sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Haja misericórdia (II)

"Em 2001 tive de escolher entre continuar na Câmara da Figueira da Foz e ser candidato a um segundo mandato ou aceitar o convite/solicitação de Durão Barroso, então presidente do PSD, para ser candidato a presidente da Câmara Municipal de Lisboa. As sondagens davam-me, na altura, mais de 70 por cento dos votos se me recandidatasse na Figueira e os estudos de opinião sobre Lisboa apontavam para uma derrota com vitória de João Soares

Aconteceu-me algo de parecido agora, com o convite que me foi feito pelo meu partido – e que já foi confirmado pelos seus responsáveis – para me candidatar de novo à Câmara Municipal de Lisboa. Desta vez, fiz uma opção diferente e optei por continuar onde estou. Seria para mim praticamente impossível dizer na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa que a trocava pela Câmara Municipal da mesma cidade. As responsabilidades que tenho na minha vida pessoal, familiar e profissional privada também não facilitavam uma resposta afirmativa. Mas foi a ligação ao trabalho que está a ser desenvolvido na Misericórdia que mais pesou na conclusão a que cheguei. Considero um privilégio poder continuar a servir os que mais precisam nesta instituição com uma tão relevante história. Hão de compreender que não me é indiferente ser de novo convidado, quinze anos depois da primeira vez, para concorrer a presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Depois de ter vencido em 2001, recusaram-me a possibilidade de uma candidatura em 2005. Convidaram-me em 2009 e aceitei. Puseram- -me a questão em 2013 – a concelhia –, eu disse que não, e agora foi o que é público. Já noutras ocasiões lembrei que a vida é feita de escolhas e privilegiado é quem pode decidir entre dois caminhos fantásticos. Sou grato a quem me convidou, mas esta é a decisão que me faz ficar bem com a minha consciência."
Pedro Santana Lopes, via CM

Nota de rodapé.
Pois...
Doutor Santana Lopes: continue então o trabalho, preocupe-se mais com a sua consciência do que com sua reputação. 
Porque a sua consciência é o que você é.
A sua reputação é o que os outros pensam de você. 
E o que os outros pensam, é problema deles.
Oscar Wilde dizia que "consciência e cobardia são realmente a mesma coisa. Consciência é o nome comercial da firma - eis tudo!"

3 comentários:

Anónimo disse...

Reputação? Quantos políticos v conhece com a honestidade do dr Santana?

Antonio Agostinho disse...

Reputação, para mim, é o conceito em que a opinião pública tem uma determinada personagem.
Pode ser favorável ou desfavorável.
Portanto, a meu ver a pergunta que me colocou, tem de ser endereçada a quem de direito...
E, na próxima vez, identifique-se. Pois, a meu ver, fazer insinuações anónimas sobre uma figura da política nacional não é coisa que aceite neste espaço.
Se publiquei esta baixeza da sua parte, foi só para poder esclarecer que na postagem não está minimamente abordada a honestidade de Santana Lopes.
Estamos entendidos?

Rui Monteiro disse...

Lamentável a atitude do PSD.
Quem é que ainda não percebeu que Santana quer ser candidato a PR?