civitas, teve uma vida dedicada à 
batalha pela literacia e pela liberdade.

Quando a teoria não acompanha a realidade o que deve mudar: a teoria ou a realidade?

“Isaltino Morais poderá não estar impedido de se recandidatar à câmara de Oeiras. O autarca tem sido apontado como um dos nomes abrangidos pela lei da limitação de mandatos, mas há dúvidas jurídicas sobre a sua inelegibilidade – a ponto de, ao que o i apurou, terem sido pedidos pareceres jurídicos sobre o caso.
Em causa está o facto de Isaltino Morais ter interrompido o mandato para o qual foi eleito em 2001 – um ano depois, suspendeu funções para ir para o governo de Durão Barroso. E em 2003, já sob o escândalo das contas na Suíça, acabou por apresentar a renúncia, pelo que, quando a lei da limitação de mandatos entrou em vigor, Isaltino não desempenhava funções autárquicas.”

Via jornal i

Nunca consigo estar de acordo com o dr Mário Soares...

Ao contrário do dr. Mário Soares, penso que a maioria da população não quer um novo governo. 
Estou mesmo em crer, aliás, que apesar de Passos, de Relvas e do Álvaro, entre outros, este governo ainda tem o apoio popular e maioritário do bom povo português. 
Os eleitores, assustados com a crise, aceitam tudo... 
Por isso faço a justiça de relevar os partidos que apontam romper o acordo com a Troika. 
É preciso coragem!.. 
Propor uma coisa destas, vai lixá-los nas próximas eleições. Vocês vão ver… 
Os eleitores, ao contrário do que pensa agora o dr. Mário Soares, querem a Troika. 
Que fique bem claro, porém: com isto que acabei de escrever, não quer dizer que concordo com a Troika. 
Mas, as coisas são o que são… 
Aliás, Seguro, que há muito deve ter percebido isso, vai a jogo, sabendo que é igual a eles, mas em versão mais fresca! 
Se Passos for batido em eleições, será pelo Seguro ou por outro igual a eles. 
Vocês estão a  ver porque nunca consigo estar de acordo com o dr. Mário Soares?..

Regeneração Urbana altera trânsito junto ao Forte de Santa Catarina

A Câmara Municipal da Figueira da Foz vai proceder a alterações de trânsito na Zona do Forte de Santa Catarina, no âmbito das intervenções de Regeneração Urbana que se encontram a decorrer e especificamente da requalificação da envolvente ao Forte de Santa Catarina e Porto de Recreio. 
Neste sentido, a partir das 8h00 de segunda feira próxima (dia 23) entram em vigor as seguintes alterações, que pode ver em pormenor clicando aqui.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

X&Q1124


A História

Hermano Saraiva à direita (na foto) de Américo Tomás. 
A protegê-los estão agentes da PIDE, essa conhecida organização de 
beneficência.Somos, tragicamente, um país sem memória.
“O historiador José Hermano Saraiva morreu hoje aos 92 anos.”
Em Portugal, quando morrem, todas as pessoas passam a ser  boazinhas, mesmo que tenham sido ministros do salazarismo!
Hoje, é dia de recordar a História.
“Terminava a manhã do dia 17 de Abril de 1969 e decorria a inauguração do Edifício das Matemáticas, na Universidade de Coimbra. Alberto Martins, Presidente da Direcção Geral da Associação Académica de Coimbra pede, em nome dos estudantes, a palavra ao Presidente da República, Américo Tomás.
Ia transmitir o sentimento geral em máximas como: "exigimos diálogo","educação para todos" e "estudantes no governo da Universidade". 
A palavra foi-lhe negada, Alberto Martins foi preso pela PIDE e, horas mais tarde, a polícia de choque foi largada sobre os estudantes que faziam uma vigília pacífica de solidariedade para com o dirigente preso. No dia 30 de Abril, o Ministro da Educação Nacional, José Hermano Saraiva, acusou os estudantes de desrespeito, insultos ao Chefe de Estado e do crime de sediação. Concluiu dizendo que a ordem seria restabelecida em Coimbra. 
E foi, em 25 de Abril de 1974.
Em tempo.
Seria interessante que a RTP/Memória mostrasse a gravação da intervenção televisiva de 30 de abril de 1969, na qual Hermano Saraiva fez graves acusações aos estudantes de Coimbra. 
Isto, por causa do rigor histórico.

Para reflexão…


Todos sabemos que o Estado contrata meios privados para o combate a incêndios. 
Será que sem a ocorrência de grandes incêndios, estas empresas eram viáveis?.. 
Fica, apenas, a pergunta…
Espero que aconteça uma reflexão urgente sobre este assunto em Portugal, promovida por quem de direito.  

Cavaco reconhece que situação "não é fácil"...

Realmente, se olharmos com atenção para a foto sacada daqui, verificamos que
 tanto  o "nosso" presidente como a primeira dama, não estão lá com muito bom ar!
Mas, como diz o Povo, "quem vê caras não vê corações"...

O homem-lapso

«Ricardo Alexandre deixou de ser director-adjunto da RDP, Maria José Oliveira deixou de ser jornalista do Público e Fernando Santos Neves deixou de ser reitor da Lusófona do Porto. 
Quase todos os envolvidos nestes casos abandonaram as suas funções, menos Relvas. (...) 
O mais provável é que todo o povo português se demita antes de Miguel Relvas.» 

Ricardo Araújo Pereira na Visão de ontem.