.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Ténis de Mesa


Boa União Alhadense, revalidou título de Campão Distrital!

A explicação para a vitória de um emblema que este ano jogou sem treinador!...

O acto de mastigar pastilha elástica pode não ser esteticamente belo,
mas são poucos  os seres humanos que nunca o fizeram
.
Se quisermos entender as opções táticas de Jorge Jesus ao longo da época é importante saber qual o sabor daquelas pastilhas elásticas que o nosso Rod Stewart da Musgueira está sempre a mastigar. 
Sabem a laranja, morango, menta, tutti-frutti? 
É um mistério. 
Sem informação, só me resta especular. Parece-me evidente que aquelas pastilhas têm mais importância no planeamento estratégico da época do que o próprio Jorge Jesus estará disposto a reconhecer. 
É natural, nenhum mágico (ou mestre da tácita) gosta de revelar os seus segredos. A minha teoria é a de que cada pastilha elástica do Jorge Jesus representa um jogador. Aposto que ele as mastiga (o chamado processo de assimilação) e depois as guarda, só para as poder usar naquele quadro que os treinadores mostram aos futebolistas para explicar movimentações da equipa. 
Cada um dá o que pode: os jogadores suam, o Jesus saliva. 
Percebem agora a minha insistência nos sabores? 
Aposto que a pastilha Capdevila lhe sabe mal, por alguma razão que só o mestre da tática entenderá, e por isso insistiu na pastilha Emerson. Este deve ser de mentol, tendo em conta os calafrios que provocou nos adeptos. 
As pessoas no futebol têm memória curta, mas eu ainda me lembro da forma como Jesus despediu o guarda-redes Quim: durante uma entrevista televisiva, sem sequer ter informado o jogador pessoalmente da sua decisão. 
Percebem a minha dificuldade em dissociar o treinador das pastilhas que mastiga? Não existe diferença entre o que ele fez ao Quim e atirar uma pastilha para o lixo. A teoria das pastilhas também explica esta época. Quando metemos uma pastilha na boca pela primeira vez, é colorida, saborosa, sumarenta; à medida que a vamos mastigando, torna-se esbranquiçada, seca, um pedacinho de plasticina entre os dentes. A metamorfose das pastilhas elásticas na boca de Jorge Jesus é semelhante à que ocorre nos próprios jogadores: à medida que o tempo passou, foram ficando pálidos, mortiços, colados ao relvado, obrigados a esticar-se até rebentarem. E assim chegamos ao fim da época: empatando tristemente com o Rio Ave e entregando o título de campeão a uma equipa que joga sem treinador. 
Vítor Pereira pode vir a ser recambiado para uma equipa russa por ser um bronco sem carisma, mas pelo menos teve a vantagem de não tratar os jogadores como o Jesus trata as pastilhas.

Via Bitaites

Vamos ser optimistas e esperar que não estejamos muito longe...

  F. Moita Flores.
Foto sacada daqui.

"A verdadeira democracia é o lugar onde habitam os homens cultos, diferentes e fraternos. E a solução para os nossos maiores problemas. Talvez um dia cheguemos lá." 


Um pouco de História...

A 16 de Março de 1974 dá-se um levantamento militar que partiu das Caldas da Rainha,  que abortou... 
A 1 de Abril de 1974, O Prof. Marcelo Caetano assistiu, em Alvalade, ao jogo Sporting - Benfica. 
No seu livro Depoimento, publicado em 1978, afirma a propósito: «Quando o alto-falante anunciou que eu me achava no camarote principal, a assistência, calculada em 80.000 espectadores, como movida por uma mola, consagrou-me demorada ovação ( ... ) e as informações que chegavam ao Governo também garantiam sossego geral e apoio ao regime»...
Ele, que já tinha pedido, a exoneração do cargo, alegando razões de saúde, fica emocionado. 
A 25 de Abril de 1974, o Regimento de Santarém, comandado por Salgueiro Maia, avança sobre Lisboa, Marcelo Caetano é informado sobre o que está a acontecer, não tem coragem de o impedir. Pensou que assim seria mais fácil resolver o problema do Ultramar e fazer reformas urgentes com a anuência de diferentes partidos políticos tendo como padrão uma democracia de tipo ocidental. Julga poder continuar no país. Spínola pede-lhe que siga para a Madeira com o Presidente Américo Thomás. Este acusa-o de não ter querido evitar o que aconteceu. Cortam relações. 
Morreu no Rio de Janeiro, amargurado e revoltado com a cegueira e a ingratidão dos homens.

domingo, 29 de abril de 2012

À especial atenção de João Portugal e Miguel Almeida (ou Miguel Almeida e João Portugal, a ordem dos factores, neste caso, é arbitrária...)

