quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Ruptura e mudança

foto Pedro CruzNeste post, publicado pelo O Ambiente na Figueira da Foz, é colocada uma questão que ajuda a compreender os problema passados, presentes e futuros do nosso concelho:“seria possível que a Câmara via FGT - apoio de 150.000 euros (165.000 em 2009) - deixasse de apoiar o Carnaval ? Talvez fosse possível e desejável, mas não seria fácil nem ajuizado. Há algum responsável político da CDU ao Mov.100% que afirme taxativamente "connosco não haverá mais Carnaval" ? Não há , pois não?”
Perdoe-me o meu Amigo João Vaz, mas a sua pergunta, a meu ver, um tanto ou quanto embrulhada, é de fácil resposta. Aliás, ele próprio a dá, logo a seguir: “o modelo de financiamento ao Carnaval deve ser repensado. Na minha opinião deveria ser criada uma Comissão (estilo Queima das Fitas) capaz de gerir e investir no processo, tornando-o sustentável do ponto de vista financeiro. A Câmara (leia-se FGT) não pode continuar a apoiar eventos desta e doutra natureza. O contribuinte não pode ser sacrificado com despesas em investimentos não essenciais à nossa qualidade de vida.”

Nem mais. O Carnaval, de Buarcos ou da Figueira, nos moldes em que é organizado, constitui um mero espectáculo, portanto, não deve, nem pode, continuar a ser pago com o dinheiro dos contribuintes. Ponto final. Se os responsáveis políticos, da esquerda à direita, não têm essa perspectiva, problema deles. Eu, como cidadão contribuinte, penso assim há muitos anos.
Mais: do meu ponto de vista, no actual e delicado momento social, politico e financeiro, que a Figueira atravessa, os actuais responsáveis políticos camarários têm a responsabilidade de romper com o passado e fazer diferente.
Fossilizar nos projectos antigos e seguir a mesma conduta politica e de gestão, é o pior serviço que podem prestar à cidade e ao concelho.
Este presidente e esta vereação foram eleitos para realizar a mudança.
Portanto, para mudar é necessário realizar a ruptura com o sistema político herdado do anterior executivo, criando novos processos de funcionamento e novas alternativas de gestão.
É evidente, que isso iria contrariar a lógica intrínseca dos aparelhos partidários clássicos e do modelo de gestão camarária dominante nos últimos 30 anos, modelo esse, aliás, que nos conduziu ao aflitivo e embaraçoso momento presente.
Mas não é isso que tem mesmo de ser feito?
A hierarquia interna dos aparelhos políticos tradicionais, os sistemas de delegação de poder, os projectos e o modo de fazer política e o quadro da luta institucional, não têm de ser colocados em causa?
Aliás, dada a gravidade da situação actual, qualquer dia, se não forem tomadas medidas, não será mesmo o próprio sistema político actual a estar em causa?

Atravessamos momentos conturbados e difíceis na Figueira.
Eu, por mim, sei o que não quero. Portanto, resta inventar, o futuro, esse desconhecido.
Era isso -
que fosse diferente do anterior - que esperava deste executivo municipal… A saber: que tivesse projectos políticos inovadores, criativos, acções que visassem maior justiça social e propostas objectivas para um desenvolvimento ecologicamente sustentável do concelho.
Lamento escrevê-lo, mas, do meu ponto de vista, não é isso que está a acontecer...

2 comentários:

João Miguel Vaz disse...

Caro Agostinho,

"Roma e Pavia" não se fizeram num dia. É impossível mudar toda a estrutura do Carnaval em 4 meses de funções.
Há que ter alguma paciência.

Abraço,
João Vaz

Silva Cascão disse...

Em boa verdade, é talvez no Brasil que se vê o mais espectacular Carnaval do mundo. Segundo dizem, as tradicionais Escolas de Samba que participam têm um dia de descanso : a 4ªfeira de "cinzas"...
Sugiro que se dê à Câmara o mesmo descanso e que se lhe peça o início do estudo de outra forma de financiamento do Carnaval de 2011 já a partir de 5ªfeira, dia 18 próximo.
Assim, já o João M. Vaz não poderá usar o argumento que (a meu ver acertadamente) usou agora.
Não concordam?
J. Cascão