segunda-feira, 29 de maio de 2017

A propósito de Joaquim Namorado: senhor regedor da cultura figueirinhas, pior que não ter onde cair morto, é não ter onde ficar em pé vivo...

"Porque é que o espólio de Joaquim Namorado abandonou a Biblioteca Pública da Figueira da Foz? 
Não sendo nem filiado, apoiante ou simpatizante do PURP, não deixo porém, de partilhar aqui, esta publicação sobre a transferência do espólio de Joaquim Namorado para o Museu Do Neo Realismo em Vila Franca de Xira.
Quais eram as condições necessárias para o espólio deste autarca figueirense se manter na Figueira, e porque é que a edilidade o deixou abandonar o nosso concelho?"

Via Manuel Mesquita, que partilhou a publicação do O PURP - Partido Unido dos Reformados e Pensionistas, na Figueira da Foz.
Nesta fotografia, de 29 de janeiro de 1983, da esquerda para direita, estou eu, o Dr. Joaquim Namorado,  o Pedro Biscaia, o Alexandre Campos e a minha filha Joana.

Para que a memória não seja curta e tudo não acabe por ficar só para o boneco, recordo uma "outra homenagem".
Em 1983 Joaquim Namorado foi homenageado na Figueira, por iniciativa do jornal Barca Nova. Entre as diversas iniciativas, recordo duas promovidas pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, aprovadas por unanimidade: a criação do Prémio Literário Joaquim Namorado (liquidado por Santana Lopes, na sua passagem pela presidência da nossa câmara) e a integração na toponímia figueirense do nome do Poeta (chegou a ser aprovada a atribuição do seu nome a uma praceta, mas hoje o nome que lá está é outro - o de Madalena Perdigão).
Muitos anos depois, no passado dia 30 de junho de 2014, na Biblioteca Municipal da Figueira da Foz, na inauguração de uma mostra bibliográfica comemorativa do centenário de nascimento de poeta, escritor e professor Joaquim Namorado, o vereador da Cultura, dr. António Tavares, verificando a injustiça (mais uma...) que estava a ser cometida, prometeu vir a dar finalmente o nome de Joaquim Namorado à toponímia figueirense - o que até hoje não se concretizou.
A Biblioteca Municipal da Figueira da Foz, acabou por perder o espólio de Joaquim Namorado - os familiares do poeta fartaram-se de ver o nome e o legado deste continuamente enxovalhados pela câmara municipal de uma cidade que ele escolheu para viver e morrer e a quem deu tudo.
A cultura na Figueira merecia mais; muito mais. Não devia esgotar-se nas opções ideológicas do seu regedor actual. Leia-se António Tavares.
Perdeu-se essa oportunidade em junho de 2014.
Fica o registo e os votos de que Joaquim Namorado, em breve, venha a ter os seu nome na toponímia figueirense.
Senhor vereador da cultura, dr. Tavares: esta história da integração do nome de Joaquim Namorado na toponímia figueirense não é tão antiga como a Sé de Braga, mas já vem do tempo em que as coisas em Portugal ainda custavam em escudos!..

2 comentários:

O Ti Toino de Cascais disse...

Gosto do seu texto e gostei tanto que tomei a liberdade de o usar numa petição que lancei .
Estou certo que o gostamos do JOAQUIM é mais forte e desculpará o meu abuso.
Abraço
atento e Obg.
José

Antonio Agostinho disse...

Eu é que agradeço a deferência. Joaquim Namorado, enquanto eu for vivo, nunca morrerá. A minha vida se não o tivesse conhecido, não teria sido a mesma coisa. Ensinou-me muito. Penso que consegui aprender alguma coisa. Retribuo o abraço