O presidente da junta da freguesia da vila de São Pedro vai completar 20 anos no cargo!...
Coube aos eleitores da vila de São Pedro, em devido tempo, isto é, nos períodos que precederam  os actos eleitorais, analisar e decidir em conformidade. 
Portanto, para o bem ou para o mal  (depende do ponto de vista de cada um...),  a responsabilidade  é do eleitorado da vila de São Pedro.
Durante 20 anos, foi  detentor do  poder absoluto em São Pedro, mas isso não foi culpa dele – foi-lhe outorgado pelo povo, através do voto.
Se ele o usou  sempre em prol desse mesmo povo que nele votou, isso, do meu ponto de vista, seria passível de discussão aprofundada e séria...
O que, de todo, neste momento,  não vem ao caso...
Costuma dizer-se, que todo o povo tem o político que merece…
Creio que os habitantes da vila de  São  Pedro, durante 20 anos, não fugiram à regra...


Por isso mesmo, acredito, piamente, que vá para que partido for, depois de deixar de ser presidente de junta da vila de São Pedro, vai continuar a ter o  apoio politico da maioria da população local!...
Quem é que, por aqui,  resistirá ao apelo de quem tem tomado conta deles, em vez de, cada um deles, ser dono do seu próprio destino?..
João Portugal e Miguel Almeida, não se descuidem: o presidente da junta da freguesia da vila de São Pedro, politicamente falando,  é um autêntico diamante, já devidamente polido, como convém…

Citando o próprio presidente  da junta da freguesia da vila de São Pedro na entrevista, versão sonora, que aconselho a escutarem.
Sobre a erosão costeira. 
"Contrariando alguns profetas do mal, o molhe norte não nos causou nenhum estrago. Mais: eu posso dizer que a construção do molhe norte tornou a estância balnear do Cabedelo, mais abrigadinha… E a famosa onda do Cabedelo já estava um bocadinho perdida. E não sei se foi o molhe norte que a fez desaparecer… Eu penso que foi mais a cabeça do molhe sul … Aliás, vivo há 60 anos à beira mar e sei que a erosão costeira é cíclica... Este ano não tivemos inverno, de maneira que não houve grande erosão na nossa costa….” 
Pois…
Isto vou dizer eu,  que já vivo há quase 60 anos à beira mar: também todos os anos, desde há oito séculos, os portugueses surpreendem-se com a queda de neve na Serra da Estrela, celebrando cada nevão como se fosse o primeiro!..
Passando à política, pura e dura, disse o entrevistado.
"A minha matriz é socialista,  embora eu  entenda e compreenda que hoje PS e PSD se confundem..."
Portanto, continuando a citar o entrevistado: "só depois de deixar de ser presidente de junta é que vou decidir se vou aderir a algum partido... e qual vai ser"...
Como sublinhou o entrevistador  a determinada altura da conversa: "é independente, mas bastante flexível, em termos políticos..."
Pois!.. 
Isto vou dizer eu,  que vivo na Aldeia da Cova-Gala: o presidente da junta da freguesia da vila de São Pedro,  nunca teve um rumo, precisamente  porque nunca teve convicções políticas. Sem elas, mesmo que difusas, a obstinação transforma-se em teimosia. Parafraseando Lenine: “não teve firmeza na estratégia nem flexibilidade na táctica”.
Fora uma vaga ideia de “modernidade”, nunca soube realmente o que queria. Atente-se, no caso do Centro Escolar...
Como ao desnorte ideológico se alia  um temperamento irascível, quase todos os seus gestos políticos resultam de impulsos. Faltam-lhe os elementos estruturais que dão coerência à actividade de um politico: bases ideológicas, cultura política e firmeza ética. E falta-lhe também estrutura emocional: o que nele é espontâneo,  prejudica-o, o que nele é artificial, denuncia-o.
Pode ter sido, o “elo mais forte” de um grupo de fracos e presidente da junta da freguesia da vila de São Pedro durante 20 anos, mas nunca foi um líder.


Nota de rodapé. 
É impossível realizar uma entrevista sem proferir palavras. Em geral há muitas, neste caso concreto, houve, talvez, demasiadas. 
Em vez de respostas breves e sintéticas, tivemos longos discursos. Quem conhece o presidente da junta da freguesia da vila de São Pedro, sabe que a sua “massa” é mesmo essa. A sua natureza, impõe que a cada palavra proferida, haja sempre, pelo menos, outra, que ajude a explicar a primeira. 
Quem ouvir a entrevista com atenção, dá conta disso facilmente. 
O interessante, é que, aparentemente, sem se preocupar com o enquadramento temático que cada pergunta específica necessariamente estabelecia, foi proferindo a primeira palavra, e a segunda, e a terceira, e por aí adiante, qual pássaro a quem foi aberta a porta da gaiola, sem saber muito bem, ou não o sabendo de todo, aonde as palavras o poderiam levar. 
Falar, assim, pode tornar-se numa aventura perigosa, pois, discursar para uma plateia fora da freguesia da vila de São Pedro, pode dar azo a que o discurso, em lugar de se limitar a iluminar e dar visibilidade ao que, fora de portas, interessava ao próprio, acabar por revelar, o que, para já, pretendia manter oculto, ou, apenas, intuído ou pressentido, e que, de repente se torna numa evidência insofismável. 
Gostei muito desta entrevista, muito bem conduzida  pelo J´Alves...

