sábado, 26 de dezembro de 2009

O mau tempo e o jornalismo que se faz por aí...

foto Pedro Cruz
Hoje, confirmaram-se as previsões do Instituto de Meteorologia de agravamento do estado do tempo e aí temos a chuva, o vento e o frio, nesta noite do Dia de Natal.
Em princípio, tal como escreveu, um dia destes, Carlos Narciso no seu blogue Escrita em Dia, pode aceitar-se que “ninguém é culpado se o vento sopra com demasiada força, se cai chuva a mais, se a temperatura desce mais do que o habitual. Mas alguém há-de ser culpado por se construírem estruturas débeis e em locais inapropriados, por não se mandarem limpar valas e leitos de cheia, por não haver planos que antecipem soluções para os danos previsíveis em caso de catástrofe. A incompetência pode ser criminosa e está, de resto, plasmada legalmente. Chama-se negligência dolosa.”
E são estas questões que o Carlos Narciso – e eu também - "gostava de ver tratadas nas reportagens sobre o mau tempo de hoje e ontem. Mas não, os jornalistas, hoje, preferem virar-se para a vítima e perguntar banalidades tipo "mas quando se apercebeu, o que é que ouviu?"... Ficamos a saber que a estufa do senhor tal ficou danificada, que a vivenda da dona tal ficou alagada, que a velhota do fundo da rua apanhou um grande susto, que não há luz em Torres Vedras, que ali ficou uma estrada cortada… mas nada sabemos quanto à eficácia e à eficiência dos serviços públicos ou privados que nos devem proteger e ajudar a ultrapassar este tipo de dificuldades. É pena e é mau jornalismo, mesmo se as imagens reais são interessantes. .”
Enquanto este mau jornalismo vai percorrendo o seu caminho, Jornalistas como o Carlos Narciso continuam com “saudades das redacções”.
Estranho país este!..

1 comentário:

João Miguel Vaz disse...

Ontem discutimos a falta de qualidade do jornalismo televisivo, no decorrer de mais um telejornal da RTP1, dirigido por José Rodrigues dos Santos (há mais de 15 anos na RTP...). A falta de qualidade das reportagens é evidente e só não vê quem não quer, só não sente quem já não consegue sentir quase nada. Os jornalistas fazem as mesmíssimas perguntas de sempre "como se sente ? o que viu ?". Trata-se da vitória do mau jornalismo: populista, superficial e irrelevante.