sábado, 10 de setembro de 2011

Erosão costeira: um problema de ontem, de hoje e de amanhã..

Neste momento, como alertamos já por diversas vezes neste Outra Margem, está em curso uma catástrofe ambiental de erosão do litoral, que vai atingir proporções dramáticas ao longo dos próximos meses e dos próximos anos, a partir deste Inverno de 2011-2012, nas praias da Zona Centro de Portugal: sul de Aveiro (Costa Nova, Vagueira, Areão e Mira) e sobretudo ao sul da Figueira da Foz (Cova-Gala, Costa de Lavos, Leirosa, Pedrógão, Vieira de Leiria…).
Dado o interesse do assunto, publicamos um trabalho, que saiu no Jornal de Leiria em 11 do passado mês de Agosto, com declarações importantantíssimas de Alfredo Pinheiro Marques (Centro de Estudos do Mar - CEMAR).
As previsões quanto às consequências do prolongamento do molhe da Figueira da Foz estão-se a concretizar de forma assustadora. O areal das praias da região está a desaparecer e o mar está cada vez mais próximo das casas, sendo previsível que, se nada for feito, dentro de poucos anos invada as povoações.
As previsões de ambientalistas e especialistas em assuntos do mar quanto às consequências do prolongamento do molhe na Figueira da Foz, de que o Jornal de Leiria foi dando conta em momentos oportunos, estão-se a concretizar de forma assustadora.
Toda a costa a sul da Figueira da Foz está de alguma forma a sofrer a erosão provocada pelo mar, agravada pela ausência de reposição de areias que ficam retidas no molhe da Figueira da Foz. Nas praias dos concelhos de Leiria e Marinha Grande – Pedrogão, Vieira e S. Pedro de Moel – os veraneantes foram surpreendidos com areais substancialmente mais curtos e inclinados e, no caso de S. Pedro, com a areia substituída por pedras.
Alfredo Pinheiro Marques, director do Centro de Estudos do Mar - CEMAR, é peremptório ao afirmar que houve falta de sensatez pois “esse problema já se percebia no século passado, em exemplos como os do Furadouro ou de Espinho, que até o cineasta Paulo Rocha mostrou em 1966 no seu filme Mudar de Vida, pelo que se deveria, pelo menos, não ter feito mais erros”. “Quando por razões económicas, turísticas ou de especulação imobiliária, se constroem os molhes e esporões, criam-se verdadeiros aterros a Norte e fica-se sem areia a Sul, podendo o mar entrar pela terra a dentro, colocando em risco as habitações”, refere aquele especialista. “A construção de molhes ou pequenos esporões tem um preço, que é caríssimo” refere Pinheiro Marques, afirmando ainda que “aumentando o problema para o dobro [molhe na Figueira da Foz] aumentou-se também os seus efeitos para o dobro”, prevendo que os próximos seis/sete anos poderão trazer consequências piores, que qualquer técnico deveria ter percebido. “O mar vai chegar dentro das povoações”, afirma.
Também Nuno Carvalho, presidente da Oikos, refere que diversos estudos já aconselhavam a que não se prolongasse o molhe da Figueira. A obra inaugurada em Fevereiro, que duplicou a sua extensão com os novos 400 metros construídos, é segundo o responsável da Oikos, o exemplo de como “as questões de interesse económico imediato” se vão sobrepondo a decisões mais racionais e de interesse público. “A médio/longo prazo os prejuízos serão maiores que os proveitos”, considera Nuno Carvalho que afirma ainda que “não se tem acautelado o litoral” e que se nada for feito, o mar poderá entrar nas povoações”.
Para Nuno Carvalho, a solução mais imediata poderá passar pela tentação de construir mais esporões a Sul para atenuar os impactos do molhe da Figueira da Foz, solução que, na sua opinião, iria aumentar ainda mais a pressão sobre o litoral. O ideal, refere, seria recuar o molhe da Figueira, solução que na sua opinião é inevitável pois, se isso não acontecer, “terão que se recuar as povoações a Sul. “Se não recuarmos de livre vontade o mar a isso obrigará”.
Sobre a decisão de avançar com a obra sabendo-se dos problemas que poderia criar, Nuno Carvalho refere as pressões económicas para melhorar a navegabilidade do porto e que “em alturas de crise a economia com efeitos imediatos sobrepõe-se sempre a decisões mais racionais”. Já Pinheiro Marques não entende como foi possível avançar para uma obra daquelas sabendo-se dos impactos que iria ter, quer ambientais quer ao nível do turismo, pois se as praias a sul estão a ficar sem areia, as da Figueira da Foz já têm o mar a mais de 500 metros da povoação, o que também afasta os turistas. O responsável pelo Centro de Estudos do Mar deixa ainda o alerta de que “é perigoso aumentar a presença humana ao nível do mar”, devido aos fenómenos naturais como maremotos, nomeadamente nos litorais baixos como é o caso de toda a extensão entre o Douro e a Nazaré. “Os litorais baixos não deveriam ser utilizáveis para habitação, a não ser nos casos em que, historicamente, como nas comunidades dos pescadores da "Arte" do arrasto para terra, já aí existiam desde há muito comunidades humanas antigas e de primeira e única habitação, que merecem por isso ser respeitadas e defendidas com dinheiro público (mas que, mesmo assim, vai ser muito difícil defender no futuro…!). Quanto a novas urbanizações, construídas agora nos últimos anos, e para fins de especulação imobiliária, elas são um crime ambiental. Os Portugueses deveriam compreender que, nisto, como em tudo, têm que Mudar de Vida…”

3 comentários:

Guimaraes disse...

Houve um senhor da Gala, de apelido Pata, que se fartou de avisar há bastantes anos nos jornais da Figueira. Foi considerado "velho do Restelo"...

Zéfoz disse...

Um problema muito sério que merece a reflexão das entidades competentes.
Creio que os interesses económicos (com alguma lógica)foram determinantes para o prolongamento do molhe Norte. Mas,como a natureza é alheia a tais conceitos, no futuro, os custos podem ser maiores que os proveitos, como já foi referido, e as populações vão ser as maiores vítimas.

António Agostinho disse...

É mesmo um problema muito sério.
Como acima afirma - e bem - o eng. Guimarães, o covagalense Manuel Luís Pata andou a alertar durante décadas na imprensa regional para o problema...
Andou a pregar no deserto, como ele próprio me disse tantas vezes...
Nós aqui no Outra Margem temos feito o que podemos...
Mas, parece que está tudo cego e alienado com operacionalidade do porto...
Já coloquei esta pergunta publicamente diversas vezes e a resposta foi sempre o silêncio. Cá vai mais uma vez: será que alguém sabe, porque estudou, as REPERCUSSÕES QUE MAIS 400 METROS NO MOLHE NORTE terão na zona costeira na margem a sul do Mondego?