Bom domingo

sábado, 28 de abril de 2012

A maior dor

Há momentos, em que ficamos sem palavras...
"Com o meu filho Miguel foi uma parte de mim. Possivelmente a melhor. Mas o que ele me deixou de amor será o suporte dos dias que ainda irei viver até o voltar a encontrar. A todos os que aqui me acarinharam vai o meu imenso e reconhecido abraço. Bem hajam!"

Helena Sacadura Cabral, Mãe de Miguel Portas

MANUEL DIAS SOARES AUTOR DA "MARCHA DO VAPOR"

foto sacada daqui

Manuel Dias Soares nasceu na Figueira da Foz em Novembro de 1867. Aprendeu música com Manuel Fernandes Mesquita, seu padrasto, e desenvolveu a sua arte com o espanhol Alzamora e depois com Augusto Symaria, regente da "Filarmónica Dez de Agosto".
Apresentou-se em público pela primeira vez em 1889. Em Fevereiro de 1890 tomou parte como violinista num concerto organizado por artistas do Teatro S. Carlos, altura em que terá composto a sua primeira obra "O Privado Sultão", uma opereta de um acto feita com Mendes Leal.
Foi regente da "Dez de Agosto" e colaborador da "Figueirense"; integrou a "Tuna Figueirense" e fundou a "Fanfarra" uma agremiação musical que contava com o concurso de músicos de várias colectividades. Foi, ainda, organizador e regente do "Grupo Musical Clara".
 Em 1908, dirigiu a "Dez de Agosto" num concerto dado no convento da Batalha para o rei D. Carlos. Um ano antes, Dias Soares assumira a direcção do "Rancho do Vapor". Foi aqui que o músico deu largas à sua veia popular e melódica. Daqui se destaca a Marcha do Vapor, hino da associação que compôs para letra de Pereira Correia e que é hoje o hino da Figueira da Foz.
Em 1915 Dias Soares conseguiu organizar uma orquestra sinfónica que fez a sua primeira audição numa das salas do Paço.
Faleceu a 7 de Agosto de 1938.

Via ÁLBUM FIGUEIRENSE

sexta-feira, 27 de abril de 2012

"A época da megalomania, já passou"...

Carlos Simão, presidente da junta de freguesia de S. Pedro, no jornal  AS BEIRAS.
Em tempo.
Esta entrevista pode ser ouvida na íntegra no programa “Clube Privado” da Foz do Mondego Rádio (99.1FM), às 19H00 de sexta e de sábado e às 22H00 de domingo e em www.asbeiras.pt.

Extinção de freguesias...


foto sacada daqui
No principio de Outubro do ano passado, o secretário de Estado da Administração Local, Paulo Júlio, admitia que até 2012 poderiam  ser extintas 1.500 freguesias em todo o país.
Na Figueira, como é habitual, politicamente falando, está tudo aparentemente calmo…
Entretanto, no resto do País, alguns  autarcas locais e alguns governantes regionais  vão  reagindo, pelo que não se sabe bem o que poderá acontecer….
Uma coisa garanto eu: a  EDP e a  Lusoponte não correm qualquer perigo!

O que nos resta?..





Ricardo  Sá Pinto, ao que alguns acreditam, o melhor místico treinador  que alguma vez existiu  no Sporting, não teve os deuses, nem a sorte, no jogo de ontem!
O que nos resta para safar a fachada de  Portugal no estrangeiro?..
propaganda, aliás,  o marketing?..

III Feira de Artesanato do Paião


quinta-feira, 26 de abril de 2012

Com tranquilidade...

Actualização:
Athletic Bilbau-Sporting, 3-1. Num grande jogo, o Sporting "morreu na praia". Parabéns Bilbau.

Naval: 119 anos de vida

A Direção da Associação Naval 1º de Maio vai assinalar o 119ª aniversário do clube.
Convida todos os sócios e amigos para  a já tradicional Ceia Navalista, que se realiza no próximo dia 30 de Abril de 2012 pelas 20:00h, no Restaurante "Oladodelá", sendo o preço de 15€ por pessoa.
As inscrições, e o pagamento antecipado, podem ser feitos na Secretaria do clube, no Estádio Municipal José Bento Pessoa, até dia 27 de Abril de 2011, das 09:00h às 19:00h. Para mais informações: Tel. 233 044 435

Via  Marcha do Vapor

Amanhã, sexta-feira, dia 27 de Abril, pelas 21 h 30 m, no Auditório do Tubo d´Ensaio


"O regime democrático vive de equílbrios" ...

... e "sem equilíbrios isto vai acabar mal"... 

 O governo sabe que a UGT é uma ficção sindical, que o seu líder pouco mais representa do que os bancários e que um acordo de concertação social assinado apenas com esta central garante tudo menos a paz social nas empresas. Mesmo assim assina um acordo com esta central, acordo que em parte nem se aplica à maioria dos trabalhadores que ela representa, e usa esse acordo para forçar todos os trabalhadores portugueses a sujeitarem-se a medidas que não tiveram oportunidade de discutir. A palhaçada é tão grande que agora até a UGT se queixa de que o governo só aplica o que lhe interessa, só falta o Gaspar dizer-lhes “não há dinheiro” e depois perguntar-lhes qual é a palavra que não perceberam.

