sábado, 18 de fevereiro de 2012

Ainda a passagem do doutor Mário Soares pela Figueira....

Imagem sacada daqui
Como referimos em anterior post, Mário Soares esteve na  Figueira da Foz, onde apresentou um novo livro. 
Na oportunidade, como os media deram conta,  revelou uma conversa com José Sócrates, então primeiro-ministro de Portugal, onde o convenceu a pedir ajuda internacional.
Segundo Soares, Sócrates não queria de forma nenhuma fazer o pedido de intervenção e (depreende-se) que somente depois de “fortemente pressionado” acedeu fazê-lo. Refere também,  para justificar  a sua posição, a opinião concordante com a sua,  do então Ministro das Finanças, Teixeira dos Santos. 
Com esta confidência Soares não adiantou rigorosamente nada acerca do que  penso da sua intervenção política depois do 25 de Abril. 
Ou seja, Soares é um homem de direita, que concorda com esta miséria de governação a que se chama “democracia representativa”, e que sempre esteve disponível  a todo o tipo de acordos com os sectores mais reaccionários da sociedade portuguesa, inclusive com a extrema-direita. Com a esquerda é que nunca. 
Portanto, Mário Soares ao incentivar  a intervenção externa, ansiada pela direita  para se desfazer  das conquistas de Abril, esteve igual a si próprio
Qualquer pessoa, até eu que não percebo nada de política, adivinhava  o que necessariamente se passaria se essa intervenção ocorresse.
O resultado está aí... 

2 comentários:

joão l.henrique disse...

Se me dás licença, assino por baixo.

Um abraço.

Rogério Neves disse...

Que se pode esperar de um individuo que era amigo pessoal de Carlluci (CIA)um dos maiores bandidos do século.