O problema é saber até quando os portugueses vão ser mansos...

Texto completo aqui.

Oh, valha-me Deus, que tristeza…

É triste, mas triste mesmo, pois é gente que deveria ter responsabilidades acrescidas…
É triste, mas  triste mesmo,   porque  estes jovens, que não podiam  saber tão pouco, não deviam ter lata para apresentar tanta desculpa.
Não saber não é crime. Crime  mesmo, é gente que tem a pretensão de nos representar na Casa da Democracia cultivar a ignorância e continuar alheio à História da Democracia portuguesa.
Isto é arrepiante... A doença está lá... Isto, é apenas um sintoma...
Oh, valha-me Deus, ai estes jovens deputados…
A reportagem da TVI para ver aqui.


Outros jovens deputados de ontem, governantes de ontem,  de hoje e possivelmente amanhã... 
Em tempo. 
Citando António Jorge Pedrosaontem na sua crónica no jornal AS BEIRAS.
“Ao contrário do que muitos pensam, entre 1960 e 2000, apesar de ter atravessado grandes convulsões políticas e sociais, abril incluído, Portugal foi o 5º. País que mais cresceu a nível mundial – 352 por cento – o que correspondeu a uma média anual de 4,2 por cento.
Com a entrada no euro, seguiu-se uma década perdida. Investimento pouco reprodutivo, despesismo do Estado e baixa competitividade da economia.”

Um dia depois...

Foto: Cláudia Teixeira ( Visão), via Crónica do Rochedo

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Hoje, dia 25 de ABRIL DE 2012!..


Vejam bem: o Governo de cravo na lapela a ouvir a senha!..
Coelho de cravo na lapela ... Gaspar de cravo na lapela ... Paulo Macedo de cravo na lapela ... Miguel Macedo e Assunção Cristas não ... Paula Teixeira da Cruz de cravo na lapela ... Relvas de cravo na lapela ...
Álvaro de cravo na lapela... Nuno Crato de cravo na lapela...José Pedro Aguiar-Branco de cravo na lapela... Marco António de cravo na lapela... 

Hoje, 25 de Abril de 2012, o dia está assim..

Chove...

Mas isso que importa!,
se estou aqui abrigado nesta porta
a ouvir a chuva que cai do céu
uma melodia de silêncio
que ninguém mais ouve senão eu?

Chove... 

Mas é do destino de quem ama
ouvir um violino
até na lama.


Poema de José Gomes Ferreira, escritor, poeta e ficcionista português.

6 anos depois...

É NA AREIA QUE SE DEVEM 
REGISTAR AS INJÚRIAS, AS INGRATIDÕES, 
AS OFENSAS E AS IRONIAS COM QUE 
NOS PRETENDEM ATINGIR PELA VIDA FORA...
Outra Margem
Como escreveu um dia Miguel Torgao que interessa é partir, não é chegar...
Faz hoje 6  anos que começou esta aventura... 
Que continua, apenas, porque sim... 
Antes de mais, e sobretudo, porque me diverte - e muito... 
Depois,  porque gosto - e muito...  
Também,  porque o número crescente de leitores - alguns que pensava improváveis - me leva a  pensar que isto serve para alguma coisa... 
Mas, vamos ao que interessa. 
6, não é apenas um número. Com o significado que lhe quiserem dar…
Faz hoje 6  anos, repito, que começou o Outra Margem
No fundo, 6, é, também,   sinónimo de resistência...
Para um  blogue, não sei se é muito, pouco ou nada... 
De maneira que... 
Olhem... 
"Um dia de cada vez".
Vamos andando e vamos vendo...
Entretanto, por ser verdade e para que conste, fica explícito que este é um blogue de autor -   com rosto, com alma, com assinatura.
Um abraço a todos os que o visitam e comentam.

25 de Abril, Sempre!

terça-feira, 24 de abril de 2012

Morreu Miguel Portas

"A letra do hino da campanha Zero Desperdício é (para ser benevolente) profundamente infeliz"...

"É possível que os autores da campanha “Zero desperdício” tenham decidido não realçar nos seus documentos as expressões “fome” nem“combate à pobreza” (pelas suas tonalidades de esquerda) e falar apenas de “redução do desperdício” (pelas suas tonalidades de direita). Pode ter sido uma astuta decisão de marketing político, uma decisão pragmática de quem sabe que o PSD e o CDS têm a maioria em Portugal."

"Da fome, do desperdício e da tristeza", uma crónica de José Vítor Malheiro que desmonta a caridadezinha dos restos e outras sobras de comida. 

Cuidado com a linguagem, pois o novo acordo ortográfico é muito traiçoeiro... (4)

Via Meditação na Pastelaria


José Manuel Fernandes diz-se incomodado. Indignado. Talvez mesmo ultrajado. 
José Manuel Fernandes incomodado, indignado e talvez mesmo ultrajado dá-me vontade de rir. 
A pomposidade de JMF soa ridícula. O "sentido de Estado" não lhe assenta (com dois esses): "Sucede que as comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República, lugar onde todos os partidos têm acento e têm voz..." E transcrevo  o "acento", porque erros de português são inadmissíveis quando se sai a espadeirar tão bravamente em defesa da Pátria.


Em tempo.
Neste caso, José Manuel Fernandes não  adoptou o acordo ortográfico.
Preferiu  escrever com erros pessoais a fazê-lo com erros oficiais. 

É tempo de dizer "BASTA"



O Coronel Sousa e Castro, considerado um dos Capitães de abril mais moderados, afirma que é tempo de dizer "basta"
Ontem à noite, no programa Prós e Contras da RTP, o Coronel defendeu que os sacrifícios devem ser equitativos. 
Ver vídeo aqui.

Rescisões "amigáveis"!...

Depois de 30 anos de trabalho, um funcionário público pode rescindir o seu contrato por uma indemnização máxima de 9.700€.
Um gestor, depois de 30 dias de trabalho, se for dispensado, leva o valor total dos ordenados em falta até ao termo do contrato...

Via 2711

"Hoje, 24 de Abril", para...

 "é o dia apropriado para evocar"

A História do século XX ensina-nos que o facto de um indivíduo ser eleito democraticamente não faz dele um democrata. A História do Porto nos anos de Rio - já é possível avaliá-la, agora que esses anos se aproximam do fim - é disso um bom exemplo.

25 de Abril na Figueira


Programa oficial. Ver aqui.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Portugal, 2012, em abril...


Quem consente o  que acima está escrito, não merece mais do que isto:

Dia Mundial do Livro


Desde 1996, que o Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor é assinalado a 23 de Abril.

Cuidado com a linguagem, pois o novo acordo ortográfico é muito traiçoeiro... (3)

(Daqui)

- Já usas o acordo ortográfico?
- Não é nada fácil, mas ando a tentar. E tu?
- Também. Já escrevo ortográfico sem H.
- Mas essa palavra nunca teve H!
- Bem dizias tu que isto não era nada fácil...

Em tempo.
Por estas e por outras, é que tal como o Senhor Luís,  ainda não adoptei o acordo ortográfico.
Prefiro escrever com erros pessoais a fazê-lo com erros oficiais.

Rob Riemen. “A classe dominante nunca será capaz de resolver a crise. Ela é a crise!”


Rob Riemenpara quem  a «nobreza de espírito» é a  quinta-essência de um mundo  civilizado, pois considera que   sem nobreza de  espírito, a cultura desvanece-se,  esteve em Lisboa na semana passada a convite de Mário Soares para falar sobre o direito à resistência e para apresentar o seu último livro, “Eterno Retorno do Fascismo”.
Na oportunidade, concedeu uma entrevista ao jornal i, que pode ser lida na íntegra clicando aqui, onde fez algumas considerações interessantes sobre a sociedade em que vivemos.
Para aguçar o interesse, fica um excerto.
“A actual classe dominante nunca será capaz de resolver a crise, porque ela é a crise! E não falo apenas da classe política, mas da educacional, da que controla os media, da financeira, etc. Não vão resolver a crise porque a sua mentalidade é extremamente limitada e controlada por uma única coisa: os seus interesses. Os políticos existem para servir os seus interesses, não o país. Na educação, a mesma coisa: quem controla as universidades está ali para favorecer empresas e o Estado. Se algo não é bom para a economia, porquê investir dinheiro? No geral, os media já não são o espelho da sociedade nem informam de facto as pessoas do que se está a passar, existem sim para vender e vender e vender”.

domingo, 22 de abril de 2012

Canções de Intervenção no Casino

Sacado daqui

Uma ideia…


Acabei de entregar   a declaração do IRS. Ao fazer a simulação do reembolso,  tive uma supresa muito desagradável…
Se colocam  - e a meu ver muito bem – o aviso de que o tabaco faz mal à saúde nos  maços de cigarros, porque não colocar fotografias  de políticos corruptos  no portal das Finanças?...

A ideologia da caridadezinha sempre presente...

Imagem sacada daqui
Surgiu uma ideia, que aliás não é nova: dar as sobras de comida aos mais necessitados. 

Os mesmos que exploram as pessoas e são responsáveis por salários de miséria e redução dos rendimentos das famílias, são aqueles que ao fim-de-semana recolhem as sobras das suas fortunas e decidem distribuir umas migalhinhas pelos pobres.
Nunca distribuem o suficiente para estes deixarem de ser pobres: atenção, isso daria cabo do seu desporto de fim de semana e acabaria com a necessidade dos mais pobres aceitarem trabalhar a qualquer custo e sob quaisquer condições nas suas empresas.
A caridade é uma indústria nos dias de hoje. Não faltam incentivos ao consumo de produtos que contribuem com 1 cêntimo para uma causa qualquer, num país distante de nós. Sentimos que ao comprar estamos a fazer o bem... a contribuir para algo mais que o bolso de quem produz o que compramos.

Eu estou contra esta ideia de dar os restos aos mais necessitados. Como explicamos que na sociedade em que vivemos há anúncios de comida para cão onde é dito que "restos não são uma alimentação saudável" e ao mesmo tempo vem meio mundo defender que para os pobres já serve? 
Nem do ponto de vista da Igreja é defensável: as escrituras dizem claramente para dar o que temos, tudo o que temos e não só o que nos sobra e não nos faz falta.
Sou a favor que hajam salários dignos, condições de vida dignas e criação das condições socias para acabar com a miséria. Sou totalmente contra estas soluções nojentas de propaganda mesquinha que pretendem menorizar as pessoas e forçá-las a uma vida de joelhos, de subserviência e de sujeição.
Isto é ideologia, formatação social para a criação de um modelo que remonta à altura em que o rei vinha passear de carruagem e atirarava comida aos pobres.
O governo está a atirar milhares de pessoas para a pobreza, não é darem umas migalhas às pessoas que vai mudar isso. Não roubem o salário aos portugueses, não lhes roubem os subsídios a que têm direito e para os quais descontaram e ponham a vossa caridadezinha lá onde o sol não brilha.

As pessoas agradecem. Restos não são uma política saudável.

Naval


"Regresso ao trabalho, mês e meio liquidado"...

Bom domingo

sábado, 21 de abril de 2012

No próximo dia 25 de Abril de 2012, pelas 16 horas...


XIII Corrida de Carretas do GRV 

"O horrível está por toda a parte"...

O pesadelo da Rua da Várzea,  Figueira da Foz
A Rua da Várzea é uma antiga estrada rural que escapou ao traçado da rodovia urbana e “sobrou-lhe” das obras. Segue quase paralelamente ao troço desta que liga a rotunda do EPST à de Cristina Torres (ou vice-versa). Noutro qualquer país, civilizado, teria sido transformada num aprazível e arborizado acesso pedestre, com uma possível ciclovia, à escola. Mas não neste país. Não na Figueira da Foz. Nesta cidade a solução encontrada é um fenómeno “urbanístico” que talvez só possa ser explicado por um especialista em psicopatologias muito complexas. 
Trata-se isso sim, e como a foto documenta, de um pesadelo visual que, talvez por eu ser demasiado sensível à fealdade, me suscita outros pesadelos que desencadeiam outros, sempre mais malévolos, num curioso e incessante fenómeno sinestésico: faz-me lembrar Mexias & Catrogas, mais os seus salários e reformas, pornográficos; ou Motas & companhias de Jorges Coelhos e outros nefandos e corruptos figurões ou então vereadores locais cretinos e suas abébias, igualmente obscenas e venais. 
É algo infame, humilhante, profundamente miserável. . 
- Mas não é de admirar. Neste país o arquitecto Saraiva, que agora dirige o jornal Sol, também dirigiu, durante anos a fio esse outro sol da democracia que é o jornal Expresso - e ninguém deu por nada – nunca ninguém suspeitou que o pobre homem era um atrasado mental. Neste país um governo que acha que para baixo é sempre a subir, foi eleito democraticamente. Democraticamente. . 
Neste país, abrir simplesmente os olhos já é um pesadelo.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Logo agora, que estava tudo a correr tão bem aqui pela Figueira*...

foto sacada daqui


"Plantel da Naval 1.º de Maio recusou-se a treinar".

* - vidé o último post, aqui no Outra Margem.

A Figueira, mais uma vez, está desenrascada… A Figueira, é assim – sempre, uma caixinha de surpresas!..

foto Pedro Agostinho da Cruz
Com «a frota de traineiras mais moderna e competitiva do país», em 2011, as 35 embarcações figueirenses (das quais 13 cercadoras), que integram a organização de produtores Centro Litoral, capturaram 13.294 toneladas de peixe (quase 70% de sardinha), o que equivaleu a um volume de negócios de 12 milhões de euros, mais quase 3,5 milhões de euros que no ano anterior.
Estes dados foram apresentados ontem pelo presidente da Centro Litoral, António Miguel Lé, que falava para alunos da Universidade Sénior sobre “A actividade piscatória na Figueira da Foz”.
Depois de ter lido esta notícia, respirei de alívio.
Desta vez, estava a ver  a coisa mesmo “negra”… Cheguei a acreditar que, tal como os outros portugueses, estávamos verdadeiramente encalacrados com a crise….
Mas, o figueirense tem esta coisa única: “A sardinha, o petróleo das águas portuguesas”!...
E pronto… A Figueira, mais uma vez, está desenrascada!.. A Figueira é assim - sempre, uma caixinha de surpresas!..
Ao que julgo saber, o próprio Passos Coelho, que como a foto documenta, é conhecedor das potencialidades figueirenses,  no que à sardinha diz respeito, está a pensar contactar o presidente da câmara,  para o sondar acerca do número de  portugueses que a Figueira pode acolher,  interessados em fugir à crise que grassa em todo o resto do País...

Cavaco...


Para chegar à final, falta não perder na segunda parte...



      

quinta-feira, 19 de abril de 2012

PS...

Cuidado com a linguagem, pois o novo acordo ortográfico é muito traiçoeiro... (2)

(Daqui)

- Estou expetante.
- Tens mais sorte que eu. Há muito que não espeto nada.

Em tempo.
Por estas e por outras, é que tal como o Senhor Luís,  ainda não adoptei o acordo ortográfico.
Prefiro escrever com erros pessoais a fazê-lo com erros oficiais.

Terá sido a actualidade que inviabilizou o negócio, ou deixou de ser um negócio de oportunidade?..

para ler,
clicar na imagem

Que futuro? E de quem?

Aí está o Álvaro, de novo em grande. O ministro da Economia e do Emprego - não se riam - foi dar uma volta pela Europa e percebeu que a média do valor dos despedimentos é ainda inferior ao da última revisão do código laboral, por isso está já a pensar em baixar isto ainda um bocadinho mais.

Com efeito, a nova ordem é esta: A flexibilidade. Dizem que é uma necessidade, que as coisas mudaram, que o mundo agora é assim, que as pessoas já não podem ter empregos para a vida.
Durante muito tempo concordei com isto. Hoje, no banho, descobri que não.

Quando é que os países, as suas economias, cresceram? Quando é que o mundo se desenvolveu e as pessoas passaram a viver melhor? Foi com leis laborais flexíveis ou boas garantias para os trabalhadores? Sem dúvida, foi quando os trabalhadores estavam bem protegidos por leis amigas do trabalho e não do capital.

A experiência das economias emergentes, com leis laborais historicamente flexíveis - se é que têm leis laborais - é outra: Empresários muito ricos, muitos milionários, uma enorme riqueza, mas um povo pobre e uma classe trabalhadora completamente explorada.

Esse é o caminho que leva agora a Europa. Desvalorizar o trabalho em nome do capital e do rendimento, com a desculpa de que o futuro é isso mesmo. Que futuro? E de quem?

Via Lóbi do Chá

Louvado seja Deus!


ALELUIA, ALELUIA, ALELUIA! 
O que está por detrás deste percurso de dois anos e meio de inconsequências, de incongruências e de ... (gestão de quintinhas várias, entendem?), agora ... não importa nada! 
O que importa, AGORA, é dar os parabéns à Junta de Freguesia de S. Pedro que, ao fim de muito tempo, a destempo, mas por fim ... coloca as mãos na massa!


Via Cova d'oiro

Parabéns à Sociedade Artística Musical Carvalhense pelos 125 anos de vida

para ler, clicar
em cima da imagem

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Cuidado com a linguagem, pois o novo acordo ortográfico é muito traiçoeiro...

(Daqui)
- Fui pela primeira vez a um bar de alterne.
- E engataste alguma?
- Não. Fui só como espetador.
- E quanto é que pagaste à gaja?

Em tempo.
Por estas e por outras, é que tal como o Senhor Luís,  ainda não adoptei o acordo ortográfico.
Prefiro escrever com erros pessoais a fazê-lo com erros oficiais.

Tertúlias do Centro Social Cova e Gala


As previsões de chuva para o dia 25 de Abril, impedem o Centro Social da Cova e Gala de realizar a caminhada nas salinas e o almoço. 
Esta caminhada ficou adiada para data a marcar oportunamente.

A minha Figueira…

Rua da República. Foto de Pedro Agostinho Cruz
Pelas contingências da vida, nos últimos 2 anos, tenho andado arredado da Figueira.
Sempre gostei de viver e trabalhar na Figueira. Porventura, por receio, comodismo, mas, sobretudo por gosto genuíno em viver aqui.
Sinto, porém, nesta altura,  que a Figueira está sem chama. Os figueirenses, parecem-me desiludidos, resignados e cansados.
Sem surpresa, com a ausência as amizades foram-se deslassando, a paciência diminuiu, os poucos contactos que vou mantendo são agradáveis, mas fungíveis.
Eu, é claro, também mudei. Cansei-me de fogachos e decepções, tornei-me mais reticente e recluso.
Por outro lado, a minha Figueira, a cidade junto ao rio, desde a estação da CP ao Bairro Novo, é cada vez menos a minha cidade.
Fecharam as salas de cinema – já há alguns o Parque Cine e,  mais recentemente,  o Casino. Encerram frequentemente comércios – grandes armazéns, livrarias, cafés, sapatarias, mercearias, restaurantes. As pessoas deixaram de habitar as casas cada vez mais degradadas. Ardeu a sede da Naval… As sedes do Ginásio e do Sporting deixaram de ser na Rua dos Combatentes…
Começa a ser-me praticamente indiferente ir à Figueira ou a qualquer outra cidade.
Não tenciono, é claro, deixar de ir à Figueira sempre que tenha disponibilidade. Todavia, pela primeira vez, sinto que podia deixar de ir...
Acreditem que é triste, quando damos conta que a nossa cidade não nos faz assim tanta falta.

Porca miséria


Que artista!..

Sei bem o que assinaste...  Sei bem quem és...
Falas bem, mas não me alegras…  
“Ameaças”,  mas todos sabem que não passa de “teatro”...
Vai dar banho ao cão e lava-te na mesma água.
Que coitadinho...

A miséria está a fazer o seu caminho... (II)

Já chegámos a um ponto tal que se organizam campanhas, não para pedir comida, mas restos...

terça-feira, 17 de abril de 2012

As Tertúlias do Centro Social da Cova e Gala vão promover o “Roteiro das Salinas”

As Tertúlias do Centro Social da Cova e Gala vão promover o “Roteiro das Salinas” já no próximo dia 25 de Abril. O convite é para amantes da Natureza, que poderão apreciar e fotografar flamingos, conhecer a planta do sal “salicornea”, ver alguns dos utensílios de trabalho das salinas e respirar o ar característico da zona salineira.

 Programa:
 9,15h – Concentração dos participantes no espaço verde do Centro Social da Cova e Gala, na R. do Hospital, nº 20. 
10h – Início do Roteiro das Salinas 
12,30h – Almoço, que será servido ao ar livre – espaço verde. Durante o almoço e a tarde atuarão Fernando Sá e Margarida S. Pedro ( Rainha do Carnaval de Buarcos). 
Ementa: 
Porco assado no espeto.  Saladas mistas. Outras iguarias. Sobremesas diversas.  Fruta.  Bebidas.

As inscrições para o almoço já estão abertas, devendo os interessados inscrever-se atempadamente, através do Tel. 233 431 134, telem. 961 375 235 e por e-mail: cscg-cscg@gmail.com

A miséria está a fazer o seu caminho...



Reformas em Portugal. 
Em 2011, 85% dos reformados recebiam menos de 500€.   
Em 2010 eram 79%. 


Se a este quadro juntarmos os significativos aumentos da electricidade e do gaz, todas as alterações na Saúde e a subida do IVA, para não ir mais longe, temos a noção da miséria em que vive este milhão e meio de portugueses... 
E ainda pretendem fazer-nos crer,   que os portugueses viviam acima das suas possibilidades?..

Que raio: até na Gala já estamos a voltar ao antigamente?..


Leio no Diário de Cimbra de hoje, que “um homem de 45 anos, residente na zona da Gala, freguesia de S. Pedro, foi detido na madrugada de sábado, por «resistência e coacção sobre agentes de autoridade».
A PSP terá sido chamada ao local por vizinhos que denunciavam violência doméstica e quando os agentes chegaram, aperceberam-se de «gritos de aflição e ruído de móveis a serem arrastados», suspeitando de desavenças familiares.” 
Que raio: até na Gala já estamos a voltar ao antigamente, ao tempo em que a minha Aldeia só aparecia na primeira página dos jornais, por más notícias?...
Há quanto tempo, nem o presidente da junta  é notícia de jornal?..
Aqui por S. Pedro, a nossa realidade é muito irónica…

Da Feira Mediaval de Buarcos ao Festival Pirata?..

"Como se prova, com imaginação e vontade, mesmo em tempo de crise é possível fazer coisas. Parabéns à Junta De Freguesia Buarcos."
Miguel Almeida, citado aqui.

“É curioso mas o vereador Almeida – oh, como é triste estragar a harmonia do texto – afirmou, na ultima reunião de Câmara, que “Buarcos poderia dar alguma formação sobre como fazer eventos sem dinheiro”... Mais curioso ainda, nessa mesma reunião do Executivo foi aprovado um apoio logístico à Feira Medieval avaliado em mais de 3 mil euros... Como comentar e classificar a declaração de Almeida, um vereador com mais lata que a armadura de D. Quixote de La Mancha?! O mesmo vereador que garante que Buarcos não precisa de pilim, aprova um apoio superior a 3 mil euros para a Feira Medieval?! Reformulo a afirmação de há pouco, Miguel Almeida tem mais lata que todos os cavaleiros da Távola Redonda juntos!”
Rui Beja, no blogue Rua da Liberdade.

A política, também aqui pela a Figueira, começa a ser um enjoo... Cheira-me que a polémica não vai certamente ficar por aqui…
Em tempo.
Este ano haverá o 2º. Festival Pirata de Buarcos, um evento que teve a 1ª. edição em 22, 23 e 24 de Julho do ano passado?..

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Viagem


 Foto Pedro Agostinho Cruz

Aparelhei o barco da ilusão 
E reforcei a fé de marinheiro. 
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro 
O mar... 
(Só nos é concedida 
Esta vida 
Que temos; 
E é nela que é preciso 
Procurar 
O velho paraíso 
Que perdemos). 
Prestes, larguei a vela 
E disse adeus ao cais, à paz tolhida. 
Desmedida, 
A revolta imensidão 
Transforma dia a dia a embarcação 
Numa errante e alada sepultura... 
Mas corto as ondas sem desanimar. 
Em qualquer aventura, 
O que importa é partir, não é chegar. 

Miguel Torga